Mohammed al-Ajami

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Mohammed al-Ajami, também conhecido como "Mohammed Ibn al-Dheeb", (Árabeمحمد بن الذيب العجمي‎‎) (Catar, 24 de dezembro de 1975) é um poeta catariano que foi preso entre 2011 e 2016 por acusações envolvendo a segurança do Estado.[1] Antes de sua prisão, ele era estudante de literatura na Universidade do Cairo.[2] Em 29 de novembro de 2012, ele foi condenado à prisão perpétua,[3][4] uma sentença comutada em março de 2016 por indulto real.[5]

Prisão e detenção[editar | editar código-fonte]

Al-Ajami foi convocado para se reunir com oficiais de segurança do estado em 16 de novembro de 2011 em Doha e foi preso quando chegou à reunião. Ele foiacusado de insultar o Emir Hamad Bin Khalifa Al-Thani e "incitar a derrubada do sistema dominante".[6] De acordo com a lei qatariana, a última acusação é punível com a morte.[1] Desde 29 de outubro de 2012, o julgamento de al-Ajami foi adiado cinco vezes;[1][7] ele também passou cinco meses em prisão solitária.[4]

Em 29 de novembro de 2012, o advogado de Al-Ajami, Najeeb Al Nuaimi, informou que Al-Ajami havia sido condenado à prisão perpétua em um julgamento secreto.[3] O tribunal ouviu testemunho de três especialistas em poesia empregados pelos ministérios da educação e da cultura, que declararam que o poema de al-Ajami havia insultado o emir e seu filho. Ao confessar a autoria do poema, al-Ajami afirmou que ele não tinha a intenção de ser insultante, chamando o emir de "um bom homem".[4] A Associated Press descreveu a sentença de al-Ajami como "o último golpe de uma crescente tentativa de dissidência perceptível em todos os estados árabes do Golfo".[3] Al-Nuaimi também acusou as autoridades de irregularidades processuais, incluindo falsificações de provas, alegações que o procurador-geral Ali Bin Fetais Al-Marri negou.[4]

A base precisa para as acusações não era conhecida publicamente. A Anistia Internacional informou em outubro de 2012 que as acusações pareciam estar relacionadas a um poema de 2010 em que Al-Ajami criticou o emir.[6] Outros ativistas acreditavam que as acusações resultariam de seu poema "Jasmim tunisino", que afirmou que "somos toda a Tunísia diante dos repressivos", referindo-se à revolução tunisina que começou a primavera árabe em toda a região.[8] A BBC News informou que al-Ajami havia lido um poema criticando os governantes árabes antes de uma audiência privada em sua casa, que um membro da audiência então postou on-line.[4]

Em fevereiro de 2013, foi relatado que a sentença de prisão perpétua de Al-Ajami foi reduzida para quinze anos. Os advogados de defesa que procuram o seu lançamento imediato disseram que estavam planej

ando um apelo à Suprema Corte do Catar.[9]

Liberação da prisão[editar | editar código-fonte]

Al-Ajami foi libertado da prisão em março de 2016 depois que um perdão real comutou sua sentença.[5]

Resposta internacional[editar | editar código-fonte]

A Anistia Internacional pediu ao governo do Catar que liberte al-Ajami se ele estivesse preso pelo conteúdo de seus poemas, afirmando que nesse caso ele seria um preso de consciência.[6] A Human Rights Watch afirmou que não havia evidências de "que ele ultrapassasse o exercício legítimo de seu direito à liberdade de expressão", e chamou o julgamento de um exemplo do "duplo padrão da liberdade de expressão do Catar".[10] EveryOne Group, 100 Mil Poetas para a Mudança, Split This Rock, PEN American Center, PEN Center Germany, Code Pink e Rootsaction.org estão envolvidos em ações civis para pedir às autoridades do Catar que avaliem o julgamento e libertem Mohammed al-Ajami.

Referências

  1. a b c «Calls for release of Qatari poet». BBC News (em inglês). 30 de outubro de 2012 
  2. «Qatari poet jailed for life for 'insulting' Emir with his poem». RT International (em inglês) 
  3. a b c «Qatari poet appeals over life prison sentence». www.webcitation.org (em inglês). Consultado em 10 de novembro de 2017 
  4. a b c d e Miles, Hugh (29 de novembro de 2012). «Qatar poet receives life sentence». BBC News (em inglês) 
  5. a b CNN, Tim Hume and Schams Elwazer,. «Qatari poet accused of insulting emir freed». CNN 
  6. a b c 07e88416a015/mde220022012en.html «Document - Qatari poet on trial: Mohammed al-Ajami» Verifique valor |url= (ajuda). Consultado em 10 de novembro de 2017 
  7. Greenslade, Roy (30 de outubro de 2012). «Qatari sheikh must not approve media law, says human rights group». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  8. «Qatar poet faces secret trial for 'insult': watchdogs». Agence France-Presse. 30 de outubro de 2012 
  9. «Headlines for February 26, 2013». Democracy Now! 
  10. «Qatar: Revise Draft Media Law to Allow Criticism of Rulers». Human Rights Watch (em inglês). 30 de outubro de 2012