Bengalis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bengalis
বাঙ্গালী
População total

c. 285 milhões

Map of the Bangladeshi Diaspora in the World.svg
Regiões com população significativa
 Bangladexe 166,840,302[1][2]
 Índia 107,228,917[3][4]
 Arábia Saudita 2,500,000[5][6]
 Paquistão 2,000,000 [7]
 Emirados Árabes Unidos 1,089,917[8]
 Malásia 1,000,000[9][10]
 Omã 680,242[11]
 Reino Unido 451,529[12]
 Catar 400,000[13]
 Couaite 350,000[14]
 África do Sul 300,000[15][16]
 Estados Unidos 213,372[17][18][a]
 Barém 200,000[19][20]
 Líbano 160,000[21]
 Singapura 150,000[22][23]
 Jordânia 150,000[24]
 Itália 147,872[25][26]
 Canadá 100,000[27][28][29]
 Austrália 54,566[30]
 Espanha 30,000[31]
Línguas
Língua bengali e seus dialetos
Língua árabe (religioso)
Religiões
Star and Crescent.svg Maioria muçulmana

Os bengalis (em bengali: বাঙ্গালী), ou bengalas, ou bengaleses,[32] são um dos Grupo étnicos indo-arianos, nativos e culturalmente afiliados a Bengala na Ásia Meridional. A população nativa é dividida entre o país independente de Bangladexe,[33] e os estados indianos de Bengala Ocidental, Tripurá e partes de Assão. A maioria deles fala bengali, uma língua da família indo-iraniana. Mais de dois terços dos bengalis são seguidores do Islão.[34]

Eles são o terceiro maior grupo étnico do mundo, depois dos chineses han e árabes.[35] Portanto, eles são o maior grupo étnico dentro dos indo-europeus. Como todos os principais grupos culturais da história, os bengalis influenciaram e contribuíram muito para vários campos, notadamente as artes, arquitetura, linguagem, folclore, literatura, política, ciência e tecnologia.

Nome e origem[editar | editar código-fonte]

A palavra "bengali" é geralmente usada para se referir a alguém cujas origens linguísticas, culturais ou ancestrais são de Bengala. Seu etnônimo, "Bangali", junto com o nome nativo da língua e a região, "Bangla", são ambos derivados de Bangālah, que era como os persas chamavam a região. Antes da expansão muçulmana, não havia território unitário com o nome de Bengala, porque a região estava dividida em inúmeras divisões geopolíticas. Os mais proeminentes foram Bongo no sul, Rárh no oeste, Pundrobordhon e Boréndro no norte e Xomotot e Horikel no leste. Nos tempos antigos, o povo desta região se identificava de acordo com essas divisões.

A terra de Bongo é considerada pelos primeiros historiadores como originária de um homem que se estabeleceu na área, embora muitas vezes seja descartada como lenda. Eles sugeriram que a área foi colonizada pela primeira vez por Bang, um filho de Hind que era filho de Cam, que era filho de Noé.[36][37][38] O historiador do século 16 Abu'l-Fazl ibn Mubarak menciona em seu livro Ain-i-Akbari que a adição do sufixo "-al" veio do fato de que os antigos rajás da terra levantaram montes de terra de 10 pés de altura e 20 pés ampla nas planícies ao sopé. Esses montes foram chamados de "al".[39]

Em 1352, um nobre muçulmano chamado Xameçadim Elias Xá uniu a região em uma única entidade política conhecida como Sultanato de Bengala. Ele se proclamou como Xá-i-Bangālīyān,[40] foi nesse período que a língua bengali também ganhou patrocínio estatal e corroborou o desenvolvimento literário.[41][42] Assim, Elias Xá formalizou efetivamente a identidade sociolinguística dos habitantes da região como bengalis, por status, cultura e idioma.[43]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Pré-história e história antiga[editar | editar código-fonte]

Representação de Gandáridas em um mapa do polímata Cláudio Ptolemeu.

Arqueólogos descobrem restos de uma civilização calcolítica de 4.000 anos na região de Bengala e acreditam que os achados sejam um dos primeiros sinais de assentamento na região.[44] No entanto, evidências de habitação humana paleolítica muito anterior foram encontradas na forma de um instrumento de pedra e machado de mão nos distritos de Rangamati e Feni. Os artefatos sugerem que a civilização Wari-Botexor, que floresceu na atual Norxingdi, remonta a 2000 aC. Não muito longe dos rios, acreditava-se que a cidade portuária estava envolvida no comércio exterior com a Roma Antiga, o Sudeste Asiático e outras regiões. As pessoas dessa civilização vivia em casas de tijolos, andava por estradas largas, usavam moedas de prata e armas de ferro, entre muitas outras coisas. Acredita-se que seja a cidade mais antiga de Bengala e da parte oriental do subcontinente como um todo.[45]

Uma das primeiras referências estrangeiras a Bengala é a menção de uma terra governada pelo rei Xandrames chamada Gandáridas pelos gregos por volta de 100 aC. Diodoro Sículo declarou que nenhum inimigo estrangeiro havia conquistado os Gandáridas, devido à sua forte força de elefantes. Ele também disse que Alexandre, o Grande, avançou para o Rio Ganges depois de subjugar os indianos, mas decidiu recuar quando ouviu falar dos 4.000 elefantes dos Gandáridas.[46]

Idade Média[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que Gazi Pir tenha vivido nos Sundarbans em algum momento entre os séculos 11 e 12.

De acordo com a Encyclopædia Britannica, os árabes, turcos e persas começaram a entrar em Bengala no século VIII. Eventualmente, todos esses grupos se fundiram para se tornar o povo agora conhecido como Bengalis.[47] Durante este tempo, Bengala foi governada pelo nativo Império Pala, que costumava negociar com o Califado Abássida. O Islão surgiu como resultado desse aumento do comércio entre Bengala e os árabes do Oriente Médio. Almaçudi, um geógrafo árabe, visitou o Império Pala onde notou uma comunidade muçulmana de habitantes.[48]

Além do comércio, o Islão foi introduzido com a migração de teólogos. No século 11, Surkhul Antia e seus alunos, principalmente Xá Sultan Rumi, se estabeleceram em Netrokona, onde influenciaram o governante local e a população a abraçar o Islão. O tolerante Império Pala foi posteriormente invadido pelos Senas, que eram hindus do Índia do Sul. Os Senas tiveram pouco apoio da população local e foram facilmente derrotados pelas forças de Bakhtiyar Khalji, um general turco muçulmano. Consequentemente, Bengala foi governada por dinastias muçulmanas pelos próximos séculos. Isso levou a um influxo ainda maior de muçulmanos. Pregadores como Sultan Balkhi e Xá Makhdum Rupox se estabeleceram na atual Divisão Rajxahi em Bengala do Norte. Uma comunidade de 13 famílias muçulmanas chefiadas por Burhanadim também existia em Sylhet, cidade do nordeste governada por hindus. Em 1303, centenas de pregadores sufis liderados por Xá Jalal ajudaram os governantes muçulmanos em Bengala a conquistar Silhet, tornando a cidade sede de Jalal para atividades religiosas. Após a conquista, Jalal espalhou seus seguidores por diferentes partes de Bengala para difundir o Islão, e ele se tornou um nome familiar entre os bengalis.[49]

Uma pintura portuguesa de "Bengualas" do século XV.

O estabelecimento de um único Sultanato de Bengala unido em 1352 por Xameçadim Elias Xá finalmente deu origem a uma identidade sociolinguística "Bengali". Otomão Sirajadim, também conhecido como Akhi Siraj Bengali, era natural de Gaur na Bengala do Norte e tornou-se o erudito da corte do Sultanato durante o reinado de Elias Xá.[50][51] A nação sunita também permitiu que a língua nativa ganhasse patrocínio e apoio, ao contrário dos impérios anteriores. Jalaladim Maomé Xá, um sultão muçulmano que nasceu hindu, financiou a construção de instituições islâmicas até Meca e Medina na Arábia.[41][42]

Notas

  1. https://worldpopulationreview.com/countries/bangladesh-population
  2. «South Asia :: Bangladesh». Cia.gov. Central Intelligence Agency. Consultado em 21 Junho 2020 
  3. https://www.censusindia.gov.in/2011census/C-17.html
  4. «Scheduled Languages in descending order of speaker's strength – 2011» (PDF). Registrar General and Census Commissioner of India. 29 Junho 2018 
  5. Kamruzzaman, Muhammad (23 Janeiro 2020). «Over 217 Bangladeshi workers deported from Saudi Arabia». Anadolu Agency. Dhaka 
  6. «Migration Profile - Saudi Arabia» (PDF). Consultado em 30 Dezembro 2019 
  7. «Five million illegal immigrants residing in Pakistan». Express Tribune 
    «Homeless In Karachi». Outlook. Consultado em 2 Março 2010 
  8. «Migration Profile – UAE» (PDF). Consultado em 30 Dezembro 2019 
  9. «Abuse of Bangladeshi Workers: Malaysian rights bodies for probe». 10 Dezembro 2018 
  10. Aina Nasa (27 Julho 2017). «More than 1.7 million foreign workers in Malaysia; majority from Indonesia». New Straits Times. Consultado em 22 Outubro 2017 
  11. «Bangladeshis top expatriate force in Oman». Gulf News. 12 Julho 2018 
  12. «2011 Census: Ethnic group, local authorities in the United Kingdom». Office for National Statistics. 11 de outubro de 2013. Consultado em 28 Fevereiro 2015 
  13. «Population of Qatar by nationality - 2019 report». Priya Dsouza. 15 Agosto 2019 
  14. «Kuwait restricts recruitment of male Bangladeshi workers». Dhaka Tribune. 7 Setembro 2016. Consultado em 7 Setembro 2016 
  15. «Over 400 Bangladeshis murdered in South Africa in 4yrs». Dhaka Tribune. AFP. 1 Outubro 2019 
  16. 체류외국인 국적별 현황, 2013년도 출입국통계연보, South Korea: Ministry of Justice, 2013, p. 290, consultado em 5 Junho 2014 
  17. «Explore Census Data» 
  18. «ASIAN ALONE OR IN ANY COMBINATION BY SELECTED GROUPS: 2015». U.S. Census Bureau. Consultado em 15 Outubro 2015. Arquivado do original em 14 Fevereiro 2020 
  19. «Over 40,000 Bangladeshis may be legalised in Bahrain» 
  20. «Bahrain: Foreign population by country of citizenship». gulfmigration.eu. Consultado em 1 Janeiro 2015 
  21. «Economic crisis in Lebanon: job losses, low pay hit expats». The Daily Star (Bangladesh). 8 Fevereiro 2020 
  22. «Bangladeshis in Singapore». The Straits Times. 15 Fevereiro 2020 
  23. «Bangladeshis in Singapore». High Commission of Bangladesh, Singapore. Cópia arquivada em 3 Novembro 2014 
  24. «Help at hand for Bangladeshi workers in Middle East». Arab News. 11 Abril 2020 
  25. «The Bangladeshi Community in Italy - Annual report on the presence of immigrants - 2013» (PDF). Ministero del Lavoro e delle Politiche Sociali. Consultado em 29 Outubro 2014. Cópia arquivada (PDF) em 2 Abril 2015 
  26. «In pursuit of happiness». Korea Herald. 8 Outubro 2012 
  27. «Bangladeshi». Consultado em 15 Setembro 2016. Arquivado do original em 19 Agosto 2017 
  28. «Study Reveals Causes for High Suicide Rate Among Bangladeshi Youth». 9 Outubro 2020 
  29. «NHS Profile, Canada, 2011, Census Data». Government of Canada, Statistics Canada. 8 de maio de 2013. Consultado em 4 Fevereiro 2015 
  30. «Census shows Indian population and languages have exponentially grown in Australia». SBS Australia. Consultado em 28 de junho de 2017 
  31. Mahmud, Jamil (3 Abril 2020). «Bangladeshis in Spain suffering». The Daily Star 
  32. As três formas são registradas em língua portuguesa pelo dicionário Houaiss.
  33. Dicionário Houaiss, verbete "bengali".
  34. McDermott, Rachel Fell (2005). «Bengali religions». In: Lindsay Jones. Encyclopedia of Religion: 15 Volume Set. 2 2nd ed. Detroit, Mi: MacMillan Reference USA. 826 páginas. ISBN 0-02-865735-7 
  35. aproximadamente 163 milhões em Bangladesh e 100 milhões na Índia (estimativas do The CIA World Factbook 2014); ≈ 3 milhões no Oriente Médio, 2 milhões no Paquistão, 0,4 milhão no Reino Unido.
  36. Ghulam Husain Salim (1902). RIYAZU-S-SALĀTĪN: A History of Bengal. Calcutta: The Asiatic Society. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2014 
  37. Firishta (1768). Dow, Alexander, ed. History of Hindostan. [S.l.: s.n.] pp. 7–9 
  38. Trautmann, Thomas (2005). Aryans and British India. [S.l.]: Yoda Press. p. 53 
  39. Land of Two Rivers, Nitish Sengupta
  40. Ahmed, ABM Shamsuddin (2012). "Iliyas Shah". In Islam, Sirajul; Miah, Sajahan; Khanam, Mahfuza; Ahmed, Sabbir (eds.). Banglapedia: the National Encyclopedia of Bangladesh (Online ed.). Dhaka, Bangladesh: Banglapedia Trust, Asiatic Society of Bangladesh. ISBN 984-32-0576-6. OCLC 52727562. Retrieved 21 August 2021.
  41. a b Eaton, Richard M. (1993). The Rise of Islam and the Bengal Frontier, 1204–1760Registo grátis requerido. [S.l.]: University of California. ISBN 978-0-520-20507-9. Consultado em 13 julho de 2017. What is more significant, a contemporary Chinese traveler reported that although Persian was understood by some in the court, the language in universal use there was Bengali... It also points to the survival, and now the triumph, of local Bengali culture at the highest level of official society. 
  42. a b Rabbani, AKM Golam (7 de novembro de 2017). «Politics and Literary Activities in the Bengali Language during the Independent Sultanate of Bengal». Dhaka University Journal of Linguistics. 1 (1): 151–166. Consultado em 7 de novembro de 2017. Arquivado do original em 11 de outubro de 2017 – via www.banglajol.info 
  43. Murshid, Ghulam (2012). "Bangali Culture". In Islam, Sirajul; Miah, Sajahan; Khanam, Mahfuza; Ahmed, Sabbir (eds.). Banglapedia: the National Encyclopedia of Bangladesh (Online ed.). Dhaka, Bangladesh: Banglapedia Trust, Asiatic Society of Bangladesh. ISBN 984-32-0576-6. OCLC 52727562. Retrieved 21 August 2021.
  44. «4000-year old settlement unearthed in Bangladesh». Xinhua. 12 de março de 2006. Arquivado do original em 10 de maio de 2007 
  45. «বেলাব উপজেলার পটভূমি». Belabo Upozela (em bengalês) 
  46. Diodoro Sículo (1940). The Library of History of Diodorus Siculus. Col: Loeb Classical Library. II. Traduzido por Charles Henry Oldfather. [S.l.]: Harvard University Press. OCLC 875854910 
  47. «Bengali». Enciclopedia Británica (em inglês) 
  48. Al-Masudi, trans. Barbier de Meynard and Pavet de Courteille (1962). «1:155». In: Pellat, Charles. Les Prairies d'or [Murūj al-dhahab] (em francês). Paris: Société asiatique 
  49. Qurashi, Ishfaq (dezembro 2012). «বুরহান উদ্দিন ও নূরউদ্দিন প্রসঙ্গ» [Burhan Uddin and Nooruddin]. শাহজালাল(রঃ) এবং শাহদাউদ কুরায়শী(রঃ) [Shah Jalal and Shah Dawud Qurayshi] (em bengalês). [S.l.: s.n.] 
  50. 'Abd al-Haqq al-Dehlawi. Akhbarul Akhyar. [S.l.: s.n.] 
  51. Hanif, N (2000). Biographical Encyclopaedia of Sufis: South Asia. [S.l.]: Prabhat Kumar Sharma, for Sarup & Sons. p. 35 
  1. Includes Bangladeshi Americans, Americans of Bangladeshi descent and Bengali Indian Americans, Americans of Indian descent whose ancestral origins are in West Bengal, the Barak Valley and Tripura
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Bengalis