Voo Malaysia Airlines 17

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Voo Malaysia Airlines 17
Acidente aéreo
O avião de prefixo 9M-MRD envolvido no incidente, no Aeroporto de Perth em agosto de 2010.
Sumário
Data 17 de julho de 2014 (4 anos)
Causa Ataque por projéteis [1]
Local Ucrânia Grabovo, Oblast de Donetsk, Ucrânia.
Coordenadas 48° 8' 6" N 38° 30' 11" E
Origem Países Baixos Aeroporto de Amsterdam Schiphol (AMS-EHAM)
Destino Malásia Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur (KLIA-WMKK)
Passageiros 283
Tripulantes 15
Mortos 298
Sobreviventes 0
Aeronave
Modelo Boeing 777-200ER
Operador Malaysia Airlines
Prefixo 9M-MRD
Primeiro voo 29 de julho de 1997

Voo Malaysia Airlines 17 (MH17/MAS17) foi a identificação de uma rota aérea de passageiros regular e internacional entre Amsterdão e Kuala Lumpur, operada pela companhia aérea Malaysia Airlines. Em 17 de julho de 2014, um Boeing 777-200ER que realizava esta rota, caiu perto de Grabove, no oblast de Donetsk, no leste da Ucrânia, a 40 km da fronteira com a Rússia, transportando 283 passageiros e 15 tripulantes de vários países.[2] Foi o segundo incidente da companhia aérea em menos de cinco meses, após o desaparecimento do voo MH370 no início de março de 2014.

Às 15h30 UTC a Malaysia Airlines informou que tinha perdido o contato com o voo. Relatos iniciais do governo ucraniano informaram que a aeronave foi abatida a uma altitude de 10 000 m (32 800 ft) por um míssil terra-ar disparado utilizando o sistema de mísseis Buk.

As duas partes envolvidas na rebelião no leste da Ucrânia a princípio negaram responsabilidade pelo incidente, acusando-se mutuamente. Segundo o serviço de inteligência dos Estados Unidos, provavelmente os separatistas pró-Rússia derrubaram o avião; por outro lado, dirigentes russos disseram que as acusações norte-americanas eram precipitadas [3] [4][5] e acusaram a Ucrânia pela tragédia.[6][7]

Este é o maior incidente da Malaysia Airlines, com 283 passageiros e 15 tripulantes vitimados, superando o voo 370, que resultou na morte de 227 passageiros, e que não foi encontrado.[8][9]

Aeronave[editar | editar código-fonte]

A aeronave envolvida neste incidente era um modelo Boeing 777-200ER, matrícula 9M-MRD, número de série 28411. Teve o seu primeiro voo em 17 de julho de 1997 e foi entregue à Malaysia Airlines em 29 de julho de 1997.[10] Este modelo de aeronave é equipado com dois motores Rolls-Royce Trent 892.[11]

Passageiros e tripulação[editar | editar código-fonte]

Pessoas a bordo por nacionalidade [12][13]
Nacionalidade Passageiros Tripulantes Total
Países Baixos Neerlandeses 193 [14] - 193
Malásia Malaios 28 [15] 15 43
Austrália Australianos 27 - 27
Indonésia Indonésios 12 [16] - 12
Reino Unido Britânicos 10 [17] - 10
Bélgica Belgas 4 - 4
Alemanha Alemães 4 - 4
Filipinas Filipinos 3 - 3
Nova Zelândia Neozelandeses 1 - 1
Canadá Canadenses 1 - 1
Total 283 15 298

A Malaysia Airlines confirmou a presença de 283 passageiros e 15 membros da tripulação a bordo do voo MH17.[18] Não houve sobreviventes. As informações iniciais davam conta que havia a bordo cerca de 80 crianças,[19][20][21] informação desmentida posteriormente pela Malaysia Airlines, que confirmou haver três crianças entre os passageiros (duas malaias e uma indonésia).[12] Havia dois passageiros com dupla cidadania: um neerlandês, que tinha também cidadania norte-americana e um britânico, que tinha também cidadania sul-africana.[22]

Entre as vítimas estavam cerca de cem membros da Sociedade Internacional da AIDS (International AIDS Society), que iriam participar de uma conferência em Melbourne na Austrália, incluindo Joep Lange, pesquisador e ex-presidente da instituição.[23][24][25]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Eventos precedentes à queda[editar | editar código-fonte]

  • 3 de março de 2014: As companhias aéreas Korean Air e Asiana Airlines deixam de voar sobre o espaço aéreo ucraniano, por motivo de segurança.[26]
  • 29 de junho 2014: A emissora russa NTV reporta que os separatistas possuem acesso ao Buk após tomar o controle de uma base da Ucrânia de defesa área (base A-1402).[27] Nesse mesmo dia, a República Popular de Donetsk reivindica a posse desse sistema em um tweet deletado.[28]
  • 1° de julho de 2014: Autoridades ucranianas advertem para pilotos não voarem abaixo de 26 000 ft (7 920 m) no lado leste da Ucrânia.[29]
  • 10 de julho de 2014: O veículo de ataque de curto alcance 9K35 Strela-10, cujos mísseis alcançam até 3 500 m (11 500 ft) foi filmado pela mídia russa Lifenews perto de Donetsk.[30] Por outro lado, importantes oficiais ucranianos negaram que os rebeldes possuíam o sistema Buk.[31] O ministro ucraniano de relações exteriores, Pavlo Klimkin, afirmou também que a Ucrânia não tem o sofisticado sistema de mísseis terra-ar na região.[32]
  • 13 de julho de 2014: Sergey Kurginyan declarou que os lançadores do Buk tomados do exército ucraniano seriam consertados em breve por especialistas da Rússia.[33] Anteriormente, em 27 de junho, a Ucrânia tinha reparado um sistema Buk-M1 e divulgado no seu site do Ministério da Defesa da Ucrânia, sendo um equipamento que antes era reparado na Rússia com um componente somente produzido lá, mas dessa vez, foi reparado na Ucrânia.[34] O Ministério da Defesa russo disse que o equipamento militar estava em funcionamento no dia da queda do avião.[35] Posteriormente, o ministro disse possuir imagens aéreas das bases ucranianas de lançamento de mísseis terra-ar que estavam instaladas no sudeste do país.[36]
  • 14 de julho de 2014: Um telefonema não confirmado entre Oleh Bugrov Valeriovyc (chefe do exército e vice-mininstro da defesa da auto-proclamada República Popular de Lugansk e um oficial da Main Intelligence Directorate of the Russian Federation onde este disse "Agora nós temos o (radar guiado de terra-ar) Buk (sistema de mísseis), nós vamos "trazer (aviões) para baixo"."[37]
Um ucraniano An-26, similar ao abatido 14 de julho de 2014
  • 14 de julho de 2014: O avião militar ucraniano An-26 foi abatido enquanto voava a 21 000 ft (6 400 m),[38] sendo confirmado que foi através do Buk.[39] Oficiais dos Estados Unidos disseram mais tarde que havia evidências que sugeriam que o míssil foi disparado dentro de território russo.[40]
  • 14 de julho de 2014: Autoridades ucranianas elevam a altura recomendada para os pilotos trafegarem de 26 000 ft (7 920 m) para 32 000 ft (9 750 m) no lado leste da Ucrânia.[29]
  • 16 de julho de 2014: O avião militar de suporte da Ucrânia Sukhoi Su-25 foi abatido, e oficiais do governo ucraniano acusaram militares da Russia de terem derrubado o avião com um míssil ar-ar disparado por um jato MiG-29 da Russia, enquanto o porta-voz do ministério de defesa russo rejeitou essa acusação considerada absurda.[37][41][42]
  • 17 de julho de 2014: A Rússia fecha mais de uma dúzia de rotas aéreas de diversas altitudes.[43] Um jornalista anônimo da Associated Press disse ter visto um lançador do Buk na Snizhne, uma cidade em Donetsk Oblast, cerca de 16 quilômetros do local do acidente. O repórter também viu sete tanques rebeldes em um posto de gasolina perto da cidade.[44]
  • 17 de julho de 2014: Um telefonema não confirmado entre Sergei Nikolaevich Petrovskiy (oficial da Main Intelligence Directorate of Russian Federation, chefe adjunto da Inteligência) e um militante em que discutiram onde descarregar e colocar o sistema de mísseis Buk.[37]

Acidente[editar | editar código-fonte]

Rota do voo Malaysia Airlines 17

A aeronave partiu do Aeroporto de Amsterdão Schiphol às 12h14 CEST (10h14 UTC).[45] e tinha como destino o Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur. Com uma duração de voo de 11 horas e 45 minutos, o pouso estava previsto para as 06h00 do dia 18 de julho no horário local (22h00 de 17 de julho UTC).

De acordo com a Malaysia Airlines, o plano de voo solicitado para a aeronave previa uma altitude de 35 000 ft (10 700 m) enquanto estivesse sobrevoando o espaço aéreo da Ucrânia, mas ao entrar no espaço aéreo ucraniano, a tripulação foi instruída por um controlador de tráfego aéreo para descer a 33 000 ft (10 100 m).[46]

A Malaysia Airlines emitiu um comunicado, afirmando que havia recebido uma notificação do controle de tráfego aéreo ucraniano ​​que o contato com o voo MH17 tinha sido perdido às 14h15 (GMT)[47] nas coordenadas (47° 51′ 24″ N, 39° 13′ 06″ L[48]), a aproximadamente 50 km da fronteira entre Rússia e Ucrânia.[49]

O avião caiu próximo ao vilarejo Hrabove, ao norte de Torez, uma cidade ao leste da região de Donetsk Oblast, próxima da fronteira com a Rússia. O momento em que o avião caiu foi registrado em uma gravação feita por uma testemunha.[50]

O site Flightradar24 informou que os aviões Boeing 777-200ER (Flight SQ351) da Singapore Airlines e o Boeing 787-8 da Air India (Flight AI113) desviaram suas rotas em cerca de 25 km da rota do avião da Malaysia Airlines após o desaparecimento deste dos radares.[51]

Fotografias do local do acidente mostram peças quebradas e espalhadas da fuselagem e partes do motor, assim como corpos e passaportes.[52][53] Alguns dos destroços caíram perto das casas de Hrabove.[54] Dezenas de corpos caíram nos campos de cultivo e nas casas.[55]

Na noite de 17 de julho, o portal lifenews.ru divulgou o seguinte comunicado: "No dia 17 de julho, próximo ao vilarejo Rassypnoye, na cidade Torez da região Donetsk, um avião de transporte An-26 da Força Área Ucraniana foi derrubado, segundo a milícia. De acordo com eles, o avião foi derrubado em algum lugar próximo às minas "Progress", longe da área residencial. De acordo com uma das milícias, aproximadamente às 17h30 do horário local, um An-26 sobrevoava a cidade quando foi atingido por um foguete. Houve uma explosão e o avião foi derrubado, deixando uma fumaça negra e detritos caindo.".[56] A agência de notícias russa RIA Novosti também reportou que um An-26 foi derrubado pelos militantes próximo a Torez em torno de 16h00 no horário local.[57][58] Análises da fumaça e trajetória realizadas pelo EUA sugeriram que o míssil foi disparado a partir de uma área entre Torez e Snizhne.[40]

Investigação[editar | editar código-fonte]

Separatistas pró-russos teriam alegadamente bloqueado o acesso ao local aos socorristas e à polícia, segundo afirmado pelas autoridades da Ucrânia, e afirmaram ter encontrado a caixa preta da aeronave, e que a iriam entregar às autoridades russas.[59] Não há, no entanto, confirmação desta notícia. Numa comunicação interna entre os separatistas pró-russos, captada pelas autoridades ucranianas e divulgada internacionalmente, estes teriam reconhecido ter derrubado o avião.[60] No entanto, os rebeldes negaram que tenham armamento para derrubar um avião que voe a 10 mil metros de altura dizendo que testemunhas viram um caça ucraniano abatendo o avião,[61] sendo que o derrube do avião surge poucos dias depois da declaração de um dos líderes de milícias pró-russas no leste da Ucrânia, Igor Girkinm (também conhecido por Igor Strelkov) de que abateriam qualquer avião que sobrevoasse a região.[62][63] O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Federação Russa, Andrei Kartapolov, disse que o Su-25 da Força Aérea ucraniana voou a uma distância de três a cinco quilômetros do Boeing. Segundo ele, o Su-25 é capaz de atingir alvos aéreos a uma distância de cinco quilômetros. O Pentágono e Kiev consideraram falsas as informações.[64]

Técnicos em segurança aérea criticaram o Eurocontrol por não ter impedido os voos civis no leste da Ucrânia após a derrubada de dois aviões militares naquela região dias antes.[65]

Em outubro de 2014, a revista alemã Der Spiegel publicou uma matéria citando o Serviço de Inteligência da Alemanha, cujo chefe Gerhard Schindler afirmou a uma comissão parlamentar, que os separatistas pro-Russia haviam derrubado o avião, utilizando um míssil lançado por um sistema Buk, que pertencia ao Exército da Ucrânia.[66]

Em novembro de 2014, um canal de televisão estatal russo divulgou imagens de satélite, posteriormente tidas como falsas, que mostravam um suposto ataque de um avião caça ao MH17. As imagens, de origem desconhecida, poderiam ser tanto de satélites britânicos como norte-americanos, segundo especialistas russos.[67]

Um grupo de jornalistas e especialistas descobriu que as imagens eram falsas. A televisão estatal russa Channel One havia divulgado imagens enviadas anonimamente à União de Engenheiros da Rússia e com diversas "falhas óbvias", por exemplo, a posição errada do logotipo da Malaysia Airlines no avião, cuja imagem foi obtida na internet. O avião de caça que aparecia atacando o MH17 não combinava com Su-25, o tipo de jato que a Rússia alegava ser o autor do ataque. As imagens de fundo não eram de satélite de espionagem, mas imagens antigas do Google Earth, combinadas com outro mapa on line. Uma análise mais minuciosa mostrou ainda que o ponto em que o avião era mostrado sendo alvejado era quase três minutos de voo de distância antes do ponto em que o gravador de voo do MH17 terminou a gravação, tempo durante o qual não houve registro de que o avião estaria sendo atacado.[68] Enquanto isso, a Rússia exigia das autoridades norte-americanas o fornecimento dos seus dados de satélite e do lado ucraniano os dados sobre as conversas dos controladores de tráfego aéreo.[69]

Relatório preliminar[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2014, o relatório preliminar do acidente foi divulgado pelo Conselho de Segurança da Holanda (Dutch Safety Board).[70] A conclusão foi que não houve evidência de qualquer falha técnica ou operacional com a aeronave e tripulação. Considerando os danos encontrados em partes da seção dianteira da aeronave, recuperados dos escombros, uma grande quantidade de objetos com alta energia de impacto atingiu externamente o avião. Os danos resultantes destes impactos provocaram a perda da sua integridade estrutural, causando a queda. O tipo de danos observados não eram consistentes com danos causados por falhas estruturais, dos motores ou dos sistemas da aeronave. O fato de haver muitas partes da estrutura encontradas em uma extensa área, levou à conclusão que o avião se desintegrou ainda no ar.[71]

Em 28 de setembro de 2016, um novo relatório foi divulgado após uma longa investigação, na qual procuradores internacionais chegaram a conclusão que o míssel que abateu o voo MH17 foi do modelo terra-ar 9M38 Buk de origem russa.[72][73] O relatório ainda indica o local exato do lançamento do míssel, que foi disparado do território ucraniano controlado por rebeldes separatistas pro-Rússia, perto de Pervomaisky, 6 quilômetros ao sul de Snizhne.[74] O relatório também mostra que o sistema de mísseis foi transportado da Rússia para a Ucrânia e posteriormente retornou à Rússia, depois do acidente.[75] A investigação consistiu no total de 200 entrevistas à testemunhas, 500000 fotos e vídeo e analisou 150000 telefonemas interceptados.[74]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Terra (9 de setembro de 2014). «Relatório confirma que avião MH17 foi atingido por projéteis». Consultado em 9 de setembro de 2014 
  2. A partir de 25 de julho de 2014, a identificação desta rota passou a ser Malaysia Airlines MH19. Malaysia Airlines aposenta o número do voo MH17 (em inglês)
  3. «Inteligência dos EUA conclui que provavelmente separatistas derrubaram avião». Folha de S.Paulo. 18 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014 
  4. «Ucrânia e separatistas pró-Rússia negam ter abatido avião da Malásia». G1. 17 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014 
  5. Acidente da Malaysia: Rússia contesta acusações dos EUA, acesso em 20 de julho de 2014.
  6. «Putin culpa Governo da Ucrânia pelo queda do avião da Malásia». Tvi24  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. BBC Brasil. «Putin culpa Ucrânia por queda de avião; Kiev diz que foi 'terrorismo'» 
  8. «Avião da Malásia com 295 a bordo cai na Ucrânia, diz agência». G1. 17 de julho de 2014. Consultado em 17 de julho de 2014 
  9. «Malaysia Airlines diz que perdeu contato com voo MH17 que partiu de Amsterdã». Reuters. 17 de julho de 2014. Consultado em 17 de julho de 2014 
  10. «9M-MRD Malaysia Airlines Boeing 777-2H6(ER) - cn 28411 / ln 84» (em inglês). Planespotters. 2014. Consultado em 17 de julho de 2014 
  11. «Rolls-Royce Aerospace - Trent 892». .Flightglobal. Consultado em 17 de julho de 2014 
  12. a b «Saturday, July 19, 07:30 PM GMT +0800 Media Statement 7 : MH17 Incident» (em inglês). Malaysia Airlines. 18 de julho de 2014  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  13. «MH17 Passenger manifest» (PDF) (em inglês). Malaysia Airlines  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  14. Incluindo um passageiro com dupla nacionalidade:
    Países Baixos Neerlandesa e Estados Unidos Norte-americana
  15. Incluindo duas crianças
  16. Incluindo uma criança
  17. Incluindo um passageiro com dupla nacionalidade:
    Reino Unido Britânica e África do Sul Sul-africana
  18. «Travel Advisory – Media Statement 1 : MH17 Incident». Malaysia Airlines. Consultado em 17 de julho de 2014 
  19. http://www.theaustralian.com.au/in-depth/mh17/australians-among-298-killed-on-mh17-crash-in-ukraine/story-fno88it0-1226992935095?nk=b1a068e6fc507a50df0eea4dc15c32cf
  20. «Malaysia Airlines flight MH17 crash: 'Six Britons, 23 US citizens and 80 children' feared dead after Boeing passenger jet 'shot down' near Ukraine-Russia border». The Independent. 17 de julho de 2014. Consultado em 17 de julho de 2014 
  21. Walker, Shaun; Branigan, Tania (17 de julho de 2014). «Malaysia Airlines flight MH17 crashes in east Ukraine». The Guardian. Consultado em 17 de julho de 2014 
  22. «Pres. Obama asking what Ukraine rebels are trying to hide after plane crash» (em inglês). Fox13. 21 de julho de 2014  Parâmetro desconhecido |acesso data= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  23. «Prominent AIDS researcher Joep Lange among 298 killed on Malaysian jet» 
  24. «Quase cem vítimas do voo MH17 eram especialistas em VIH/sida» 
  25. «Malaysia Airlines plane MH17 'shot down' in Ukraine - live updates» 
  26. «MH17 crash: Airlines divert flights from eastern Ukraine». www.bbc.com. BBC. Consultado em 19 de julho de 2014 
  27. «Донецкие ополченцы обзавелись зенитно-ракетными комплексами "Бук"» [Donetsk militias acquired anti-aircraft missile systems "Buk"]. NTV News (em Russian). NTV. 17 de julho de 2014. Consultado em 19 de julho de 2014 
  28. Panda, Ankit (17 de julho de 2014). «Malaysian Airlines Flight MH17 Shot Down Over Donetsk, Ukraine». The Diplomat. Consultado em 19 de julho de 2014 
  29. a b Nicas, Jack; Wall, Robert (17 de julho de 2104). «Height of Ukraine no-fly zone faces scrutiny». The Wall Street Journal. Consultado em 19 de julho de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  30. Filmagens da "Lifenews" exibe a posição separatistas em Donetsk; em 00:24-00:28 um veículo Buk é exibido com marcação DNR, Lifenews (10 de julho de 2014). «Ополченцы взяли в кольцо аэропорт в Донецке» 
  31. «Militias do not have Ukrainian Buk missile system — Ukraine general prosecutor». Russia & India Report. 18 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014 
  32. «Malaysia Airlines crash: Putin calls for Ukraine ceasefire». The Guardian. 19 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014 
  33. Falando sobre o "Buk" (em 3:30): "I believe that our talented electronicians have already fixed the Buk launchers taken from Ukrainian Bandera bandits. As far as I know the genius electronicians that flew over as representatives of citizen community in Russia to support brother nation, they are already fixed or will be fixed very soon. And for that reason I do not recommend that Kiev repeats the air bombing tricks they did in Lugansk. That story is over! I also know that they have fixed a Su bomber so DPR will soon have their own aviation". Sergey Kurginyan (14 de julho de 2014). «С.Е.Кургинян. Доклад на летней школе о ситуации в ДНР». ECC.TV. Consultado em 19 de julho de 2014 
  34. mil.gov.ua: На Хмельниччині триває процес здавально-приймальних випробувань першого відремонтованого в Україні зенітного ракетного комплексу Бук-М1, 27/06/2014
  35. Rússia exige respostas da Ucrânia sobre tragédia aérea, 19/07/2014
  36. Rússia diz ter detectado caça ucraniano voando próximo a MH17 antes da queda, 21/07/2014
  37. a b c «SBU releases more conversations implicating Russia in shooting down Malaysia Airlines flight (VIDEO, TRANSCRIPT)». Kyivpost.com. 14 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014 
  38. Sanchez, Raf (17 de julho de 2014). «Ukrainian separatists suspected of bringing down Malaysia Airlines flight on Russian border». The Telegraph. Consultado em 18 de julho de 2014 
  39. "Today the self-defence destroyed An-26 airplane using SAM "9К37М1" (better known as 'Buk')", «Ополченцы сообщили, из чего сбили украинский Ан-26». Vzglyad. 14 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014 
  40. a b Peter Baker (18 de julho de 2014), U.S. Sees Evidence of Russian Links to Jet’s Downing The New York Times
  41. «Ukraine conflict: Russia accused of shooting down jet». London: BBC News. 17 de julho de 2014. Consultado em 17 de julho de 2014 
  42. «Russia Rejects 'Absurd' Accusation Over Downed Ukrainian Jet». RFE/RL. Prague: RFE/RL. 17 de julho de 2014. Consultado em 17 de julho de 2014 
  43. Flight was traveling on routes that were closed at lower altitudes The New York Times 18 de julho de 2014
  44. Peter Leonard (17 de julho de 2014). «Ukraine: Air Force Jet Downed by Russian Missile». ABC News. Associated Press. Consultado em 17 de julho de 2014 
  45. Ludovica Iaccino (17 de julho de 2014). «First Photos of Malaysia Airlines MH17 Boeing 777 Crash in Ukraine [GRAPHIC IMAGES]». International Business Times. Consultado em 17 de julho de 2014 
  46. Hamzah, Al-Zaquan Amer (18 de julho de 2014). «Malaysia Airlines says requested higher flight plan». Reuters. Consultado em 18 de julho de 2014 
  47. o tempo indicado pela Malaysia Airlines é errôneo; o tempo correto deve ser 13:15 (UTC)
  48. «TAMAK Waypoint Information». openNav. Consultado em 18 de julho de 2014 
  49. «Media Statement & Information on Flight MH17». 17 de julho de 2014 
  50. «Malaysia Airlines crash: video believed to show moment of plane's impact». The Telegraph. 17 de julho de 2014. Consultado em 19 de julho de 2014 
  51. «An Air India Plane was 25 km away when Flight MH17 crashed». news.biharprabha.com. Consultado em 19 de julho de 2014 
  52. Nelson, Sara C (17 de julho de 2014). «Malaysia Airlines Flight MH17 'Shot Down in Ukraine Near Russian Border'». Huffington Post. United Kingdom. Consultado em 17 de julho de 2014 
  53. «MH17 Boeing 777 Plane Crash, Ukraine (Jul 2014) – an album on Flickr». Flickr.com. Consultado em 19 de julho de 2014 
  54. «Maleisisch passagiersvliegtuig in Oekraïne neergestort» [Malaysian passenger aircraft shot down in Ukraine]. De Telegraaf (em Dutch). Consultado em 17 de julho de 2014 
  55. Cahal Milmo (18 de julho de 2014). «Malaysia Airlines MH17 crash: No forensic investigators, co-ordination or body bags as Ukraine locals are left to scour gruesome scene». The Independent. Consultado em 19 de julho de 2014 
  56. «Ополченцы сообщили о сбитом Ан-26 на востоке Украины» (em Russian). 17 de julho de 2014. Consultado em 19 de julho de 2014. On July 17 near the village of Rassypnoye over the Torez city in Donetsk region an An-26 transport plane of Ukrainian Air Force was taken down, said the militia. According to them, the plane crashed somewhere near the "Progress" mine, away from residential areas. According to one of the militias, at approximately 17:30 local time an An-26 flew over the city. It was hit by a rocket, there was an explosion and the plane went to the ground, leaving a black smoke. Debris fell from the sky  (ITAR-TASS)
  57. «Donetsk People's Republic militia downs another Ukraine's An-26 plane — eyewitnesses». ITAR-TASS. 17 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014. Cópia arquivada em 18 de julho de 2014 
  58. «Транспортный Ан-26 сбит на востоке Украины, заявили очевидцы "Transport An-26 shot down in eastern Ukraine, said eyewitnesses"» (18 de julho de 2014). RIA Novosti. Consultado em 18 de julho de 2014 
  59. «Separatyści blokują dostęp do szczątków samolotu. "Czarne skrzynki przekażemy MAK".». Gazeta.pl Wiadomości (em polaco). 17 de julho de 2014 
  60. «Captan conversaciones entre los rebeldes prorrusos en las que reconocen el derribo del avión». elmundo.es (em espanhol). 18 de julho de 2014 
  61. «Rússia e Ucrânia trocam acusações após queda do voo MH17». g1.globo.com. 17 de julho de 2014 
  62. mashable.com. «Pro-Russian Rebel Commander: 'We Did Warn You — Do Not Fly in Our Sky'». 18 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014 
  63. Epoch Times. «Igor Girkin: Commander of Donetsk People's Army, Igor Strelkov, Says Group Shot Down Malaysia Airlines MH17». 18 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2014 
  64. A Voz da Rússia. «Pentágono não acredita que Força Aérea da Ucrânia poderia ter abatido Boeing 777». 20 de julho de 2014. Consultado em 21 de julho de 2014 
  65. Europa falhou ao ignorar perigo a aviões sobre Ucrânia, dizem analistas, acesso em 19 de julho de 2014
  66. «Separatistas teriam derrubado MH17, diz revista». ANSA Brasil. 19 de outubro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2014 
  67. «Russia claims this satellite image shows moment flight MH17 was shot down by fighter jet» (em inglês). Daily Mirror on line. 14 de novembro de 2014. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  68. «'Sensational' Russian photo of MH17 being shot debunked by citizen journalist group» (em inglês). The Age World. 15 de novembro de 2014. Consultado em 18 de novembro de 2014 
  69. «Rússia exige dos EUA fornecer imagens de satélite da queda do Boeing». Voz da Rússia. 17 de novembro de 2014. Consultado em 18 de novembro de 2014 
  70. «Preliminary report_MH17» (PDF). Dutch Safety Board. Setembro de 2014. Consultado em 9 de setembro de 2014 (em inglês)
  71. Relatório preliminar - pág. 30
  72. «Míssil que abateu o voo MH17 da Malaysia Airlines "veio da Rússia"». 28 de setembro de 2016. Consultado em 28 de setembro de 2016 
  73. «Míssil russo derrubou o voo MH17, diz relatório final | VEJA.com». Consultado em 28 de setembro de 2016 
  74. a b «JIT: MH17 shot down with missile fired from pro-Russian rebel controlled field». NL Times. 28 de setembro de 2016. Consultado em 28 de setembro de 2016 
  75. «MH17 was shot down from pro-Russian rebel controlled territory, investigation finds» (em inglês). 28 de setembro de 2016. Consultado em 28 de setembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Voo Malaysia Airlines 17
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre a aeronave 9M-MRD