Cerco de Mariupol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cerco de Mariupol
Ofensiva leste da Ucrânia durante invasão russa
Russian bombing of Mariupol.jpg
Situation in Mariupol 16 MAY 2022.svg
A cidade de Mariupol sendo bombardeada pelos russos.
Abaixo, a situação em Mariupol em 16 de maio, quando a rendição do último bolsão de resistência ucraniano em Azovstal começou.
Data 25 de fevereiro17 de maio de 2022
(2 meses, 3 semanas e 2 dias)
Local Mariupol, Oblast de Donetsk, Ucrânia
Desfecho Vitória da Rússia
  • Tropas russas completamente cercam a cidade em 2 de março[1][2] e adentram Mariupol em 18 de março;[3][4]
  • Forças russas ocuparam 95% da cidade até o começo de maio;[5]
  • Os últimos soldados ucranianos entrincheirados no complexo metalúrgico e siderúrgico de Azovstal começam a se render no final de abril;[6]
  • Em maio, militares ucranianos são evacuados de Azovstal e levados para áreas controladas pelos russos.[7]
Beligerantes
 Rússia
Flag of Donetsk People's Republic.svg República Popular de Donetsk
 Ucrânia
Comandantes
Rússia Aleksandr Dvornikov
Rússia Mikhail Mizintsev
Rússia Andrey Sukhovetsky  
Rússia Flag of the Chechen Republic.svg Adam Delimkhanov
Rússia Oleg Mityaev  
Rússia Andrei Paliy  
Rússia Alexei Sharov  
Rússia Flag of the Chechen Republic.svg Ruslan Geremeyev
Flag of Donetsk People's Republic.svg Denis Pushilin
Flag of Donetsk People's Republic.svg Timur Kurilkin
Ucrânia Volodymyr Baranyuk
Ucrânia Denys Prokopenko
Ucrânia Svyatoslav Palamar
Ucrânia Maksym Kagal  
Unidades
Banner of the Armed Forces of the Russian Federation (obverse).svg Forças Armadas da Rússia
Flag of Donetsk People's Republic.svg Milícia Popular de Donetsk
Ensign of the Ukrainian Armed Forces.svg Forças Armadas da Ucrânia
Forças
14 000 militares[10] 3 500 soldados e milicianos[10]
Baixas
Pesadas

Segundo a Ucrânia:
6 000 soldados russos e separatistas mortos[12]
Pesadas

Segundo a Rússia:
4 000 militares ucranianos mortos[13]
+ 6 000 civis mortos[14]

Segundo os ucranianos:
21 000 civis mortos[15]
20 000–30 000 pessoas deportadas[16] para campos ou cidades remotas na Rússia[17]

Batalha de Mariupol ou Cerco a Mariupol[18] foi um conflito militar que teve origem com a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022. Mariupol é uma estratégica cidade litorânea localizada no oblast de Donetsk, que separatistas clamam pertencer à República Popular de Donetsk.[19]

Na manhã de 25 de fevereiro, forças russas partiram do território realmente controlado pelos separatistas no leste em direção à cidade, encontrando resistência ucraniana perto da vila de Pavlopil.[20] Na noite do mesmo dia, a Marinha da Rússia começou um ataque anfíbio na região litorânea do Mar de Azov a oeste de Mariupol.[21] Os russos foram encontrando cada vez mais resistência, sendo forçados a submeter a cidade a um intenso bombardeio aeronaval e por terra que durou semanas.[22] Foi reportado que, até meados de abril, cerca de 95% dos prédios da cidade já haviam sido total ou parcialmente destruídos pelos combates e bombardeios.[23] Em 21 de abril, os russos e os separatistas de Donbas começaram a retirar enormes contingentes de militares de Mariupol, enquanto o presidente Vladimir Putin declarou vitória sobre a cidade, embora bolsões de resistência ucranianos permanecessem, especialmente no complexo siderúrgico e metalúrgico de Azovstal.[24]

A cidade de Mariupol, um importante polo industrial, é crucial para ambos os lados do conflito. Se a Rússia tomar a região, eles assumiriam o controle do acesso ucraniano ao Mar de Azov.[25] Desde o final de fevereiro, a cidade tem sido exposta a um intenso bombardeio de aviões e artilharia pelos russos, matando mais de dois mil civis nas primeiras três semanas de um sítio que foi comparado ao Cerco de Leningrado.[26][27]

Em 16 de maio, após quase três meses de resistência, o Estado-Maior ucraniano anunciou que a guarnição de Mariupol havia "cumprido sua missão de combate" e que as evacuações da fábrica de aço Azovstal haviam começado. Os militares ucranianos afirmaram que 264 soldados, 53 deles "gravemente feridos", tinham sido levado de ônibus para áreas controladas pelas forças russas.[28] Um post numa mídia social foi então divulgado pelo comandante do Regimento Azov, Denis Prokopenko, afirmando: "Para salvar vidas, toda a guarnição de Mariupol está implementando a decisão aprovada do Comando Militar Supremo e espera o apoio do povo ucraniano". Esta declaração seguiu a divulgação da decisão da Rússia de evacuar os soldados ucranianos feridos da fábrica de Azovstal e levá-los para a cidade de Novoazovsk, controlada por militantes da República Popular de Donetsk para receberem tratamento.[29] A vice-ministra da Defesa, Hanna Malyar, afirmou em 17 de maio: "Graças aos defensores de Mariupol, a Ucrânia ganhou um tempo criticamente importante para formar reservas e reagrupar forças e receber ajuda de parceiros. E eles cumpriram todas as suas tarefas. Mas é impossível desbloquear Azovstal por meios militares".[30]

Alguns analistas chamaram o resultado da batalha de uma "vitória pírrica" ou "majoritariamente simbólica" e um um "desastre de reputação" para os russos, após a destruição completa da cidade, com sua unitilização temporária, e uma derrota tática, mas na verdade como uma vitória estratégica para as forças ucranianas, que amarraram com sucesso vários grupos táticos de batalhão russos por meses.[31][32][33][34] Outros consideraram o resultado da luta como uma derrota significativa para a Ucrânia.[35]

Referências

  1. «Ukraine: Mariupol Residents Trapped by Russian Assault – Ukraine». ReliefWeb. Consultado em 9 de março de 2022. Cópia arquivada em 9 de março de 2022 
  2. Hunder, Max (30 de março de 2022). «Timeline: Russia's siege of the Ukrainian city of Mariupol». Reuters – via www.reuters.com 
  3. «Russia says separatists 'tightening the noose' around Mariupol -RIA». Reuters. 18 de março de 2022. Consultado em 29 de março de 2022 
  4. Daniel Buffey; Lorenzo Tondo (18 de março de 2022). «Fighting reaches central Mariupol as shelling hinders rescue attempts». The Guardian. Consultado em 20 de março de 2022. Cópia arquivada em 23 de março de 2022 
  5. Kunyzkyj, Oleksandr. «Ucranianos descrevem triagem russa para deixar Mariupol». dw.com. Consultado em 12 de maio de 2022 
  6. Pavel Polityuk; Alessandra Prentice; March Heinrich (23 de abril de 2022). «Russia has resumed offensive against Ukrainian forces in Mariupol's Azovstal, Ukrainian official says». Reuters. Consultado em 25 de abril de 2022 
  7. "The Ukrainian authorities declare an end to the combat mission in Mariupol after weeks of Russian siege". Página acessada em 17 de maio de 2022.
  8. «Devastated Mariupol teeters on the brink, but Ukrainian troops refuse to abandon the fallen». uk.news.yahoo.com (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022 
  9. «Russian Invasion Of Ukraine: The Battle Of Mariupol, Or A Ukrainian Stalingrad». Warsaw Institute (em inglês). 15 de março de 2022. Consultado em 18 de maio de 2022 
  10. a b «Hundreds of thousands face catastrophe in Mariupol». The Economist. 21 de março de 2022. Consultado em 21 de março de 2022. Cópia arquivada em 24 de março de 2022. As forças ucranianas em Mariupol estão em grande desvantagem numérica, com 3.500 soldados enfrentando 14.000 invasores, cerca de um décimo do total estimado de forças russas no país. 
  11. «As it happened: Ukraine war latest: Gun battles as Russian troops reach Mariupol city centre, says mayor». BBC News 
  12. «Azov officer: Russian forces lost about 6,000 troops in Mariupol.». The Kyiv Independent. 14 de maio de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022 
  13. «Russia Says All Urban Areas of Mariupol Cleared of Ukrainian Forces». voanews.com. 16 de abril de 2022. Consultado em 17 de maio de 2022. Cópia arquivada em 18 de abril de 2022 
  14. Anna Nemtsova (25 de abril de 2022). «Russians Have Already Committed So Many War Crimes, It Will Take Years to Tally Them All Up». Yahoo! News. Consultado em 27 de abril de 2022 
  15. «Russia-Ukraine war: 21,000 civilians killed, Mayor of Mariupol estimates». The Jerusalem Post. 12 de abril de 2022. Consultado em 12 de abril de 2022 
  16. «Mariupol Mayor Cites 'Thousands' Dead, Says 'Complete Evacuation' Needed». Radio Free Europe. Radio Liberty. 27 de março de 2022. Consultado em 28 de março de 2022 
  17. Bondarenko, Khrystyna; Watson, Ivan; Stapleton, AnneClaire; Booth, Tom; Alasaar, Alaa (19 de março de 2022). «Mariupol residents are being forced to go to Russia, city council says». CNN, World (em inglês). CNN. Consultado em 28 de março de 2022 
  18. «Por dentro do cerco a Mariupol: 'Corpos de civis estão espalhados pelas ruas'». Estado de São Paulo. 10 de março de 2022. Consultado em 20 de março de 2022 
  19. «Russia Backs Ukraine Separatists' Full Territorial Claims». The Moscow Times (em inglês). 22 de fevereiro de 2022. Consultado em 26 de Fevereiro de 2022 
  20. «Battle ongoing near Mariupol – mayor». ukrinform.net (em inglês). 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 26 de Fevereiro de 2022 
  21. «"Amphibious assault" underway west of Mariupol on the Sea of Azov, senior US defense official says». CNN (em inglês). 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 26 de Fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2022 
  22. «Russian advance slowed by Ukrainian resistance and logistical setbacks, U.S. defense official says». CBS News. Consultado em 27 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2022 
  23. Holly Ellyatt (18 de abril de 2022). «Mariupol hasn't surrendered to Russia, PM says; at least 5 dead, 20 injured in Kharkiv attack». CNBC. Consultado em 21 de abril de 2022 
  24. «Rússia afirma ter capturado Mariupol, mas desiste de último ponto de controle ucraniano; Kiev diz que resiste». G1. Consultado em 23 de abril de 2022 
  25. «The Azov Sea, symbolic prize of Russia-Ukraine war». France 24 (em inglês). 1 de março de 2022. Consultado em 13 de março de 2022. Cópia arquivada em 13 de março de 2022 
  26. Reuters (3 de março de 2022). «'We are being destroyed,' says Ukraine's Mariupol under Russian siege». Reuters (em inglês). Consultado em 13 de março de 2022. Cópia arquivada em 13 de março de 2022 
  27. Agence France-Presse (5 de março de 2022). «Siege of Ukraine's Mariupol city draws comparisons with Nazi blockade of Leningrad». Firstpost. Consultado em 12 de março de 2022. Cópia arquivada em 12 de março de 2022 
  28. Hopkins, Valerie; Nechepurenko, Ivan; Santora, Marc (16 de maio de 2022). «Ukrainian authorities declare an end to the combat mission in Mariupol after weeks of Russian siege.». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 16 de maio de 2022. Cópia arquivada em 17 de maio de 2022 
  29. «Azovstal defenders appear to signal end of siege». The Jerusalem Post (em inglês). 16 de maio de 2022. Consultado em 15 de maio de 2022 
  30. «Longest battle of war ends as Ukrainian troops evacuated from Azovstal steel mill in Mariupol». Sydney Morning Hearld (em inglês). 17 de maio de 2022 
  31. Mariupol a 'Pyrrhic victory' for Russia: military analyst (em inglês), Deutsche Welle, 18 de maio de 2022, consultado em 20 de maio de 2022 
  32. Prince, Todd (18 de maio de 2022). «Russia's Capture Of Azovstal: Symbolic Success, 'Pyrrhic' Victory?». RadioFreeEurope/RadioLiberty (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2022 
  33. Spencer, Richard (17 de maio de 2022). «Defiance of Azovstal steelworks defenders ensures Putin wins only a pyrrhic victory». The Times (em inglês). ISSN 0140-0460. Consultado em 20 de maio de 2022 
  34. Oleksandr Stashevskyi and Ciaran McQuillan (17 de maio de 2022). «Fall of Mariupol appears at hand; fighters leave steel plant». AP NEWS (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2022 
  35. "Hundreds of Ukrainian troops evacuated from Mariupol steelworks after 82-day assault". Página acessada em 20 de maio de 2022.