República Popular de Donetsk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com um evento atual.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 9 de junho de 2018.)
Data da marcação: 16 de julho de 2017.
Доне́цкая наро́дная респу́блика
(Donetskaya narodnaya respublika)

República Popular de Donetsk
Flag of the Donetsk People's Republic (2014-2018).svg
Brasão de armas.

Localização de

Capital Donetsk
Cidade mais populosa Donetsk
Língua oficial Ucraniano e Russo
 - Primeiro-ministro Alexander Zakharchenko
 - Chefe do Soviet do Povo Denis Pushilin
 - Declaração unilateral de independência 7 de abril de 2014 
População  
 - Estimativa para 2018 2 302 444 hab. 
Fuso horário (UTC+2)
 - Verão (DST) (UTC+3)

A República Popular de Donetsk (em russo: Донецкая народная республика) é o nome de uma região separatista que declarou independência da Ucrânia em 7 de abril de 2014[1][2]. A República Popular só foi reconhecida pela Ossétia do Sul, que não é reconhecida pela ONU[3]. O líder do movimento da autodeclarada República Popular é o governador Pavel Gubarev, que atualmente está preso sob a acusação de separatismo[4].

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Queima de panfletos do partido ultranacionalista Setor Direita (Pravy Sektor) em uma praça de Carcóvia em 1 de março.

Após o Euromaidan e influenciado pelo referendo na Crimeia de 2014, vereadores do Oblast de Donetsk votaram no início de março de 2014 a favor de realizar um referendo para decidir o futuro da região administrativa. Em 3 de março, um grupo de pessoas invadiu o prédio da administração do Oblast, agitando bandeiras russas e gritos pró-Rússia. Após certa resistência a polícia retomou o controle da edifício.

Em 6 de abril, milhares de pessoas se reuniram em protesto contra o governo interino de Kiev. Os manifestantes invadiram um prédio da administração regional e retiraram a bandeira ucraniana que lá estava tremulada, em seu lugar hastearam uma bandeira russa[5].

Proclamação[editar | editar código-fonte]

Manifestantes separatistas em Donetsk, erguendo bandeiras da Rússia e da sua autoproclamada república, em abril de 2014.

Reunidos em Donetsk, manifestantes pró-Rússia proclamaram em 7 de abril a "República Popular de Donetsk". Em uma reunião na sede da administração regional de Donetsk a proclamação foi aprovada por unanimidade. Afirmou-se que a nova república foi estabelecida dentro dos limites da região de Donetsk e que um referendo sobre uma eventual adesão à Rússia será realizada até de 11 de maio[6].

Também decidiu criar como o órgão dirigente do Conselho do Povo Donetsk (CPD), sem reconhecer autoridades Kiev e relataram uma agressão e tentativa de assalto aos escritórios da televisão local. A Nova República também pediu a Rússia para defender o povo russo dos "ataques criminosos" da Ucrânia.

No mesmo dia, foi proclamada no Oblast de Carcóvia a República Popular de Carcóvia.

Reações[editar | editar código-fonte]

Governo ucraniano[editar | editar código-fonte]

No dia do anúncio, o Conselho Superior da Ucrânia, em Kiev apresentou um projeto de lei sobre a imposição de emergência nas regiões de Lugansk, Donetsk e Carcóvia. Além disso, foi relatado que Kiev enviou tropas militares para áreas onde os governos tinham proclamado independentes.

Por sua parte, o primeiro-ministro interino Arseniy Yatseniuk, diretamente acusou a Rússia de lançar um "plano para desmembrar Ucrânia". Enquanto o presidente interino Alexandr Turchinov disse que a Rússia tenta criar neste país "cenário da Crimeia" e que o governo está preparando operações de contraterrorismo contra manifestantes.[7]

Internacionais[editar | editar código-fonte]

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia acusou as autoridades ucranianas de 'culpa' para todos os seus problemas e afirmou que os ucranianos querem obter uma resposta clara de Kiev a todas as suas perguntas e que é hora de ouvir essas ações. O ministério afirmou ainda que estava observando atenciosamente os acontecimentos na Ucrânia oriental e meridional.

O Secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, disse que os fatos "parecia ser espontâneo" e exortou a Rússia a repudiar publicamente as atividades dos sabotadores separatistas e provocadores em um telefonema ao seu homólogo russo, Sergei Lavrov.

Referências

  1. Agence France-Presse@Diário de Pernambuco. Ativistas pró-Moscou proclamam independência da região ucraniana de Donetsk. Disponível em [1]. Acesso em abril de 2014
  2. Jornal de notícias. Manifestantes pró-russos proclamam Donetsk como independente da Ucrânia. Disponível em [2]. Acesso em abril de 2014
  3. South Ossetia recognizes Donetsk People's Republic independence. Disponível em [3]. Acesso em 17 de Agosto 2014
  4. UOL. Ativistas pró-Moscou proclamam "república soberana" em Donetsk. Disponível em [4]. Acesso em abril de 2014
  5. Euronews. Ucrânia: Centenas de pessoas reúnem-se em Donetsk pela Rússia. Disponível em [5]. Acesso em abril de 2014
  6. Estadão. Manifestantes pró-Rússia declaram independência de Donetsk da Ucrânia. Disponível em [6]. Acesso em abril de 2014
  7. Terra. Ativistas pró-Moscou proclamam a independência de Donetsk. Disponível em [7]. Acesso em abril de 2014

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]