Donetsk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a cidade do oblast de Rostov, veja Donetsk (Rússia).
Donetsk
Донецьк, Донецк
  Cidade  
Donetsk montage (2015).png
Símbolos
Bandeira de Donetsk Донецьк, Донецк
Bandeira
Brasão de armas de Donetsk Донецьк, Донецк
Brasão de armas
Localização
Donetsk na Ucrânia.
Donetsk na Ucrânia.
Coordenadas 48° 0' 10" N 37° 48' 19" E
País  Ucrânia (de jure)
 Rússia (controle parcial)[1]
Oblast Donetsk
História
Fundação 1869
Administração
Prefeito Oleksandr Lukianchenko
Características geográficas
Área total 358 km²
População total (2021) 905,364 hab.
Altitude 169 m
Fuso horário EET (UTC+2)
Horário de verão EEST (UTC+3)
+380 622, 623
Outras informações
Placa veículo AH

Donetsk é uma cidade do oeste da região de Donetsk, no leste da Ucrânia, região com soberania atualmente disputada no contexto da invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022[2]. A Organização das Nações Unidas reconhece a Ucrânia como estado soberano sobre a região[3]. A Ucrânia considera esta cidade como sendo capital do Oblast de Donetsk.

É o principal centro econômico e demográfico da região. Em 2021, sua população era de 905 364 habitantes.[4] Localiza-se nas margens do rio Calmius.[4]

Designou-se Aleksandrovoca até 1789, Yuzovka (ou Hughesovka) de 1789 a 1924 e Stalino de 1924 a 1961. Desde 1961 que a cidade se chama Donetsk. Na década de 1960 foi distinguida pela UNESCO como a cidade industrial mais verde entre cidades de tamanho semelhante.

História[editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros assentamentos de mineração no território de Donetsk foi Aleksandrovoca. A existência da sloboda (vila) cossaca de Aleksandrovoca na área é atestada em 1779, como uma região de mineração de carvão.[5]

A cidade de Donetsk foi fundada em 1869 quando o empresário galês John Hughes contruiu uma metalúrgica e comprou várias minas de carvão nos arredores de Aleksandrovoca.[4] A vila dos trabalhadores da fábrica se fundiu com a vila cossaca de Aleksandrovoca e o local foi renomeado como Hughesovo ou Yuzovo e, mais tarde, Yuzovka.[4] Em seu período inicial, recebeu imigrantes do País de Gales, especialmente da cidade de Merthyr Tydfil.[6] No início do século XX, Yuzovka tinha aproximadamente 50 000 habitantes,[4] alcançando o status de cidade em 1917.[7] À época, o principal distrito de Yuzovka era chamado de Colônia Inglesa, e a origem britânica da cidade se refletia em sua organização espacial e arquitetura.

Perídodo soviético[editar | editar código-fonte]

Quando a Guerra Civil Russa estourou, Yuzovka fazia parte da República Socialista Soviética de Donetsk-Krivoi Rog desde sua declaração de independência em 12 de fevereiro de 1918. A República foi dissolvida no 2º Congresso dos Sovietes de Toda a Ucrânia em 20 de março de 1918, quando a República Soviética da Ucrânia foi declarada. Como a última não conseguiu o reconhecimento, nem internacionalmente nem da República Socialista Federativa Soviética da Rússia, foi abolida pelo Tratado de Brest-Litovski.

Em 1924, sob o domínio soviético, o nome da cidade foi alterado para Stalin. Naquele ano, a população da cidade totalizou 63 708, e no ano seguinte, 80.085. Em 1929-31 o nome da cidade foi mudado para Stalino.[4][8] A cidade não tinha um sistema de água potável até 1931, quando um sistema de 55,3 km foi colocado no subsolo. Em julho de 1933, a cidade tornou-se o centro administrativo do Oblast Donetisiano da República Socialista Soviética da Ucrânia.[7] Em 1933, o primeiro sistema de esgoto de 12 km foi instalado, e a rede de gás chegou a cidade no ano seguinte.

No início da Segunda Guerra Mundial, a população de Stalino era de 507 000; após a guerra, 175 000. A invasão da Alemanha Nazista destruiu quase completamente a cidade.[4] Foi ocupada por forças alemãs e italianas como parte do Comissariado do Reich Ucrânia entre 16 de outubro de 1941 e 5 de setembro de 1943.[9] Foi reconstruída em grande escala após a guerra.[4]

Durante a segunda onda de desestalinização de Nikita Khrushchov em novembro de 1961, a cidade foi renomeada como Donetsk, em homenagem ao rio Donets, um afluente do Dom.[7]

Em 1965, a Academia de Ciências de Donetsk foi estabelecida como parte da Academia de Ciências da República Socialista Soviética da Ucrânia.

Ucrânia independente[editar | editar código-fonte]

Depois de passar por um momento difícil na década de 1990, quando era o centro das conflitos de gangues pelo controle das atividades econômicas locais, Donetsk se modernizou rapidamente, em grande parte sob a influência de grandes empresas.

Em 1994, um referendo ocorreu no Oblast de Donetsk e no Oblast de Luhansk, com cerca de 90% apoiando que a língua russa ganhasse status de língua oficial ao lado da ucraniana, e para a língua russa ser uma língua oficial em nível regional; no entanto, o referendo foi anulado pelo governo ucraniano.[10]

Nas décadas de 1990 e 2000, centenas foram mortos em colapsos de minas de carvão em Donetsk e na região. Estes eventos são chamados coletivamente de colapsos das minas de carvão da Ucrânia, que incluíram o desastre da mina Zasyadko em 2007 e o desastre da mina Zasyadko em 2015. Tais acidentes de mineração advém dos afrouxamento das normas de segurança após o colapso soviético como justificativa de contenção de custos.[11]

No período em questão Donetsk ficou conhecida pela forte conexão da máfia com a oligarquia econômica local,[4] além de uma crescente taxa de pobreza.[12] Previsões alertaram para um colapso de longo prazo da economia de Donetsk; e que poderia compartilhar o destino sombrio de Detroit, devido ao seu fracasso em combater o crime e erradicar a pobreza e a desigualdade socioeconômica.[13]

República Popular de Donetsk (2014–2022)[editar | editar código-fonte]

Depois que o presidente Víktor Yanukóvytch fugiu da Ucrânia para buscar asilo na Rússia, ativistas pró-Russia assumiram o edifício da administração estatal do Oblast de Donetsk, o principal prédio do governo, em Donetsk.[14] A polícia não ofereceu resistência. No final da semana, as autoridades de Donetsk não permitiram um referendo sobre o status da região e a polícia retomou o edifício.[15] Donetsk tornou-se um dos centros do conflito pró-Rússia em 2014 na Ucrânia.[16][17]

Em 7 de abril de 2014, ativistas pró-Rússia tomaram o controle da administração estatal de Donetsk e declararam a criação da "República Popular de Donetsk", pedindo a intervenção russa para garantir a soberania donetisquense.[18][19]

Em 11 de maio de 2014, um referendo sobre o status de Donetsk foi realizado, no qual os eleitores podiam escolher a independência política. Foi afirmado pelo chefe da autoproclamada comissão eleitoral da República Popular de Donetsk, Roman Lyagin, que quase 90% dos que votaram na região de Donetsk endossaram a independência política de Kiev. A Ucrânia não reconhece o referendo, enquanto a União Europeia e os Estados Unidos disseram que os referendos eram ilegais.[20]

Pesados ​​bombardeios do Exército ucraniano e unidades paramilitares causaram mortes de civis em Donetsk.[21][22] A Human Rights Watch pediu a ambas as facções em conflito que parem de usar os mísseis não guiados BM-21 Grad em áreas povoadas e disse que o uso desses sistemas de armas era uma violação das leis humanitárias internacionais e poderia constituir um crime de guerra. Também pediu aos insurgentes que evitem instalar-se em áreas densamente povoadas.[23]

O Campeonato Mundial de Hóquei no Gelo de 2015, Divisão I, Grupo A, estava agendado para 18 a 24 de abril de 2015 em Donetsk, mas a Ucrânia se retirou como anfitriã devido ao conflito em curso no país. Em vez de Donetsk, o torneio foi organizado em Cracóvia, Polônia.[24] Eventualmente, a Ucrânia co-organizou o Campeonato Mundial de Hóquei no Gelo, Divisão I, novamente Grupo A, mas em sua capital, Kiev.

Em outubro de 2022, após a promoção de referendo organizado pelas forças ocupantes em processo não reconhecido[25] pela ONU, a região foi anexada pelo governo russo[26].

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se nas margens do rio Calmius, na bacia carbonífera de Donets.[4]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população de Donetsk, ao contrário do que acontece nas zonas ocidentais da Ucrânia, é maioritariamente de língua russa.[4]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

A cidade dispõe do Aeroporto Internacional de Donetsk.[27]

Educação[editar | editar código-fonte]

Algumas das universidades mais prestigiadas da Ucrânia e da República Popular de Donetsk têm sua sede em Donetsk. Localiza-se na cidade os campi principal da Universidade Técnica Nacional de Donetsk,[28] da Universidade Nacional de Donetsk,[29] da Universidade Médica Nacional de Donetsk, da Universidade Islâmica Ucraniana[30] e da Academia Estatal de Música Prokofiev Donetsk.[31]

Cultura e lazer[editar | editar código-fonte]

Desportos[editar | editar código-fonte]

Donetsk é a casa do Shakhtar Donetsk, popular clube de futebol europeu. O Shakhtar, porém, deixou de sediar-se em Donetsk desde 2014, passando a ser um clube de Kiev.[32] Além do Shakhtar, a cidade possui outro clube, menos famoso no cenário europeu, o Metalurg Donetsk.[33]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Russia-Ukraine war live: Putin annexes Ukrainian regions; Kyiv applies for Nato membership». TheGuardian.com. 30 de setembro de 2022 
  2. «Putin oficializa anexação de regiões ucranianas após aprovação pelo parlamento russo». G1. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  3. «ONU condena Rússia por anexação de partes da Ucrânia». EBC. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  4. a b c d e f g h i j k Britannica, T. Editors of Encyclopaedia. "Donetsk." Encyclopædia Britannica, February 22, 2022.
  5. "Дату основания Донецка нужно вести минимум с 1779 года – историк", Radio Liberty (em russo)
  6. Evans, Martin (11 de junho de 2012). «Euro 2012: Donetsk's roots have more in common with Merthyr Tydfil than Moscow»Subscrição paga é requerida. Telegraph. Consultado em 9 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2022 
  7. a b c Из истории города [From the history of the city]. Official site of the Head of Donetsk City (em russo). 31 de agosto de 2004. Consultado em 7 de maio de 2007. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2007 
  8. http://alldonetsk.info/en/history-city-donetsk The history of the city of Donetsk
  9. Katchanovski, Ivan. The Politics of Soviet and Nazi Genocides in Orange Ukraine. Europe-Asia Studies Vol. 62, No. 6 (August 2010), pp. 973-997 (25 pages) Published By: Taylor & Francis, Ltd.
  10. Донбасс: забытый референдум-1994 [Donbas: the forgotten referendum-1994] (em russo). Thekievtimes.ua. 14 de maio de 2014. Consultado em 30 de outubro de 2017 
  11. «Ukraine's mine death toll rises». BBC News. 20 de novembro de 2007. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  12. Kommodova, Natalia (4 de agosto de 2009). 'Большие сдвиги' Донбасса, богатые летчики и бедные вундеркинды - Обзор донецкой прессы ['Great shifts' of Donbas, rich high fliers and poor wunderkind - Overview by the Donetsk Press] (em russo). Ostro.org. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  13. Почему Донецк ждет судьба Детройта [Why Donetsk awaits the fate of Detroit] (em russo). Makeevkainfo.com.ua. 24 de junho de 2014. Arquivado do original em 3 de julho de 2014 
  14. «В Донецке несколько сотен радикалов с криками "Россия" штурмуют ОГА». Gazeta.ua. 3 de março de 2014. Consultado em 3 de março de 2014 
  15. «Новости Донбасса :: The authorities of Donetsk region don't want a referendum and they opposed 'foreign scenarios' – video report». Novosti.dn.ua. 9 de março de 2014. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  16. Kushch, Lina (6 de março de 2014). «Ukrainian flag again flies over Donetsk regional HQ». Reuters. Cópia arquivada em 7 de março de 2014 
  17. Roth, Andrew (7 de março de 2014). «Ukrainian Officials in East Act to Blunt Pro-Russian Forces»Subscrição paga é requerida. The New York Times. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  18. Russian Roulette: The Invasion of Ukraine (Dispatch Twenty Three). VICE News. 11 de abril de 2014. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2021 
  19. Radyuhin, Vladimir (7 de abril de 2014). «Donetsk proclaims independence from Ukraine». The Hindu. Consultado em 7 de abril de 2014. Arquivado do original em 8 de abril de 2014 
  20. «Ukraine rebels seek to join Russia». 12 de maio de 2014. Consultado em 15 de abril de 2019 
  21. "Ukraine crisis: Shells hit Donetsk amid Russia convoy row". BBC News. August 14, 2014.
  22. "Kyiv's troops surround separatist stronghold Donetsk, civilian casualties high". Euronews. August 12, 2014.
  23. "Ukraine: Unguided Rockets Killing Civilians Stop Use of Grads in Populated Areas". Human Rights Watch. July 24, 2014.
  24. Steven Ellis (15 de agosto de 2014). «Ukraine Withdraws as Hosts of 2015 Division IA World Championships». The Hockey House. Consultado em 23 de agosto de 2014. Arquivado do original em 19 de agosto de 2014 
  25. «ONU condena Rússia por anexação de partes da Ucrânia». EBC. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  26. «Putin oficializa anexação de regiões ucranianas após aprovação pelo parlamento russo». G1. Consultado em 9 de novembro de 2022 
  27. Exército ucraniano deixa principal posição no aeroporto de Donetsk. France Presse/G1. 22 de janeiro de 2015.
  28. «About DonNTU». Donetsk National Technical University (DonNTU). 2016. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  29. «History of the University». Donetsk National University. 2015. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  30. 1st Islamic University Opened in Ukraine. Tehran Times. 6 de setembro de 1999.
  31. Donetsk State Musical Academy named after S.S.Prokofiev. UIEC. 2020.
  32. Técnico do Shakhtar Donetsk, Roberto De Zerbi diz que 'não dará as costas' para a Ucrânia. 24 de fevereiro de 2022.
  33. Metalurh Donetsk. O Gol.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Donetsk