Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2023

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Copa do Mundo FIFA de Futebol Feminino
2023 FIFA Women's World Cup
FIFA Wahine o te Ipu o te Ao – Ahitereiria/Aotearoa 2023
Austrália e Nova Zelândia 2023
Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2023
Logotipo oficial da competição
Dados
Participantes 32
Organização FIFA
Anfitrião Austrália
Nova Zelândia
Período 20 de julho – 20 de agosto
Gol(o)s 164
Partidas 64
Média 2,56 gol(o)s por partida
Campeã Espanha (1.º título)
Vice-campeã Inglaterra
3.ª colocada Suécia
4.ª colocada Austrália
Melhor marcadora Japão Hinata Miyazawa – 5 gols
Melhor ataque (fase inicial) Japão – 11 gols
Melhor defesa (fase inicial) Nenhum gol:
Maior goleada
(diferença)
Vietnã 0–7 Países Baixos
Forsyth Barr StadiumDunedin
1 de agosto, Grupo E
Público 1 978 274
Média 30 910,5 pessoas por partida
Premiações
Melhor jogadora Espanha Aitana Bonmatí
Melhor goleira Inglaterra Mary Earps
Melhor jogadora jovem Espanha Salma Paralluelo
Fair play Japão
◄◄ França 2019 2027 Brasil ►►

A Copa do Mundo FIFA de Futebol Feminino de 2023 foi a nona edição do torneio mundial de seleções femininas. O evento aconteceu entre 20 de julho e 20 de agosto, sendo a edição mais tardia deste formato da Copa do Mundo. As competições aconteceram na Austrália e na Nova Zelândia, sendo a primeira edição a ocorrer em dois países simultaneamente, além de ser o primeiro mundial de futebol profissional a acontecer nesses dois países, tendo como novidade a ampliação do formato para 32 participantes. A definição dos países aconteceu em 25 de junho de 2020 após uma votação virtual.[1]

Em uma final inédita contra a Inglaterra, a Espanha conquistou o seu primeiro título na competição, repetindo o mesmo feito da seleção masculina em 2010, ganhando na sua primeira decisão.[2] Além disso, se junta a Alemanha como a seleção campeã do mundo em ambos os gêneros.[3] A Suécia novamente ficou em terceiro lugar e a anfitriã Austrália fechou a competição em quarto lugar, sendo a melhor campanha da equipe em Copas do Mundo.[4] Essa edição também ficou marcada pela eliminação precoce de seleções tradicionais.

Ampliação e mudanças no formato[editar | editar código-fonte]

Em 5 de julho de 2019, algumas horas antes da final da Copa do Mundo Feminina daquele ano, o presidente da FIFA, o suíço-italiano Gianni Infantino, declarou em uma coletiva de imprensa que aquela edição era uma edição sem precedentes na história do torneio, com um interesse de mídia nunca visto, o que levou as maiores audiências de televisão jamais registradas na história do futebol feminino. Ao final desta declaração, ele anunciou que a entidade havia elaborado uma lista com cinco metas a serem atingidas pelo futebol feminino nos próximos anos. Faziam parte desta lista:

  • Criação de um mundial de clubes, aos moldes do que já acontece com os homens desde 2000 e 2005 em diante.
  • Criação da Liga Mundial Feminina, seguindo os moldes da Liga das Nações da UEFA.
  • Com o aumento do nível dos jogos registrado nas duas edições anteriores, a entidade decidiu aumentar o número de seleções participantes de 24 para 32, a fim de igualar o formato do torneio masculino, vigente desde 1998.
  • Dobrar as premiações para a Copa de 2023, também igualando estes valores aos dos homens.
  • Dobrar os investimentos no desenvolvimento do esporte para 1 bilhão de dólares.[5][6]

Em 31 de julho do mesmo ano, o quadro executivo da entidade ratificou a primeira meta, que era a equiparação do formato dos dois torneios. No entanto, alguns meses mais tarde, a entidade decidiu que ele seria vigente no masculino até 2022, já que a partir de 2026 passaria a ser 48 seleções.[7]

Candidaturas[editar | editar código-fonte]

Ao todo, oito países anunciaram a intenção de se candidatar para ser sede da Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2023, chegando assim a um número recorde de candidaturas da história do torneio, desde sua primeira edição em 1991. O processo de inscrições seguiu até o dia 16 de abril de 2019. Os projetos seriam apresentados ao público no dia 4 de outubro de 2019, quando até então era a data limite para a apresentação de documentação confirmando as candidaturas e uma votação seria feita em Miami, nos Estados Unidos, estando prevista inicialmente para março de 2020.[8][9] Entre os candidatos estão três países da América (Argentina, Brasil e Colômbia), dois da Ásia (Coreia do Norte/Coreia do Sul e Japão), um país da África (África do Sul) e dois da Oceania (Austrália e Nova Zelândia, que viriam a se juntar em seguida).

Em 31 de julho de 2019, a FIFA resolveu acelerar o prazo de oficialização de candidaturas, previstos para terminar em outubro, antecipando para o mês de agosto do mesmo ano a confirmação dos nove países interessados, devido a ampliação no número de equipes. Também foi adiado o processo de votação, passando para o mês de maio de 2020, mas mantido o local da decisão, além de reabrir o processo da apresentação de mais candidatos na disputa. Após a proposta de prorrogação para apresentação de documentos, houve a saída da Bolívia do pleito. A Bélgica, que chegou a mostrar interesse em agosto, desistiu logo em seguida.[10] Em seguida, houve a saída da África do Sul, Argentina e da candidatura conjunta das Coreias.[11]

Em dezembro de 2019, a FIFA confirmou os países candidatos a receber esta edição: Brasil, Colômbia, Japão e a candidatura conjunta entre Austrália e Nova Zelândia. A escolha da sede ocorreu na reunião do Conselho da FIFA, no dia 25 de junho de 2020 em Adis Abeba, capital da Etiópia.[12] No entanto, tanto o Brasil quanto o Japão retiraram suas propostas em junho de 2020, antes da votação final.[13][14]

Em 25 de junho de 2020, a candidatura conjunta da Austrália e da Nova Zelândia foram escolhidas como sede da Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2023, depois de uma parcial de votação acirrada, já que a Colômbia recebeu a maioria dos votos da UEFA (exceto Inglaterra) e da CONMEBOL, enquanto que a candidatura dupla de Austrália e Nova Zelândia receberam os votos da OFC, CONCACAF, AFC e CAF.[1]

IX Copa do Mundo de Futebol Feminino
Congresso Ordinário da FIFA
25 de junho de 2020, em Adis Abeba (Etiópia)
Países candidatos Rodada única %
 Austrália
 Nova Zelândia
22 59,45
 Colômbia 13
35,13
Votos recusados 2 5,4
Abstenções 0 0
Total 37 100

Datas[editar | editar código-fonte]

Ao contrário das edições anteriores, nenhuma das candidaturas pode propor as datas do torneio. Coube a FIFA pré-determinar qual seria a janela de disputa do torneio, escolhendo o período de julho a agosto (verão no hemisfério norte) de 2023 para não coincidir com outros eventos internacionais de grande porte, como as finais da Liga dos Campeões da UEFA e outros campeonatos mundiais marcados para o mesmo período. Porém, esta foi a primeira vez na história em que a Copa do Mundo Feminina foi disputada durante o inverno dos países-sede.[15]

Em 20 de maio de 2021, a FIFA definiu o período de 20 de julho a 20 de agosto de 2023 como os dias do Mundial Feminino, durante uma reunião do conselho que também definiu as datas da repescagem entre 17 a 23 de fevereiro de 2023.[16]

Estádios[editar | editar código-fonte]

As regras da FIFA estabelecem que o número mínimo de estados seja de 8 e o máximo seja de 12, tal como o que acontece com o mundial masculino. Assim, 12 cidades dos dois países ofereceram 13 estádios. Todavia, a divisão de jogos seguiu o formato usado na Copa do Mundo FIFA de 2002 em que houve uma divisão proporcional do número de sedes envolvidas (cinco sedes em cada país, com 64 jogos previstos, sendo 32 em cada país). O jogo de abertura e uma das semifinais foram no Eden Park, na Nova Zelândia, enquanto que um jogo das oitavas de final, um jogo das quartas de final, a outra semifinal e a final no Stadium Australia.[17]

Em 31 de março de 2021, foram definidos os estádios e a divisão de jogos. A Austrália recebeu a partida em cinco cidades e a Nova Zelândia em quatro, com ambos recebendo uma semifinal cada.[18]

 Austrália
Sydney Brisbane Melbourne
Stadium Australia Sydney Football Stadium Lang Park Melbourne Rectangular Stadium
Capacidade: 75 784 Capacidade: 40 583 Capacidade: 49 461 Capacidade: 27 706
Cidades-sede da Copa de 2023 pela Austrália
Perth Adelaide
Perth Rectangular Stadium Hindmarsh Stadium
Capacidade: 18 727 Capacidade: 13 557
 Nova Zelândia
Auckland Wellington Dunedin
Eden Park Wellington Regional Stadium Forsyth Barr Stadium
Capacidade: 43 217 Capacidade: 33 132 Capacidade: 25 947
Hamilton
Cidades-sede da Copa de 2023 pela Nova Zelândia
Waikato Stadium
Capacidade: 18 009

Participantes[editar | editar código-fonte]

As competições que qualificaram as seleções para a Copa do Mundo apuraram 32 delas para o torneio, além das anfitriãs Austrália e Nova Zelândia e que já estavam previamente classificadas por serem os países sede. Foram 29 vagas diretas para a competição e três vagas via repescagem. A repescagem serviu como evento-teste e funcionou da seguinte forma: 10 seleções foram divididas em três chaves, dois com três países e um com quatro. As vencedoras dos confrontos eliminatórios garantiram as vagas na Copa do Mundo. A divisão das vagas foi realizada no dia 23 de dezembro de 2020.[19][20]

Confederação Seleção Presenças Primeira presença Última presença Melhor resultado anterior
AFC
(5 vagas + país-sede)
Austrália Austrália 8 1995 2019 Quartas de final (2007, 2011 e 2015)
China China 7 1991 2019 Vice-campeã (1999)
Coreia do Sul 3 2003 2019 Oitavas de final (2015)
 Japão 8 1991 2019 Campeã (2011)
Filipinas 1 Estreante
Vietnã 1 Estreante
OFC
(1 vaga, sendo direcionada ao país-sede)
Nova Zelândia Nova Zelândia 6 1991 2019 Fase de grupos (1991, 2007, 2011, 2015 e 2019)
UEFA

(11 vagas)

Espanha Espanha 3 2015 2019 Fase de grupos (2015)
 França 5 2003 2019 Quarto lugar (2011)
Suécia Suécia 9 1991 2019 Vice-campeã (2003)
Dinamarca 5 1991 2007 Quartas de final (1991 e 1995)
Noruega Noruega 9 1991 2019 Campeã (1995)
 Alemanha 9 1991 2019 Campeã (2003 e 2007)
 Inglaterra 4 1995 2019 Terceiro lugar (2015)
 Itália 4 1991 2019 Quartas de final (1991)
 Países Baixos 3 2015 2019 Vice-campeã (2019)
Suíça Suíça 2 2015 2015 Oitavas de final (2015)
 Irlanda 1 Estreante
CAF

(4 vagas)

 Zâmbia 1 Estreante
 Marrocos 1 Estreante
Nigéria 9 1991 2019 Quartas de final (1999)
África do Sul África do Sul 2 2019 2019 Fase de grupos (2019)
CONCACAF

(4 vagas)

Estados Unidos Estados Unidos 9 1991 2019 Campeã (1991, 1999, 2015 e 2019)
Costa Rica Costa Rica 2 2015 2015 Fase de grupos (2015)
 Canadá 8 1995 2019 Quarto lugar (2003)
 Jamaica 2 2019 2019 Fase de grupos (2019)
CONMEBOL

(3 vagas)

Brasil 9 1991 2019 Vice-campeã (2007)
 Colômbia 3 2011 2015 Oitavas de final (2015)
 Argentina 4 2003 2019 Fase de grupos (2003, 2007 e 2019)
Playoff intercontinental

(3 vagas)

 Haiti 1 Estreante
 Portugal 1 Estreante
 Panamá 1 Estreante

Arbitragem[editar | editar código-fonte]

Em 9 de janeiro de 2023 a FIFA anunciou as árbitras e assistentes para o Mundial, escolhidas através da sua Comissão de Árbitros.[21]

Confederação Árbitras (33) Assistentes (55) Árbitras de vídeo (19)
AFC AustráliaAUS Kate Jacewicz
Coreia do SulKOR Kim Yu-jeong
Coreia do SulKOR Oh Hyeon-jeong
AustráliaAUS Casey Reibelt
JapãoJPN Yoshimi Yamashita
JapãoJPN Makoto Bozono
AustráliaAUS Joanna Charaktis
Coreia do SulKOR Kim Kyoung-min
Coreia do SulKOR Lee Seul-gi
Coreia do SulKOR Park Mi-suk
PalestinaPLE Heba Saadieh
JapãoJPN Naomi Teshirogi
QuirguistãoKGZ Ramina Tsoi
ChinaCHN Xie Lijun
CatarQAT Abdullah Al-Marri
AustráliaAUS Christopher Beath
SingapuraSGP Muhammad Bin Jahari
CAF TogoTOG Vincentia Amedome
MarrocosMAR Bouchra Karboubi
África do SulRSA Akhona Makalima
RuandaRWA Salima Mukansanga
CamarõesCMR Carine Atezambong
ZâmbiaZAM Diana Chikotesha
MarrocosMAR Soukaina Hamdi
MarrocosMAR Fatiha Jermoumi
MaliMLI Fanta Kone
QuêniaKEN Mary Njoroge
MaurícioMRI Queency Victoire
MarrocosMAR Adil Zourak
CONCACAF Costa RicaCRC Marianela Araya
CanadáCAN Marie-Soleil Beaudoin
HondurasHON Melissa Borjas
MéxicoMEX Katia García
Estados UnidosUSA Ekaterina Koroleva
CanadáCAN Myriam Marcotte
Estados UnidosUSA Tori Penso
CanadáCAN Chantal Boudreau
MéxicoMEX Enedina Caudillo
MéxicoMEX Karen Díaz
Estados UnidosUSA Felisha Mariscal
Estados UnidosUSA Brooke Mayo
Estados UnidosUSA Kathryn Nesbitt
HondurasHON Shirley Perello
MéxicoMEX Sandra Ramírez
SurinameSUR Mijensa Rensch
JamaicaJAM Stephanie Yee Sing
CanadáCAN Carol Anne Chenard
CanadáCAN Drew Fischer
NicaráguaNCA Tatiana Guzmán
Estados UnidosUSA Armando Villarreal
CONMEBOL BrasilBRA Edina Alves
VenezuelaVEN Emikar Calderas
ChileCHI María Carvajal
UruguaiURU Anahí Fernández
ArgentinaARG Laura Fortunato
EquadorECU Mónica Amboya
BrasilBRA Neuza Back
ColômbiaCOL Mary Blanco
ArgentinaARG Mariana de Almeida
ArgentinaARG Daiana Milone
BrasilBRA Leila Moreira da Cruz
VenezuelaVEN Migdalia Rodríguez
ChileCHI Loreto Toloza
ChileCHI Leslie Vásquez
ArgentinaARG Salomé di Iorio
ColômbiaCOL Nicolás Gallo
BrasilBRA Daiane Muniz
VenezuelaVEN Juan Soto
OFC Nova ZelândiaNZL Anna-Marie Keighley Nova ZelândiaNZL Sarah Jones
SamoaSAM Maria Salamasina
UEFA RomêniaROU Iuliana Demetrescu
ItáliaITA Maria Sole Ferrieri Caputi
País de GalesWAL Cheryl Foster
FrançaFRA Stéphanie Frappart
EspanhaESP Marta Huerta de Aza
FinlândiaFIN Lina Lehtovaara
CroáciaCRO Ivana Martinčić
UcrâniaUKR Kateryna Monzul
SuéciaSWE Tess Olofsson
SuíçaSUI Esther Staubli
InglaterraENG Rebecca Welch
InglaterraENG Natalie Aspinall
PolôniaPOL Paulina Baranowska
FrançaFRA Élodie Coppola
ItáliaITA Francesca Di Monte
ChipreCYP Polyxeni Irodotou
EstôniaEST Karolin Kaivoja
GréciaGRE Chrysoula Kourompylia
SuíçaSUI Susanne Küng
FrançaFRA Manuela Nicolosi
IrlandaIRL Michelle O'Neill
Países BaixosNED Franca Overtoom
EspanhaESP Guadalupe Porras
AlemanhaGER Katrin Rafalski
República ChecaCZE Lucie Ratajová
CroáciaCRO Sanja Rođak-Karšić
UcrâniaUKR Maryna Striletska
RomêniaROU Mihaela Țepușă
HungriaHUN Anita Vad
BélgicaBEL Ella De Vries
AlemanhaGER Marco Fritz
EspanhaESP Alejandro Hernández Hernández
ItáliaITA Massimiliano Irrati
EspanhaESP Juan Martínez Munuera
InglaterraENG Sian Massey-Ellis
Países BaixosNED Paulus Van Boekel

Sorteio[editar | editar código-fonte]

O sorteio ocorreu no dia 22 de outubro de 2022 no Aotea Centre em Auckland, na Nova Zelândia.[22] As 29 seleções foram distribuídas em quatro potes de acordo com as colocações no Ranking Feminino Mundial da FIFA de 17 de junho de 2022, além das vagas do playoff intercontinental.[23] Austrália e Nova Zelândia, por serem as sedes da competição, foram as cabeças de chave do pote 1, sendo designadas respectivamente para os grupos A e B.

Pote 1 Pote 2 Pote 3 Pote 4

Nova Zelândia Nova Zelândia (22, anfitriã)
Austrália Austrália (13, anfitriã)
Estados Unidos Estados Unidos (1)
Suécia Suécia (2)
 Alemanha (3)
 Inglaterra (4)
 França (5)
Espanha Espanha (6)

 Canadá (7)
 Países Baixos (8)
Brasil (9)
 Japão (11)
Noruega Noruega (12)
 Itália (14)
China China (15)
Coreia do Sul (17)

Dinamarca (18)
Suíça Suíça (21)
 Irlanda (24)
 Colômbia (27)
 Argentina (29)
Vietnã (34)
Costa Rica Costa Rica (37)
 Jamaica (43)

Nigéria (45)
Filipinas (53)
África do Sul África do Sul (54)
 Marrocos (76)
 Zâmbia (81)
Vencedor do Playoff A[a]
Vencedor do Playoff B[b]
Vencedor do Playoff C[c]

  1. Posteriormente a vencedora foi  Portugal.
  2. Posteriormente a vencedora foi o  Haiti.
  3. Posteriormente a vencedora foi o  Panamá.

Fase de grupos[editar | editar código-fonte]

Os países concorrentes foram divididos em oito grupos de quatro equipes (grupos A a H). As equipes em cada grupo jogam entre si em um todos contra todos, com as duas primeiras equipes avançando para a fase eliminatória. [24]

Critérios de desempate
A classificação das equipas na fase de grupos é determinada da seguinte forma:
  1. Pontos obtidos em todos os jogos do grupo (três pontos por vitória, um por empate, nenhum por derrota);
  2. Diferença de gols em todos os jogos do grupo;
  3. Número de gols marcados em todas as partidas da fase de grupos;
  4. Pontos obtidos nas partidas disputadas entre as equipes em questão;
  5. Diferença de gols nas partidas disputadas entre as equipes em questão;
  6. Número de gols marcados nas partidas disputadas entre as equipes em questão;
  7. Pontos de fair play em todas as partidas do grupo (apenas uma dedução pode ser aplicada a um jogador em uma única partida):
    • Cartão amarelo: −1 ponto;
    • Cartão vermelho indireto (segundo cartão amarelo): −3 pontos;
    • Cartão vermelho direto: −4 pontos;
    • Cartão amarelo e cartão vermelho direto: −5 pontos;
  8. Sorteio.

Grupo A[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG Classificado
1 Suíça Suíça 5 3 1 2 0 2 0 +2 Fase final
2 Noruega Noruega 4 3 1 1 1 6 1 +5
3 Nova Zelândia Nova Zelândia 4 3 1 1 1 1 1 0 Eliminada
4 Filipinas 3 3 1 0 2 1 8 −7
Fonte: FIFA
20 de julho Nova Zelândia Nova Zelândia 1 – 0 Noruega Noruega Eden Park, Auckland
19:00 (UTC+12)
Wilkinson Gol marcado aos 48 minutos de jogo 48' Relatório Público: 42 137
Árbitro: JapãoJPN Yoshimi Yamashita

21 de julho Filipinas 0 – 2 Suíça Suíça Forsyth Barr Stadium, Dunedin
17:00 (UTC+12)
Relatório Bachmann Gol marcado aos 45 minutos de jogo 45' (pen.)
Piubel Gol marcado aos 64 minutos de jogo 64'
Público: 13 711
Árbitro: TogoTOG Vincentia Amedome

25 de julho Nova Zelândia Nova Zelândia 0 – 1 Filipinas Wellington Regional Stadium, Wellington
17:30 (UTC+12)
Relatório Bolden Gol marcado aos 24 minutos de jogo 24' Público: 32 357
Árbitro: MéxicoMEX Katia García

25 de julho Suíça Suíça 0 – 0 Noruega Noruega Waikato Stadium, Hamilton
20:00 (UTC+12)
Relatório Público: 10 769
Árbitro: FrançaFRA Stéphanie Frappart

30 de julho Suíça Suíça 0 – 0 Nova Zelândia Nova Zelândia Forsyth Barr Stadium, Dunedin
19:00 (UTC+12)
Relatório Público: 25 947
Árbitro: Estados UnidosUSA Tori Penso

30 de julho Noruega Noruega 6 – 0 Filipinas Eden Park, Auckland
19:00 (UTC+12)
Román Haug Gol marcado aos 6 minutos de jogo 6', Gol marcado aos 17 minutos de jogo 17', Gol marcado aos 90+5 minutos de jogo 90+5'
Graham Hansen Gol marcado aos 31 minutos de jogo 31'
Barker Gol contra marcado aos 48 minutos de jogo 48' (g.c.)
Reiten Gol marcado aos 53 minutos de jogo 53' (pen.)
Relatório Público: 34 697
Árbitro: CanadáCAN Marie-Soleil Beaudoin

Grupo B[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG Classificado
1 Austrália Austrália 6 3 2 0 1 7 3 +4 Fase final
2 Nigéria 5 3 1 2 0 3 2 +1
3  Canadá 4 3 1 1 1 2 5 −3 Eliminada
4  Irlanda 1 3 0 1 2 1 3 −2
Fonte: FIFA
20 de julho Austrália Austrália 1 – 0  Irlanda Stadium Australia, Sydney
20:00 (UTC+10)
Catley Gol marcado aos 52 minutos de jogo 52' (pen.) Relatório Público: 75 784
Árbitro: BrasilBRA Edina Alves Batista

21 de julho Nigéria  0 – 0  Canadá Melbourne Rectangular Stadium, Melbourne
12:30 (UTC+10)
Relatório Público: 21 410
Árbitro: FinlândiaFIN Lina Lehtovaara

26 de julho Canadá  2 – 1  Irlanda Perth Rectangular Stadium, Perth
20:00 (UTC+8)
Connolly Gol contra marcado aos 45+5 minutos de jogo 45+5' (g.c.)
Leon Gol marcado aos 53 minutos de jogo 53'
Relatório McCabe Gol marcado aos 4 minutos de jogo 4' Público: 17 065
Árbitro: ArgentinaARG Laura Fortunato

27 de julho Austrália Austrália 2 – 3 Nigéria Lang Park, Brisbane
20:00 (UTC+10)
Van Egmond Gol marcado aos 45+1 minutos de jogo 45+1'
Kennedy Gol marcado aos 90+10 minutos de jogo 90+10'
Relatório Kanu Gol marcado aos 45+6 minutos de jogo 45+6'
Ohale Gol marcado aos 65 minutos de jogo 65'
Oshoala Gol marcado aos 72 minutos de jogo 72'
Público: 49 156
Árbitro: SuíçaSUI Esther Staubli

31 de julho Canadá  0 – 4 Austrália Austrália Melbourne Rectangular Stadium, Melbourne
20:00 (UTC+10)
Relatório Raso Gol marcado aos 9 minutos de jogo 9', Gol marcado aos 39 minutos de jogo 39'
Fowler Gol marcado aos 58 minutos de jogo 58'
Catley Gol marcado aos 90+4 minutos de jogo 90+4' (pen.)
Público: 27 706
Árbitro: FrançaFRA Stéphanie Frappart

31 de julho Irlanda  0 – 0 Nigéria Lang Park, Brisbane
20:00 (UTC+10)
Relatório Público: 24 884
Árbitro: MéxicoMEX Katia García

Grupo C[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG Classificado
1  Japão 9 3 3 0 0 11 0 +11 Fase final
2 Espanha Espanha 6 3 2 0 1 8 4 +4
3  Zâmbia 3 3 1 0 2 3 11 −8 Eliminada
4 Costa Rica Costa Rica 0 3 0 0 3 1 8 −7
Fonte: FIFA
21 de julho Espanha Espanha 3 – 0 Costa Rica Costa Rica Wellington Regional Stadium, Wellington
19:30 (UTC+12)
Del Campo Gol contra marcado aos 21 minutos de jogo 21' (g.c.)
Bonmatí Gol marcado aos 23 minutos de jogo 23'
González Gol marcado aos 27 minutos de jogo 27'
Relatório Público: 22 966
Árbitro: AustráliaAUS Casey Reibelt

22 de julho Zâmbia  0 – 5  Japão Waikato Stadium, Hamilton
19:00 (UTC+12)
Relatório Miyazawa Gol marcado aos 43 minutos de jogo 43', Gol marcado aos 62 minutos de jogo 62'
Mi. Tanaka Gol marcado aos 55 minutos de jogo 55'
Endō Gol marcado aos 71 minutos de jogo 71'
Ueki Gol marcado aos 90+11 minutos de jogo 90+11' (pen.)
Público: 16 111
Árbitro: SuéciaSWE Tess Olofsson

26 de julho Japão  2 – 0 Costa Rica Costa Rica Forsyth Barr Stadium, Dunedin
17:00 (UTC+12)
Naomoto Gol marcado aos 25 minutos de jogo 25'
Fujino Gol marcado aos 27 minutos de jogo 27'
Relatório Público: 6 992
Árbitro: ItáliaITA Maria Sole Ferrieri Caputi

26 de julho Espanha Espanha 5 – 0  Zâmbia Eden Park, Auckland
19:30 (UTC+12)
Abelleira Gol marcado aos 9 minutos de jogo 9'
Hermoso Gol marcado aos 13 minutos de jogo 13', Gol marcado aos 70 minutos de jogo 70'
Redondo Gol marcado aos 65 minutos de jogo 65', Gol marcado aos 85 minutos de jogo 85'
Relatório Público: 20 983
Árbitro: Coreia do SulKOR Oh Hyeon-jeong

31 de julho Japão  4 – 0 Espanha Espanha Wellington Regional Stadium, Wellington
19:00 (UTC+12)
Miyazawa Gol marcado aos 12 minutos de jogo 12', Gol marcado aos 40 minutos de jogo 40'
Ueki Gol marcado aos 29 minutos de jogo 29'
Mi. Tanaka Gol marcado aos 82 minutos de jogo 82'
Relatório Público: 20 957
Árbitro: Estados UnidosUSA Ekaterina Koroleva

31 de julho Costa Rica Costa Rica 1 – 3  Zâmbia Waikato Stadium, Hamilton
19:00 (UTC+12)
Herrera Gol marcado aos 47 minutos de jogo 47' Relatório Mweemba Gol marcado aos 3 minutos de jogo 3'
B. Banda Gol marcado aos 31 minutos de jogo 31' (pen.)
Kundananji Gol marcado aos 90+3 minutos de jogo 90+3'
Público: 8 117
Árbitro: MarrocosMAR Bouchra Karboubi

Grupo D[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG Classificado
1  Inglaterra 9 3 3 0 0 8 1 +7 Fase final
2 Dinamarca 6 3 2 0 1 3 1 +2
3 China China 3 3 1 0 2 2 7 −5 Eliminada
4  Haiti 0 3 0 0 3 0 4 −4
Fonte: FIFA
22 de julho Inglaterra  1 – 0  Haiti Lang Park, Brisbane
19:30 (UTC+10)
Stanway Gol marcado aos 29 minutos de jogo 29' (pen.) Relatório Público: 44 369
Árbitro: VenezuelaVEN Emikar Calderas

22 de julho Dinamarca 1 – 0 China China Perth Rectangular Stadium, Perth
20:00 (UTC+8)
Vangsgaard Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90' Relatório Público: 16 989
Árbitro: CanadáCAN Marie-Soleil Beaudoin

28 de julho Inglaterra  1 – 0 Dinamarca Sydney Football Stadium, Sydney
18:30 (UTC+10)
James Gol marcado aos 6 minutos de jogo 6' Relatório Público: 40 439
Árbitro: SuéciaSWE Tess Olofsson

28 de julho China China 1 – 0  Haiti Hindmarsh Stadium, Adelaide
20:30 (UTC+9:30)
Wang Shuang Gol marcado aos 74 minutos de jogo 74' (pen.) Relatório Público: 12 675
Árbitro: EspanhaESP Marta Huerta de Aza

1 de agosto China China 1 – 6  Inglaterra Hindmarsh Stadium, Adelaide
20:30 (UTC+9:30)
Wang Shuang Gol marcado aos 57 minutos de jogo 57' (pen.) Relatório Russo Gol marcado aos 4 minutos de jogo 4'
Hemp Gol marcado aos 26 minutos de jogo 26'
James Gol marcado aos 41 minutos de jogo 41', Gol marcado aos 65 minutos de jogo 65'
Kelly Gol marcado aos 77 minutos de jogo 77'
Daly Gol marcado aos 84 minutos de jogo 84'
Público: 13 497
Árbitro: AustráliaAUS Casey Reibelt

1 de agosto Haiti  0 – 2 Dinamarca Perth Rectangular Stadium, Perth
19:00 (UTC+8)
Relatório Harder Gol marcado aos 21 minutos de jogo 21' (pen.)
Troelsgaard Gol marcado aos 90+10 minutos de jogo 90+10'
Público: 17 897
Árbitro: Coreia do SulKOR Oh Hyeon-jeong

Grupo E[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG Classificado
1  Países Baixos 7 3 2 1 0 9 1 +8 Fase final
2 Estados Unidos Estados Unidos 5 3 1 2 0 4 1 +3
3  Portugal 4 3 1 1 1 2 1 +1 Eliminada
4 Vietnã 0 3 0 0 3 0 12 −12
Fonte: FIFA
22 de julho Estados Unidos Estados Unidos 3 – 0 Vietnã Eden Park, Auckland
13:00 (UTC+12)
Smith Gol marcado aos 14 minutos de jogo 14', Gol marcado aos 45+7 minutos de jogo 45+7'
Horan Gol marcado aos 77 minutos de jogo 77'
Relatório Público: 41 107
Árbitro: MarrocosMAR Bouchra Karboubi

23 de julho Países Baixos  1 – 0  Portugal Forsyth Barr Stadium, Dunedin
19:30 (UTC+12)
Van der Gragt Gol marcado aos 13 minutos de jogo 13' Relatório Público: 11 991
Árbitro: UcrâniaUKR Kateryna Monzul

27 de julho Estados Unidos Estados Unidos 1 – 1  Países Baixos Wellington Regional Stadium, Wellington
13:00 (UTC+12)
Horan Gol marcado aos 62 minutos de jogo 62' Relatório Roord Gol marcado aos 17 minutos de jogo 17' Público: 27 312
Árbitro: JapãoJPN Yoshimi Yamashita

27 de julho Portugal  2 – 0 Vietnã Waikato Stadium, Hamilton
19:30 (UTC+12)
Encarnação Gol marcado aos 7 minutos de jogo 7'
Nazareth Gol marcado aos 21 minutos de jogo 21'
Relatório Público: 6 645
Árbitro: RuandaRWA Salima Mukansanga

1 de agosto Portugal  0 – 0 Estados Unidos Estados Unidos Eden Park, Auckland
19:00 (UTC+12)
Relatório Público: 40 958
Árbitro: InglaterraENG Rebecca Welch

1 de agosto Vietnã 0 – 7  Países Baixos Forsyth Barr Stadium, Dunedin
19:00 (UTC+12)
Relatório Martens Gol marcado aos 8 minutos de jogo 8'
Snoeijs Gol marcado aos 11 minutos de jogo 11'
Brugts Gol marcado aos 18 minutos de jogo 18', Gol marcado aos 57 minutos de jogo 57'
Roord Gol marcado aos 23 minutos de jogo 23', Gol marcado aos 83 minutos de jogo 83'
Van de Donk Gol marcado aos 45 minutos de jogo 45'
Público: 8 215
Árbitro: CroáciaCRO Ivana Martinčić

Grupo F[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG Classificado
1  França 7 3 2 1 0 8 4 +4 Fase final
2  Jamaica 5 3 1 2 0 1 0 +1
3 Brasil 4 3 1 1 1 5 2 +3 Eliminada
4  Panamá 0 3 0 0 3 3 11 −8
Fonte: FIFA
23 de julho França  0 – 0  Jamaica Sydney Football Stadium, Sydney
20:00 (UTC+10)
Relatório Público: 39 045
Árbitro: ChileCHI María Carvajal

24 de julho Brasil 4 – 0  Panamá Hindmarsh Stadium, Adelaide
20:30 (UTC+9:30)
Ary Borges Gol marcado aos 19 minutos de jogo 19', Gol marcado aos 39 minutos de jogo 39', Gol marcado aos 70 minutos de jogo 70'
Bia Zaneratto Gol marcado aos 48 minutos de jogo 48'
Relatório Público: 13 142
Árbitro: País de GalesWAL Cheryl Foster

29 de julho França  2 – 1 Brasil Lang Park, Brisbane
20:00 (UTC+10)
Le Sommer Gol marcado aos 17 minutos de jogo 17'
Renard Gol marcado aos 83 minutos de jogo 83'
Relatório Debinha Gol marcado aos 58 minutos de jogo 58' Público: 49 378
Árbitro: AustráliaAUS Kate Jacewicz

29 de julho Panamá  0 – 1  Jamaica Perth Rectangular Stadium, Perth
20:00 (UTC+8)
Relatório A. Swaby Gol marcado aos 56 minutos de jogo 56' Público: 15 987
Árbitro: UcrâniaUKR Kateryna Monzul

2 de agosto Panamá  3 – 6  França Sydney Football Stadium, Sydney
20:00 (UTC+10)
Cox Gol marcado aos 2 minutos de jogo 2'
Pinzón Gol marcado aos 64 minutos de jogo 64' (pen.)
L. Cedeño Gol marcado aos 87 minutos de jogo 87'
Relatório Lakrar Gol marcado aos 21 minutos de jogo 21'
Diani Gol marcado aos 28 minutos de jogo 28', Gol marcado aos 37 minutos de jogo 37' (pen.), Gol marcado aos 52 minutos de jogo 52' (pen.)
Le Garrec Gol marcado aos 45+5 minutos de jogo 45+5'
Bècho Gol marcado aos 90+10 minutos de jogo 90+10'
Público: 40 498
Árbitro: ArgentinaARG Laura Fortunato

2 de agosto Jamaica  0 – 0 Brasil Melbourne Rectangular Stadium, Melbourne
20:00 (UTC+10)
Relatório Público: 27 638
Árbitro: SuíçaSUI Esther Staubli

Grupo G[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG Classificado
1 Suécia Suécia 9 3 3 0 0 9 1 +8 Fase final
2 África do Sul África do Sul 4 3 1 1 1 6 6 0
3  Itália 3 3 1 0 2 3 8 −5 Eliminada
4  Argentina 1 3 0 1 2 2 5 −3
Fonte: FIFA
23 de julho Suécia Suécia 2 – 1 África do Sul África do Sul Wellington Regional Stadium, Wellington
17:00 (UTC+12)
Rolfö Gol marcado aos 65 minutos de jogo 65'
Ilestedt Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90'
Relatório Magaia Gol marcado aos 48 minutos de jogo 48' Público: 18 317
Árbitro: Estados UnidosUSA Ekaterina Koroleva

24 de julho Itália  1 – 0  Argentina Eden Park, Auckland
18:00 (UTC+12)
Girelli Gol marcado aos 87 minutos de jogo 87' Relatório Público: 30 889
Árbitro: HondurasHON Melissa Borjas

28 de julho Argentina  2 – 2 África do Sul África do Sul Forsyth Barr Stadium, Dunedin
12:00 (UTC+12)
Braun Gol marcado aos 74 minutos de jogo 74'
Núñez Gol marcado aos 79 minutos de jogo 79'
Relatório Motlhalo Gol marcado aos 30 minutos de jogo 30'
Kgatlana Gol marcado aos 66 minutos de jogo 66'
Público: 8 834
Árbitro: Nova ZelândiaNZL Anna-Marie Keighley

29 de julho Suécia Suécia 5 – 0  Itália Wellington Regional Stadium, Wellington
19:30 (UTC+12)
Ilestedt Gol marcado aos 39 minutos de jogo 39', Gol marcado aos 50 minutos de jogo 50'
Rolfö Gol marcado aos 44 minutos de jogo 44'
Blackstenius Gol marcado aos 45+1 minutos de jogo 45+1'
Blomqvist Gol marcado aos 90+5 minutos de jogo 90+5'
Relatório Público: 29 143
Árbitro: País de GalesWAL Cheryl Foster

2 de agosto Argentina  0 – 2 Suécia Suécia Waikato Stadium, Hamilton
19:00 (UTC+12)
Relatório Blomqvist Gol marcado aos 66 minutos de jogo 66'
Rubensson Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90' (pen.)
Público: 17 907
Árbitro: RuandaRWA Salima Mukansanga

2 de agosto África do Sul África do Sul 3 – 2  Itália Wellington Regional Stadium, Wellington
19:00 (UTC+12)
Orsi Gol contra marcado aos 32 minutos de jogo 32' (g.c.)
Magaia Gol marcado aos 67 minutos de jogo 67'
Kgatlana Gol marcado aos 90+2 minutos de jogo 90+2'
Relatório Caruso Gol marcado aos 11 minutos de jogo 11' (pen.), Gol marcado aos 74 minutos de jogo 74' Público: 14 967
Árbitro: ChileCHI María Carvajal

Grupo H[editar | editar código-fonte]

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG Classificado
1  Colômbia 6 3 2 0 1 4 2 +2 Fase final
2  Marrocos 6 3 2 0 1 2 6 −4
3  Alemanha 4 3 1 1 1 8 3 +5 Eliminada
4 Coreia do Sul 1 3 0 1 2 1 4 −3
Fonte: FIFA
24 de julho Alemanha  6 – 0  Marrocos Melbourne Rectangular Stadium, Melbourne
18:30 (UTC+10)
Popp Gol marcado aos 11 minutos de jogo 11', Gol marcado aos 39 minutos de jogo 39'
Bühl Gol marcado aos 46 minutos de jogo 46'
Aït El Haj Gol contra marcado aos 54 minutos de jogo 54' (g.c.)
Redouani Gol contra marcado aos 79 minutos de jogo 79' (g.c.)
Schüller Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90'
Relatório Público: 27 256
Árbitro: Estados UnidosUSA Tori Penso

25 de julho Colômbia  2 – 0 Coreia do Sul Sydney Football Stadium, Sydney
12:00 (UTC+10)
Usme Gol marcado aos 30 minutos de jogo 30' (pen.)
Caicedo Gol marcado aos 39 minutos de jogo 39'
Relatório Público: 24 323
Árbitro: InglaterraENG Rebecca Welch

30 de julho Coreia do Sul 0 – 1  Marrocos Hindmarsh Stadium, Adelaide
14:00 (UTC+10)
Relatório Jraïdi Gol marcado aos 6 minutos de jogo 6' Público: 12 886
Árbitro: BrasilBRA Edina Alves Batista

30 de julho Alemanha  1 – 2  Colômbia Sydney Football Stadium, Sydney
19:30 (UTC+10)
Popp Gol marcado aos 89 minutos de jogo 89' (pen.) Relatório Caicedo Gol marcado aos 52 minutos de jogo 52'
Vanegas Gol marcado aos 90+7 minutos de jogo 90+7'
Público: 40 499
Árbitro: HondurasHON Melissa Borjas

3 de agosto Coreia do Sul 1 – 1  Alemanha Lang Park, Brisbane
20:00 (UTC+10)
Cho So-hyun Gol marcado aos 6 minutos de jogo 6' Relatório Popp Gol marcado aos 42 minutos de jogo 42' Público: 38 945
Árbitro: Nova ZelândiaNZL Anna-Marie Keighley

3 de agosto Marrocos  1 – 0  Colômbia Perth Rectangular Stadium, Perth
18:00 (UTC+8)
Lahmari Gol marcado aos 45+4 minutos de jogo 45+4' Relatório Público: 17 342
Árbitro: ItáliaITA Maria Sole Ferrieri Caputi

Fase final[editar | editar código-fonte]

Chaveamento[editar | editar código-fonte]

Oitavas de final Quartas de final Semifinais Final
                           
5 de agosto – Auckland            
 Suíça Suíça  1
11 de agosto – Wellington
 Espanha Espanha  5  
 Espanha Espanha (pro)  2
6 de agosto – Sydney (FS)
    Países Baixos  1  
  Países Baixos  2
15 de agosto – Auckland
 África do Sul África do Sul  0  
 Espanha Espanha  2
5 de agosto – Wellington
   Suécia Suécia  1  
  Japão  3
11 de agosto – Auckland
 Noruega Noruega  1  
  Japão  1
6 de agosto – Melbourne
   Suécia Suécia  2  
 Suécia Suécia (pen)  0 (5)
20 de agosto – Sydney (SA)
 Estados Unidos Estados Unidos  0 (4)  
 Espanha Espanha  1
7 de agosto – Sydney (SA)
    Inglaterra  0
 Austrália Austrália  2
12 de agosto – Brisbane
  Dinamarca  0  
 Austrália Austrália (pen)  0 (7)
8 de agosto – Adelaide
    França  0 (6)  
  França  4
16 de agosto – Sydney (SA)
  Marrocos  0  
 Austrália Austrália  1
7 de agosto – Brisbane
    Inglaterra  3   Terceiro lugar
  Inglaterra (pen)  0 (4)
12 de agosto – Sydney (SA) 19 de agosto – Brisbane
  Nigéria  0 (2)  
  Inglaterra  2  Suécia Suécia  2
8 de agosto – Melbourne
    Colômbia  1    Austrália Austrália  0
  Colômbia  1
  Jamaica  0  

Oitavas de final[editar | editar código-fonte]

5 de agosto Suíça Suíça 1 – 5 Espanha Espanha Eden Park, Auckland
17:00 (UTC+12)
Codina Gol contra marcado aos 11 minutos de jogo 11' (g.c.) Relatório Bonmatí Gol marcado aos 5 minutos de jogo 5', Gol marcado aos 36 minutos de jogo 36'
Redondo Gol marcado aos 17 minutos de jogo 17'
Codina Gol marcado aos 45 minutos de jogo 45'
Hermoso Gol marcado aos 70 minutos de jogo 70'
Público: 43 217
Árbitro: País de GalesWAL Cheryl Foster

5 de agosto Japão  3 – 1 Noruega Noruega Wellington Regional Stadium, Wellington
20:00 (UTC+12)
Engen Gol marcado aos 15 minutos de jogo 15' (g.c.)
Shimizu Gol marcado aos 50 minutos de jogo 50'
Miyazawa Gol marcado aos 81 minutos de jogo 81'
Relatório Reiten Gol marcado aos 20 minutos de jogo 20' Público: 33 042
Árbitro: BrasilBRA Edina Alves Batista

6 de agosto Países Baixos  2 – 0 África do Sul África do Sul Sydney Football Stadium, Sydney
12:00 (UTC+10)
Roord Gol marcado aos 9 minutos de jogo 9'
Beerensteyn Gol marcado aos 68 minutos de jogo 68'
Relatório Público: 40 233
Árbitro: JapãoJPN Yoshimi Yamashita

6 de agosto Suécia Suécia 0 – 0 (pro) Estados Unidos Estados Unidos Melbourne Rectangular Stadium, Melbourne
19:00 (UTC+10)
Relatório Público: 27 706
Árbitro: FrançaFRA Stéphanie Frappart
    Penalidades  
Rolfö Convertido
Rubensson Convertido
Björn Erro (fora)
Blomqvist Erro (defesa)
Bennison Convertido
Eriksson Convertido
Hurtig Convertido
5 – 4 Convertido Sullivan
Convertido Horan
Convertido Mewis
Erro (fora) Rapinoe
Erro (fora) Smith
Convertido Naeher
Erro (fora) O'Hara
 

7 de agosto Inglaterra  0 – 0 (pro) Nigéria Lang Park, Brisbane
17:30 (UTC+10)
Relatório Público: 49 461
Árbitro: HondurasHON Melissa Borjas
    Penalidades  
Stanway Erro (fora)
England Convertido
Daly Convertido
Greenwood Convertido
Kelly Convertido
4 – 2 Erro (fora) Oparanozie
Erro (fora) Alozie
Convertido Ajibade
Convertido Ucheibe
 

7 de agosto Austrália Austrália 2 – 0 Dinamarca Stadium Australia, Sydney
20:30 (UTC+10)
Foord Gol marcado aos 29 minutos de jogo 29'
Raso Gol marcado aos 70 minutos de jogo 70'
Relatório Público: 75 784
Árbitro: InglaterraENG Rebecca Welch

8 de agosto Colômbia  1 – 0  Jamaica Melbourne Rectangular Stadium, Melbourne
18:00 (UTC+10)
Usme Gol marcado aos 51 minutos de jogo 51' Relatório Público: 27 706
Árbitro: AustráliaAUS Kate Jacewicz

8 de agosto França  4 – 0  Marrocos Hindmarsh Stadium, Adelaide
20:30 (UTC+9:30)
Diani Gol marcado aos 15 minutos de jogo 15'
Dali Gol marcado aos 20 minutos de jogo 20'
Le Sommer Gol marcado aos 23 minutos de jogo 23', Gol marcado aos 70 minutos de jogo 70'
Relatório Público: 13 557
Árbitro: Estados UnidosUSA Tori Penso

Quartas de final[editar | editar código-fonte]

11 de agosto Espanha Espanha 2 – 1 (pro)  Países Baixos Wellington Regional Stadium, Wellington
13:00 (UTC+12)
Caldentey Gol marcado aos 81 minutos de jogo 81' (pen)
Paralluelo Gol marcado aos 111 minutos de jogo 111'
Relatório Van der Gragt Gol marcado aos 90+1 minutos de jogo 90+1' Público: 32 021
Árbitro: FrançaFRA Stéphanie Frappart

11 de agosto Japão  1 – 2 Suécia Suécia Eden Park, Auckland
19:30 (UTC+12)
Hayashi Gol marcado aos 87 minutos de jogo 87' Relatório Ilestedt Gol marcado aos 32 minutos de jogo 32'
Angeldal Gol marcado aos 51 minutos de jogo 51' (pen)
Público: 43 217
Árbitro: SuíçaSUI Esther Staubli

12 de agosto Austrália Austrália 0 – 0 (pro)  França Lang Park, Brisbane
17:00 (UTC+10)
Relatório Público: 49 461
Árbitro: ChileCHI María Carvajal
    Penalidades  
Foord Convertido
Catley Erro (fora)
Kerr Convertido
Fowler Convertido
Arnold Erro (trave)
Gorry Convertido
Yallop Convertido
Carpenter Convertido
Hunt Erro (defesa)
Vine Convertido
7 – 6 Erro (defesa) Bacha
Convertido Diani
Convertido Renard
Convertido Le Sommer
Erro (fora) Périsset
Convertido Geyoro
Convertido Karchaoui
Convertido Lakrar
Erro (defesa) Dali
Erro (defesa) Bècho
 

12 de agosto Inglaterra  2 – 1  Colômbia Stadium Australia, Sydney
20:30 (UTC+10)
Hemp Gol marcado aos 45+7 minutos de jogo 45+7'
Russo Gol marcado aos 63 minutos de jogo 63'
Relatório Santos Gol marcado aos 44 minutos de jogo 44' Público: 75 784
Árbitro: Estados UnidosUSA Ekaterina Koroleva

Semifinal[editar | editar código-fonte]

15 de agosto Espanha Espanha 2 – 1 Suécia Suécia Eden Park, Auckland
20:00 (UTC+12)
Paralluelo Gol marcado aos 81 minutos de jogo 81'
Carmona Gol marcado aos 89 minutos de jogo 89'
Relatório Blomqvist Gol marcado aos 88 minutos de jogo 88' Público: 43 217
Árbitro: BrasilBRA Edina Alves Batista

16 de agosto Austrália Austrália 1 – 3  Inglaterra Stadium Australia, Sydney
20:00 (UTC+10)
Kerr Gol marcado aos 63 minutos de jogo 63' Relatório Toone Gol marcado aos 36 minutos de jogo 36'
Hemp Gol marcado aos 71 minutos de jogo 71'
Russo Gol marcado aos 86 minutos de jogo 86'
Público: 75 784
Árbitro: Estados UnidosUSA Tori Penso

Disputa pelo terceiro lugar[editar | editar código-fonte]

19 de agosto Suécia Suécia 2 – 0 Austrália Austrália Lang Park, Brisbane
18:00 (UTC+10)
Rolfö Gol marcado aos 30 minutos de jogo 30' (pen.)
Asllani Gol marcado aos 62 minutos de jogo 62'
Relatório Público: 49 461
Árbitro: País de GalesWAL Cheryl Foster

Final[editar | editar código-fonte]

20 de agosto Espanha Espanha 1 – 0  Inglaterra Stadium Australia, Sydney
20:00 (UTC+10)
Carmona Gol marcado aos 29 minutos de jogo 29' Relatório Público: 75 784
Árbitro: Estados UnidosUSA Tori Penso

Premiações[editar | editar código-fonte]

Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2023
Espanha
Espanha
Campeã[25]
(1.º título)

Individuais[editar | editar código-fonte]

Os seguintes prêmios individuais foram atribuídos após a conclusão do torneio:[26]

Prêmio FIFA Chuteira de Ouro (artilheira): Prêmio FIFA Chuteira de Prata (vice-artilheira): Prêmio FIFA Chuteira de Bronze (terceira artilheira):
Japão Hinata Miyazawa França Kadidiatou Diani Alemanha Alexandra Popp
Prêmio FIFA Bola de Ouro (melhor jogadora): Prêmio FIFA Bola de Prata (segunda melhor jogadora): Prêmio FIFA Bola de Bronze (terceira melhor jogadoa):
Espanha Aitana Bonmatí Espanha Jenni Hermoso Suécia Amanda Ilestedt
Prêmio FIFA Luva de Ouro (melhor goleira): Troféu FIFA Fair Play (time menos faltoso): Prêmio FIFA Melhor Jogadora Jovem:
Inglaterra Mary Earps  Japão Espanha Salma Paralluelo

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Artilharia[editar | editar código-fonte]

5 gols (1)
4 gols (4)
3 gols (12)
2 gols (16)
1 gols (67)
Gols contra (8)

Classificação final[editar | editar código-fonte]

A classificação final é determinada através da fase em que a seleção alcançou e a sua pontuação, levando em conta os critérios de desempate.

Pos. Seleção Gr Pts J V E D GP GC SG
Final
1 Espanha Espanha C 18 7 6 0 1 18 7 +11
2  Inglaterra D 16 7 5 1 1 13 4 +9
Decisão do 3º e 4º lugares
3 Suécia Suécia G 16 7 5 1 1 14 3 +11
4 Austrália Austrália B 10 7 3 1 3 10 8 +2
Eliminadas nas quartas de final
5  Japão C 12 5 4 0 1 15 3 +12
6  França F 11 5 3 2 0 12 4 +8
7  Países Baixos E 10 5 3 1 1 12 3 +9
8  Colômbia H 9 5 3 0 2 6 4 +2
Eliminadas nas oitavas de final
9  Dinamarca D 6 4 2 0 2 3 3 0
10  Marrocos H 6 4 2 0 2 2 10 −8
11 Estados Unidos Estados Unidos E 6 4 1 3 0 4 1 +3
12 Nigéria B 6 4 1 3 0 3 2 +1
13  Jamaica F 5 4 1 2 1 1 1 0
14 Suíça Suíça A 5 4 1 2 1 3 5 +2
15 Noruega Noruega A 4 4 1 1 2 7 4 +3
16 África do Sul África do Sul G 4 4 1 1 2 6 8 −2
Eliminadas na fase de grupos
17  Alemanha H 4 3 1 1 1 8 3 +5
18 Brasil F 4 3 1 1 1 5 2 +3
19  Portugal E 4 3 1 1 1 2 1 +1
20 Nova Zelândia Nova Zelândia A 4 3 1 1 1 1 1 0
21  Canadá B 4 3 1 1 1 2 5 –3
22  Itália G 3 3 1 0 2 3 8 −5
23 China China D 3 3 1 0 2 2 7 −5
24 Filipinas A 3 3 1 0 2 1 8 −7
25  Zâmbia C 3 3 1 0 2 3 11 −8
26  Irlanda B 1 3 0 1 2 1 3 −2
27  Argentina G 1 3 0 1 2 2 5 −3
28 Coreia do Sul H 1 3 0 1 2 1 4 −3
29  Haiti C 0 3 0 0 3 0 4 −4
30 Costa Rica Costa Rica D 0 3 0 0 3 1 8 −7
31  Panamá F 0 3 0 0 3 3 11 −8
32 Vietnã E 0 3 0 0 3 0 12 −12

Sumário[editar | editar código-fonte]

Eliminações precoces de seleções tradicionais[editar | editar código-fonte]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

A seleção alemã esteve no Grupo H da competição, junto com Colômbia, Coreia do Sul e Marrocos e era apontada como uma das favoritas do torneio por conta dos seus resultados históricos a nível internacional: bicampeãs mundiais em 2003 e 2007 e campeãs olímpicas em 2016. O time germânico estreou com goleada contra a seleção marroquina, num placar de 6–0, com dois gols contra, sendo um marcado por Hanane Aït El Haj aos 54 minutos do segundo tempo e outro por Zineb Redouani aos 79 minutos.[27] Em seu segundo jogo, a equipe europeia iniciou em desvantagem com um gol marcado pela Colômbia. Coube a Linda Caicedo abrir o placar da partida aos 52 minutos do segundo tempo. A equipe até conseguiu um empate através de um gol de pênalti marcado por Alexandra Popp aos 89 minutos. Porém, a equipe colombiana acabou virando o jogo com o gol de Manuela Vanegas nos acréscimos, fazendo com que a Alemanha foose derrotada por 1–2.[28]

Com a vitória do Marrocos contra a Coreia do Sul, a Alemanha teria que vencer ou empatar a partida contra a seleção asiática, já que por conta do saldo de gols, a equipe segurava a vice-liderança e abria uma vantagem de um ponto contra o time africano. O empate, porém, não era garantia, já que com uma possível vitória do Marrocos, a equipe europeia seria eliminada.[29] O time até conseguiu o empate em 1–1, com o gol marcado por Popp aos 42 minutos do segundo tempo, tirando a vantagem sul-coreana com o gol de Cho So-hyun aos 4 minutos do primeiro tempo. No entanto, o Marrocos acabou vencendo o jogo contra a Colômbia e com isso, a Alemanha pela primeira vez desde a sua estreia na primeira edição da Copa do Mundo, em 1991 (em 1999 não se classificou), ficou de fora da fase final.[30] Por coincidência, a equipe masculina também não avançou para a fase final desde o título da Copa do Mundo em 2014 e, além disso, também teve a Coreia do Sul como o seu principal algoz em 2018.[31]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Antes mesmo do início da competição, a convocação das jogadoras chegou a virar alvo de críticas, principalmente pela exclusão da atacante Cristiane e as controversas convocações da goleira Bárbara e da zagueira Mônica, a quais foram apontadas pelo baixo nível técnico em suas partidas durante torneios nacionais.[32][33]

A equipe brasileira estreou com goleada no grupo F contra o Panamá, tendo inclusive Ary Borges marcando um hat-trick, fechando com um 4–0.[34] No jogo seguinte, a seleção foi derrotada pela França, com um gol de Eugénie Le Sommer aos 17 minutos do primeiro tempo. Aos 58 minutos do segundo tempo, Debinha empatou a partida, mas aos 83 minutos, Wendie Renard fez o segundo gol francês, definindo o placar em 2–1, o mesmo das oitavas de final de 2019. A perda desse jogo trouxe um peso duplo ao Brasil: o primeiro foi a ampliação do "tabu" brasileiro contra a França, o qual não conquistou nenhuma vitória contra as europeias na história.[35][36] Já o segundo foi a vitória da Jamaica contra o Panamá por 1–0, tirando o Brasil da zona de classificação.[37]

Para avançar à próxima fase, o Brasil precisaria vencer o jogo contra as jamaicanas na última rodada, o que não aconteceu após empate em 0–0, antecipando a eliminação da seleção brasileira. Vice-campeã mundial em 2007 e duas vezes medalhista de prata em Jogos Olímpicos (2004 e 2008), foi a pior campanha brasileira em Copas do Mundos desde 1995. A despedida precoce gerou críticas contra a técnica Pia Sundhage pela falta de esquema tático e escalação de jogadoras com desempenho duvidoso, além de erros considerados "absurdos".[38][39][40]

Canadá[editar | editar código-fonte]

Então campeã olímpica, a seleção do Canadá obteve um desempenho razoável com uma vitória, um empate e uma derrota no Grupo B, junto com a anfitriã Austrália, Irlanda e Nigéria. Iniciou a campanha com um empate sem gols contra as nigerianas, mas na rodada seguinte venceu a Irlanda, mesmo com as europeias abrindo o placar com um gol olímpico de Katie McCabe aos 4 minutos do primeiro tempo. O primeiro gol canadense no mundial acabou sendo contra, durante os acréscimos do primeiro tempo com Megan Connolly, mas Adriana Leon acabou fazendo o segundo gol e o único de uma futebolista canadense, aos 53 minutos do segundo tempo, fechando a partida com o 2–1.[41] O Canadá precisaria de mais uma vitória para avançar a fase final, mas foram superadas pelas donas da casa por 0–3, sendo eliminadas na fase de grupos pela primeira vez desde 2011.[42]

China[editar | editar código-fonte]

Vice-campeã mundial em 1999, a equipe chinesa acumulou duas derrotas e uma única vitória no Grupo D. Em sua estreia, foi derrotada pela Dinamarca com gol de Amalie Vangsgaard aos 90 minutos.[43] Sua única vitória foi contra o Haiti, quando Wang Shuang marcou o único gol da partida aos 74 minutos em uma cobrança de pênalti.[44] No jogo contra a Inglaterra, a China acabou sofrendo uma de suas maiores goleadas em Copas do Mundos ao levar seis gols do time inglês e marcar apenas um, novamente através de Wang Shuang. As chinesas finalizaram com a sua pior campanha em mundiais desde 2011, quando também não avançou para a fase final.[45]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Apontada como uma das favoritas por já ter conquistado quatro títulos de Copa do Mundo (1991, 1999, 2015 e 2019), a equipe estadunidense esteve no grupo E, junto com os Países Baixos e as seleções estreantes de Portugal e Vietnã. Na estreia contra a equipe vietnamita, estrearam goleando as adversárias, através de dois gols de Sophia Smith e um gol de Lindsey Horan, terminando o placar em 3–0.[46] No segundo jogo contra os Países Baixos, o time acabou tendo uma performance razoável, com várias chances de gol desperdiçadas. O placar foi aberto por Jill Roord aos 17 minutos do primeiro tempo. Coube a Horan marcar o gol do empate aos 62 minutos do segundo tempo, fazendo com que os Estados Unidos caíssem para o segundo lugar na tabela de classificação.[47] A equipe corria um risco de ficar de fora da fase final com uma vitória de Portugal por dois gols de diferença na última rodada, mas a equipe norte-americana conseguiu segurar um empate em 0–0, garantindo a classificação.[48]

Nas oitavas de final, as americanas enfrentaram a Suécia em um jogo que terminou sem gols no tempo normal e na prorrogação. Na disputa por pênaltis, até conseguiram abrir uma vantagem de 3–2 após o erro de Nathalie Björn, no entanto, Smith e Megan Rapinoe acabaram perdendo suas cobranças. Hanna Bennison fez o terceiro gol para as suecas, empatando a disputa. Após o erro de Kelley O'Hara, a atacante Lina Hurtig fez o quinto gol para a Suécia, que selaria a eliminação dos Estados Unidos após a confirmação do árbitro assistente de vídeo, virando a definição nas penalidades em 5–4.[49] A saída precoce dos Estados Unidos logo na primeira fase eliminatória foi um fato inédito, já que desde a primeira edição, a equipe nunca ficou de fora dos três primeiros lugares, totalizando um vice-campeonato (2003) e três terceiros lugares (1995, 2007 e 2011) nos anos em que não obteve o título mundial.[50] Essa foi também a segunda derrota para a Suécia nos pênaltis e a terceira na história. Nos Jogos Olímpicos de 2016, pelas quartas de final, a classificação sueca também foi decidida nos pênaltis, e em 2020 na fase de grupos, a equipe europeia venceu por 3–0.[51][52]

Seleções estreantes na fase final[editar | editar código-fonte]

África do Sul[editar | editar código-fonte]

Em sua segunda participação em Copas do Mundo, a África do Sul conseguiu o inédito acesso às oitavas de final, ao finalizar na segunda posição do grupo G. A estreia foi com derrota para a Suécia por 1–2, com o único gol marcado por Hildah Magaia aos 48 minutos do segundo tempo, com as suecas virando o placar aos 65 minutos do segundo tempo com Fridolina Rolfö e com Amanda Ilestedt aos 90 minutos.[53] Na partida contra a Argentina, o time africano abriu o placar com Linda Motlhalo aos 30 minutos do primeiro tempo. O segundo gol foi marcado por Thembi Kgatlana aos 66 minutos do segundo tempo. Apesar do domínio do placar, aos 74 minutos do segundo tempo, Sophia Braun fez o primeiro gol argentino, seguido de Romina Nuñez aos 79 minutos, determinando a igualdade em 2–2.[54] Contra a Itália, Arianna Caruso fez o primeiro gol do time europeu aos 11 minutos do primeiro tempo através de um pênalti. Benedetta Orsi acabou abrindo o placar para as sul-africanas com um gol contra aos 32 minutos. No segundo tempo, Magaia fez o segundo gol para a África do Sul aos 67 minutos do segundo tempo, enquanto que Caruso empatou a partida para a Itália aos 74 minutos. Já nos acréscimos, Kgatlana fez o gol que garantiu o inédito acesso da África do Sul às oitavas, sendo o primeiro triunfo da equipe em um torneio internacional.[55]

Jamaica[editar | editar código-fonte]

Em sua segunda participação na Copa do Mundo, a equipe caribenha fez uma campanha sem derrotas no grupo F. As jamaicanas conseguiram dominar o jogo contra a França, fazendo a partida terminar em empate por 0–0. No jogo contra o Panamá, marcou seu único gol com Allyson Swaby aos 56 minutos do segundo tempo, colocando a equipe na vice-liderança para a rodada final.[37] Na partida contra o Brasil, a equipe novamente arrancou um empate sem gols, eliminando o tradicional time brasileiro e se classificando de forma inédita para a fase final.[38]

Marrocos[editar | editar código-fonte]

A equipe feminina do Marrocos fazia a sua estreia em Copas do Mundos e a estreia no Grupo H não foi promissora após ser goleada pela Alemanha por 0–6, com direitos a dois gols contra marcados em favor das europeias.[27] A equipe se recuperou em seu segundo jogo ao vencer a Coreia do Sul pela contagem mínima, com o gol marcado por Ibtissam Jraïdi aos 6 minutos do primeiro tempo. Com esse triunfo, o Marrocos precisaria vencer a Colômbia e torcer por no máximo um empate da Alemanha contra a Coreia do Sul na última rodada.[56] O objetivo inicial acabou sendo atingido com um gol de Anissa Lahmari nos 5 minutos de acréscimo do primeiro tempo. Como a Alemanha empatou sua partida contra as sul-coreanas, a equipe marroquina acabou avançando para a fase final como segunda colocada do grupo, repetindo o feito da seleção masculina no ano anterior. Com o avanço marroquino, pela primeira vez três equipes africanas disputavam a fase final de um campeonato internacional (África do Sul e Nigéria também avançaram).[57] Ambas as seleções acabaram eliminadas pela França na fase final de seus respectivos mundiais.[58][59]

Publicidade[editar | editar código-fonte]

Logotipo[editar | editar código-fonte]

O logotipo oficial foi apresentado para o público em 28 de outubro de 2021. Denominada de "Beyond Greatness" (além da grandeza, em português), a logomarca oficial, segundo a entidade, inclui elementos culturais diversos e uma nova abordagem vibrante que "visa inspirar e unir pessoas ao redor do mundo". A identidade e o emblema da marca incorporam as vibrantes paisagens locais e as cores ricas dos dois anfitriões, construindo uma paleta baseada nas florestas tropicais, terra, montanhas, cidades e água dos dois países. Um motivo radial com 32 quadrados coloridos, celebrando a nova expansão para 32 nações participantes e um elemento comumente visto nas culturas indígenas da Austrália e Nova Zelândia.[60]

Mascote[editar | editar código-fonte]

A mascote oficial foi apresentada no dia 19 de outubro de 2022 pelas redes sociais da FIFA. Denominada de Tazuni, é uma pinguim adolescente apaixonada por futebol. O nome é fruto da união das palavras "Mar da Tasmânia" (Tasman Sea, em inglês) e "unidade", que de acordo com a FIFA será um valor fundamental do evento.[61][62]

Música oficial[editar | editar código-fonte]

Junto com o logotipo, foi lançada a música oficial do evento, denominada Unity, sendo composta pela DJ britânica Kelly Lee Owens.[63]

Direitos de transmissão[editar | editar código-fonte]

Grande parte dos direitos de transmissão dos jogos foram vendidos junto às outras versões da Copa do Mundo FIFA, principalmente os mundiais de 2022 e 2026 em alguns países.

Diferentemente das edições anteriores, esta é a primeira Copa do Mundo Feminina a ser comercializada como um produto independente, em vez de ser embalada junto com a Copa do Mundo masculina. A FIFA pretende alcançar uma audiência global de 2 bilhões, ante 1,12 bilhão na edição anterior, na França. Em outubro de 2022, a FIFA rejeitou vários lances de várias emissoras públicas e privadas para lances significativamente abaixo do preço, instando as emissoras a pagar o que o futebol feminino merece.[64] Romy Gai, diretor de negócios da FIFA, pediu às emissoras que aproveitassem a "oportunidade" oferecida pelo futebol feminino, dizendo ainda que essas ofertas não refletiam a popularidade do futebol feminino, observando os números recordes de audiência da Copa do Mundo Feminina de 2019.[65] Gianni Infantino mais tarde expressou sua decepção durante uma reunião do Conselho da FIFA em relação às emissoras que oferecem "100 vezes menos" em comparação com o torneio masculino, alegando que o futebol feminino está crescendo exponencialmente com números de audiência semelhantes aos da Copa do Mundo e desejou que o mercado esteja disposto a considerar um valor mais adequado dos direitos de transmissão do torneio.[66]

Em comparação a 2019, num balanço divulgado em maio, a FIFA vendeu os direitos de transmissão para 154 territórios, o que representou uma queda em relação á edição anterior, onde mais de 200 territórios transmitiram a Copa, contra 225 da edição masculina de 2022. Uma das razões seria que países como Alemanha, Itália, Inglaterra, França e Espanha não pretendiam pagar o valor exigido pela FIFA, correndo o risco de ficarem de fora das transmissões terrestres. Após várias rodadas de negociações, os acordos com os cinco países acabaram sendo acertados em 15 de junho, junto com a expansão do acordo Eurosport para a cobertura de eventos esportivos pela Europa.[67][68][69][70][71] Nos Estados Unidos, a cobertura fica a cargo da Fox pela televisão e na Telemundo via rádio, como parte de um acordo firmado em 2015. Na América do Sul, a empresa Nem Ip Co. repassou os direitos para os nove países, com exceção do Brasil.[72] Em Moçambique, o Grupo Record adquiriu os direitos de transmissão do torneio, realizando a cobertura através da TV Miramar, que já transmite a Copa do Mundo masculina desde 2010.[73]

Após o acordo entre os cinco países europeus serem anunciados, apenas o Japão ainda não havia confirmado as transmissões da Copa, uma vez que os canais tradicionais como a NHK e a Fuji TV até o mês de junho não haviam dado a certeza de transmissão do evento.[74] Um dos motivos alegados teria sido os altos custos da transmissão da Copa do Catar, além das exigências da FIFA pelas transmissões do evento com um "preço justo".[75] Em 13 de julho de 2023, a emissora estatal NHK confirmou que vai transmitir a Copa, mas cobrindo apenas os jogos do Japão pela fase de grupos, podendo se estender para a fase eliminatória dependendo do desempenho da seleção.[76][77]

No Brasil, os jogos foram vendidos ao Grupo Globo e a produtora LiveMode, parceira do streamer Casimiro. Ao todo, a Globo confirmou a transmissão de 34 jogos em todas as plataformas, cobrindo apenas sete na TV aberta, dando prioridade à seleção brasileira e as transmissões de um jogo por rodada no mata-mata, representando um aumento em relação a Copa de 2019, onde a TV Globo só transmitiu apenas os jogos do Brasil e a grande final. Pelo streaming, as coberturas ficaram à cargo do Globoplay e da CazéTV, com a última realizando a cobertura de todos os 64 jogos ao vivo, alterando o contrato que previa um jogo por rodada, o mesmo modelo da Copa masculina de 2022.[78][79]

Lista de transmissoras
País/Continente TV aberta TV por assinatura Streaming Ref.
Mundo FIFA+ [80]
África do Sul SuperSport
 Alemanha ARD e ZDF
América Latina (exceto Brasil, Argentina e Colômbia) Claro Sports
 Argentina Televisión Pública TyC Sports e DSports [81]
Ásia Central
Saran Media
 Austrália Seven Network Optus Sport Seven Plus [82]
 Brasil TV Globo SporTV Globoplay e CazéTV [83][84]
Caribe SportsMax
 Canadá CTV TSN e RDS [85]
 China CCTV IQIYI [86]
 Colômbia Caracol Televisión e RCN DSports Caracol Play [81]
Costa Rica Teletica e Repretel
 Dinamarca NENT, DR e TV 2 [87]
Espanha e territórios TVE RTVE Play
 Estados Unidos e territórios Telemundo Fox Sports e Universo Peacock [88]
Europa
União Europeia de Radiodifusão e Eurosport
 Finlândia Yle [89]
Filipinas TAP DMV
 França e territórios France TV e M6
 Irlanda RTÉ e TG4
 Jamaica TVJ
 Japão NHK
 Marrocos e partes da África BelN Sports
Nigéria SuperSport
 Nova Zelândia Prime Sky Sport [90]
 Noruega NENT e NRK [87]
 Países Baixos NOS [91]
 Panamá RPC e TVN
 Polónia NENT [91]
Portugal Portugal RTP Sport TV RTP Play [92][93]
 Reino Unido BBC e ITV
 Suécia NENT, SVT e TV4 [87]
Suíça SRG SSR
 Vietname VTV
 Zâmbia ZNBC

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Pela primeira vez, o Governo Federal do Brasil decidiu adotar o uso do ponto facultativo durante os jogos da seleção brasileira, algo que já ocorre desde então nos jogos do time masculino. A medida foi idealizada pela Ministra do Esporte, Ana Moser, sendo aprovada pelo Governo Federal, com portaria publicada pelo Ministério da Gestão e Inovação com regras nos estabelecimentos e serviços públicos.[94] No entanto, as duas medidas não são consideradas feriados, uma vez que a liberação ocorre mediante negociações entre empregador e empregados[95] e os servidores públicos podem se ausentar durante o horário das partidas e retornar até duas horas após o seu fim, com a compensação de horas não trabalhadas ocorrendo até o dia 29 de dezembro.[96]

Nos países anfitriões, os jogos de estreia da Copa do Mundo bateram recordes de audiência. Na Nova Zelândia, a partida inaugural foi assistida por mais de 1 milhão de pessoas, com 39% dos televisores ligados no evento, sendo este o maior índice de um jogo de futebol no país em 20 anos entre homens e mulheres. Na Austrália, a transmissão da estreia das "Matildas", como são chamadas as jogadoras da seleção local, teve um pico de 2,29 milhões de pessoas, correspondendo a 46,2% da população.[97] O segundo jogo contra a Nigéria obteve uma média de 899 mil telespectadores, se figurando na liderança.[98] Nos estádios, as partidas também quebraram recordes históricos de público, batendo até as partidas de futebol masculino, com 42 137 pessoas no Eden Park e 75 784 no Stadium Australia.[99] O jogo de classificação das "Matildas" para a fase final garantiu uma média de 4,71 milhões de telespectadores pela Austrália.[100] Tal marca seria superada pelo inédito avanço da seleção australiana para as quartas de final com uma soma de 6,54 milhões de telespectadores na TV e no streaming, sendo considerado um recorde histórico para a cobertura esportiva local. O canal Seven registrou 3,18 milhões de telespectadores e 384 mil aparelhos conectados no Seven Plus, incluindo a audiência nacional de 3,56 milhões de pessoas.[101] Tal recorde histórico seria superado nas quartas de final com 4,17 milhões de telespectadores, chegando ao pico máximo de 7,2 milhões de pessoas durante a disputa de pênaltis, vencidas pelas "Matildas", sendo o maior índice desde a final dos 400 metros feminino do atletismo nos Jogos Olímpicos de Verão de 2000, realizados em Sydney, e com vitória da local Cathy Freeman.[102] Na semifinal, a partida das australianas alcançou um novo recorde de 7,13 milhões de espectadores, chegando ao pico máximo de 11,15 milhões, mais da metade da população de Sydney em números.[103]

Nos Estados Unidos, a estreia da atual campeã contra o estreante Vietnã alcançou uma marca de 5,26 milhões de telespectadores, chegando ao pico de 6,55 milhões na cobertura realizada pela Fox, superando as partidas da Preakness Stakes e NBA-All Star Game, além das 500 Milhas de Indianápolis. Anterior ao jogo da seleção local, a partida entre Nigéria e Canadá garantiu uma média de 1,26 milhão de espectadores, um aumento de 6% em comparação à edição anterior de uma seleção de fora. Pela Telemundo, a partida foi assistida por 1 milhão de espectadores, sendo a partida da fase de grupos mais assistida em um canal latino-americano, perdendo apenas para as finais de 2019 e 2015, vencidas pelos Estados Unidos.[104] Já o segundo jogo contra os Países Baixos alcançou o pico máximo de 6,43 milhões de espectadores pelas mídias da Fox.[105]

No Brasil, a partida entre Nigéria e Canadá aumentou em 400% na média de audiência do SporTV em comparação com as quatro últimas semanas pela faixa das 23h30, com 930 mil pessoas sintonizadas no canal esportivo e 72% dos televisores ligados no canal. Pela CazéTV, a partida obteve uma média de 149 mil pessoas e/ou aparelhos conectados no jogo, simbolizando uma das maiores audiências do futebol feminino registradas em um streaming brasileiro.[106][107] O recorde foi superado durante o jogo entre Brasil e Panamá, quando a plataforma registrou 795 mil pessoas e/ou aparelhos conectados durante o primeiro tempo e 1 milhão durante o segundo tempo, batendo o recorde mundial que pertencia até então a uma transmissão da Liga dos Campeões da Europa na temporada 2019–20. O recorde já havia sido quebrado durante o jogo entre Estados Unidos e Vietnã com 251 mil pessoas e/ou aparelhos.[108] Na TV Globo, a estreia do Brasil garantiu 14 pontos de média, pico de 16 e share de 46,3% na Região Metropolitana de São Paulo e 20 pontos de média e pico de 22 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, representando um aumento de 80% em coberturas ao vivo, além de dobrar os índices matinais em São Paulo.[109] Pelo Painel Nacional Televisivo (PNT), o índice foi de 16 pontos, maior média desde as transmissões dos Jogos Olímpicos de Verão de 2008.[110] No SporTV, o jogo de estreia da seleção brasileira garantiu um crescimento de 1100% nos índices da emissora, alcançando 1,5 milhão de pessoas ligadas no canal esportivo. Ao todo, a estreia foi assistida por 26 milhões de pessoas.[111]

Já a partida da seleção brasileira contra a França voltou a bater recordes de audiência no Brasil, mesmo indo ao ar nas primeiras horas do dia em um sábado. Na TV Globo, o jogo registrou 15 pontos e pico de 17 em São Paulo, sendo esse o maior índice desde a transmissão da final do torneio de futebol masculino nos Jogos Olímpicos de Verão de 2020 em agosto de 2021.[112] No Rio de Janeiro, a média foi de 18 pontos e pico de 22 e pelo Painel Nacional Televisivo (PNT), a média foi de 16 pontos, o mesmo índice da estreia contra o Panamá. Nas cidades de Salvador e Recife, a partida chegou ao pico de 23 pontos.[113][114] O SporTV assumiu a liderança isolada na TV por assinatura e a CazéTV superou seu recorde anterior com 1,232 milhão de telespectadores e/ou aparelhos conectados.[114] Já a eliminação contra a Jamaica bateu novo recorde com 15 pontos e pico de 19 em São Paulo, superando até mesmo as atrações vespertinas da Globo, 19 pontos e pico de 22 no Rio de Janeiro e 17 pontos no Painel Televisivo Nacional, superando a média das duas partidas anteriores. Pelo SporTV, o aumento foi de 2444% na média matinal do canal.[115][116]

Na Argentina, a partida contra a África do Sul se figurou como o programa mais assistido da TV Pública com 8,6 pontos, chegando ao pico máximo de 12,3 pontos, sendo uma das melhores marcas do canal público local e do futebol feminino no país.[117][118]

A decisão entre Espanha e Inglaterra também garantiu bons números de audiência pelo Brasil, chegando aos 9 pontos pelo Painel Nacional Televisivo (PNT) e 10 pontos em São Paulo, alcançando o pico máximo de 15 na megalópole brasileira, mesmo com o jogo não tendo a participação da seleção nacional e a transmissão ter ocorrido nas primeiras horas do dia, sendo essa a maior marca numa manhã de domingo desde o jogo entre Japão e Costa Rica pela fase de grupos da Copa masculina de 2022. Ao todo, a cobertura da Copa pela televisão alcançou uma média de 63,2 milhões de pessoas e pelo streaming, a média foi de 24 milhões de pessoas e/ou aparelhos conectados.[119] Na Espanha, a cobertura da conquista do país local alcançou mais de 5,6 milhões de telespectadores e share de 65,7%, sendo essa a maior audiência da história do futebol feminino no país, enquanto que no streaming a média foi de 2,1 milhões de pessoas e/ou aparelhos conectados. Ao todo, a média geral foi de 1,3 milhão de pessoas alcançadas pelas transmissões.[120]

Pelo mundo todo, 2 bilhões de pessoas acompanharam todos os 64 jogos da Copa do Mundo, batendo o recorde da edição anterior, enquanto que as plataformas da FIFA chegaram a uma marca de 50 milhões de visitantes durante a competição.[121]

Balanço final[editar | editar código-fonte]

Em 18 de agosto de 2023, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, repercutiu sobre o balanço da competição na abertura da Convenção da FIFA, em Sydney. O presidente destacou os resultados positivos dentro de campo e também fora, com recordes de receita, de público nos estádios e de audiência global dos jogos.[122][123]

O torneio gerou uma receita de 570 milhões de dólares, resultado que garantiu o sucesso financeiro do evento. Além da presença de quase dois milhões de torcedores nos estádios e 650 mil presentes nas "Fan Fests" da Austrália e da Nova Zelândia, números inéditos para um Mundial Feminino.[124]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Houve várias controvérsias relacionadas à Copa do Mundo Feminina de 2023. Embora a Rússia tenha sido autorizada a participar de esportes internacionais depois que sua proibição de doping foi suspensa em dezembro de 2022,[125] a UEFA a suspendeu em maio daquele ano devido à invasão da Ucrânia, impedindo que o time participasse das eliminatórias da Copa do Mundo e portanto, incapaz de participar.[126][127]

Em 2023, mais controvérsias surgiram, geralmente em reação a decisões impopulares tomadas pela FIFA: o bem-estar das jogadoras era uma preocupação, com a FIFA limitando o tamanho do elenco e propondo a divulgação oficial de forma tardia;[128][129] o potencial patrocínio do torneio pela Arábia Saudita foi criticado e eventualmente descartado;[130] e a quantia de dinheiro que alguns países ofereceram pelos direitos de transmissão foi criticada pela FIFA, que por sua vez foi criticada por hipocrisia.[131]

Depois que a FIFA sofreu críticas por proibir as braçadeiras de capitão do OneLove horas antes da Copa do Mundo masculina de 2022, passou meses em discussão com as seleções femininas sobre o assunto. As braçadeiras OneLove acabaram proibidas também na Copa do Mundo Feminina, com uma braçadeira semelhante projetada pela FIFA e disponibilizada pela organização.[132][133]

Referências

  1. a b «Fifa escolhe Austrália e Nova Zelândia como sedes da Copa do Mundo Feminina de 2023». Globoesporte.com. Consultado em 25 de junho de 2020 
  2. «Copa 2023: Espanha supera crise, bate a Inglaterra e é campeã». UOL. Consultado em 20 de agosto de 2023 
  3. «Copa Feminina: Espanha conquista primeiro título mundial na história; veja todas as campeãs». Ge. 20 de agosto de 2023. Consultado em 20 de agosto de 2023 
  4. «Suécia vence a Austrália e conquista o terceiro lugar da Copa do Mundo Feminina». GZH. 19 de agosto de 2023. Consultado em 20 de agosto de 2023 
  5. «Fifa apresenta cinco propostas para o futebol feminino, inclusive 32 seleções na Copa de 2023». Globoesporte. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  6. «Presidente da Fifa quer expandir Copa do Mundo feminina para 32 seleções». Veja. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  7. «Copa do Mundo feminina passará de 24 para 32 seleções já em 2023». Jornal Correio. 31 de julho de 2019. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  8. Redação (19 de março de 2019). «Copa do Mundo Feminina terá "briga recorde" por sede em 2023». Máquina do Esporte. Consultado em 7 de junho de 2019 
  9. Lobo, Felipe. «Nada de portas fechadas: Fifa torna público processo para escolher sede da Copa 2023 feminina». Trivela. Consultado em 7 de junho de 2019 
  10. «Oito associações disputam sediar Copa do Mundo de 2023 de futebol feminino». Extra. Consultado em 3 de setembro de 2019 
  11. «Austrália e Nova Zelândia se unem por Copa de 2023; Brasil está na disputa». Gazeta Esportiva. 13 de dezembro de 2019. Consultado em 13 de janeiro de 2020 
  12. «FIFA Women's World Cup 2023™: four bids submitted». FIFA (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  13. «Brasil retira candidatura à sede da Copa do Mundo Feminina FIFA 2023». CBF. Consultado em 8 de junho de 2020 
  14. «Japan FA to withdraw from Bid to host the FIFA Women's World Cup 2023™». JFA (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2020 
  15. «Bid Book - Austrália and New Zeland» (PDF) (em inglês). FIFA. Consultado em 13 de janeiro de 2020 
  16. «FIFA Council approves further transfer system reforms and announces key FIFA Women's World Cup 2023™ dates» (em inglês). FIFA. Consultado em 25 de maio de 2021 
  17. «Australia and New Zealand are hosting the FIFA 2023 Women's World Cup. Here's how the tournament will work». ABC.net. Consultado em 26 de junho de 2020 
  18. «FIFA anuncia estádios e cidades-sede da Copa do Mundo Feminina de 2023». GQ. Consultado em 12 de junho de 2021 
  19. «Fifa define distribuição de vagas para Copa do Mundo Feminina de 2023, primeira com 32 seleções». ge. Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  20. FIFA.com. «Welcome to FIFA.com News - Update on FIFA Women's World Cup™ and men's youth competitions». FIFA (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  21. «List of appointed Match Officials» (PDF) (em inglês). FIFA. 9 de janeiro de 2023. Consultado em 9 de janeiro de 2023 
  22. «Auckland/Tāmaki Makaurau sediará o sorteio da Copa do Mundo FIFA Feminina de 2023 em outubro». FIFA (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2022 
  23. «Women's Ranking». www.fifa.com (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2022 
  24. «Regulations: FIFA Women's World Cup Australia & New Zealand 2023» (PDF) (em inglês). FIFA. Consultado em 14 de dezembro de 2022 
  25. «Espanha derrota Inglaterra e conquista primeiro título da Copa do Mundo Feminina». CNN Brasil. 20 de agosto de 2023. Consultado em 20 de agosto de 2023 
  26. «Saiba quem são as vencedoras dos prêmios da Copa do Mundo Feminina». FIFA. 20 de agosto de 2023. Consultado em 20 de agosto de 2023 
  27. a b «Com show de Popp e dois gols contra, Alemanha atropela Marrocos na estreia da Copa do Mundo feminina». ESPN. 24 de julho de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  28. «Em jogo histórico, Colômbia bate Alemanha na Copa do Mundo Feminina». Terra. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  29. «Coreia do Sul x Alemanha: onde assistir, escalações, arbitragem e chances». Terra. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  30. «Copa 2023: Uma das favoritas, Alemanha empata com Coreia e é eliminada». UOL. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  31. «Fantasma de 2018? Coreia do Sul volta a eliminar Alemanha na fase de grupos da Copa». O Gol. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  32. «Copa Feminina: comentaristas da Globo criticam convocação de goleira do Fla». Superesportes. 27 de junho de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  33. «Convocação de Bárbara gera polêmica, e Pia justifica escolha». UOL. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  34. «Brasil x Panamá iguala terceira maior vitória da Seleção em Copas; veja top 10». Ge. 24 de julho de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  35. «Brasil falha em 12ª tentativa de vencer a França e vê tabu aumentar; confira o retrospecto». ESPN. 29 de julho de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  36. «O tabu continua! Brasil perde para a França pela 5ª vez seguida». Terra. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  37. a b «Copa 2023: Jamaica vence Panamá e resultado coloca Brasil em 3º do grupo». UOL. 29 de julho de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  38. a b «Brasil empata com a Jamaica e é eliminado da Copa em despedida de Marta». UOL. 2 de agosto de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  39. «Ana Thaís Matos critica Pia e seleção brasileira após eliminação: "Sem personalidade"». Ge. 2 de agosto de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  40. «Milene: 'Pia Sundhage não sabe o que quer da seleção feminina'». Lance!. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  41. «Copa 2023: Canadá supera gol olímpico e vence Irlanda de virada». UOL. 26 de julho de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  42. Zanon, Paola (31 de julho de 2023). «Copa Feminina: Canadá é despachado pela Austrália sem recorde de Sinclair - Quinto Quarto». Quintoquartobr.com. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  43. «Em 1º jogo sem pênalti, Dinamarca vence China com gol no último minuto». UOL. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  44. «China supera expulsão no 1º tempo e vence Haiti com gol de pênalti». UOL. 28 de julho de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  45. «Inglaterra goleia China que tem sua pior campanha. Dinamarca avança para as oitavas». O Otimista. 1 de agosto de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  46. «Estados Unidos 3 x 0 Vietnã | Copa do Mundo Feminina da FIFA™: melhores momentos». Ge. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  47. «Holanda segura pressão, empata com os EUA e decisão fica para última rodada». UOL. 26 de julho de 2023. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  48. «O que explica a queda precoce dos EUA, atual bicampeã mundial, na Copa do Mundo feminina de 2023?». Estadão. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  49. «Copa 2023: Nos pênaltis, Suécia derruba favoritismo dos EUA e avança». UOL. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  50. «Pela primeira vez na história, Estados Unidos não ficarão no top 3 da Copa do Mundo Feminina». Terra. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  51. «Melhores momentos de Estados Unidos 1 (3) x (4) 1 Suécia na Olimpíada 2016». Ge. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  52. «Chocolate sueco? Estados Unidos perdem por 3 a 0 e internet não perdoa». UOL. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  53. «Suécia sofre, mas vence África do Sul de virada com gol no final». UOL. 23 de julho de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  54. CNN, Da. «Argentina x África do Sul ao vivo: acompanhe o jogo da Copa do Mundo Feminina». CNN Brasil. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  55. «África do Sul vence Itália de virada e enfrenta Holanda nas oitavas da Copa». UOL. 2 de agosto de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  56. «Coreia do Sul x Marrocos ao vivo: acompanhe o jogo da Copa do Mundo Feminina». CNN Brasil. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  57. «Fase de grupos da Copa termina com eliminação da Alemanha». BOL. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  58. «França atropela Marrocos e garante vaga nas quartas da Copa do Mundo; veja confrontos». Extra. 8 de agosto de 2023. Consultado em 8 de agosto de 2023 
  59. «França x Marrocos: veja onde assistir, escalações e horário». Ge. 14 de dezembro de 2022. Consultado em 8 de agosto de 2023 
  60. «Fifa lança identidade visual da Copa do Mundo feminina de 2023». Ge. 28 de outubro de 2021. Consultado em 3 de novembro de 2021 
  61. «Do Mar da Tasmânia ao mundo: Tazuni é a mascote da Copa feminina de 2023». FIFA. 19 de outubro de 2022. Consultado em 28 de outubro de 2022 
  62. «Conheça a Tazuni, mascote oficial da Copa do Mundo Feminina de 2023». MKT Esportivo. 19 de outubro de 2022. Consultado em 28 de novembro de 2022 
  63. Nast, Condé (28 de outubro de 2021). «Kelly Lee Owens Shares "Unity," the Theme Song for the 2023 FIFA Women's World Cup». Pitchfork (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2022 
  64. «FIFA urges broadcasters to 'pay what women's game deserves' for 2023 World Cup rights» (em inglês). Reuters. 20 de outubro de 2022. Consultado em 12 de dezembro de 2022