Insurgência no Bangladesh em 1972–1975

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Insurgência no Bangladesh em 1972–1975
Data 1972–1975
Local Bangladesh
Desfecho Insurgência amplamente subjugada
Beligerantes
 Bangladesh
Apoiado por:
 Índia
Insurgentes marxistas:
Gonobahini, ala armada de JSD
Insurgentes maoístas:
Partido Purba Banglar Sarbahara
Comandantes
Sheikh Mujibur Rahman
Shafiullah
A. N. M. Nuruzzaman
Abu Taher
M. A. Jalil
ASM Abdur Rab
Hasanul Haq Inu
Siraj Sikder
     
desconhecido 60.000 mortos (reivindicação do JSD)
2.000 mortos (avaliação neutra)
desconhecido

A insurgência no Bangladesh em 1972–1975 refere-se ao período do pós-independência do Bangladesh quando insurgentes de esquerda, particularmente os Gonobahini, lutaram contra o governo de Sheikh Mujibur Rahman.[1][2][3]

O governo respondeu formando a Jatiya Rakkhi Bahini, que iniciou uma repressão sobre a população em geral.[1] A força envolveu-se em inúmeras acusações de abuso dos direitos humanos, incluindo assassinatos políticos,[4][5][6] fuzilamentos por esquadrões da morte,[7] desaparecimentos forçados[8] e estupros.[6]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 1972, Jatiya Samajtantrik Dal foi formado quando se separou da Liga Chhatra de Bangladesh, a ala estudantil da Liga Awami de Bangladesh, sob a liderança de Serajul Alam Khan, Mohammad Abdul Jalil, A. S. M. Abdur Rab e Shahjahan Siraj. Seu braço armado, Gonobahini, liderado pelo coronel Abu Taher e Hasanul Haq Inu, iniciou uma campanha armada contra o governo de Sheikh Mujibur Rahman, a fim de estabelecer o socialismo científico e um Estado marxista.[9]

Assassinatos políticos[editar | editar código-fonte]

Anthony Mascarenhas afirma que até o final de 1973, o número de assassinatos por motivos políticos em Bangladesh após a independência era de 2000. As vítimas incluíam alguns membros do parlamento e muitos dos assassinatos foram resultados de conflitos intrapartidários dentro da Liga Awami.[10] Os Gonobahini também mataram vários membros da Liga Chhatra de Bangladesh e da Liga Awami.[11]

Por outro lado, os maoístas como Siraj Sikder do Partido Purba Banglar Sarbahara e Abdul Haq começaram a atacar o governo e as pessoas que consideravam "inimigos da classe".[12][13]

O governo respondeu formando o Jatiya Rakkhi Bahini. Anthony Mascarenhas afirmou que dentro de três anos, as mortes em sua maioria de membros do Jatiyo Samajtantrik Dal atingiram 30.000, os quais foram mortos pelo Jatiya Rakkhi Bahini.[10]

Fim da insurgência[editar | editar código-fonte]

Depois de ser libertado por Abu Taher e os Gonobahini, Ziaur Rahman percebeu que a desordem desencadeada pelo motim dos soldados seria suprimida com firmeza caso a disciplina fosse restaurada no exército. Ziaur Rahman declarou lei marcial, reprimiu o Jatiyo Samajtantrik Dal, Abu Taher foi condenado à morte e outras figuras do partido receberam vários mandatos de detenção.[13]

Legado[editar | editar código-fonte]

A Human Rights Watch declara que a violência institucionalizada cometida pelo Jatiya Rakkhi Bahini durante a insurgência, estabeleceu a cultura da impunidade e prevalência generalizada de abusos pelas forças de segurança no Bangladesh independente.[4]

Referências

  1. a b c d e Ahamed, Emajuddin (2004). «The Military and Democracy in Bangladesh» (PDF). In: May, R. J.; Selochan, Viberto. The Military and Democracy in Asia and the Pacific. Sydney: Australian National University Press. pp. 108–110. ISBN 1-9209420-0-9 
  2. «JS sees debate over role of Gono Bahini». The Daily Star 
  3. «Rizvi now blasts Inu at press briefing». The Daily Star. UNB. 15 de Junho de 2016 
  4. a b «Ignoring Executions and Torture : Impunity for Bangladesh's Security Forces» (PDF). Human Rights Watch. 18 de Março de 2009 
  5. রক্ষীবাহিনীর নৃশংসতা মধ্যযুগীয় বর্বরতাকেও হার মানিয়েছিল. Amar Desh (em bengalês). 16 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2011 
  6. a b Fair, Christine C.; Riaz, Ali (2010). Political Islam and Governance in Bangladesh. [S.l.]: Routledge. pp. 30–31. ISBN 1-136-92624-0 
  7. Chowdhury, Atif (18 de fevereiro de 2013). «Bangladesh: Baptism By Fire». Huffington Post 
  8. Ahmed, Moudud (2015) [First published 1983]. Bangladesh, Era of Sheikh Mujibur Rahman. Dhaka: The University Press Limited. p. 69. ISBN 978-984-506-226-8 
  9. Hossain, Kazi Mobarak (13 de março de 2016). «Hasanul Haq Inu's JaSoD splits as he names Shirin general secretary». Dhaka Tribune 
  10. a b Mascarenhas, Anthony (1986). Bangladesh: A Legacy of Blood. London: Hodder and Stoughton. p. 37. ISBN 978-0-340-39420-5 
  11. «JS sees debate over role of Gono Bahini». The Daily Star 
  12. Alim, Syed Fattahul (1 de fevereiro de 2012). «Has Left Politics any Future?». Forum. 6 (2). The Daily Star 
  13. a b Ahsan, Syed Badrul (7 de Julho de 2015). «Bourgeois dreams of socialist revolution». The Daily Observer