Crise do Sputnik

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Um selo soviético em comemoração ao feito do Sputnik 1.

O termo Crise do Sputnik foi cunhado pelo presidente dos Estados Unidos Dwight D. Eisenhower, no final da década de 1950, para enfatizar a insatisfação com os resultados inicias dos primeiros passos estadunidenses na corrida espacial, que então, se mostrava totalmente favorável à União Soviética, e tambémo conjunto de medidas tomadas visando reverter essa situação.[1]

A Crise do Sputnik foi um evento chave na Corrida espacial. Apesar de o Sputnik, por si só, não representar nenhum perigo iminente, a sua órbita contínua acentuava a ameaça velada que a União Soviética exercia sobre os Estados Unidos desde o início da Guerra fria, logo após a Segunda Guerra Mundial. O mesmo foguete que lançou o Sputnik, poderia facilmente, levar uma ogiva atômica a qualquer parte do Mundo em questão de minutos, transpondo com facilidade a proteção contra ataques que os oceanos desempenharam até então nas duas Guerras Mundiais. A União Soviética já tinha demonstrado essa capacidade em 21 de agosto de 1957, quando anunciou um teste bem sucedido do propulsor R-7 Semiorka, num voo de seis mil quilômetros de alcance. A agência TASS anunciou o evento cinco dias depois, e o evento foi bastante divulgado por muitos outros veículos de comunicação.

Menos de um ano depois do lançamento do Sputnik, o congresso americano aprovou uma lei implementando um programa de científico quatro anos que injetou bilhões de dólares no sistema educacional estadunidense. De 1959 para 1960, graças a essa lei, o total do orçamento nessa área cresceu aproximadamente seisvezes.[2]

Depois do choque inicial da opinião pública, a corrida espacial prosseguiu, levando ao primeiro homem no espaço e ao primeiro pouso na Lua, em 1969.[1]

As medidas adotadas[editar | editar código-fonte]

Essas foram as iniciativas tomadas pelo governo dos Estados Unidos em consequência da Crise do Sputnik:[3]

  • Num esforço conjunto do departamento de Astronomia e do Laboratório de Computação Digital da UIUC, a órbita do Sputnik foi calculada em apenas dois dias (um feito para a época).
  • Foi dada ênfase ao Projeto Vanguard da Marinha para lançar um satélite Norte americano em órbita, além de revitalizar o Programa Explorer do Exército, que acabou lançando o primeiro satélite americano em 31 de janeiro de 1958.[4]
  • Em fevereiro de 1958, setores políticos e de defesa, reconheceram a necessidade de uma organização de alto nível para executar projetos de Pesquisa e Desenvolvimento, e criou a Advanced Research Projects Agency (ARPA), que mais tarde se tornou a Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA).
  • Em 29 de julho de 1958, o presidente Eisenhower, assinou o National Aeronautics and Space Act, lei que criava a NASA.
  • Programas educacionais específicos foram criados para forjar uma nova geração de Engenheiros.
  • Através do National Defense Education Act, o Congresso aumentou muito o suporte à pesquisas científicas. A National Science Foundation (NSF), recebeu cerca de $100 milhões a mais que no ano anterior. Em 1968, o orçamento da NSF era de cerca de $500 milhões.
  • O desenvolvimento do míssil Polaris foi priorizado.
  • A Gerência de projetos, foi objeto de muita discussão e estudos, levando ao conceito moderno de gerenciamento de projeto e a definição de modelos padronizados, como o PERT usado pelo Departamento de Defesa no projeto Polaris.
  • A decisão do Presidente John F. Kennedy, que se elegeu em 1960 em diminuir o "gap de mísseis",[5] disponibilizando 1 000 mísseis Minuteman, uma quantidade de ICBMs muito maior do que a União Soviética possuía naquela época.[6]

Referências

  1. a b «Sputnik and the Origins of the Space Age». NASA. Consultado em 2 de dezembro de 2012 
  2. Bruccoli, Matthew J.; Bondi, Victor / Baughman, Judith / Layman, Richard / Tompkins, Vincent. (1994). American Decades. 1950—1959. [S.l.]: Gale Research. p. 190. ISBN 0-810-35727-5 
  3. «This Day in History, Jul 29, 1958». History Channel. Consultado em 2 de dezembro de 2012 
  4. Schefter, James (1999). The Race. The Uncensored Story of How America Beat Russia to the Moon. [S.l.]: Doubleday. pp. 25–26. ISBN 0-385-49253-7 
  5. Dickson, Paul (2003). Sputnik. The Shock of the Century. [S.l.]: The Berkley Publishing Group. pp. 5–6, 160—162. ISBN 0-425-18843-4 
  6. Dickson, Paul (2003). Sputnik. The Shock of the Century. [S.l.]: The Berkley Publishing Group. pp. 213–214. ISBN 0-425-18843-4 
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um(a) cientista político(a) é um esboço relacionado ao projeto de ciências sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.