START I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Presidentes George H. W. Bush e Mikhail Gorbachev assinam o START I, em 31 de Julho de 1991.

START I (Strategic Arms Reduction Treaty I), ou Tratado de Redução de Armas Estratégicas, foi um tratado bilateral entre os Estados Unidos e a União Soviética sobre a redução e a limitação de armas estratégicas ofensivas. O tratado foi assinado em 31 de julho de 1991 e entrou em vigor em 5 de dezembro de 1994.[1] O tratado proibia seus signatários de implantar mais de 6 000 ogivas nucleares e um total de 1 600 mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) e bombardeiros.

O START negociou o maior e mais complexo tratado de controle de armas da história, e sua implementação final no final de 2001 resultou na remoção de cerca de 80% de todas as armas nucleares estratégicas então existentes. Proposto pelo presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan, foi renomeado como START I após o início das negociações sobre o START II.

O tratado expirou em 5 de dezembro de 2009.

Em 8 de abril de 2010, o novo Tratado START substituto foi assinado em Praga pelo presidente dos EUA, Barack Obama, e pelo presidente russo, Dmitry Medvedev. Após a sua ratificação pelo Senado dos Estados Unidos e pela Assembleia Federal da Rússia, o tratado entrou em vigor em 26 de janeiro de 2011, o primeiro a reduzir as armas nucleares estratégicas americanas e soviéticas ou russas.[2]

Assinatura[editar | editar código-fonte]

As negociações que levaram à assinatura do tratado começaram em maio de 1982. Em novembro de 1983, a União Soviética "interrompeu" a comunicação com os Estados Unidos, que haviam implantado mísseis de alcance intermediário na Europa. Em janeiro de 1985, o Secretário de Estado dos Estados Unidos George Shultz e o Ministro das Relações Exteriores soviético Andrey Gromyko negociaram um plano de três partes, incluindo armas estratégicas, mísseis intermediários e defesa antimísseis. Recebeu muita atenção na Cúpula de Reykjavik entre Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev e, por fim, levou à assinatura do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário em dezembro de 1987. As conversas sobre uma redução abrangente de armas estratégicas continuaram e o Tratado START foi oficialmente assinado pelo presidente dos Estados Unidos George HW Bush e pelo secretário-geral soviético Gorbachev em 31 de julho de 1991.[3]

Eficácia[editar | editar código-fonte]

Bielo-Rússia, Cazaquistão e Ucrânia eliminaram todas as suas armas nucleares ou as transferiram para a Rússia. Os EUA e a Rússia reduziram a capacidade dos veículos de entrega para 1 600 cada, com não mais do que 6 000 ogivas.

Um relatório do Departamento de Estado dos EUA, "Aderência e Conformidade com o Controle de Armas, Acordos e Compromissos de Não Proliferação e Desarmamento", foi divulgado em 28 de julho de 2010 e afirmou que a Rússia não estava em total conformidade com o tratado quando expirou em 5 de dezembro de 2009 O relatório não identificou especificamente os problemas de conformidade da Rússia.[4]

Um incidente que ocorreu em relação à violação do Tratado START I pela Rússia ocorreu em 1994. Foi anunciado pelo Diretor da Agência de Controle de Armas e Desarmamento, John Holum, em um depoimento no Congresso, que a Rússia havia convertido seu SS-19 ICBM em um veículo de lançamento espacial sem notificar as partes apropriadas.[5] Rússia justificou o incidente alegando que não tinha que seguir todas as políticas de relatório do START em relação aos mísseis que foram recriados em veículos de lançamento espacial. Além do SS-19, a Rússia também estava usando o SS-25 mísseis para montar veículos de lançamento espacial. O problema que os EUA tinham era que não tinham números e localizações precisos de ICBMs russos com essas violações. A disputa foi resolvida em 1995.

Novo Tratado START[editar | editar código-fonte]

O novo tratado START (assinado em 8 de abril de 2010 em Praga) impôs ainda mais limitações aos Estados Unidos e à Rússia, reduzindo-os a armas estratégicas significativamente menos no prazo de sete anos após sua entrada em vigor. Organizado em três níveis, o novo tratado concentra-se no próprio tratado, um protocolo que contém direitos e obrigações adicionais em relação às disposições do tratado e anexos técnicos ao protocolo.[6]

Os limites foram baseados em análises rigorosas conduzidas pelos planejadores do Departamento de Defesa em apoio à Revisão da Postura Nuclear de 2010. Esses limites agregados consistem em 1 550 ogivas nucleares que incluem ogivas em mísseis balísticos intercontinentais (ICBM), ogivas em mísseis balísticos lançados por submarino (SLBM) e até mesmo qualquer bombardeiro pesado equipado para armamentos nucleares. Isso é 74% menos do que o limite estabelecido no Tratado de 1991 e 30% menos do que o limite do Tratado de Moscou de 2002. Ambas as partes também estarão limitadas a um total combinado de 800 lançadores ICBM desdobrados e não desdobrados, lançadores SLBM e bombardeiros pesados ​​equipados para armamentos nucleares. Há também um limite separado de 700 ICBMs desdobrados, SLBMs desdobrados e bombardeiros pesados ​​desdobrados equipados para armamentos nucleares, que é menos da metade do limite de veículos de entrega nuclear estratégico correspondente imposto no tratado anterior. Embora as novas restrições tenham sido definidas, o novo tratado não contém nenhuma limitação quanto ao teste, desenvolvimento ou implantação de programas de defesa antimísseis dos Estados Unidos atuais ou planejados e capacidades de ataque convencional de baixo alcance.[6]

A duração do novo tratado é de dez anos e pode ser prorrogado por um período não superior a cinco anos de cada vez. Inclui uma cláusula de retirada padrão como a maioria dos outros acordos de controle de armas. O tratado foi substituído por tratados subsequentes.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Strategic Arms Reduction Treaty (START I): Executive Summary». The Office of Treaty Compliance. Consultado em 5 de dezembro de 2009. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2011 
  2. «Treaty between the United States of America and the Union of Soviet Socialist Republics on Strategic Offensive Reductions (START I) | Treaties & Regimes | NTI» 
  3. «Strategic Arms Reduction Talks | international arms control negotiations». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2021 
  4. Gertz, Bill, "Russia Violated '91 START Till End, U.S. Report Finds", Washington Times, 28 July 2010, p. 1.
  5. A Revitalized ACDA in the Post-Cold War World, House Committee on Foreign Affairs, 23 June 1994
  6. a b c «Key Facts about the New START Treaty - CIAO». ciaonet.org. Consultado em 23 de julho de 2021