Refusenik

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um visto de saída tipo 2 da União Soviética. Este tipo de visto era emitido para aqueles que receberam permissão para deixar a URSS permanentemente e perderam a cidadania soviética. Muitas pessoas que queriam emigrar não puderam receber esse tipo de visto de saída.

Refusenik (em russo: отказник, otkaznik, de "отказ", otkaz "recusa") era um termo não oficial para indivíduos, tipicamente, mas não exclusivamente, judeus soviéticos, aos quais foi negada permissão para emigrar, principalmente para Israel, pelas autoridades da União Soviética e outros países do bloco oriental.[1] O termo refusenik é derivado da "recusa" dada a um potencial emigrante pelas autoridades soviéticas.

Além dos judeus, outras categorias incluíam:

Um pretexto típico para negar a emigração era a real ou alegada associação com segredos de Estado.

Solicitar um visto de saída era um passo notado pela KGB, de modo que as perspectivas futuras de carreira, sempre incertas para os judeus soviéticos, poderiam ser prejudicadas.[2] Como regra geral, dissidentes e refuseniks soviéticos eram demitidos de seus locais de trabalho e eram recusados em empregos nas áreas de sua especialidade. Como resultado, eles tinham que encontrar um trabalho servil, como um varredor de rua, ou enfrentar a prisão sob a acusação de parasitismo social.[3]

A proibição da imigração judaica para Israel foi encerrada em 1971, levando à aliá da União Soviética dos anos 70. A chegada de Mikhail Gorbachev ao poder na União Soviética em meados da década de 1980 e suas políticas de glasnost e perestroika, bem como o desejo de melhores relações com o Ocidente, levaram a grandes mudanças, e a maioria dos refuseniks pôde emigrar.

História dos refuseniks judeus[editar | editar código-fonte]

Um grande número de judeus soviéticos solicitou vistos de saída para deixar a União Soviética, especialmente no período posterior à Guerra dos Seis Dias de 1967. Enquanto alguns foram autorizados a sair, muitos tiveram sua permissão para emigrar recusada, tanto imediatamente como depois de seus casos passarem anos no OVIR (ОВиР, "Отдел Виз и Регистрации", "Otdel Viz i Registratsii", Departamento de Vistos e Registro), o departamento MVD (Ministério Soviético de Assuntos Internos) responsável pelos vistos de saída. Em muitos casos, a razão dada para a recusa era que essas pessoas teriam tido acesso, em algum ponto de suas carreiras, a informações vitais para a segurança nacional soviética e não poderiam ser autorizadas a sair.[4]

Durante a Guerra Fria, os judeus soviéticos eram considerados um risco de segurança ou possíveis traidores.[5] Para solicitar um visto de saída, os candidatos (e muitas vezes suas famílias inteiras) teriam que deixar seus empregos, o que, por sua vez, os tornaria vulneráveis a acusações de parasitismo social, uma ofensa criminal.[4]

Muitos judeus sofriam um anti-semitismo sistemático e institucional que bloqueava suas oportunidades de progresso profissional. Alguns setores do governo estavam quase totalmente fora dos limites para os judeus.[5][6] Além disso, as restrições soviéticas à educação e expressão religiosas impediam os judeus de se engajarem na vida cultural e religiosa judaica. Embora essas restrições levassem muitos judeus a tentar a emigração, [7] solicitar um visto de saída era visto como um ato de traição pelas autoridades soviéticas. Assim, os possíveis emigrantes pediam permissão para emigrar com grande risco pessoal, sabendo que uma recusa oficial muito provavelmente seria acompanhada de demissão do trabalho e outras formas de ostracismo social e pressão econômica. Ao mesmo tempo, condenações internacionais fortes fizeram com que as autoridades soviéticas aumentassem significativamente a quota de emigração. Nos anos entre 1960 e 1970, apenas 4.000 pessoas (legalmente) emigraram da URSS. Na década seguinte, o número subiu para 250.000,[8] para cair novamente em 1980.

Incidente de sequestro[editar | editar código-fonte]

Em 1970, um grupo de dezesseis refuseniks (dois dos quais não eram judeus), organizado pelo dissidente Eduard Kuznetsov (que já havia cumprido um período de sete anos em prisões soviéticas), planejou comprar todos os assentos para o voo local de Leningrado a Priozersk. sob o disfarce de uma viagem a um casamento, em um pequeno avião de 12 lugares Antonov An-2 (coloquialmente conhecido como "кукурузник", kukuruznik), expulsou os pilotos antes de decolar de uma parada intermediária, e voou para a Suécia, sabendo que eles corriam um enorme risco de serem capturados ou abatidos. Um dos participantes, Mark Dymshits, era um ex-piloto militar.

Em 15 de junho de 1970, depois de chegar ao aeroporto Smolnoye (mais tarde Rzhevka), perto de Leningrado, todo o grupo de "convidados do casamento" foi preso pelo MVD.

Eles foram acusados de alta traição, crime punível compena de morte nos termos do artigo 64 do Código Penal da RSFSR. Mark Dymshits e Eduard Kuznetsov foram condenados à morte, mas, depois de protestos internacionais, a pena foi reduzida a 15 anos de encarceramento; Yosef Mendelevitch e Yuri Fedorov: 15 anos; Aleksey Murzhenko: 14 anos; Sylva Zalmanson (esposa de Kuznetsov e a única mulher em julgamento): 10 anos; Arie (Leib) Knokh: 13 anos; Anatoli Altmann: 12 anos; Boris Penson: 10 anos; Israel Zalmanson: 8 anos; Wolf Zalmanson (irmão de Sylva e Israel): 10 anos; Mendel Bodnya: 4 anos.  

Repressão ao ativismo refusenik e seu crescimento[editar | editar código-fonte]

Emigração judaica da URSS, antes e depois do Primeiro Julgamento de Leningrado

O caso do avião sequestrado foi seguido por uma repressão ao movimento judaico e dissidente em toda a URSS. Ativistas foram presos, centros improvisados para estudar o idioma hebraico e o Torá foram fechados, e mais julgamentos se seguiram.[9] Ao mesmo tempo, a forte pressão internacional levou as autoridades soviéticas a aumentar significativamente a cota de emigração. Nos anos entre 1960 e 1970, cerca de 3.000 judeus soviéticos haviam (legalmente) emigrado da URSS; após os julgamentos, no período de 1971 a 1980, 347.100 pessoas receberam um visto para deixar a URSS, 245.951 deles eram judeus.

Refuseniks incluíam judeus que desejavam emigrar por motivos religiosos, judeus buscando imigrar para Israel por motivações sionistas, e judeus relativamente seculares desejando escapar do anti-semitismo contínuo apoiado pelo Estado.  

Um dos principais defensores e porta-voz dos direitos dos refuseniks em meados da década de 1970 foi Natan Sharansky. O envolvimento de Sharansky com o Grupo Helsinque de Moscou ajudou a estabelecer a luta pelos direitos de emigração dentro do contexto maior do movimento de direitos humanos na URSS. Sua prisão sob acusação de espionagem e traição e subsequente julgamento contribuíram para o apoio internacional à causa dos refuseniks.  

Pressão internacional[editar | editar código-fonte]

Yuli Edelstein, um dos mais proeminentes refuseniks da União Soviética, que atua como presidente do Knesset (parlamento de Israel) desde 2013.

Em 18 de outubro de 1976, 13 refuseniks judeus foram ao Presidium do Soviete Supremo para pedir explicações sobre as negações do seu direito de emigrar da URSS, como afirmado pela Lei Final de Helsinque. Não recebendo qualquer resposta, eles se reuniram na sala de recepção do Presidium no dia seguinte. Após algumas horas de espera, foram apreendidos pela polícia, levados para fora dos limites da cidade e espancados. Dois deles foram mantidos sob custódia policial.

Na semana seguinte, após uma reunião malsucedida entre os líderes dos ativistas e o ministro soviético de Assuntos Internos, o general Nikolay Shchelokov, esses abusos da lei inspiraram várias manifestações na capital soviética. Na segunda-feira, 25 de outubro de 1976, 22 ativistas, incluindo Mark Azbel, Felix Kandel, Alexandre Lerner, Ida Nudel, Anatoly Shcharansky, Vladimir Slepak e Michael Zeleny, foram presos em Moscou a caminho da próxima manifestação. Eles foram condenados por vandalismo e encarcerados no centro de detenção Beryozka e outras penitenciárias em torno de Moscou. O artista Victor Motko, preso na Praça Dzerzhinsky, foi detido junto com os manifestantes devido às suas tentativas anteriores de emigrar da URSS. Estes eventos foram cobertos por vários jornalistas britânicos e americanos, incluindo David K. Shipler, Craig R. Whitney e Christopher S. Wren. As manifestações e prisões de outubro coincidiram com o fim da eleição presidencial dos Estados Unidos em 1976. Em 25 de outubro, o candidato à presidência dos EUA, Jimmy Carter, expressou seu apoio aos manifestantes em um telegrama enviado a Scharansky e instou as autoridades soviéticas a libertá-los. (Veja Léopold Unger, Christian Jelen, Le grand retour, A. Michel 1977; Феликс Кандель, Зона отдыха, или Пятнадцать суток на размышление, Типография Ольшанский Лтд, Иерусалим, 1979; Феликс Кандель, Врата исхода нашего: Девять страниц истории, efeito das Publicações Tel Aviv, 1980. Em 9 de novembro de 1976, uma semana depois de Carter ter vencido as eleições presidenciais, as autoridades soviéticas libertaram todos, com exceção de dois dos manifestantes anteriormente detidos. Vários outros foram posteriormente detidos e encarcerados ou exilados na Sibéria.

Em 1 de junho de 1978, os refuseniks Vladimir e Maria Slepak estavam na sacada do oitavo andar de seu prédio. Então, a permissão de emigrar lhes havia sido negada por mais de 8 anos. Vladimir exibiu uma faixa que dizia: "Deixe-nos ir para o nosso filho em Israel". Sua esposa Maria segurava uma faixa que dizia "Visto para meu filho". Sua parceira refusenik e ativista Ida Nudel realizou uma exibição semelhante na varanda do seu próprio apartamento. Todos foram presos e acusados de vandalismo malicioso, violando o artigo 206.2 do Código Penal da União Soviética. O Grupo Helsinque de Moscou protestou contra as suas detenções em circulares datadas de 5 e 15 de junho daquele ano.[10] Vladimir Slepak e Ida Nudel foram condenados por todas as acusações. Eles serviram 5 e 4 anos no exílio da Sibéria, respectivamente.[11][12]

Documentários[editar | editar código-fonte]

  • Operação Casamento: um documentário do cineasta Anat Zalmanson-Kuznetsov, sobre a história de seus pais Sylva Zalmanson e Eduard Kuznetsov, protagonistas do caso de sequestro de Dymshits-Kuznetsov - uma ousada tentativa de fuga da URSS em 1970 que deu início ao movimento judaico soviético.[13]
  • Em 2008, a cineasta Laura Bialis lançou um documentário, Refusenik, narrando a luta pelos direitos humanos dos refuseniks soviéticos.[14]

Veja também[editar | editar código-fonte]

  • Aliá
  • Balseros, cidadãos cubanos que não têm permissão legal para migrar e que vão para a Flórida em barcos improvisados

Referências

  1. Mark Azbel' and Grace Pierce Forbes. Refusenik, trapped in the Soviet Union. Houghton Mifflin, 1981.
  2. Crump, Thomas (2013). Brezhnev and the Decline of the Soviet Union. Col: Routledge Studies in the History of Russia and Eastern Europe. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-134-66922-6 
  3. "Злоупотребления законодательством о труде" Arquivado em 2015-05-02 no Wayback Machine., a document of the Moscow Helsinki Group.
  4. a b «Beyond the Pale: The Right to Emigrate II». www.friends-partners.org 
  5. a b Joseph Dunner. Anti-Jewish discrimination since the end of World War II. Case Studies on Human Rights and Fundamental Freedoms: A World Survey. Vol. 1. Willem A. Veenhoven and Winifred Crum Ewing (Editors). Martinus Nijhoff Publishers. 1975. Hague. ISBN 90-247-1779-5, ISBN 90-247-1780-9; pages 69-82
  6. Benjamin Pinkus. The Jews of the Soviet Union: the history of a national minority. Cambridge University Press, January 1990. ISBN 978-0-521-38926-6; pp. 229-230.
  7. Boris Morozov (Editor). Documents on Soviet Jewish Emigration. Taylor & Francis, 1999. ISBN 978-0-7146-4911-5
  8. Alexeyeva, Lyudmila. [S.l.: s.n.] OCLC 489831449 http://www.memo.ru/history/diss/books/ALEXEEWA/alexeeva_toc.htm  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  9. «Historical Overview». The Refusenik Project 
  10. «Archived copy» [ligação inativa] 
  11. http://www.angelfire.com/sc3/soviet_jews_exodus/SovietNews_s/Gilbert_Secrets.shtml
  12. «Советский Союз. Евреи в Советском Союзе в 1967–85 гг.». Электронная еврейская энциклопедия ОРТ 
  13. https://www.operation-wedding-documentary.com/
  14. "The struggle behind the Iron Curtain". Philadelphia Daily News. June 27, 2008. Accessed June 28, 2008. [ligação inativa]

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Livros e artigos[editar | editar código-fonte]

  • Pauline Peretz, Deixe meu povo ir: A política transnacional da emigração judaica soviética durante a Guerra Fria. Ethan Rundell, trad. Piscataway, NJ: Transaction Publishers, 2015.
  • «Soviet repression of refusenik scientists unabated. The arrest of chemist Yuri Tarnopolsky points up the continuing plight of refusenik scientists in the Soviet Union under its new leadership». Chemical & Engineering News. 61. doi:10.1021/cen-v061n020.p045 

Memórias[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • David Shrayer-Petrov (em russo: Шраер-Петров, Давид), Herbert e Nelly (um romance, em russo, abreviado em 1986; concluído em 1992, 2006). Uma saga de uma família refusenik se passa em Moscou nos anos 80.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Commonscatinline