Ostracismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
ostrakon, ὄστρακον

O Ostracismo era uma punição existente em Atenas, no século V a.C, na qual o cidadão, geralmente um político, que atentasse contra a liberdade pública, era votado para ser banido ou exilado, por um período de dez anos. O Ostracismo foi criado por Clístenes, o "Pai da Democracia".

Todos os anos, durante a sexta Pritania a questão de se um ostracismo deveria ser votado naquele ano era colocada para a Eclésia[1], se assim decidido, o ostracismo tomava lugar na Ágora durante a oitava Pritania.[2] O termo deriva do método de votar que consistia na escrita do eleito em um pedaço de cerâmica, denominado de Óstraco[2].

Procedimento[editar | editar código-fonte]

Segundo Plutarco na obra Aristides o procedimento consistia de prover cada eleitor com um Óstraco, ou pedaço de cerâmica, para escrever nele o nome do cidadão que quisesse remover da cidade e então o pedaço deveria ser deixado na Ágora.[3]

Os Arcontes contavam inicialmente o número total de Óstracos para que fossem empilhados, pois se o número de peças correspondessem a um número inferior a seis mil, a votação ao ostracismo era encerrada. Se fosse aprovado em seguida, as peças eram separadas por nomes, e a pessoa que tivesse recebido a maioria dos votos era então condenada ao banimento por dez anos, ainda com o direito de desfrutar da renda de sua propriedade[4]. O antigo historiador grego Filocoro definiu que o eleito ao castigo deveria ter seis mil votos, sendo improvável que a destituição de direitos civis fosse feita sem a reunião de um volume considerável de votos[5].

O resultado da votação era proclamado na Pnyx e a vítima deveria deixar a cidade em dez dias, se ausentando durante dez anos. Originalmente, o banido poderia se instalar em qualquer área do território ático, mas em 480 passou a ser proibida a instalação ao lado do cabo Geraestos (ao sul de Euboea) e do cabo Skyllaion (a leste de Argolis)[5].


Referências

  1. Simon Hornblower; Antony Spawforth; Esther Eidinow. The Oxford Classical Dictionary. Oxford University Press; 2012. ISBN 978-0-19-954556-8. p. 1053.
  2. a b Nigel Wilson. Encyclopedia of Ancient Greece. Routledge; 2013. ISBN 978-1-136-78800-0. p. 528.
  3. Plutarco, Aristides, 7.4
  4. Plutarco, Aristides, 7.5
  5. a b G. Glotz. The Greek City and Its Institutions. Routledge; 2013. ISBN 978-1-136-19699-7. p. 172.
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.