Anos de chumbo (Itália)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os Anos de Chumbo (em italiano: Anni di piombo) foram um período de turbulência sócio-política na Itália, que durou do final dos anos 1960 até o fim da década de 1980. Este período foi marcado por uma onda de terrorismo, inicialmente chamado de "extremismos opostos" [carece de fontes?] (Opposti Estremismi) e, mais tarde rebatizado como "Anos de Chumbo" (Anni di piombo). Entre as possíveis origens da denominação são uma referência ao grande número de tiros disparados,[1] ou ao filme de 1981 Die bleierne Zeit de Margarethe von Trotta, de cujo título em italiano é Anni di piombo.[2]

Houve conflitos sociais generalizados e atos de terrorismo sem precedentes realizados tanto pelos grupos paramilitares de direita como pelos de esquerda. Uma tentativa de integrar o neofascista, Movimento Social Italiano (MSI), ao governo de Fernando Tambroni conduziu a tumultos e teve curta duração. Os democratas-cristãos (DC) foram determinantes para que o Partido Socialista Italiano ganhasse o poder na década de 1960 e criaram uma coalizão. O assassinato do líder da Democracia Cristã (DC), Aldo Moro, em 1978 terminou com a estratégia de compromisso histórico entre a DC e o Partido Comunista Italiano (PCI). O assassinato foi realizado pelas Brigadas Vermelhas, então lideradas por Mario Moretti. Entre 1969 e 1981, quase 2.000 homicídios foram atribuídos à violência política sob a forma de atentados, assassinatos e guerra de rua entre facções de militantes rivais. Embora a violência política diminuiu consideravelmente na Itália a partir daquela época, casos esporádicos de crimes violentos continuram por causa do ressurgimento dos grupos de militantes anti-imigrantes, neo-fascistas, e comunistas.

O movimento autonomista de esquerda durou de 1968 até o final da década de 1970. Os "anos de chumbo" iniciaram com o assassinato de Antonio Annarumma em 1969 e o Atentado da Piazza Fontana [carece de fontes?]. Esses eventos são atribuídos à extrema-direita, extrema-esquerda, e os serviços secretos, dependendo da fonte.

Organizações terroristas na Itália[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Westcott, Kathryn. "Italy's history of terror", BBC News, January 6, 2004.
  2. Anni di piombo film review (em italiano)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Giorgio Galli, Il partito armato - Gli "anni di piombo" in Italia, 1968-1986, Rizzoli, 1986
  • AA.VV., La Strage di Stato, Samonà e Savelli, Roma, 1970
  • Camilla Cederna, Pinelli. Una finestra sulla strage, Feltrinelli, Milano 1971
  • Paolo Persichetti, Esilio e Castigo, Ed. La Città del Sole, 2006
  • Giovanni Fasanella e Grippo Antonella, I silenzi degli Innocenti - un libro che racconta le vittime, Rizzoli, 2006
  • Marco Maria Sambo, Contro chi-La primavera spezzata di Ezio Tarantelli, Castelvecchi, 2005
  • Maurizio Calvi, Alessandro Ceci, Angelo Sessa, Guilio Vasaturo. Le date del terrore. La genesi del terrorismo italiano e il microclima dell'eversione dal 1945 al 2003. Roma, Luca Sossella Editore, 2003. ISBN 88-87995-58-3.
  • Mario Calabresi, Spingendo la notte più in là, Mondadori, Milano, 2007.
  • Antonella Beccaria, Pentiti di niente - Il sequestro Saronio, la banda Fioroni e le menzogne di un presunto collaboratore di giustizia, ISBN 978-88-6222-049-1.
  • Anna Cento Bull and Adalgisa Giorgio (dir.) Speaking Out and Silencing: Culture, Society and Politics in Italy in the 1970s (2006) ISBN 978-1-904350-72-9
  • Giovanni Fasanella Giovanni Pellegrino : La guerra civile. A book of President of anti-terrorism Commission of Italian Parliament.
  • Per le vittime del terrorismo nell’Italia repubblicana – Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato Libreria dello Stato – Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato S.p.A. – I.S.B.N. 978-88-240-2868-4 -Edited from The office of Republic President

Liigações Externas[editar | editar código-fonte]