Línguas da Itália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A língua oficial do Estado italiano descende historicamente do toscano literário, cujo uso foi iniciado com os grandes escritores Dante, Petrarca e Boccaccio por volta de 1300, e daí se evoluiu a atual língua italiana. A língua italiana era falada apenas por uma pequena minoria da população no momento da unificação política no Reino de Itália em 1861, e depois foi difundida, mediante a instrução obrigatória nas escolas e a contribuição determinante e mais recente da televisão, mesmo que hoje a soma dos falantes de dialetos e dos diglossici (bilingues, que falam tanto o italiano como os dialetos) supere os italófonos.

Do ponto de vista dos idiomas locais pré-existentes, eles conseguiram passar pelo processo no qual a geração sucessiva adquire mais características italianas, processo acelerado sensivelmente devido à ampla disponibilidade de mídia em italiano e à mobilidade da população. Este tipo de troca tem reduzido sensivelmente o uso das línguas regionais muitas das quais são consideradas em processo de extinção. Paralelamente ao abandono progressivo do uso no âmbito prático, foi observado nos últimos anos a um renascimento das línguas regionais/dialeto no plano cultural e folclorístico em reação ao processo atual da globalização.

Segundo os dados estatísticos mais recentes, 44% dos italianos falam exclusiva ou predominantemente o italiano, e 51% o alterna com uma língua regional ou outra língua, e somente 5% falam exclusivamente o dialeto ou outro idioma diferente do italiano.[1]

Origem dos dialetos italianos[editar | editar código-fonte]

Dialetos da Itália por grupos.[2] [3] [4] [5]

Muitas regiões italianas já tiveram um substrato linguístico diferente antes da conquista da Itália pelos romanos: o norte da Itália tinha um substrato celta (essa parte da Itália era conhecida como Gália Cisalpina, "Gália desse lado dos Alpes"), o substrato Ligúrico, ou o substrato Vêneto. A Itália central tinha um substrato etrusco, e o sul da Itália tinha substratos itálicos e gregos. Tudo isso começou uma diversificação no modo de falar o latim (a língua do Império Romano).

Devido à longa história de separação em pequenos Estados e a colonização por potências estrangeiras (especialmente França, Espanha e Áustria-Hungria) que a Itália sofreu entre a queda do Império Romano do Ocidente e a unificação italiana em 1861, foi uma ampla oportunidade para a diversidade linguística.

Entretanto, a maioria dos estados usava ou a língua colonial como oficial, ou o Latim no caso dos estados italianos independentes (como o Vaticano). Raramente era o vernáculo local que era usado nos documentos oficiais, e uma gramática formal quase nunca foi implementada na maioria dos vernáculos. Cidadãos que podiam escrever usavam os dialetos para pequenas notas, como fazia Leonardo da Vinci, e o latim apenas para publicações mais importantes.

A síntese de uma língua italiana a partir de vários dialetos era o objetivo principal da vida de Alessandro Manzoni, que buscava a construção de uma língua nacional derivada principalmente do vernáculo de Florença, que ganhou prestígio desde que Dante Alighieri usou tal dialeto na Divina Comédia.

Por outro lado, a expressão "dialetos italianos" é imprecisa visto que os dialetos não derivam do italiano padrão, mas diretamente do latim falado, frequentemente chamado de Latim vulgar: foi o italiano que foi derivado dos dialetos e não o sentido contrário.

Os dialetos permanecem como línguas comuns da população até a década de 1950. Com o crescimento progressivo da alfabetização, o italiano padrão se tornou gradualmente aceito como língua nacional. Até a Segunda Guerra Mundial, as pessoas das classes mais baixas, que não foram à escola ou não tinham uso para a língua nacional, continuaram a usar seus próprios dialetos nas suas vidas diárias. Foi provavelmente nesse período que surgiu a marginalização do uso dos dialetos, desde que era um sinal de baixo status social. Depois disso, essa tendência de marginalizar as pessoas que usavam os dialetos diminuiu, mas mesmo assim os dialetos não são usados em público porque as novas gerações, assim como imigrantes de outras partes da Itália, não conseguem entender a língua regional.

Uso atual[editar | editar código-fonte]

Grupo População Língua originária Região
Vêneto 3.316.819[6] Vêneto[7] Vêneto (69,9%), Sardenha (Arborea, Fertilia), Friul-Veneza Júlia
Sardo 1.269.000 Sardo Sardenha (77,48%)
Friulano 750.000 Friulano Friul-Veneza Júlia (56,32%)
Tirolês 290.000 Alemão Trentino-Alto Ádige em Bolzano (65.43%)
Occitano 178.000 Occitano Piemonte nos vales de Cuneo (4,76%) e Turim, Ligúria em Imperia, Calábria em Guardia Piemontese
Sassarese 120.000 Sassarese Província de Sassari (36%)
Corso gallurese 100.000 Gallurese Província de Olbia-Tempio (64%), Província de Sassari (1,8%)
Arberesh 98.000 Albanês Sul da Itália, Sicília, Calábria, Apúlia, Molise, Campânia, Basilicata e uma pequena parte em Abruzzo
Francoprovençal 90.000 Francês Piemonte em Turim (0,89%), Vale de Aosta em Aosta (60%), Apúlia em Foggia (0,23%), Língua comum de Guardia Piemontese, Calábria
Ladino-dolomita 55.000 Ladino-dolomita Trentino-Alto Ádige em Bolzano (4,19%), em Trento (1,69%), Vêneto em Belluno (10%)
Esloveno 50.000 Esloveno Friul-Veneza Júlia em Trieste (9,6%), Gorizia (8%), Udine (3%)
Catalão 26.000 Algherese Sardenha em Alghero (60%)
Francês 20.000 Francês Vale de Aosta (17,33%)
Grego (Grico/Griko) 20.000 Grego da Itália Calábria em Reggio di Calabria (0,88%) e Apúlia na Grécia Salentina (1,88%)
Lígure tabarchino 12.000 lígure Tabarchino Carloforte (87%) e Calasetta (CI) (68%)
Bávaro 3.100 alemão (cimbro/mocheno) Trentino (Trento)
Croata 2.600 Croata Molise (0,79%)
Carintiano 2.000 Alemão Friul-Veneza Júlia em Udine (0,38%)
Cárnico 1.400 Friulano Friul-Veneza Júlia, Vêneto em Belluno (0,66%)
Tirolês (pusterese) 700 Alemão Vêneto, Val Pusteria
Romaniska 100 Romaniska Sardenha, Isili

Fonte: Ministero degli Interni del Governo Italiano/rielaborazione da Il Corriere della Sera.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dati Doxa/Istat, da Tullio De Mauro, "Linguistica Italiana" http://www.italianisticaonline.it/2005/lido-de-mauro/
  2. Ali, Linguistic atlas of Italy
  3. Linguistic cartography of Italy by Padova University
  4. Italiand dialects by Pellegrini
  5. AIS, Sprach-und Sachatlas Italiens und der Südschweiz, Zofingen 1928-1940
  6. Tratto da Istat.it Nel 2006 nel 69,9% delle famiglie prevale l'uso della língua Veneta o dei vari dialetti. URL consultato il 27 de março de 2008.
  7. La lingua Veneta è tutelata dalla legge Regionale n.8 del 13 aprile 2007 - BUR del Veneto n. 37 del 17/04/2007. L'art. 2 ne dà la seguente definizione: "Le specifiche parlate storicamente utilizzate nel territorio veneto e nei luoghi in cui esse sono state mantenute da comunità che hanno conservato in modo rilevante la medesima matrice costituiscono il veneto o lingua veneta".

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Maiden, Martin and Parry, Mair: The Dialects of Italy, London 1997.
  • Maiden, Martin: A Linguistic History of Italian, London 1995.
  • Hall, Robert A. Jr.: External History of the Romance Languages, New York 1974.
  • Comrie, Bernard, Matthews, Stephen and Polinsky, Maria: The Atlas of Languages: The Origin and Development of Languages Throughout the World. Rev. ed., New York 2003.
  • Grimes, Barbara F. (ed.): Ethnologue: Languages of the World. Vol. 1, 2000.
  • Giacomo Devoto and Gabriella Giacomelli, I Dialetti delle Regioni d'Italia, Florence: Sansoni Editore, 1971 (3rd edition, Tascabili Bompiani, 2002).
  • Andrea Rognoni, Grammatica dei dialetti della Lombardia, Oscar Mondadori, 2005.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]