Black Power

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo penteado que leva o mesmo nome, veja Afro.
AmericaAfrica.svg
Afro-americano
tópicos
 
História afro-americana
Tráfico negreiro · Maafa
Escravidão nos Estados Unidos
História militar de afro-americanos
Jim Crow laws · Redlining
Movimento dos direitos civis 1896–1954 e
1955–1968
Afrocentrismo · Reparações
Cultura afro-americana
Estudos afro-americanos
Bairros · Juneteenth
Kwanzaa · Arte · Museus
Dança · Literatura · Música · Escolas · Faculdades e universidades historicamente negras
Religião
Igreja Black · Teologia Black
Black teologia da libertação
Doutrina do Pai Divino
Black Hebrew Israelites
Sociedade americana de muçulmanos
Nação do Islão · Rastafari
Movimentos políticos
Pan-africanismo · Black Power
Nationalismo · Capitalismo
Conservadorismo · Populismo
Esquerdismo · Panteras Negras
Garveyism
Grupos cívicos e económicos
NAACP · SCLC · CORE · SNCC · NUL
Rights groups · ASALH · UNCF
NBCC · NPHC · The Links · NCNW
Esportes
Ligas Negras de beisebol
CIAA · SIAC · MEAC · SWAC
Sub-divisões étnicas
Black Indians · Gullah · Igbo
Línguas
Inglês · Gullah · Creole
Vernacular Afro-americano
Diáspora
Libéria · Nova Escócia · França
Serra Leoa · Reino Unido
Listas
Afro-americanos
National firsts · State firsts
Landmark legislation
Black diaspora
Index
Categoria · Portal

Black Power (em português: "poder negro") é um slogan político e um nome para várias ideologias associadas que visam alcançar autodeterminação para pessoas de ascendência africana.[1]

É usado principalmente, mas não exclusivamente, por afro-americanos nos Estados Unidos.[2] O movimento Black Power foi proeminente no final dos anos 60 e início dos 70, enfatizando o orgulho racial e a criação de instituições políticas e culturais negras para cultivar e promover interesses coletivos negros[3] e avançar valores negros.

"Black Power" expressa uma série de objetivos políticos, da defesa contra a opressão racial, ao estabelecimento de instituições sociais e uma economia auto-suficiente, incluindo livrarias afro-americanas, cooperativas, fazendas e meios de comunicação.[4][5][6][7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Scott, James. Wilson. (1976). The black revolts: racial stratification in the U.S.A. : the politics of estate, caste, and class in the American society. Cambridge, Mass: Schenkman Pub.
  2. Ogbar, J. O. G. (2005). Black Power: radical politics and African American identity. Reconfiguring American political history. Baltimore, Maryland: Johns Hopkins University Press, p. 2.
  3. Appiah, Anthony, & Henry Louis Gates Jr. (1999). Africana: The Encyclopedia of the African and African American Experience. New York: Basic Civitas Books, p. 262.
  4. Davis, Joshua Clark. «Black-Owned Bookstores: Anchors of the Black Power Movement – AAIHS». www.aaihs.org (em inglês). Consultado em 11 de março de 2017. 
  5. Konadu, Kwasi (1 de janeiro de 2009). A View from the East: Black Cultural Nationalism and Education in New York City (em inglês). [S.l.]: Syracuse University Press. ISBN 9780815651017 
  6. Klehr, Harvey (1 de janeiro de 1988). Far Left of Center: The American Radical Left Today (em inglês). [S.l.]: Transaction Publishers. ISBN 9781412823432 
  7. «Black Power TV | Duke University Press». www.dukeupress.edu (em en_US). Consultado em 11 de março de 2017. 
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.