George Washington Carver

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
George Washington Carver
George Washington Carver, em 1910
Nascimento c. 1860[1][2]
Diamond, Missouri, Estados Unidos
Morte 5 de janeiro de 1943 (79 anos)
Tuskegee, Alabama, Estados Unidos
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Prêmios National Inventors Hall of Fame (1990)
Medalha Spingarn (1923)
Campo(s) Botânico, agrônomo e inventor
Tese Plants as Modified by Man (1864)

George Washington Carver (Diamond, nascido por volta de 1860[1][2] - Tuskegee, 5 de janeiro de 1943) foi um botânico, inventor, cientista e agrônomo norte-americano.

A reputação de Carver é grandemente baseada na propaganda feita para promover plantações alternativas ao algodão, como as de amendoins e batatas-doce. Ele queria que fazendeiros pobres tivessem plantações alternativas para que servissem de fonte de alimento para a família e como fonte de outros produtos para melhorar sua qualidade de vida. O mais popular de seus 44 boletins de práticas para fazendeiros continham 105 receitas usando apenas amendoins. Por anos ele desenvolveu e promoveu diversos produtos feitos de amendoins, nenhum teve sucesso comercial.[3] Foi também um grande promotor do ambientalismo,[4] tendo recebido diversas honrarias por seu trabalho como a Medalha Spingarn da Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor.

Em uma época de grande polarização racial, sua fama estendeu-se para além da comunidade negra. Ele foi amplamente reconhecido e elogiado na comunidade branca por suas muitas conquistas e talentos. Em 1941, a revista Time o nomeou como o Leonardo da Vinci negro.[5]

Vida[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Carver nasceu na escravidão, em Diamond Grove, no condado de Newton, próximo a Crystal Place, hoje conhecido como Diamond, no Missouri, possivelmente em 1864 ou 1865, apesar de a data exata não ser conhecida.[6][7] Seu dono, Moses Carver, era descendente de alemães imigrantes que compraram os pais de Carver, Mary e Giles, de William P. McGinnis, em 9 de outubro de 1855, por 700 dólares. Carver teve 10 irmãs e um irmão.

Quando tinha apenas uma semana de vida, ele, uma irmã e sua mãe foram sequestrados por pistoleiros do Arkansas.[8] Seu irmão, James, conseguiu correr dos sequestradores,[8] que vendiam escravo no Kentucky. Moses Carver então contratou John Bentley para encontrá-los, mas ele localizou apenas o pequeno George. Moses negociou com os sequestradores pelo retorno do garoto e recompensou Bentley pelo trabalho.[8]

Depois da abolição da escravidão, Moses Carver e sua esposa, Susan, criaram George e seu irmão mais velho James como filhos,[8] incentivando George a estudar, enquanto Susan o ensinava a ler e escrever. Mas negros não tinham autorização para frequentar a escola pública em Diamond Grove. Havia uma escola para crianças negras a 16km, em Neosho Missouri, então George decidiu estudar lá. Quando alcançou a cidade, à noite, encontrou a escola fechada, obrigando-o a dormir em um celeiro.

Aos treze anos, desejando continuar os estudos, ele se mudou para a casa de uma família adotiva, em Fort Scott, no Kansas. Estudou em diversas escolas antes de ganhar seu diploma de ensino médio, na Minneapolis High School, no Kansas.

Universidade[editar | editar código-fonte]

Trabalhando em seu laboratório

Carver se candidatou a diversas faculdades até ser aceito na Highland University, no Kansas. Ao chegar, no entanto, foi rejeitado por ser negro.[9]

Utilizando-se do Homestead Act, ele protocolou um pedido,[10] próximo a Beeler, no Kansas, onde mantinha uma pequena estufa, com várias amostras de plantas e flores, além de uma coleção geológica. Manualmente, ele arou 17 acre(s)s (69 000 m2) do arrendamento, plantando arroz, milho, produtos de jardim, além de uma grande variedade de árvores frutíferas e arbustos, ganhando dinheiro com bicos na cidade, além de ajudante em colheitas.[9]

Por volta de 1888, ele conseguiu um empréstimo de 300 dólares para investir em sua educação. Em junho, ele deixou a região e começou a estudar piano e artes, em 1890, no Simpson College, em Indianola, Iowa.[11] Sua professora de artes, Etta Budd, reconheceu o talento de Carver para pintar plantas e flores e o encorajou a estudar botânica na Iowa State Agricultural College, em Ames, Iowa.[11] Quando começou seu curso, era o primeiro aluno negro da instituição. Seu trabalho de conclusão de curso chamava-se "Plantas Modificadas pelo Ser Humano", datando de 1894.[12]

Seus professores na universidade em Iowa, Joseph Budd e Louis Pammel, o convenceram a continuar os estudos no mestrado, onde George conduziu pesquisas sob a supervisão de Pammel por dois anos. Seu trabalho como patologia de plantas e micologia lhe rendeu seu primeiro reconhecimento em nível nacional como botânico e foi o primeiro professor negro a ensinar na universidade em Iowa.

Instituto Tuskegee[editar | editar código-fonte]

George Washington Carver (primeira fileira, no centro) com seus colegas no Tuskegee Institute, foto de 1902 Frances Benjamin Johnston.

Em 1896, Booker T. Washington, primeiro diretor e presidente do Instituto Tuskegee, convidou Carver para dirigir o Departamento de Agricultura da instituição, onde Carver lecionou por 47 anos, dando-lhe um salário alto e duas salas para seu uso pessoal. Ele elevou o departamento a um grande centro de pesquisa, ensinando métodos de alternância de cultivos, introduzindo várias alternativas lucrativas de cultivos a fazendeiros para que pudessem melhorar a qualidade do solo já desgastado pelo cultivo de algodão. Pesquisou também como criar fármacos e produtos químicos de plantas e ensinou gerações de estudantes negros em técnicas de cultivo autossuficientes.

Carver também desenvolveu uma sala de aula móvel para levar suas aulas para os fazendeiros. Ele a chamava de Carro Jesup, em homenagem ao filantropo e financiador da proposta, Morris Ketchum Jesup, que apoiou a ideia.[13]

Sala de aula móvel de Carver, cerca de 1917

Muita gente na universidade o achava arrogante, por ser um negro que conseguiu um mestrado em uma instituição branca.[14]

Uma das funções de Carver era administrar as fazendas da Estação Experimental Agrícola. Ele teve que gerenciar a produção e venda de produtos agrícolas para gerar receita para o instituto e logo se mostrou um pobre administrador, pois em 1900, Carver queixou-se que o trabalho físico e intelectual exigidos eram demais para ele.[15]

Em 1904, um comitê do instituto informou que os relatórios de Carver sobre rendimentos do galinheiro foram exagerados, e Washington confrontou Carver sobre a questão. Carver replicou:

Agora sou marcado como um mentiroso, como se fizesse parte desta terrível embuste, o que é mais do que posso suportar e se seu comitê sente que menti intencionalmente ou fiz parte de tais mentiras, como foi dito, minha demissão está à sua disposição.[16]

Em seus últimos anos em Tuskegee, Carver apresentou ou ameaçou sua demissão várias vezes: quando a administraçaõ reorganizou os programas de agricultura,[17] quando ele não gostava de uma tarefa de ensino,[18] quando tinha que gerenciar uma estação experimental em outro lugar,[19] e quando não conseguiu as aulas de verão, em 1913-1914.[20][21] Em cada caso, Washington suavizou as coisas.

Foto de George Washington Carver por Frances Benjamin Johnston, em 1906.

Carver iniciou sua carreira acadêmica como pesquisador e professor. Em 1911, Washington escreveu-lhe uma carta queixando-se que Carver não tinha seguido ordens para plantar colheitas particulares na estação experimental. Isso revelou o gerenciamento de Washington no departamento de Carver, que tinha dirigido por mais de 10 anos até então. Washington, ao mesmo tempo, recusou os pedidos de Carver para um novo laboratório, materiais de pesquisa para seu uso exclusivo, e uma folga das aulas. Washington elogiou as habilidades de Carver no ensino e na pesquisa original, mas sobre suas habilidades administrativas ele disse:

Quando se trata da organização das aulas, a capacidade necessária para garantir uma escola grande e bem organizada ou uma parte de uma escola, você necessita destreza. Quando se trata da questão da gestão prática fazenda que irá garantir definido, prático, resultados financeiros, você ainda necessita de destreza.

Em 1911, Carver reclamou que seu laboratório não recebeu equipamentos que Washington tinha lhe prometido 11 meses antes. Também reclamou dos encontros do comitê do instituto.[22] Mas Washington elogiou Carver em suas memórias, em 1911, My Larger Education: Being Chapters from My Experience.[23] Washington o chamava de "um dos mais talentosos cientistas negros com o qual trabalhara[24]. Após a morte de Washington, em 1915, seu sucessor fez menos exigências das tarefas administrativas de Carver.

Como professor, em Tuskegee, era membro da fraternidade Phi Beta Sigma. Ele falou no conclave da fraternidade de 1930, que foi realizado em Tuskegee, Alabama, onde fez um discurso poderoso e emocionante para os presentes.[25]

DE 1915 a 1923, Carver concentrou sua pesquisa em tentar novos usos para amendoins, batatas-doce, soja, castanhas e outros cultivos, com a ajuda de seus assistentes de laboratório para compilar os dados[26].

Este trabalho e, especialmente, o seu discurso a uma conferência nacional da Associação de Produtores de Amendoim, em 1920 e seu depoimento perante o Congresso em 1921 para apoiar a aprovação de uma tarifa sobre amendoins importados, lhe trouxe ampla publicidade e crescente renome. Nesses anos, ele se tornou um dos mais conhecidos afro-americanos de seu tempo.

A fama[editar | editar código-fonte]

"Um dos grandes cientistas do país." Pôster americano da Segunda Guerra Mundial, cerca de 1943U.S. World War II poster circa 1943

Foram muitas as técnicas desenvolvidas por Carver para recuperar solos desgastados pelo plantio de algodão. Junto de outros peritos em agricultura, ele trabalhou com fazendeiros para restaurar o nitrogênio dos solos através de alternância de cultivos, com batatas-doce ou legumes, como soja ou amendoins. Elas restauravam o nitrogênio do solo e também eram boas para consumo. Isso ajudou os fazendeiros a ganhar uma renda extra enquanto seus solos eram tratados de maneira natural. Para treinar os fazendeiros, Carver desenvolveu programas de extensão no Alabama, semelhantes aos que existiam em Iowa. Para encorajar uma melhor alimentação no sul do país, ele distribuiu receitas utilizando-se das colheitas plantadas na alternância.

Fundou um laboratório industrial, onde ele e seus assistentes trabalhavam para popularizar a técnica da alternância de plantio e suas aplicações, distribuindo as técnicas em boletins de agricultura para fazendeiros. Seu trabalho já era bem conhecido do governo antes mesmo de se tornar uma figura pública. O presidente Theodore Roosevelt publicamente elogiou seu trabalho. Antigos professores de Carver na Universidade em Iowa foram indicados para vários cargos na Secretaria de Agricultura.[27]

Amostra de amendoim coletada por Carver

Em 1916, Carver foi eleito membro da Royal Society of Arts, na Inglaterra, um dos poucos norte-americanos a receber a honraria. Em 1919, Carver escreveu para uma fábrica de amendoins sobre o potencial que via no leite feito de amendoins, mas tanto a indústria quanto Carver não sabiam que em 1917 William Melhuish patenteou um leite substituto para quem tinha intolerância à lactose, feito de amendoim e soja.

A United Peanut Associations of America convidou Carver para discursar em sua convenção de 1920, onde falou sobre as possibilidades do amendoim e exibiu 145 produtos feitos com ele. Em 1920, os fazendeiros estavam perdendo dinheiro para o amendoim mais barato vindo da China. Em 1921, fazendeiros e representantes da indústria planejaram aparecer nas audiências do Congresso para pedir que o amendoim chinês fosse tarifado. Baseado na qualidade do trabalho de Carver na convenção da associação no ano anterior, eles pediram que o professor fosse testemunhar perante o comitê tarifário da Câmara.

Por conta da segregação racial, era incomum que um negro testemunhasse como um especialista no Congresso representando uma indústria e fazendeiros. Deputados sulistas ficaram chocados ao verem Carver chegar para testemunhar. Conforme ele relatava a importância do amendoim e seus usos na agricultura familiar do país, os membros do comitê estendiam o tempo de seus depoimentos. A tarifa Fordney-McCumber, de 1922, foi aprovada, também tarifando os amendoins importados. Testemunhar no congresso fez de Carver uma figura pública muito conhecida na época.

Os últimos vinte anos da vida de Carver o elevaram ao status de celebridade. Costumava viajar com frequência promovendo os amendoins da Universidade Tuskegee e pela harmonia racial. Escreveu apenas seis boletins agrícolas depois de 1922, mas publicou vários artigos em revistas da indústria, e tinha sua própria coluna, a "Professor Carver's Advice". Comerciantes constantemente lhe pediam conselhos, que Carver dava gratuitamente. Conheceu três presidentes - Theodore Roosevelt, Calvin Coolidge e Franklin Roosevelt - e o príncipe herdeiro do trono da Suécia estudou com ele por três semanas. De 1923 a 1933, Carver visitou as faculdades brancas do sul pelo Comitê de Cooperação Inter-racial.[26]

Com sua grande notoriedade, Carver virou assunto de biografias e artigos, como a que foi publicada em 1929, por Raleigh H. Merritt:

Atualmente, pouco tem sido feito para utilizar as descobertas do Dr. Carver comercialmente. Ele diz que está apenas arranhando a superfície das pesquisas científicas sobre as possibilidades do amendoim e de outros produtos do sul.[28]

Em 1932, James Saxon Childers, escreveu que Carter e seus produtos eram praticamente os responsáveis pelo aumento na produção de amendoim no país, depois que besouro Bicudo-do-algodoeiro devastou os cultivos de algodão, que começou por volta de 1892. Muitas revistas e artigos costumavam aumentar o mito da importância de Carver para a agricultura e indústria do país.[29]

De 1933 a 1935, Carver trabalhou para criar óleo de amendoim para tratar a pólio em crianças através de massagens.[26] Mas pesquisas posteriores mostravam que eram as massagens e não o óleo de amendoim que traziam benefícios aos membros paralisados. De 1933 a 1935, Carver participou da Pesquisa Nacional de Enfermidades do Departamento de Agricultura. Em 1937, ele participou de duas conferências de quimurgia, uma área nova em 1930, durante a Grande Depressão, para desenvolver novos produtos.[26] Foi convidado por Henry Ford para discursar em uma conferência em Dearborn, Michigan onde acabaram ficando amigos. Naquele ano, a saúde de Carver começou a piorar e Ford instalou um elevador no dormitório onde ele dormia para que não precisasse subir as escadas.[5][30]

Carver levou uma vida muito simples e aos 70 anos ele criou um museu para resguardar seu trabalho, bem como uma fundação com seu nome em Tuskegee, em 1938, para continuar as pesquisas agrícolas. Doou cerca de 60 mil dólares de suas economias para criar a fundação.[30]

Relacionamentos[editar | editar código-fonte]

Quadro de Betsy Graves Reyneau

Carver nunca se casou. Aos 40 anos, ele começou a namorar Sarah L. Hunt, professora de ensino infantil por três anos, até ela assumir um cargo na Califórnia.[31][32] Em sua biografia de 2015, Christina Vella sugeriu que Carver fosse bissexual, porém reprimido pelos costumes da época.[33]

Aos 70 anos, Carver ficou amigo do cientista Austin W. Curtis, Jr., um jovem graduado pela Universidade Cornell, que passou a lecionar em Tuskegee. Carver legou a Curtis seus direitos de uma biografia autorizada de 1943 por Rackham Holt.[34]

Após a morte de Carver em 1943, Curtis foi despedido de Tuskegee, mudando-se do Alabama para Detroit. Lá ele fabricava e vendia produtos de uso pessoal baseados em amendoins.[35]

Morte[editar | editar código-fonte]

Um dia, ao voltar para casa, Carver caiu da escada e foi encontrado inconsciente por uma camareira que o levou ao hospital, vindo a falecer em 5 de janeiro de 1943, aos 78 anos de complicações devido à uma anemia causada pela queda. Ele foi enterrado próximo de Booker T. Washington, na Universidade Tuskegee. Devido à sua vida simples, Carver economizou cerca de 60 mil dólares, todo ele doado em seus últimos anos e depois de sua morte para o Museu Carver e para sua fundação[36].

Em seu túmulo está escrito: Ele poderia ter adicionado fortuna à fama, mas não se importando com nada, ele encontrou felicidade e honra em ser útil ao mundo.

Cristandade[editar | editar código-fonte]

Carver acreditava que era possível ter fé tanto em Deus quanto na ciência e integrou isso em sua vida. Ele afirmou em muitas ocasiões que sua fé em Jesus era o único mecanismo pelo qual ele poderia, efetivamente, perseguir e executar a arte da ciência.[37] Sua conversão ao cristianismo aconteceu quando ainda era menino, como escreveu em 1931[38]:

Eu era um menino, uns dez anos de idade. Não há muito o que dizer sobre isso. Deus entrou em meu coração uma tarde quando estava sozinho no mezanino do grande celeiro, enquanto eu descascava milho para consumo.
Um menino branco muito querido, um de nossos vizinhos, quase da minha idade, veio um sábado de manhã, falando e brincando me disse que iria para uma escola dominical no dia seguinte, pela manhã. Eu estava curioso para saber o que uma escola dominical era. Ele disse que era um lugar para cantar inos e orar. Perguntei o que era orar e o que elas diziam. Não lembro o que ele disse, apenas lembro que assim que ele saiu, eu voltei para o mezanino do celeiro, me ajoelhei no meio do milho descascado e rezei o melhor que pude. Não me lembro do que disse. Apenas lembro que me senti tão bem que rezei várias vezes até cansar.
Meu irmão e eu éramos as únicas crianças negras na vizinha e, claro, não íamos à escola dominical, ou escola de qualquer tipo.
Essa foi minha simples conversão e tendo manter a fé.
G. W. Carver; Letter to Isabelle Coleman; July 24, 1931

Carver não esperava passar dos 21 anos devido à saúde frágil. Ele viveu saudável bem depois de completar 21 anos e sua fé aumentou como resultado disso.[24] Ao longo de sua carreira, ele sempre manteve amizade com outros cristão. Ele contava com eles especialmente quando criticado pela comunidade científica e pela mídia em relação à sua metodologia de pesquisa.[39]

Carver via na fé em Jesus Cristo como um meio de acabar com as barreiras raciais e com a estratificação social.[40] Era preocupado com o caráter dos alunos, bem como o intelectual e chegou a compor uma lista de oito virtudes para seus alunos seguirem:

Monumento a Carver no Jardim Botânico do Missouri, em St. Louis
  • Seja limpo, por dentro e por fora
  • Não bajule o rico, nem humilhe o pobre
  • Perca, se necessário, sem espernear
  • Ganhe sem se gabar.
  • Seja sempre atencioso com as mulheres, crianças e pessoas mais velhas.
  • Seja corajoso para não mentir.
  • Seja generoso para não trapacear.
  • Pegue sua porção do mundo e deixe os outros pegarem as deles.[41]

No início de 1906 em Tuskegee, Carver tinha uma turma de estudos bíblicos aos domingos para vários estudantes que o requisitavam.[41] Às críticas, ele respondeu: "quando você faz as coisas comuns da vida de maneira incomum, atrai a atenção do mundo".[42]

Honraria[editar | editar código-fonte]

Legado[editar | editar código-fonte]

Um movimento para estabelecer um monumento nacional a Carver começou antes de sua morte. Por causa da Segunda Guerra Mundial, tais despesas tinham sido proibidas por ordem presidencial. O senador do Missouri, Harry S. Truman, patrocinou uma lei a favor de um monumento. Em uma audiência, um apoiador do monumento disse:

O projeto de lei não é simplesmente uma pausa momentânea por parte de homens engajados na condução da guerra, para fazer honra a um dos verdadeiramente grandes americanos deste país, mas é, em essência, um golpe contra os países do Eixo. É essencialmente uma medida de guerra no sentido de que desencadeará e libertará as energias de cerca de 15 milhões de negros neste país para o total apoio ao nosso esforço de guerra.[26]

O projeto passou por unanimidade.

Selo de 1948

Em 14 julho de 1943, o presidente Franklin D. Roosevelt designou 30 mil dólares para o monumento nacional a Carver, em Diamond, Missouri, onde Carver cresceu[52]. Este foi o primeiro monumento nacional dedicado a um negro e o primeiro a alguém que não foi presidente do país. O complexo de 210

-acre(s) (0 8 km2) inclui um busto de Carver, uma trilha, um museu, uma réplica da casa de 1881, de Moses Carver e um cemitério. O monumento foi aberto em 1953.

Em dezembro de 1947, um incêndio atingiu o Museu Carver e parte da coleção foi danificada. Cerca de 48 pinturas foram destruídas. Sua pintura mais conhecida, que mostra yuccas e cactus, foi preservada e depois restaurada.[53]

Carver é muitas vezes creditado pela invenção da manteiga de amendoim, mas na época das publicações das receitas de Carver, já existiam muitos métodos para a preparação da manteiga e várias patentes registradas.[54][55][56]

Boletins[editar | editar código-fonte]

Em seus mais que 40 anos em Tuskegee, Carver publicou cerca de 44 boletins para fazendeiros.[57] O primeiro saiu em 1898 sobre alimentar animais com milho. O último foi em 1943, sobre amendoim. Publicou seis boletins sobre batata-doce, cinco sobre algodão e quatro sobre feijão de corda. Boletins individuais sobre alfafa, tomate, plantas ornamentais, milho, ameixa, laticínios, carne em conserva e estudo da natureza nas escolas.

O boletim mais popular, "Como cultivar amendoim e 105 maneiras de prepará-lo para consumo humano" foi publicado pela primeira vez em 1916.[58] Foi impresso várias vezes e fazia uma breve análise sobre a produção e continha uma lista de receitas. Este não foi o único boletim a respeito, mas era de longe o mais famoso.[59][60][61][62][63]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b O Notable Names Database estabelece como 1860, citando o censo de 1870, que diz: "1864 é, frequentemente, citado como sendo seu ano de nascimento, mas no formulário do censo de 1870, preenchido por Moses e Susan Carver, ele é apresentado como tendo dez anos de idade." [1].
  2. a b «About GWC: A Tour of His Life». George Washington Carver National Monument. National Park Service. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2008. George Washington Carver não sabia sua exata data de nascimento, mas ele acreditava que era janeiro de 1864 (algumas evidências, porém, indicam que era julho de 1861, mas não conclusivamente. Ele sabia que fora antes da escravidão ser abolida no Missouri, o que ocorreu em janeiro de 1865. 
  3. Linda O. McMurry (1982). George Washington Carver: Scientist and Symbol. New York: Oxford University Press. p. 196. ISBN 0-19-503205-5 
  4. Mark D. Hersey, My Work Is That of Conservation: An Environmental Biography of George Washington Carver (2011) online
  5. a b «Black Leonardo Book». Time Magazine. 24 de novembro de 1941. Consultado em 10 de agosto de 2008 
  6. McMurry (1982), George Washington Carver, pp. 9–10.
  7. Algumas fontes dizem 1864. Mas a data permanece desconhecida.
  8. a b c d Rennert, Richard, ed. (1994), Profiles of Great Black Americans: Pioneers of Discovery, ISBN 0-7910-2067-3, New York: Chelsea House Publishers, pp. 26–32 
  9. a b George Washington Carver: Scientist, Scholar, and Educator do site "Blue Skyways" da Kansas State Library
  10. Southeast Quarter of Section 4, Township 19 South, Range 26 West of the Sixth Principal Meridian, Ness County, Kansas
  11. a b College Archives – George Washington Carver, Simpson College website
  12. Geo. W. Carver (1894). «Plants as Modified by Man.» 
  13. "The first Jesup Wagon", George Washington Carver Museum, Tuskegee University Historic Site, National Park Service website.
  14. McMurry (1982), pp. 45–47.
  15. Louis R. Harlan, Raymond Smock (eds), The Booker T. Washington Papers: 1895-98, University of Illinois Press, 1975, Vol. 5, p. 481.
  16. Harlan, Vol. 8, p. 95.
  17. Harlan, Volume 10, p. 480.
  18. Harlan, Vol. 12, p. 95.
  19. Harlan, Vol. 12, pp. 251–252.
  20. Harlan, Vol. 12, p. 201.
  21. Harlan, Vol. 13, p. 35.
  22. Harlan, Vol. 4, p. 239.
  23. Booker T. Washington, 1856–1915 My Larger Education: Being Chapters from My Experience
  24. a b GWC | His Life in his own words
  25. [2] Arquivado em 23 de julho de 2012 no Wayback Machine.
  26. a b c d e f Special History Study from the National Park Service website
  27. «The legacy of George Washington Carver--Friends & Colleagues (Henry Wallace». iastate.edu. 31 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 15 de abril de 2009 
  28. Raleigh Howard Merritt. From Captivity to Fame or The Life of George Washington Carver.
  29. «Peanut Man». Time Magazine. 14 de junho de 1937. Consultado em 10 de agosto de 2008 
  30. a b Linda McMurry Edwards, George Washington Carver: The Life of the Great American Agriculturist, Rosen Publishing Group, 2004, pp. 90–92. Retrieved 7 July 2011.
  31. Kremer, Gary R., George Washington Carver: A Biography, Greenwood, 2011, ISBN 0313347964, p. 68
  32. Christina Vella, George Washington Carver, Louisiana State University Press, 2015
  33. Christina Vella, George Washington Carver, Louisiana State University Press, 2015
  34. Rackham Holt, George Washington Carver: An American Biography, Garden City, NY: Doubleday, Doran and Company, 1943. Citação: "Ele [Carver] acreditava que havia algo de providencial na vinda deste jovem [Austin], tão intensamente sério sobre seu trabalho e extremamente competente nisso, que era ao mesmo tempo um companheiro genial; ele estava orgulhoso e o amava e dependia dele como seu próprio filho (...) E o afeto foi devolvido em igualmente. O Sr. Curtis o acompanhou em todos os lugares, velando por seu conforto, protegendo-o da invasão de privacidade e agindo como seu porta-voz oficial.
  35. On Curtis' later life, see "Austin W. Curtis Interviewed by Toby Fishbein in Detroit, Michigan, March 3, 1979": Transcript in Iowa State University Special Collections, George Washington Carver File, Box 2, RS: 21/7/2.
  36. GWC | Tour Of His Life |Page 6
  37. Man of science-and of God from The New American (January 2004) via TheFreeLibrary.com
  38. Carver, George Washington; Ed. by Kremer, Gary R. George Washington Carver in his own words. University of Missouri Press. Feb 1, 1991, p. 128
  39. Wilson L. Newman correspondence with George Washington Carver, 1926-1943
  40. «Quotes From Dr. Carver Page 2». nps.gov. National Park Service. Cópia arquivada em 8 de julho de 2009 
  41. a b History do site Carver Academy
  42. George Washington Carver Quotes
  43. Carver Hall, Iowa State University, Facilities Planning & Management
  44. USDA Hall of Heroes
  45. «25-2-39». Rilin.state.ri.us. Consultado em 21 de março de 2014 
  46. George Washington Carver Recognition Day Celebrated
  47. «USDA Names Building Complex to Honor Dr. George Washington Carver». PR Newswire. Consultado em 3 de maio de 2016 
  48. Asante, Molefi Kete (2002). 100 Greatest African Americans: A Biographical Encyclopedia. Amherst, New York. Prometheus Books. ISBN 1-57392-963-8.
  49. «George Washington Carver Park». Los Angeles County, California Department of Parks and Recreation. Consultado em 13 de abril de 2015 
  50. «Welcome to Carver Elementary School». Compton Unified School District. Consultado em 13 de abril de 2015 
  51. «Who Is George Washington Carver?». Sacramento City Unified School District. Consultado em 13 de abril de 2015 
  52. George Washington Carver National Monument (U.S. National Park Service)
  53. «Change Without Revolution». Time Magazine. 5 de janeiro de 1948. Consultado em 10 de agosto de 2008 
  54. «US Patent #306727» 
  55. «US Patent #604493» 
  56. Innovate St. Louis (25 de agosto de 2011). «Innovation in St. Louis History – Innovate St. Louis». Innovatestl.org. Consultado em 18 de dezembro de 2011 
  57. List of Bulletins by George Washington Carver from the Tuskegee University website
  58. Carver, George Washington. 1916. "How to Grow the Peanut and 105 Ways of Preparing it for Human Consumption", Tuskegee Institute Experimental Station Bulletin 31.
  59. Handy, R. B. 1895. "Peanuts: Culture and Uses". USDA Farmers' Bulletin 25.
  60. Newman, C. L. 1904. Peanuts. Fayetteville, Arkansas: Arkansas Agricultural Experiment Station.
  61. Beattie, W. R. 1909. "Peanuts". USDA Farmers' Bulletin 356.
  62. Ferris, E. B. 1909. "Peanuts". Agricultural College, Mississippi: Mississippi Agricultural Experiment Station.
  63. Beattie, W. R. 1911. "The Peanut". USDA Farmers' Bulletin 431.

Referências[editar | editar código-fonte]

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

  • Hersey, Mark D. My Work Is That of Conservation: An Environmental Biography of George Washington Carver (University of Georgia Press; 2011) 306 pages.
  • Hersey, Mark. "Hints and Suggestions to Farmers: George Washington Carver and Rural Conservation in the South." Environmental History 11#2 (2006): 239-268.
  • Mackintosh, Barry. "George Washington Carver: The Making of a Myth." Journal of Southern History 42#4 (1976): 507-528. in JSTOR
  • Barry Mackintosh, "George Washington Carver and the Peanut: New Light on a Much-loved Myth", American Heritage 28(5): 66–73, 1977.
  • McMurry, L. O. "Carver, George Washington." American National Biography Online February 2000
  • McMurry, Linda O. George Washington Carver: scientist and symbol (Oxford University Press, 1982). online; Google copy)

Trabalhos populares[editar | editar código-fonte]

  • Carver, George Washington. "1897 or Thereabouts: George Washington Carver's Own Brief History of His Life." George Washington Carver National Monument.
  • Collins, David R. George Washington Carver: Man's Slave, God's Scientist, (Mott Media, 1981)
  • William J. Federer, George Washington Carver: His Life & Faith in His Own Words, AmeriSearch (January 2003) ISBN 0-9653557-6-4
  • George Washington Carver: In His Own Words (Paperback), ed. G.R. Kremer, University of Missouri Press; 1987, Reprint edition (January 1991) ISBN 0-8262-0785-5 ISBN 978-0-8262-0785-2
  • H.M. Morris, Men of Science, Men of God (1982)
  • E.C. Barnett and D. Fisher, Scientists Who Believe (1984)

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Gray, James Marion. George Washington Carver. Englewood Cliffs, NJ: Silver Burdett Press, 1991.
  • Holt, Rackham. George Washington Carver: An American Biography, rev. ed. Garden City, NY: Doubleday, 1963.
  • Kremer, Gary R. Race and Meaning: The African American Experience in Missouri, University of Missouri Press, 2014.
  • McKissack, Pat, and Fredrick McKissack. George Washington Carver: The Peanut Scientist, rev. ed. Berkeley Heights, NJ: Enslow Publishers, 2002.
  • Moore, Eva. The Story of George Washington Carver, New York: Scholastic, 1995.
  • Vella, Christina. Carver, Louisiana State University Press, 2015.

Links[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre George Washington Carver
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: George Washington Carver

Coleções[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

Legends of Tuskegee: George Washington Carver from the National Park Service
George Washington Carver National Monument from the National Park Service

Publicações impressas[editar | editar código-fonte]