Alabama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Estados Unidos Alabama

State of Alabama

 
  Estado dos Estados Unidos  
Símbolos
Bandeira de Alabama
Bandeira
Selo de Alabama
Selo
Lema Audemus jura nostra defendere
(Do latim: Ousamos defender nossos direitos)
Apelido(s) The Heart of Dixie, Camellia State, Cotton State, Yellowhammer State
Localização
Localização do Alabama nos Estados Unidos.
Localização do Alabama nos Estados Unidos.
Coordenadas 32° 42' N 86° 42' O
Capital Montgomery
Maior cidade Birmingham
Condados 67
Governador Kay Ivey (R)
Vice-governador Will Ainsworth (R)
Língua oficial Inglês
Representantes 7
Colégio eleitoral 9 votos
Senadores Richard Shelby (R)
Tommy Tuberville (R)
Limites Tennessee (norte), Geórgia (leste), Flórida e Golfo do México (sul) e Mississipi (oeste)
História
Entrada na União 14 de dezembro de 1819 (22º)
Características geográficas
Área total [1] 135 767,36 km²
 • Área seca 131 170,80 km²
 • Área molhada 4 596,56 km²
População total (2020) [2] 5 024 279 hab.
 • Posição 24º
Densidade 37 hab./km²
Informações
 • Gentílico Alabamiense[3]
 • Comprimento 531 km
 • Largura 305 km
 • Altitude máxima 735,5 m
 • Altitude média 150 m
 • Altitude mínima 0 m
Fuso horário
Horário de verão
Indicadores
IDH (2017) [4] 0,882 muito alto
 • Posição 49.º
PIB (2018) [5] US$ 224,654 bilhões
 • Posição 27.º
PIB per capita (2018) US$ 37,261 (45.º)
Outras informações
ISO 3166-2 US-AL
USPS AL
Sítio www.alabama.gov

Alabama é um dos 50 estados dos Estados Unidos, localizado na região sudeste do país. Alabama limita-se ao norte com Tennessee, ao sul com o Golfo do México e com a Flórida, a leste com a Geórgia e a oeste com Mississipi. Sua população é de 5 024 279 habitantes, de acordo o censo americano de 2020.[2]

Os franceses estabeleceram o primeiro assentamento europeu no atual estado de Alabama, com a fundação de Mobile em 1702. O sul de Alabama foi francês de 1702 até 1763, quando passou a ser controlado pelo Reino Unido até 1780, e pela Espanha até 1814. Já a região centro-norte de Alabama foi colonizada inicialmente pelos britânicos, em 1763, anexados pelos norte-americanos em 1783, e tornando-se o 21º estado norte-americano em 1819.

Alabama separou-se da União em 11 de janeiro de 1861, juntando-se aos Estados Confederados da América em 18 de fevereiro. 120 mil soldados de Alabama lutaram durante a Guerra Civil Americana contra os estados da União. Os confederados foram derrotados em 1865, e Alabama foi readmitido à União em junho de 1868.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História do Alabama

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Geografia do Alabama

O Alabama limita-se ao norte com Tennessee, a leste com a Geórgia, ao sul com a Flórida e o oceano Atlântico, e a oeste com Mississipi. Com quase 136 mil quilômetros quadrados,[1] é o 30º maior estado americano em área do país.

Clima[editar | editar código-fonte]

O estado é classificado como subtropical úmido ( Cfa) pela Classificação Climática de Koppen.[6] A temperatura média anual é de 64 ° F (18 ° C). As temperaturas tendem a ser mais altas na parte sul do estado com sua proximidade com o Golfo do México, enquanto as partes norte do estado, especialmente nas montanhas Apalaches no nordeste, tendem a ser ligeiramente mais frias.[7] Geralmente, o Alabama tem verões muito quentes e invernos amenos, com chuvas abundantes ao longo do ano. Alabama recebe uma média de 56 in (1,400 mm) de chuvas anuais e goza de uma longa estação de crescimento de até 300 dias no sul do estado.[7]

Os verões no Alabama estão entre os mais quentes dos EUA, com altas temperaturas em média acima de 32 °C (90 °F) durante todo o verão em algumas partes do estado. O Alabama também é propenso a tempestades tropicais e até furacões. As áreas do estado distantes do Golfo não são imunes aos efeitos das tempestades, que muitas vezes despejam enormes quantidades de chuva à medida que se movem para o interior e enfraquecem.

O Sul de Alabama relata muitas tempestades. A costa do Golfo, ao redor de Mobile Bay, tem uma média de 70 a 80 dias por ano com relatos de trovões. Esta atividade diminui um pouco mais ao norte do estado, mas mesmo o extremo norte do estado relata trovoada em cerca de 60 dias por ano. Ocasionalmente, as tempestades são severas com relâmpagos frequentes e granizo forte; as partes central e norte do estado são as mais vulneráveis a esse tipo de tempestade. O Alabama ocupa o nono lugar em número de mortes por raios e o décimo em número de mortes por raios per capita.[8]

Danos de tornado em Phil Campbell após o surto de tornado em todo o estado de 27 de abril de 2011

Alabama, junto com Oklahoma e Iowa, tem os tornados F5 e EF5 mais confirmados de qualquer estado, de acordo com estatísticas do National Climatic Data Center para o período de 1 de janeiro de 1950 a junho de 2013.[9] Vários tornados F5/EF5 de longa data contribuíram para que o Alabama relatasse mais fatalidades de tornado desde 1950 do que qualquer outro estado. O estado foi afetado pelo Super Surto de 1974 e foi devastado tremendamente pelo Super Surto de 2011. O Super Surto de 2011 produziu uma quantidade recorde de tornados no estado. A contagem chegou a 62.[10]

A alta temporada de tornados varia do norte ao sul do estado. Alabama é um dos poucos lugares no mundo que tem uma temporada secundária de tornados em novembro e dezembro, além da primavera tipicamente severa. A parte norte - ao longo do Vale do Rio Tennessee - é a mais vulnerável. A área do Alabama e Mississippi mais afetada por tornados é às vezes chamada de Dixie Alley, diferente do Tornado Alley da Planície do Sul.

Os invernos são geralmente amenos no Alabama, assim como na maior parte do sudeste dos Estados Unidos, com baixas temperaturas médias em janeiro em torno de 4 °C (40 °F) em Mobile e cerca de 0 °C (32 °F) em Birmingham. Embora a neve seja um evento raro em grande parte do Alabama, as áreas do estado ao norte de Montgomery podem receber bastante neve algumas vezes a cada inverno, com uma queda de neve ocasional moderadamente forte a cada poucos anos. Eventos históricos de queda de neve incluem a tempestade de neve na véspera de Ano Novo de 1963 e a Tempestade do Século de 1993. A queda de neve média anual na área de Birmingham é de 51 mm (2 in) por ano. Na costa sul do Golfo, a queda de neve é menos frequente, às vezes passando vários anos sem nevar.

A temperatura mais alta do Alabama de 44 °C (112 °F) foi registrado em 5 de setembro de 1925, na comunidade não incorporada de Centerville. O recorde de baixa de −33 °C (−27 °F) ocorreu em 30 de janeiro de 1966, no Novo Mercado.[11]

Principais cidades[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
18001 250
18109 046623,7%
1820127 9011 313,9%
1830309 527142,0%
1840590 75690,9%
1850771 62330,6%
1860964 20125,0%
1870996 9923,4%
18801 262 50526,6%
18901 513 40119,9%
19001 828 69720,8%
19102 138 09316,9%
19202 348 1749,8%
19302 646 24812,7%
19402 832 9617,1%
19503 061 7438,1%
19603 266 7406,7%
19703 444 1655,4%
19803 893 88813,1%
19904 040 5873,8%
20004 447 10010,1%
20104 779 7367,5%
20205 024 2795,1%
Fonte: US Census[2]

O censo nacional de 2000 estimou a população do Alabama em 4 447 100 habitantes, um crescimento de 8,1% em relação à população do estado em 1990, de 4 040 587 habitantes. Uma estimativa realizada em 2011 estima a população em 4 802 740 habitantes, um crescimento de 12,8% em relação à população em 1990; de 2,5% em relação à população em 2000; e de 0,7% em relação à população estimada em 2004.

O crescimento populacional natural do Alabama entre 2000 e 2005 foi de 77 418 habitantes - 319 544 nascimentos e 242 126 óbitos - o crescimento populacional causado pela imigração foi de 25 936 habitantes, enquanto que a migração interestadual resultou em um ganho de 10 521 habitantes. Entre 2000 e 2005, a população do Alabama cresceu em 110 457 habitantes.

Raças e etnias[editar | editar código-fonte]

Composição racial da população do Alabama:

  • 67,0% – brancos não-hispânicos
  • 26,2% – afro-americanos
  • 1,1% – asiáticos
  • 3,9% – hispânicos
  • 0,6% – indígenas e inuits
  • 1,5[12]% – duas ou mais raças

Os cinco maiores grupos étnicos do Alabama são afro-americanos (que compõem 25,8% da população do estado), norte-americanos (17%, a maioria são descendentes de irlandeses ou escoceses), irlandeses (7,7%), alemães (5,5%) e irlandeses-escoceses (2%).


Religião[editar | editar código-fonte]

Circle frame.svg

Religião no Alabama (2014)[13]

  Batistas (44%)
  Metodistas (9%)
  Outros Protestantes (19%)
  Mórmonismo (1%)
  Sem religião (12%)
  Outras religiões (1%)
  Sem resposta (1%)

O Alabama está localizado no meio do Cinturão da Bíblia, uma região fortemente Batista. Alabama foi identificado como um dos estados mais religiosos dos Estados Unidos, com cerca de 46% da população frequentando a igreja regularmente.[14] A maioria das pessoas no estado se identifica como protestante. Em 2010, os três maiores grupos denominacionais no Alabama são a Convenção Batista do Sul, a Igreja Metodista Unida e os Protestantes Evangélicos não denominacionais.[15]

Política[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Política do Alabama

O Alabama possui atualmente 7 representantes na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. A legislatura estadual é composta de 105 representantes e 35 senadores.

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro de Engenharia da Airbus em Mobile.

O produto interno bruto de Alabama em 2003 foi de 132 bilhões de dólares. A renda per capita do estado foi de 26 505 dólares, a taxa de desemprego do estado foi de 5,6%.

A economia de Alabama baseia-se primariamente na silvicultura, na manufatura de produtos de plástico e borracha, roupas, papel e outros produtos de madeira, bem como no turismo. O maior grupo étnico do estado são norte-americanos de ascendência Inglesa.

Os produtos agrícolas do Alabama incluem aves e ovos, bovinos, itens de viveiro de plantas, amendoim, algodão, grãos, como milho e sorgo, hortaliças, leite, soja e pêssegos. Embora conhecido como "O Estado de algodão", classifica Alabama entre oito e dez na produção nacional de algodão, de acordo com vários relatórios, com o Texas, Geórgia e Mississippi, que compreende os três primeiros.

Saídas industriais do Alabama incluem ferro e aço (inclusive ferro fundido e de tubos de aço), papel, madeira e produtos de madeira, mineração (principalmente carvão), produtos plásticos, automóveis e caminhões; e vestuário. Além disso, Alabama produz produtos aeroespaciais e electrónicos, principalmente na área de Huntsville, localização da NASA, George C. Marshall Space Flight Center e os EUA Aviação do Exército e Comando de mísseis, com sede no Arsenal de Redstone.

O Alabama faz parte do corredor de maior crescimento industrial do país. A maior parte deste crescimento deve-se à indústria de fabricação do Alabama em rápida expansão automotiva. Sediado no Estado são a Honda Manufatura de Alabama, a Hyundai Motor Manufacturing Alabama, a Mercedes-Benz Internacional dos EUA, e Toyota Motor Manufacturing Alabama. Desde 1993, a indústria automobilística já gerou mais de 67 mil novos empregos no estado. I Alabama ocupa atualmente a quarta posição na produção de automóveis.

Educação[editar | editar código-fonte]

Vestavia Hills High School nos subúrbios de Birmingham

A educação pública primária e secundária no Alabama está sob a alçada do Conselho Estadual de Educação do Alabama, bem como a supervisão local de 67 conselhos escolares do condado e 60 conselhos municipais de educação. Juntas, 1.496 escolas individuais oferecem educação para 744.637 alunos do ensino fundamental e médio.[16]

O financiamento das escolas públicas é alocado pela Legislatura do Alabama por meio do Education Trust Fund. No ano fiscal de 2006–2007, o Alabama destinou $ 3.775.163.578 para a educação primária e secundária. Isso representou um aumento de $ 444.736.387 em relação ao ano fiscal anterior. Em 2007, mais de 82% das escolas obtiveram progresso anual adequado (AYP) em relação à proficiência do aluno de acordo com a lei Nacional Nenhuma Criança Deixada para Trás, usando medidas determinadas pelo estado do Alabama .

Embora o sistema de educação pública do Alabama tenha melhorado nas últimas décadas, ele fica para trás em realizações em comparação com outros estados. De acordo com os dados do Censo dos EUA (2000), a taxa de conclusão do ensino médio do Alabama (75%) é a quarta mais baixa dos EUA (depois de Kentucky, Louisiana e Mississippi).[17] Os maiores ganhos educacionais ocorreram entre pessoas com alguma educação universitária, mas sem diploma.[18]

Geralmente proibida no Ocidente em geral, a punição corporal em escolas não é incomum no Alabama, com 27.260 alunos de escolas públicas remando pelo menos uma vez, de acordo com dados do governo para o ano escolar de 2011-2012.[19][20] A taxa de punição corporal em escolas no Alabama é superada apenas pelo Mississippi e pelo Arkansas.[20]

Transportes e telecomunicações[editar | editar código-fonte]

Birmingham é principal centro de transportes do estado. Montgomery e Mobile são outros pólos de transportes importantes. Birmingham é o centro ferroviário mais movimentado, e possui o principal aeroporto do estado, o Aeroporto Internacional de Birmingham. Mobile, por sua vez, é o principal centro portuário do Alabama, e um dos mais movimentados da região sul dos Estados Unidos. Em 2002, Alabama possuía 5 411 quilômetros de ferrovias. Em 2003, o estado possuía 151 977 quilômetros de vias públicas, dos quais 1 456 quilômetros eram rodovias interestaduais, considerados parte do sistema federal rodoviário dos Estados Unidos.

O primeiro jornal de Alabama, o Mobile Sentinel, foi publicado pela primeira vez em 1811, em Fort Stoddert. O jornal mais antigo ainda em operação, por sua vez, é o Mobile Register, que foi publicado pela primeira vez em 1813, em Mobile, com o nome de Mobile Gazette. Atualmente, são publicados cerca de 120 jornais, dos quais 20 são diários.

A primeira estação de rádio de Alabama foi fundada em 1925, em Birmingham. A primeira estação de televisão foi fundada em 1952, também em Birmingham. Atualmente, Alabama possui 229 estações de rádio - dos quais 113 são AM e 116 são FM - e 37 estações de televisão.

Esportes[editar | editar código-fonte]

O Alabama não possui nenhuma equipe profissional em nenhuma das quatro grandes ligas do país, mas possui três equipes de liga menor de beisebol Double-A South (Birmingham Barons, Montgomery Biscuits e Rocket City Trash Pandas), uma equipe de futebol da USL Championship (Birmingham Legion FC) e duas equipes de hóquei no gelo da Southern Professional Hockey League (Birmingham Bulls e Huntsville Havoc).

O estado se destaca no futebol americano universitário, tendo as equipes do Crimson Tide da Universidade do Alabama e a Auburn Tigers da Universidade Alburn como uma das principais do país, o estádio Bryant–Denny Stadium é o sétimo maior do país.[21]

No automobilismo, é no estado que fica o Talladega Superspeedway, o maior e mais rápido circuito oval do mundo, sediando anualmente duas corridas da NASCAR, também tem o circuito misto Barber Motorsports Park que recebe corridas da IndyCar Series.


Cultura[editar | editar código-fonte]

Símbolos do estado[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «United States Summary: 2010 Population and Housing Unit Counts» (PDF). census.gov. Departamento do Censo dos Estados Unidos (setembro de 2012). Consultado em 9 de maio de 2021 
  2. a b c «Change in Resident Population of the 50 States, the District of Columbia, and Puerto Rico: 1910 to 2020» (PDF). census.gov. Departamento do Censo dos Estados Unidos. Consultado em 1 de maio de 2021 
  3. Correia, Paulo (Direção-Geral da Tradução – Comissão Europeia) (Verão de 2015). «Os estados dos Estados Unidos da América» (PDF). «a folha» – Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 48). ISSN 1830-7809. Consultado em 24 de setembro de 2015 
  4. «Sub-national HDI - Area Database - Global Data Lab». hdi.globaldatalab.org (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2018 
  5. «Gross domestic product (GDP) by state (millions of current dollars)» (PDF). Bureau of Economic Analysis. Consultado em 8 de dezembro de 2017 
  6. «Encyclopedia of Alabama: Climate». University of Alabama. 17 de agosto de 2007. Consultado em 26 de abril de 2014. Cópia arquivada em 21 de junho de 2010 
  7. a b «Alabama Climate». Encyclopædia Britannica. Consultado em 24 de outubro de 2010 
  8. Lightning Fatalities, Injuries and Damages in the United States, 2004–2013 Arquivado em 27-4-2014 no Wayback Machine.
  9. LIST: States with the most F5/EF5 tornadoes since 1950; Ohio high on list Arquivado em 26-04-2014 no Wayback Machine.
  10. Oliver, Mike. «April 27's record tally: 62 tornadoes in Alabama». al.com. Consultado em 4 de novembro de 2012 
  11. «Record high and low temperatures for all 50 states». Internet Accuracy Project. accuracyproject.org. Consultado em 3 de novembro de 2012 
  12. United States Census Bureau 2010
  13. «America's Changing Religious Landscape - Adults in Alabama». Pew Research Center: Religion & Public Life. 12 de maio de 2015 
  14. «Frequent Church Attendance Highest in Utah, Lowest in Vermont». Gallup. 17 de Fevereiro de 2015 
  15. «State membership Report"». The Association of Religion Data Archives. 2013 
  16. «Alabama Education Quick Facts 2012–13» (PDF). Consultado em 29 de abril de 2014 
  17. «Educational Attainment : 2000 : Census 2000 Brief» (PDF). Census.gov. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  18. Education Statistics
  19. Esta figura refere apenas ao número de estudantes remandados, e não ao número de remandas fisícas, que deve ser mairo.
  20. a b Farrell, Colin (fevereiro de 2016). «Corporal punishment in US schools». World Corporal Punishment Research. Consultado em 4 de abril de 2016 
  21. http://fs.ncaa.org/Docs/stats/football_records/Attendance/2013.pdf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]