Portal:Alabama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bandeira do Alabama

Portal de Alabama

The Heart of Dixie

Editar
 Flag of Alabama.svg  O Portal de Alabama
Localização de Alabama
Alabama Capitol Building.jpg

Alabama é um dos 50 estados dos Estados Unidos, localizado na região sudeste do país, limita-se ao norte com Tennessee, ao sul com o Golfo do México e com a Flórida, a leste com a Geórgia e a oeste com Mississippi. Alabama é o 30.º maior em área e o 24.º mais populoso dos estados com cerca de 5 milhões de habitantes.[1] Com um total de 2 400 km de vias navegáveis interiores, o Alabama está entre os maiores de qualquer estado.

Os franceses estabeleceram o primeiro assentamento europeu no atual estado de Alabama, com a fundação de Mobile em 1702. O sul de Alabama foi francês de 1702 até 1763, quando passou a ser controlado pelo Reino Unido até 1780, e pela Espanha até 1814. Já a região centro-norte de Alabama foi colonizada inicialmente pelos britânicos, em 1763, anexados pelos norte-americanos em 1783, e tornando-se o 21.º estado norte-americano em 1819.

Alabama separou-se da União em 11 de janeiro de 1861, juntando-se aos Estados Confederados da América em 18 de fevereiro. 120 mil soldados de Alabama lutaram durante a Guerra Civil Americana contra os estados da União. Os confederados foram derrotados em 1865, e Alabama foi readmitido à União em junho de 1868.

Sumários temáticos

Editar
 Flag of Alabama.svg  Artigos destacados
Mapa mostrando redução gradativa do controle espanhol no Flórida Ocidental.

A Flórida Ocidental (em espanhol: Florida Occidental) foi uma província do Império Espanhol de 1783 até 1821, quando ela e a Flórida Oriental foram cedidos aos Estados Unidos.

A região da Flórida Ocidental espanhola inicialmente tinha as mesmas fronteiras que a antiga colônia britânica. Grande parte de seu território foi sendo anexada gradualmente pelos Estados Unidos durante a controvérsia da Flórida Ocidental, em que os Estados Unidos reivindicava esse território. Em sua maior extensão, a colônia incluiu o que são agora as Paróquias da Flórida da Luisiana, as partes mais ao sul do Mississippi e do Alabama, e a panhandle da Flórida. Considerando que o sudeste da Luisiana e atual litoral do Mississippi e do Alabama foram anexados antes ou durante a Guerra de 1812, a terra que compõe a atual Flórida não foi adquirida até vários anos depois. Transformou-se no Território da Flórida dos Estados Unidos em 1822.


Editar
 Messagebox info.png  História de Alabama

O Alabama é um estado independente desde 14 de dezembro de 1819, sendo o vigésimo segundo estado a entrar na união.

Alabama declarou sua separação em janeiro de 1861 e se juntou ao Estados Confederados da América. O que fez seguir a Guerra Civil Americana. O Alabama foi readmitido à união em 1865.

Política

Editar
 Messagebox info.png  Política de Alabama
Alabama State Capitol, Montgomery, West view 20160713 1.jpg

O Capitólio Estadual do Alabama (em inglês: Alabama State Capitol) é a sede do governo do estado do Alabama. Localizado na capital Montgomery, situa-se na Goat Hill, extremidade leste da Dexter Avenue.

Foi declarado como Marco Histórico Nacional em 19 de dezembro de 1960, e listado no Registro Nacional de Lugares Históricos em 15 de outubro de 1966.

Geografia

Editar
 Messagebox info.png  Geografia de Alabama
Regiões fisiográficas do Alabama

A geografia do estado norte-americano do Alabama ocupa uma área 131 426 km, sendo o trigésimo maior dos Estados Unidos. Os estados que fazem limite com o Alabama são o Tennessee ao norte, a leste com a Geórgia, ao sul com a Flórida e o oceano Atlântico, e a oeste com Mississipi, além do Golfo do México.

Cerca de 3,19% de sua superfície é água, tornando o Alabama o vigésimo terceiro estado com maior porcentagem de água sobre a área total, sendo o segunda maior sistema navegável dos Estados Unidos.

O ponto mais elevado do Alabama é o Monte Cheaha com uma altura de 734 metros. As florestas cobrem cerca de 67% do Alabama.


Editar
 Messagebox info.png  Clima de Alabama

O estado é classificado como subtropical úmido (Cfa) pela Classificação Climática de Koppen. A temperatura média anual é de 64 °F (18 °C). As temperaturas tendem a ser mais altas na parte sul do estado com sua proximidade com o Golfo do México, enquanto as partes norte do estado, especialmente nas montanhas Apalaches no nordeste, tendem a ser ligeiramente mais frias. Geralmente, o Alabama tem verões muito quentes e invernos amenos, com chuvas abundantes ao longo do ano. Alabama recebe uma média de 56 in (1,400 mm) de chuvas anuais e goza de uma longa estação de crescimento de até 300 dias no sul do estado.

Os verões no Alabama estão entre os mais quentes dos EUA, com altas temperaturas em média acima de 32 °C (90 °F) durante todo o verão em algumas partes do estado. O Alabama também é propenso a tempestades tropicais e até furacões. As áreas do estado distantes do Golfo não são imunes aos efeitos das tempestades, que muitas vezes despejam enormes quantidades de chuva à medida que se movem para o interior e enfraquecem.

O Sul de Alabama relata muitas tempestades. A costa do Golfo, ao redor de Mobile Bay, tem uma média de 70 a 80 dias por ano com relatos de trovões. Esta atividade diminui um pouco mais ao norte do estado, mas mesmo o extremo norte do estado relata trovoada em cerca de 60 dias por ano. Ocasionalmente, as tempestades são severas com relâmpagos frequentes e granizo forte; as partes central e norte do estado são as mais vulneráveis a esse tipo de tempestade. O Alabama ocupa o nono lugar em número de mortes por raios e o décimo em número de mortes por raios per capita.

Danos de tornado em Phil Campbell após o surto de tornado em todo o estado de 27 de abril de 2011

Alabama, junto com Oklahoma e Iowa, tem os tornados F5 e EF5 mais confirmados de qualquer estado, de acordo com estatísticas do National Climatic Data Center para o período de 1 de janeiro de 1950 a junho de 2013. Vários tornados F5/EF5 de longa data contribuíram para que o Alabama relatasse mais fatalidades de tornado desde 1950 do que qualquer outro estado. O estado foi afetado pelo Super Surto de 1974 e foi devastado tremendamente pelo Super Surto de 2011. O Super Surto de 2011 produziu uma quantidade recorde de tornados no estado. A contagem chegou a 62.

A alta temporada de tornados varia do norte ao sul do estado. Alabama é um dos poucos lugares no mundo que tem uma temporada secundária de tornados em novembro e dezembro, além da primavera tipicamente severa. A parte norte - ao longo do Vale do Rio Tennessee - é a mais vulnerável. A área do Alabama e Mississippi mais afetada por tornados é às vezes chamada de Dixie Alley, diferente do Tornado Alley da Planície do Sul.

Os invernos são geralmente amenos no Alabama, assim como na maior parte do sudeste dos Estados Unidos, com baixas temperaturas médias em janeiro em torno de 4 °C (40 °F) em Mobile e cerca de 0 °C (32 °F) em Birmingham. Embora a neve seja um evento raro em grande parte do Alabama, as áreas do estado ao norte de Montgomery podem receber bastante neve algumas vezes a cada inverno, com uma queda de neve ocasional moderadamente forte a cada poucos anos. Eventos históricos de queda de neve incluem a tempestade de neve na véspera de Ano Novo de 1963 e a Tempestade do Século de 1993. A queda de neve média anual na área de Birmingham é de 51 mm (2 in) por ano. Na costa sul do Golfo, a queda de neve é menos frequente, às vezes passando vários anos sem nevar.

A temperatura mais alta do Alabama de 44 °C (112 °F) foi registrado em 5 de setembro de 1925, na comunidade não incorporada de Centerville. O recorde de baixa de −33 °C (−27 °F) ocorreu em 30 de janeiro de 1966, no Novo Mercado.

Cultura

Editar
 Flag of Alabama.svg  Biografia selecionada

Neil Alden Armstrong (Wapakoneta, 5 de agosto de 1930Cincinnati, 25 de agosto de 2012) foi um engenheiro aeroespacial, aviador naval, piloto de teste, astronauta e professor norte-americano que tornou-se o primeiro ser humano a pisar na Lua em 1969. Armstrong estudou engenharia na Universidade Purdue; em 1949 tornou-se aspirante da Marinha dos Estados Unidos e, no ano seguinte, formou-se aviador naval. Lutou na Guerra da Coreia a partir do porta-aviões USS Essex e depois completou seu bacharelado em engenharia; na sequência, trabalhou como piloto de testes na Estação de Voo de Alta-Velocidade da Base Aérea Edwards, voando diversas aeronaves da Série Centenária e, por sete vezes, no North American X-15. Também participou de dois programas espaciais concebidos pela Força Aérea: Man in Space Soonest e X-20 Dyna-Soar.

Armstrong entrou para o corpo de astronautas da NASA em seu segundo grupo, selecionado em 1962. Fez seu primeiro voo espacial como comandante da Gemini VIII em março de 1966, tornando-se o primeiro astronauta civil da NASA a ir para o espaço. Ele realizou, junto com o piloto David Scott, o primeiro acoplamento bem sucedido entre duas naves espaciais na história, mas a missão precisou ser abortada depois de dez horas, pois Armstrong utilizara o combustível de seu controle de reentrada a fim de impedir um giro perigoso causado por um propulsor emperrado. Durante seus treinos na NASA para ser o comandante da Apollo 11, precisou ejetar do Veículo de Pesquisa de Alunissagem momentos antes de uma queda.

Em julho de 1969, ele e Buzz Aldrin, piloto do Módulo Lunar, realizaram a primeira alunissagem tripulada da história, passando duas horas fora da nave espacial enquanto Michael Collins permaneceu na órbita lunar dentro do Módulo de Comando e Serviço. Quando Armstrong pisou na superfície lunar, ele proferiu a famosa frase "É um pequeno passo para [um] homem, um salto gigante para a humanidade". Os três astronautas foram premiados com a Medalha Presidencial da Liberdade, pelo presidente americano Richard Nixon. O presidente Jimmy Carter agraciou Armstrong, em 1978, com a Medalha de Honra Espacial do Congresso, e ele e seus companheiros de missão receberam a Medalha de Ouro do Congresso em 2011.

Armstrong aposentou-se da NASA em 1971 e foi lecionar no Departamento de Engenharia Aeroespacial da Universidade de Cincinnati, posição que manteve até 1979. Ele também serviu na comissão de investigação sobre o acidente da Apollo 13, em 1970, e na Comissão Rogers sobre o desastre do ônibus espacial Challenger, em 1986. Também atuou como porta-voz de vários negócios e, a partir de janeiro de 1979, apareceu em vários comerciais automobilísticos da Chrysler. Apesar dessas aparições públicas, Armstrong ganhou a fama de recluso, por sua insistência em manter certa discrição em sua vida particular. Ele morreu aos 82 anos de idade em 2012, das complicações de uma cirurgia de ponte de safena.

Editar
 Flag of Alabama.svg  Educação em Alabama
Vestavia Hills High School nos subúrbios de Birmingham

A educação pública primária e secundária no Alabama está sob a alçada do Conselho Estadual de Educação do Alabama, bem como a supervisão local de 67 conselhos escolares do condado e 60 conselhos municipais de educação. Juntas, 1.496 escolas individuais oferecem educação para 744.637 alunos do ensino fundamental e médio.

O financiamento das escolas públicas é alocado pela Legislatura do Alabama por meio do Education Trust Fund. No ano fiscal de 2006–2007, o Alabama destinou $ 3.775.163.578 para a educação primária e secundária. Isso representou um aumento de $ 444.736.387 em relação ao ano fiscal anterior. Em 2007, mais de 82% das escolas obtiveram progresso anual adequado (AYP) em relação à proficiência do aluno de acordo com a lei Nacional Nenhuma Criança Deixada para Trás, usando medidas determinadas pelo estado do Alabama .

Embora o sistema de educação pública do Alabama tenha melhorado nas últimas décadas, ele fica para trás em realizações em comparação com outros estados. De acordo com os dados do Censo dos EUA (2000), a taxa de conclusão do ensino médio do Alabama (75%) é a quarta mais baixa dos EUA (depois de Kentucky, Louisiana e Mississippi). Os maiores ganhos educacionais ocorreram entre pessoas com alguma educação universitária, mas sem diploma.

Geralmente proibida no Ocidente em geral, a punição corporal em escolas não é incomum no Alabama, com 27.260 alunos de escolas públicas remando pelo menos uma vez, de acordo com dados do governo para o ano escolar de 2011-2012. A taxa de punição corporal em escolas no Alabama é superada apenas pelo Mississippi e pelo Arkansas.

Editar
 Flag of Alabama.svg  Transportes e comunicações

Birmingham é principal centro de transportes do estado. Montgomery e Mobile são outros pólos de transportes importantes. Birmingham é o centro ferroviário mais movimentado, e possui o principal aeroporto do estado, o Aeroporto Internacional de Birmingham. Mobile, por sua vez, é o principal centro portuário do Alabama, e um dos mais movimentados da região sul dos Estados Unidos. Em 2002, Alabama possuía 5 411 quilômetros de ferrovias. Em 2003, o estado possuía 151 977 quilômetros de vias públicas, dos quais 1 456 quilômetros eram rodovias interestaduais, considerados parte do sistema federal rodoviário dos Estados Unidos.

O primeiro jornal de Alabama, o Mobile Sentinel, foi publicado pela primeira vez em 1811, em Fort Stoddert. O jornal mais antigo ainda em operação, por sua vez, é o Mobile Register, que foi publicado pela primeira vez em 1813, em Mobile, com o nome de Mobile Gazette. Atualmente, são publicados cerca de 120 jornais, dos quais 20 são diários.

A primeira estação de rádio de Alabama foi fundada em 1925, em Birmingham. A primeira estação de televisão foi fundada em 1952, também em Birmingham. Atualmente, Alabama possui 229 estações de rádio - dos quais 113 são AM e 116 são FM - e 37 estações de televisão.

Editar
 Flag of Alabama.svg  Demografia de Alabama
Crescimento populacional
Censo Pop.
18001 250
18109 046623,7%
1820127 9011 313,9%
1830309 527142,0%
1840590 75690,9%
1850771 62330,6%
1860964 20125,0%
1870996 9923,4%
18801 262 50526,6%
18901 513 40119,9%
19001 828 69720,8%
19102 138 09316,9%
19202 348 1749,8%
19302 646 24812,7%
19402 832 9617,1%
19503 061 7438,1%
19603 266 7406,7%
19703 444 1655,4%
19803 893 88813,1%
19904 040 5873,8%
20004 447 10010,1%
20104 779 7367,5%
20205 024 2795,1%
Fonte: US Census

O censo nacional de 2000 estimou a população do Alabama em 4 447 100 habitantes, um crescimento de 8,1% em relação à população do estado em 1990, de 4 040 587 habitantes. Uma estimativa realizada em 2011 estima a população em 4 802 740 habitantes, um crescimento de 12,8% em relação à população em 1990; de 2,5% em relação à população em 2000; e de 0,7% em relação à população estimada em 2004.

O crescimento populacional natural do Alabama entre 2000 e 2005 foi de 77 418 habitantes - 319 544 nascimentos e 242 126 óbitos - o crescimento populacional causado pela imigração foi de 25 936 habitantes, enquanto que a migração interestadual resultou em um ganho de 10 521 habitantes. Entre 2000 e 2005, a população do Alabama cresceu em 110 457 habitantes.

Editar
 Flag of Alabama.svg  Desportos em Alabama

O Alabama não possui nenhuma equipe profissional em nenhuma das quatro grandes ligas do país, mas possui três equipes de liga menor de beisebol Double-A South (Birmingham Barons, Montgomery Biscuits e Rocket City Trash Pandas), uma equipe de futebol da USL Championship (Birmingham Legion FC) e duas equipes de hóquei no gelo da Southern Professional Hockey League (Birmingham Bulls e Huntsville Havoc).

O estado se destaca no futebol americano universitário, tendo as equipes do Crimson Tide da Universidade do Alabama e a Auburn Tigers da Universidade Alburn como uma das principais do país, o estádio Bryant–Denny Stadium é o sétimo maior do país.

No automobilismo, é no estado que fica o Talladega Superspeedway, o maior e mais rápido circuito oval do mundo, sediando anualmente duas corridas da NASCAR, também tem o circuito misto Barber Motorsports Park que recebe corridas da IndyCar Series.

Editar
 Flag of Alabama.svg  Categorias
Editar
 Flag of Alabama.svg  Tópicos
Editar
 Flag of Alabama.svg  Portais relacionados




Territórios fronteiriços

Aqueles listados em negrito itálico são Portais em destaque.


Editar
 Flag of Alabama.svg  Wikimedia


Editar
 Flag of Alabama.svg  Fontes
  1. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Alabama Census2020

Purgar cache do servidor