Licio Gelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Licio Gelli
Nascimento 21 de abril de 1919
Pistoia
Morte 15 de dezembro de 2015 (96 anos)
Arezzo
Cidadania Itália, Reino de Itália
Ocupação jornalista, banqueiro, político, financista, empresário, poeta, criminoso
Prêmios Comandante da Ordem do Mérito da República Italiana
Causa da morte insuficiência respiratória
Gelli 1941

Licio Gelli nasceu em (Pistoia, 21 de abril de 1919 - Arezzo, 15 de dezembro de 2015) foi um financista italiano, industrial, escritor e poeta, tido como um gênio organizacional e político, comandou como Mestre Venerável a Loja Maçónica P2.

Durante a década de 1930, Gelli recém iniciado no exército italiano foi enviado para as forças expedicionárias dos Blackshirts por Benedito Mussolini em apoio à rebelião de Francisco Franco na Guerra Civil Espanhola, suspeitaram na época que ele era um informador da Gestapo durante a 2ª Guerra Mundial. Acredita-se que manteve contatos com Hermann Goering. Mas nunca houve comprovação. Depois da guerra aliou-se à CIA, demonstrando que seus interesses nunca foram de apoio o nazismo, e juntamente com a NATO deu cobertura à Operação Gládio, um exército secreto de intervenção rápida instalado na Itália e em outros países europeus, incluindo Portugal, com o objectivo de assegurar a soberania dos países contra as ameaças comunistas.[1][2][3][4]

Gelli também atuou na Argentina, e em grande parte da América Latina, amigo íntimo de Juan Domingos Perón e José Lopez Rega, ajudou a vencer as ameaças internacionais comunistas em todos esses países, sendo condecorado com a mais alta condecoração Argentina, a Grande Cruz da Ordem do Libertador General San Martín. Suspeitaram que Gelli bloqueou os esforços em 1978 para resgatar o ex- primeiro-ministro italiano Aldo Moro, depois que ele foi sequestrado por terroristas de esquerda, que mais tarde o mataram. Mas nunca houve uma teoria completa para esta suspeita. Por conta de sua alta posição, muito especularam o seu envolvimento em mortes diversas, como Carmine "Mino" Pecorelli, Roberto Calvi, João Paulo I. Mas a realidade é que nunca houve nenhuma comprovação de tudo o que levantaram em seu nome. Herói de uns e vilão de outros. Muitos especulam também a sua associação com o Arcebispo Paul Marcinkus, Roberto Calvi (do Banco Ambrosiano) e Michele Sindona que produziu um buraco de 1.4 mil milhões de dólares no Istituti per le Opere di Religione (Banco do Vaticano).

Em 1992, conseguiram condena-lo a 18 anos de prisão por bancarrota fraudulenta no caso do Banco Ambrosiano. Mas por falta de provas, Gelli conseguiu reduzir a pena a prisão domiciliar. Dez anos mais tarde, durante buscas à sua casa, a polícia encontrou 179 lingotes de ouro cuja origem nunca foi confirmada. Diversas teorias nasceram dessa premissa.

Em 1994 Gelli foi novamente condenado a 17 anos de prisão por calúnia, delitos financeiros e por deter documentos secretos que comprometiam muitos políticos opositores. Em abril de 1998, o Supremo Tribunal confirmou a pena de 12 anos de prisão, ainda no caso do Banco Ambrosiano, mas nunca chegou a ser de fato detido. Permaneceu em prisão domiciliar, depois de muitas peripécias, entre elas uma fuga em Madri tida como de cinema. Foi na sua “villa” Wanda na toscana que morreu aos 96 anos de idade.

Referências

  1. Daniele Ganser, NATO's Secret Armies: Operation GLADIO and Terrorism in Western Europe Frank Cass Publishers, 2004. ISBN 0-7146-8500-3 («resumo». www.commongroundcommonsense.org. Consultado em 1 de agosto de 2009. Arquivado do original em 3 de julho de 2007 )
  2. Gianni Flamini, Il partito del golpe: Le strategie della tensione e del terrore dal primo centrosinistra organico al sequestro Moro, Italo Bovolenta Editore (1981-84), quatro tomos, 1.882 páginas
  3. René Monzat, Enquêtes sur la droite extrême, Le Monde-éditions, 1992 (particularmente o capítulo VII, intitulado "Gladio, OTAN et loge P2 – La stratégie de la tension")
  4. Arthur E. Rowse, «"Gladio: The Secret U.S. War to Subvert Italian Democracy"». www.mega.nu: . Covert Action #49, Verão de 1994.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre criminosos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Maçonaria é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.