Licio Gelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gelli 1941
Gelli maçon

Licio Gelli (Pistoia, 21 de Abril de 1919 - Arezzo, 15 de dezembro de 2015 (96 anos)) foi um financeiro italiano Mestre Venerável da Loja Maçónica P2.

Combateu ao lado de Franco, enviado por Mussolini,[1] e foi informador da Gestapo durante a 2ª Guerra Mundial, mantendo mesmo contactos com Hermann Goering. Depois da guerra aliou-se à CIA e, juntamente com a NATO, deu cobertura à Operação Gládio, uma espécie de exército secreto de intervenção rápida instalado em Itália e noutros países europeus, incluindo Portugal, com o objectivo de eliminar ameaças comunistas e responsável por inúmeros actos terroristas.[2] [3] [4] [5]

É conhecido o seu envolvimento nas mortes de Aldo Moro, Carmine "Mino" Pecorelli, Roberto Calvi, João Paulo I e outros. A sua associação criminosa com o Arcebispo Paul Marcinkus, Roberto Calvi (do Banco Ambrosiano) e Michele Sindona produziu um buraco de 1.4 mil milhões de dólares no Istituti per le Opere di Religione (Banco do Vaticano).

Em 1992, foi condenado a mais de 18 anos de prisão por bancarrota fraudulenta no caso do Banco Ambrosiano. Acabou por ver a pena reduzida. Dez anos mais tarde, durante umas buscas à sua casa, a polícia encontrou 179 lingotes de ouro cuja origem nunca foi confirmada.

Em 94 foi condenado a 17 anos de prisão por calúnia, delitos financeiros e por deter documentos secretos. Em abril de 1998, o Supremo Tribunal confirmou a pena de 12 anos de prisão, ainda no caso do Banco Ambrosiano, mas nunca chegou a ser de facto detido. Permaneceu em prisão domiciliária, depois de muitas peripécias, entre elas uma fuga. Foi na sua “villa” toscana que morreu.

Referências

  1. «The Suitcase Scandalo» Newsweek [S.l.] 8 de junho de 1981. 
  2. Daniele Ganser, NATO's Secret Armies: Operation GLADIO and Terrorism in Western Europe Frank Cass Publishers, 2004. ISBN 0-7146-8500-3 (resumo)
  3. Gianni Flamini, Il partito del golpe: Le strategie della tensione e del terrore dal primo centrosinistra organico al sequestro Moro, Italo Bovolenta Editore (1981-84), quatro tomos, 1.882 páginas
  4. René Monzat, Enquêtes sur la droite extrême, Le Monde-éditions, 1992 (particularmente o capítulo VII, intitulado "Gladio, OTAN et loge P2 – La stratégie de la tension")
  5. Arthur E. Rowse, "Gladio: The Secret U.S. War to Subvert Italian Democracy". Covert Action #49, Verão de 1994.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre criminosos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Maçonaria é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.