Gestapo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gestapo
Geheime Staatspolizei
A Gestapo foi administrada por funcionários da SS.
A Gestapo foi administrada por funcionários da SS.
Agentes da Gestapo à paisana , em 1945
Agentes da Gestapo à paisana , em 1945
Resumo da Polícia Secreta
Formada 26 de abril de 1933
Órgãos precedentes Polícia Secreta da Prússia
Fundada em 1851.
Desfeita 8 de maio de 1945
Jurisdição Alemanha Nazi
Europa ocupada
Sede Prinz-Albrecht-Straße, Berlin
52° 30' 26" N 13° 22' 57" E
Empregados 32,000 c.1944[1]
Ministros responsáveis Hermann Göring (desde 1933–1934)
Wilhelm Frick (1936–1943)
Heinrich Himmler (1943–1945)
Executivos da Polícia Secreta Rudolf Diels, Comandante do Escritório prussiano da Polícia Secreta (1933–1934)
Reinhard Heydrich, Diretor (1934–1936); Diretor da SiPo (1936–1939); Diretor da RSHA (1939–1942)
Heinrich Müller, Chefe de Operações (1936–1939); Diretor (1939–1945)
Agência mãe Allgemeine SS
RSHA
Sicherheitspolizei

Gestapo (Pronúncia em alemão: [ɡeˈstaːpo, ɡəˈʃtaːpo] ( ouvir)) é o acrônimo em alemão de Geheime Staatspolizei, significando "polícia secreta do Estado".[2][3] Sob a administração geral da SS (Schutzstaffel, em português "Tropa de Proteção"), era supervisada pela RSHA (Reichssicherheitshauptamt, em português Escritório Central de Segurança do Reich) e considerada uma organização dual da Sicherheitsdienst e até 1939 uma parte da Sicherheitspolizei. Reinhard Heydrich foi o principal chefe de operações, sendo substituído por Heinrich Müller após o atentado contra a vida de Heydrich.

História[editar | editar código-fonte]

Criação[editar | editar código-fonte]

A Gestapo foi criada em 26 de abril de 1933, na Prússia, a partir da Polícia Secreta Prussiana. No início, era apenas um ramo da polícia prussiana, conhecida como "Departamento 1A da Policial do Estado Prussiano".

Seu primeiro comandante foi Rudolf Diels, que recrutou membros de departamentos policiais profissionais e fez com que ela funcionasse como uma Polícia federal, semelhante ao FBI dos Estados Unidos.

O papel da Gestapo como polícia política só foi estabelecido quando Hermann Göring foi designado para suceder Diels como comandante, 1934. O termo Gestapo vem da abreviação de Geheime Staatspolizei (Polícia secreta do Estado) e levou o governo nazista a expandir sua força para além da Prússia, para toda a Alemanha. Só não teve sucesso na Baviera, onde Heinrich Himmler, chefe da SS, era o presidente de polícia e usava as forças locais da SS como polícia política.

Em abril de 1934, Goering e Himmler concordaram em colocar de lado as diferenças e, principalmente por um ódio combinado às Sturmabteilung, Göring aceitou colocar o comando da Gestapo sob a autoridade das SS. Naquele ponto, a Gestapo foi combinada com a Sicherheitspolizei e considerada uma organização irmã da Sicherheitsdienst ou SD.

Época nazista[editar | editar código-fonte]

Agentes da Gestapo capturados em Liège

A Gestapo era a garantia do completo domínio da população pelo Partido nazista.

Ela foi a polícia política da Alemanha nazi; criada em 26 de abril de 1933 por Hermann Göring e reorganizada em 1936 por Reinhard Heydrich, passou sob o controle de Heinrich Himmler em 1934.

Esta polícia funcionava sem tribunal, decidindo ela mesma as sanções que deviam ser aplicadas. Tornou-se célebre primeiramente na Alemanha, e depois em toda a Europa ocupada, pelo terror implacável de seus métodos. A Gestapo representou o arbítrio e o horror das forças nazistas. A sua sede ficava na rua Prinz-Albrechtstrasse, em Berlim - onde há um museu sobre a sua história.

Um dos métodos de actuação de seus membros era disfarçando-se de operários e indo "trabalhar" nas fábricas; lá, eles aguçavam os outros operários para uma revolta contra o governo, a polícia secreta passava uma lista onde os operários que estavam a favor assinavam seus nomes. Durante a noite os operários que assinavam a lista recebiam uma visita de alguns policiais fardados e com um botton de um crânio e uma águia de ferro no quepe. No dia seguinte o operário era substituído por outro, pois ninguém mais o via. O bótom em forma de crânio é a caveira símbolo das SS, ou "totenkopf", em alemão. Foi inspirada no emblema de guardas prussianos do século XVIII.

A Gestapo também era famosa pelo jogo de "gato e rato" que fazia com todos aqueles que julgava suspeitos. Em outras palavras, jamais prendia alguém imediatamente; mas estimulava suas supostas atitudes subversivas, para pegar não somente um suspeito mas, se possível, todos aqueles que com ele tivessem ligação.

Um centro de torturas[editar | editar código-fonte]

Um capítulo à parte deve ser reservado aos métodos de prisão, interrogatório e tortura da Gestapo. Todo preso pela polícia secreta nazista podia esperar as formas mais selvagens de suplícios, com tal de arrancar-lhe qualquer informação ou delação que viesse a ser útil.

O nº 8 da Prinz Albrecht Straße tornou-se conhecido como um centro de torturas ou “técnicas de interrogatório”, segundo os agentes da Gestapo, relatando-se que pessoas que passavam pelo local ouviam gritos vindos do interior do prédio.

Os métodos de interrogatório incluíam repetidos afogamentos de prisioneiros em uma banheira de água gelada; choques elétricos ligando os fios às mãos, pés, orelhas e genitália; esmagamento de testículos; levantamento do prisioneiro pelas mãos amarradas atrás das costas, causando a luxação do ombro (prática conhecida durante a Inquisição católica como o pêndulo); espancamentos com cassetetes de borracha ou chicotes e queimaduras com charutos ou ferro de soldar.[4]

Organização[editar | editar código-fonte]

Hermann Göring nomeia Himmler para a direção da Gestapo

A organização da Gestapo possuía os seguintes departamentos:

Departamento A (Inimigos)[editar | editar código-fonte]

  1. Comunistas (A1)
  2. Sabotadores (A2)
  3. Reacionários e Liberais (A3)
  4. Assassinos (A4)

Departamento B (Seitas e Igrejas)[editar | editar código-fonte]

  1. Católicos (B1)
  2. Protestantes (B2)
  3. Testemunhas de Jeová, Franco-maçons e outros (B3)
  4. Judeus (B4)
  5. Negros (B5)

Departamento C (Administração e Negócios internos)[editar | editar código-fonte]

  1. Opositores do regime (C1)
  2. Igrejas e seitas (C2)
  3. Negócios do Partido (C3)
  4. Territórios ocidentais (C4)
  5. Contra-espionagem (C5)
  6. Estrangeiros (C6)

Departamento D (Territórios ocupados)[editar | editar código-fonte]

  1. Na Alemanha (D1)
  2. Nas unidades de polícia (D2)
  3. No oeste (D3)
  4. Na Escandinávia (D4)
  5. No Leste (D5)
  6. No Sul(D6)

Departamento E (Contraespionagem)[editar | editar código-fonte]

  1. No Reich (E1)
  2. Formação Política (E2)
  3. No Ocidente (E3)
  4. Na Escandinávia (E4)
  5. No Oriente (E5)
  6. No Sul (E6)

Agentes e oficiais da Gestapo[editar | editar código-fonte]

Himmler, Müller, Heydrich, Nebe e Huber em reunião

Referências

  1. Robert Gellately (January 1992). The Gestapo and German Society [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-19-820297-4. Consultado em 2 June 2009. 
  2. Miller 2006.
  3. Yerger 1997.
  4. «The History Place - Nazi Germany/World War II» (em inglês). 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bauz, Ingrid; Sigrid Brüggemann; Roland Maier, eds. (2013). Die Geheime Staatspolizei in Württemberg und Hohenzollern. Stuttgart: Schmetterling. ISBN 3-89657-138-9.
  • Benz, Wolfgang (2007). A Concise History of the Third Reich. Berkeley, CA: University of California Press. ISBN 978-0-52025-383-4
  • Bernstein, Victor H. (1947). Final Judgment: The Story of Nuremberg. New York: Boni & Gaer. ISBN 978-1-16316-417-4
  • Browder, George C. (1996). Hitler's Enforcers: The Gestapo and the SS Security Service in the Nazi Revolution. New York: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-510479-0
  • Burleigh, Michael (2001). The Third Reich: A New History. New York: Hill and Wang, 2001. ISBN 978-0-80909-326-7
  • Crew, David F., : (1994). Nazism and German Society, 1933–1945 (London; New York: Routledge).  ISBN 978-0-41-508240-2
  • Dams, Carsten, and Michael Stolle (2014). The Gestapo: Power and Terror in the Third Reich. New York: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-966921-9.
  • Delarue, Jacques (2008). The Gestapo: A History of Horror. New York: Skyhorse, 2008. ISBN 978-1-60239-246-5.
  • Evans, Richard J. (2006). The Third Reich in Power. New York: Penguin. ISBN 978-0-14-303790-3
  • Evans, Richard J. (2005). The Third Reich in Power (New York: Penguin Group). ISBN 978-0-14-303790-3. 
  • Evans, Richard J. (2010). The Third Reich at War. New York: Penguin. ISBN 978-0-14-311671-4
  • Flaherty, T. H. (2004) [1988]. The Third Reich: The SS Time-Life Books, Inc [S.l.] ISBN 1-84447-073-3. 
  • Frei, Norbert. National Socialist Rule in Germany: The Führer State, 1933–1945. Cambridge, MA: Wiley-Blackwell, 1993. ISBN 0-631-18507-0
  • Gellately, Robert (1992). The Gestapo and German Society: Enforcing Racial Policy 1933-1945. New York: Oxford University Press. ISBN 978-0-19820-297-4
  • Hildebrand, Klaus (1986). The Third Reich. London & New York: Routledge. ISBN 978-0-41507-861-0
  • Hoffmann, Peter (1977). The History of the German Resistance, 1933-1945. Cambridge, MA: MIT Press. ISBN 978-0-26208-088-0
  • Höhne, Heinz (2001) [1969]. Der Orden unter dem Totenkopf, Verlag der Spiegel (Hamburg 1966), translated by Richard Barry as The Order of the Death's Head: The Story of Hitler’s SS New York: Penguin. ISBN 0-330-02963-0.
  • Johnson, Eric (1999). Nazi Terror: The Gestapo, Jews, and Ordinary Germans. New York: Basic Books. ISBN 978-0-46-504908-0.
  • Krausnick, Helmut, et al. (1968). Anatomy of the SS State. New York; Walker and Company. ISBN 978-0-00211-026-6
  • Longerich, Peter (2012). Heinrich Himmler: A Life (Oxford: Oxford University Press). ISBN 978-0-19-959232-6. 
  • Mallmann, Klaus-Michael & Paul, Gerhard. (1993). «Allwissend, allmächtig, allgegenwärtig? : Gestapo, Gesellschaft und Widerstand». Zeitschrift für Geschichtswissenschaft 1993 (em german) [S.l.: s.n.] 41 (11): 984–999.  (translated as Omniscient, Omnipotent, Omnipresent? Gestapo, Society and Resistance, and included in Crew, Nazism and German Society, 1994)
  • McDonough, Frank (2005). Opposition and Resistance in Nazi Germany. Cambridge & New York: Cambridge University Press. ISBN 978-0-52100-358-2
  • McNab, Chris (2009). The SS: 1923–1945 Amber Books Ltd [S.l.] ISBN 978-1-906626-49-5. 
  • Merson, Allan (1985). Communist Resistance in Nazi Germany. New York: NYU Press. ISBN 978-0-85315-601-7
  • Miller, Michael (2006). Leaders of the SS and German Police, Vol. 1 R. James Bender Publishing [S.l.] ISBN 9-32970-037-3. 
  • Nazi Conspiracy and Aggression (1946). Washington, DC: U.S. Government Printing Office.
  • Overy, Richard (1997). Why the Allies Won. New York: W. W. Norton & Company. ISBN 978-0-39331-619-3
  • Padfield, Peter (2001) [1990]. Himmler: Reichsführer-SS (London: Cassel & Co). ISBN 978-0-304-35839-7. 
  • Peukert, Detlev (1989). Inside Nazi Germany: Conformity, Opposition, and Racism in Everyday Life. New Haven & London: Yale University Press. ISBN 978-0-30004-480-5
  • Rees, Laurence (1997). The Nazis: A Warning from History (New York: New Press). ISBN 0-563-49333-X. 
  • Schmid, Heinrich (1947). Apokalyptisches Wetterleuchten: Ein Beitrag der Evangelischen Kirche zum Kampf im Dritten Reich. München: Verl .d. Evang. - Lutherischen Kirche in Bayern. ASIN: B00279MGQS
  • Shirer, William (1960). The Rise and Fall of the Third Reich (New York City: Simon & Schuster). ISBN 0-671-72868-7. 
  • Snyder, Louis (1994) [1976]. Encyclopedia of the Third Reich Da Capo Press [S.l.] ISBN 978-1-56924-917-8. 
  • Spielvogel, Jackson (1992). Hitler and Nazi Germany: A History. New York: Prentice Hall. ISBN 978-0-13393-1822
  • Steigmann-Gall, Richard (2003). The Holy Reich: Nazi Conceptions of Christianity, 1919-1945. New York & London: Cambridge University Press. ISBN 978-0-52182-371-5
  • Weale, Adrian (2010). The SS: A New History (London: Little, Brown). ISBN 978-1408703045. 
  • Weale, Adrian (2012). Army of Evil: A History of the SS (New York: Caliber Printing). ISBN 978-0-451-23791-0. 
  • Williams, Max (2001). Reinhard Heydrich: The Biography: Volume 1 (Church Stretton: Ulric). ISBN 978-0-9537577-5-6. 
  • Williamson, David G. (2002). The Third Reich. 3rd edition. London: Longman Publishers. ISBN 978-0-58236-883-5
  • Yerger, Mark C. (1997). Allgemeine-SS: The Commands, Units and Leaders of the General SS Schiffer Publishing Ltd. [S.l.] ISBN 0-7643-0145-4. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Gestapo
Ícone de esboço Este artigo sobre a Alemanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.