Martin Bormann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Martin Bormann
Martin Bormann em 1934
Chefe da Parteikanzlei
Período 12 de maio de 1941
02 de maio de 1945
Antecessor(a) Rudolf Hess (como Vice-Führer)
Sucessor(a) Posição abolida
Vice Führer
Período julho de 1933
a 12 de maio de 1941
Secretário Pessoal do Führer
Período 12 de maio de 1943
a 30 de abril de 1945
Reichsleiter
Período outubro de 1933
a 02 de maio de 1945
Ministro do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães
Período 30 de abril de 1945
a 02 de maio de 1945
Antecessor(a) Posição estabelecida
Sucessor(a) Posição abolida
Vida
Nascimento 17 de junho de 1900
Wegeleben, Prússia, Alemanha
Morte 02 de maio de 1945 (44 anos)
Berlin, Alemanha
Nacionalidade Alemanha alemão
Dados pessoais
Cônjuge Gerda Buch (1929-1945)
Filhos
  • Adolf Martin Bormann
  • Ilse Bormann
  • Ehrengard Bormann
  • Irmgard Bormann
  • Rudolf Gerhard Bormann
  • Heinrich Hugo Bormann
  • Eva Ute Bormann
  • Gerda Bormann
  • Fritz Hartmut Bormann
  • Volker Bormann
Partido Partido Nazista (NSDAP)
Ocupação Militar e Politico

Martin Bormann (Wegeleben, 17 de junho de 1900Berlim, 2 de maio de 1945)[1] foi um destacado oficial nazista e um dos homens da cúpula do III Reich, secretário pessoal de Adolf Hitler. Foi agricultor na juventude e em 1924 ingressou no NSDAP (Partido Nazista).

Entre os anos de 1933 e 1941 foi chefe do grupo de comando na administração representante do Führer. Também em 1933 foi nomeado secretário de governo da NSDAP. A partir de 1938 participou do grupo de comando pessoal de Hitler. Em 1944 foi nomeado ministro e em 15 de outubro de 1946 sentenciado à morte, a revelia, como criminoso de guerra em Nuremberg.[2]

Durante décadas, o destino de Bormann foi cercado de uma aura de mistério e controvérsias. Artur Axmann, ex-líder da Juventude Hitlerista, afirma que viu seu corpo baleado nos destroços de Berlim, após a fuga do grupo palaciano de Hitler da Chancelaria do Reich. Um dos grandes estudiosos da II Guerra Mundial, Antony Beevor, autor de duas grandes e acuradas obras sobre o assunto, Berlim 1945: A Queda e Stalingrado, afirma que Bormann foi morto por soldados soviéticos quando deixava a Chancelaria em maio de 1945.

Por outro lado, o caçador de criminosos nazistas Simon Wiesenthal, devido a investigações e indícios surgidos no pós-guerra, também afirmou por muito tempo que havia grandes possibilidades de Martin Bormann ter conseguido escapar de Berlim, usando um uniforme de soldado raso, e se refugiado na América do Sul (ver: Ratlines).

Em 1973, entretanto, um corpo achado em escavações subterrâneas de obras em Berlim foi identificado, sem comprovação científica, como sendo o de Martin Bormann. A localização conferia com o local indicado por Axman como sendo onde ele havia sido visto pela última vez. O conhecido historiador alemão Joachim Fest, autor de uma celebrada biografia de Adolf Hitler nos anos 60, afirmava desde esta época ser aquele o corpo de Bormann sem sombra de dúvidas, de acordo com todas as suas pesquisas e apurações.

Finalmente, em 1998, exames de DNA dos restos mortais foram ordenados pela Staatsanwaltschaft, a Promotoria Pública da República, com apoio da família Bormann, e elaborados pelo Instituto de Direito da Medicina da Universidade de Munique. A análise confirmou a identificação positiva de Martin Bormann e com este resultado ele foi finalmente dado oficialmente como morto.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Foi Martin Bormann, quem deu a cadela Blondi,[3] da raça pastor alemão a Adolf Hitler, como um presente, e que ficou com ele até o dia de sua morte, sendo morta minutos antes, provavelmente por envenenamento.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lang, Jochen von. The secretary: Martin Bormann, the man who manipulated Hitler. [S.l.]: Smithmark Pub, 1979. 16 - 18 p.
  2. McGovern 1968, p. 178.
  3. Comfort, David. The first pet history of the world. New York: Simon & Schuster, 1994. 247 p. ISBN 9780671891022

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • McGovern, James (1968). Martin Bormann (New York: William Morrow & Company). OCLC 441132. 
  • Heydecker, Joe J. "O Julgamento de Nuremberga, Editora Ibis Ltda, 1966
  • Kahn, Leo. "Julgamento em Nuremberg" - História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial, Renes, 1972
  • Beevor, Antony. Berlim 1945 - A Queda. Record, 2004, ISBN 85-01-06671-0

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Martin Bormann


Precedido por
Adolf Hitler
Líder do NSDAP
1945
Sucedido por
extinto