Morte de Adolf Hitler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Morte de Adolf Hitler ocorreu em 30 de Abril de 1945, normalmente aceita-se que foi suicídio por arma de fogo e também envenenamento por cianeto. O duplo método de suicídio e outras circunstâncias que rodearam o evento incentivaram rumores de que Hitler teria sobrevivido ao final da Segunda Guerra Mundial, tendo fugido para um país da América do Sul onde teria morrido com uma doença incurável, tendo sido um sósia a morrer no bunker em Berlim. O mesmo teria acontecido com Eva Braun, sua noiva, com quem teria se casado pouco antes do suicídio (Braun teria se casado com ele somente depois de jurar "fidelidade" e prometer que se mataria junto com ele), juntamente pelo fato de que nunca foram encontrados seus restos mortais, incentivando mais especulações.

Uma segunda corrente de historiadores, no entanto, acredita que o fim da vida de Adolf Hitler teria ocorrido com a destruição de seu bunker em Berlim, por um grande ataque aéreo dos aliados já no fim da grande guerra. Acreditam ainda que, após este ataque a seu bunker, os corpos de Eva Braun e do braço direito de Hitler, Joseph Goebbels, sua esposa Magda Goebbels e seus filhos, também foram encontrados, mas em melhores condições que o do próprio Hitler: tinham em seus corpos queimaduras e marcas das ferragens, já o de Hitler estava carbonizado, sendo reconhecido apenas pela sua vestimenta e seu bigode.

Outras fontes ainda afirmam que o Hitler teria fugido para a Argentina e falecido no Paraguai em 5 de fevereiro de 1971. [1] [2]

A abertura de 1992 dos registos mantidos pela KGB, o serviço secreto da União Soviética, confirmaram a versão amplamente aceita da morte de Hitler, como descrito por Hugh Trevor-Roper, em seu livro The Last Days of Hitler publicado em 1947.[3] No entanto, os arquivos russos não explicam o que teria acorrido com o cadáver do Führer.

Suicídio[editar | editar código-fonte]

Edição do jornal The Stars and Stripes, de 2 de maio de 1945 anunciando a morte de Adolf Hitler.

Hitler passou à residir no Führerbunker a partir de 16 de Janeiro de 1945, onde presidiu a rápida desintegração do Terceiro Reich perante os avanços Aliados, tanto da frente leste como da frente oeste. No final de Abril, as forças soviéticas tinham entrado em Berlim e foram batalhando em seu caminho para o centro da cidade onde a Chancelaria era localizada.

Em 22 de Abril, Hitler teve o que alguns historiadores mais tarde descreveram como um colapso nervoso durante uma de suas conferências da situação militar, admitindo que a derrota era iminente e a Alemanha perderia a guerra. Ele expressou sua intenção de se matar e depois pediu ao médico Werner Haase para recomendar um método confiável de suicídio. Haase sugeriu combinar uma dose de cianeto com um tiro na cabeça.

Hitler possuía cápsulas de cianeto, que tinha obtido através da SS, porém a partir de 28 de abril Hitler com a tentativa de negociar um tratado de paz com independência por Heinrich Himmler, que seria considerado por Hitler como traição, ele começou a mostrar sinais de paranóia, expressando preocupações se as cápsulas de cianeto que ele tinha recebido, através da SS de Himmler seriam falsas. Ele também soube da execução de seu aliado Benito Mussolini e jurou não ter um destino semelhante. Para verificar a veracidade das cápsulas ele ordenou o Dr. Haase para testá-las no seu cão Blondi e o animal morreu como um resultado. [4]

Após a meia-noite de 29 de Abril, Hitler então recém-casado com Eva Braun em uma cerimônia civil, em uma pequena sala dentro do bunker. Antony Beevor afirma que, após um modesto casamento e um pequeno almoço com a sua nova esposa, Hitler chamou à secretária Traudl Junge para outra sala e ditou a sua última vontade e testamento. Ele assinou os documentos às 04:00 e depois foi para a cama (algumas fontes dizem que Hitler ditou a última vontade e testamento imediatamente antes do casamento, mas todas as fontes concordam sobre o momento da assinatura). Neste documento Hitler não demonstrou arrependimento ou descrença na ideologia nazista, tendo afirmado:

Eu encarrego os líderes deste país e seu povo a resistir implacavelmente ao envenenador universal de todas as nações, o povo judeu internacional. [5]

Hitler e Braun viviam juntos como marido e mulher nas bancas por menos de 40 horas. Atrasos na manhã de 30 de Abril, com os soviéticos a menos de 500 metros do bunker, Hitler teve uma reunião com o General Helmuth Weidling, comandante da área defensiva de Berlim, que informou Hitler que a guarnição de Berlim iria provavelmente ficar sem munições naquela noite. Weidling pediu permissão para sair para Hitler, um pedido que ele tinha feito antes sem sucesso. Hitler não respondeu primeiramente à Weidling e voltou para sua sede na Bendlerblock onde ele ficou em torno de 13:00. Hitler, dois secretários e seu cozinheiro fizeram um almoço composto de espaguete com um molho leve, após o que Hitler e Eva Braun se despediram do pessoal seus colegas que ocupavam o Führerbunker, incluindo a Família Goebbels, Martin Bormann, os secretários e vários oficiais militares. Por volta 14:30 Adolf Hitler e Eva entraram no cômodo de estudo pessoal de Hitler.

Algumas testemunhas relataram mais tarde que ouviram um tiro em torno de 15:30. Após esperar alguns minutos, o criado pessoal de Hitler, Heinz Linge, com Bormann ao seu lado, abriram as portas do cômodo de estudo. Linge declarou mais tarde que ele imediatamente notou um cheiro de amêndoas queimadas, um cheiro comum devido ao ácido prússico, a forma gasosa de cianeto. O guarda-costas pessoal de Hitler, Otto Gunsche, então entrou no cômodo para inspeccionar os corpos. Os corpos de Hitler e Eva teriam sido encontrados sentados em um pequeno sofá, Eva na sua esquerda. Hitler teria dado um tiro na têmpora direita com uma pistola Walther PPK, 7,65 milímetros, que estava caida nos seus pés. O sangue escorrendo sobre o queixo, o que provocou uma grande mancha sobre o braço direito do sofá, que foi se acumulando no piso/carpete. O corpo de Eva não tinha ferimentos físicos visíveis e ela própria havia dito anteriormente para Linge que desejava ser envenenada. [6] [7] [8]

Günsche saíu do cômodo de estudo e anunciou que o Führer estava morto. Imediatamente depois, várias pessoas no bunker começaram a fumar cigarros (que tinham sido proibidos, dado que Hitler tinha forte antipatia por fumadores). [9] [10] [6] Várias testemunhas disseram que os dois corpos foram transportados até o nível do solo e através das saída de emergência, dando no jardim atrás da Chancelaria, onde foram molhados com gasolina e aceso por Linge e guardacostas pessoas da SS de Hitler. Os guardas da SS e Linge observaram mais tarde que o incêndio não destruiu completamente os corpos, mas devido aos bombardeamentos Soviéticos no bunker, novas tentativas de cremação se demonstraram impossíveis e a cratera com os restos mortais foi posteriormente atingida por uma bomba rasa após 18:00.

Cinzas atiradas no rio Elba[editar | editar código-fonte]

Em 1969, o jornalista soviético Lev Bezymensky, disse que a SMERSH realizou uma autópsia nos corpos de Hitler e Eva, mas diversos historiadores consideram esta afirmativa desonesta. [11] No entanto, em 1993, a KGB/FSB publicou registros de autópsia e outras declarações de ex-membros da KGB. A partir disso, historiadores chegaram a um consenso sobre o que aconteceu com os corpos de Hitler e Braun.

As tropas do Exército Vermelho chegaram no jardim da Chancelaria aproximadamente às 23:00, cerca de 7 horas e 30 minutos após a morte de Hitler. Em 2 de Maio de 1945 restos de Hitler, Braun e dois cães (pensa-se ser Blondi e sua prole Wulf) foram descobertos em uma cratera por Ivan Churakov, de uma unidade da SMERSH que recebeu ordens para encontrar o corpo de Hitler. [12]

Mesmo após a autópsia, que (ao contrário relatórios públicos autorizados por Stalin em 1945) registrou tanto um tiro no crânio de Hitler, quanto cacos de vidro em sua mandíbula, Stalin era reticente a crer que o seu inimigo estava realmente morto. [13] [14] Os restos de Hitler e Braun foram exumados e enterrados repetidamente pela SMERSH durante a mudança de sua unidade de Berlim para uma nova instalação em Magdeburgo onde eles (juntamente com o ministro da propaganda Joseph Goebbels e os de sua esposa Magda Goebbels e seus seis filhos) foram definitivamente enterrados em um túmulo abaixo de uma seção de um pátio pavimentado, cuja localização foi mantida secreta.

Em 1970, a instalação da SMERSH (agora controlada pela KGB) foi entregue à Alemanha Oriental. Temendo a possibilidade do local de enterro de Hitler tornar-se um "santuário" neo-nazista, o diretor da KGB Yuri Andropov autorizou uma operação especial para destruir os restos. Em 4 de Abril de 1970 uma equipe soviética da KGB (ao qual foi dada gráficos detalhados sobre o caso) secretamente exumou os corpos, queimado-os completamente e jogando as cinzas no rio Elba.

Em 2000, um suposto fragmento do crânio de Hitler foi exibido na Rússia pelo Serviço Federal de Arquivos. Mas após testes realizados em 2009, ficou comprovado que o crânio era de uma mulher. [15]

Teatralização[editar | editar código-fonte]

  • Hitler: os últimos dez dias (1973) (Hitler: The Last Ten Days) um filme retratando o dia da morte de Adolf Hitler, estrelando Sir Alec Guinness, mas tem sido criticado por muitas impressões.

Referências

  1. http://www.ultimahora.com/revelan-que-hitler-esta-sepultado-paraguay-n769048.html
  2. http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI305387-EI2418,00-Hitler+pode+ter+vivido+e+morrido+no+Paraguai.html
  3. Trevor-Roper, Hugh (1947). The Last Days of Hitler. Chicago, Universidade de Chicago. ISBN 0-226-81224-3.
  4. Lehmann, Armin D., In Hitler's Bunker: A Boy Soldier's Eyewitness Account of the Führer's Last Days, Lyon's Press, 2004, ISBN 978-1-59228-578-5
  5. Colour of War (As Cores da Guerra). Documentário com vídeos em cores da Segunda Guerra Mundial e relatos de soldados e civis. Apresentado na TV Escola. 2009.
  6. a b Historyplace.com, visitado em maio de 2009.
  7. Kinzer, Stephen, "The Day of Hitler's Death: Even Now, New Glimpses", New York Times, 4 de Maio de 1995, visitado novamente em 11 de Maio de 2009
  8. Open2.net (BBC Open University
  9. Mount, Ferdinand, History: Inside Hitler's Bunker by Joachim Fest, Sunday Times, 18 de Abril de 2004.
  10. The last days of Adolf Hitler
  11. Nota bibliográfica
  12. Subsequentes eventos sobre a morte de Hitler
  13. Kershaw, Ian, Hitler, 1936-1945: Nemesis, W. W. Norton & Company, 2001, ISBN 0-393-32252-1, páginas 1038-39.
  14. Dolezal, Robert, Truth about History: How New Evidence Is Transforming the Story of the Past, Readers Digest, 2004, ISBN 0-7621-0523-2, páginas 185-6.
  15. "Tests on skull fragment cast doubt on Adolf Hitler suicide story", The Observer

Ver também[editar | editar código-fonte]