Ronaldo Schlichting

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde março de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

Ronaldo Schlichting é um empresário brasileiro e pesquisador de assuntos das áreas aeroespacial e de segurança nacional.[1] Tem se mostrado um crítico da Agência Espacial Brasileira e da FAB (Força Aérea Brasileira). Ronaldo Schlichting denunciou um possível atentado ao Centro de Lançamento de Alcântara, que fez 21 vítimas fatais e frustou os planos do Brasil se tornar independente na inserção de seus próprios satélites em órbita.[2] O empresário criticou também a falta de uma política para os minerais estratégicos no país, sobretudo o nióbio, o qual o país possui 98% das jazidas do planeta.[3] Segundo Ronaldo Schlichting, a viagem orbital até a ISS (Estação Espacial Internacional) realizada pelo astronauta Marcos Pontes (FAB/AEB), não trouxe benefício algum ao Brasil, além de desviar significativas verbas do Programa Espacial Brasileiro, a chamada Missão Espacial Completa Brasileira – MECB, que desenvolve os Veículos Lançadores de Satélites (VLS).

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.

Referências

  1. Paulo Ricardo da Rocha Paiva (28 de agosto de 2013). «Blindados, uma autossuficiência abortada». Jornal do Brasil. Consultado em 10 de abril de 2015 
  2. «A mão do imperialismo no acidente de Alcântara em 2003». Consultado em 10 de abril de 2015 
  3. Ronaldo Schlichting (Novembro de 2005). «A questão do nióbio — ou diga não à doutrina da subjugação nacional». Jornal A Nova Democracia. Consultado em 10 de abril de 2015