Daniel Estulin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Daniel Estulin (Vilnius, RSS da Lituânia, URSS, 29 de agosto de 1966) é um autor especializado no Clube de Bilderberg, uma conferência anual à qual só assistem os convidados do escol nos campos dos negócios, finanças, meios de comunicação social e política. Ele é conhecido por seus extensos trabalhos sobre o dito grupo Bilderberg e pelos seus livros sobre técnica de comunicação.

Numa entrevista, Estulin descreve o seu passado, que o levou à sua profissão:

"Sou um ex-patriota russo expulso da União Soviética em 1980. Meu pai foi um dissidente que lutou pela liberdade de expressão e foi encarcerado, torturado pelo KGB. Sofreu duas mortes políticas. Quando aquela gente se cansou de nós, expulsou-nos. Emigramos para o Canadá, e 12 anos atrás vim para a Espanha. Meu avô era um coronel do KGB e da contra-espionagem nos anos 1950; por isso, eu sou, de certa forma, privilegiado por obter muita informação acerca dos serviços secretos, que são nossas melhores fontes de informação. Não só de gente da KGB, mas do MI6, da CIA, porque a maioria das pessoas que trabalham para os serviços secretos, como se sabe, são patriotas, amam o seu país, fazem isso a bem da nação e são as primeiras a ficar absolutamente aterrorizadas com os planos dos membros do Bilderberg".[1]

Estulin escreveu A Verdadeira História do Clube de Bilderberg (título original: La Verdadera Historia Del Club Bilderberg),[2][3] um relatório sobre a natureza e as reuniões de pessoas mais poderosas do mundo. Segundo o livro de Estulin, o secreto Clube de Bilderberg tem produzido importantes decisões políticas, económicas e sociais desde a sua primeira reunião, em 1954.

Estulin publicou um segundo livro, Los secretos del club Bilderberg (Os secretos do Clube de Bilderberg), lançado em 2006.

Henry Kissinger, um membro permanente de Bilderberg, terá dito o seguinte sobre José Manuel Durão Barroso: é “sem dúvida o pior primeiro-ministro na recente história política. Mas será o nosso homem na Europa”.

Em fins de 2007, Estulin apareceu no Alex Jones Show e declarou ter "recebido informações de fontes internas dos serviços secretos" que sugeriam que as pessoas dos mais altos escalões do governo dos Estados Unidos da América planejavam um atentado contra o deputado Ron Paul, por se sentirem ameaçadas pela sua popularidade crescente[4] [5] como candidato à Presidência dos EUA.

Estulin trabalhou com o jornalista norte-americano Big Jim Tucker, que tem um interesse semelhante nas atividades do Grupo de Bilderberg. [5]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. No original: "I’m a Russian ex-patriot who was kicked out of the Soviet Union in 1980. My father was a dissident who fought for freedom of speech who was jailed, tortured by the KGB. Suffered two political deaths. When these people got tired of us they threw us out. We move to Canada and 12 years ago I came to Spain. My grandfather was a colonel in the KGB and the counter-intelligence in the 1950s, so I am privileged somewhat to get a lot of the information from secret service which are our best sources of information. Not only the KGB people but the MI6 people, the CIA because most of the people who work for the secret service as you probably know are patriots and they love their country and they’re doing it for the good of the nation and they’re the first ones absolutely terrified of the plans of the Bilderbergers." Ver Alex Jones interviews Daniel Estulin. Infowars.com, 27 de maio de 2005.
  2. Estulin, Daniel (2009). The True Story of the Bilderberg Club Trine Day [S.l.] p. 432. ISBN 9780979988622. 
  3. Coast to coast AM
  4. Elitists Considere Assassinating Ron Paul
  5. a b Alex Jones interviews Daniel Estulin. Infowars.com, 27 de maio de 2005.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]