Experimentos humanos nazistas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os Experimentos humanos nazistas foram uma série de controversas experiências científicas realizadas em uma grande quantidade de cobaias humanas[1] que estavam detidos nos campos de concentração do regime nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Os presos foram coagidos a participar: não sendo voluntários de boa vontade. Normalmente, as experiências resultaram em morte, desfiguração ou incapacidade permanente. Em Auschwitz e outros campos, sob a direção do Dr. Eduard Wirths, os detidos eram submetidos a diversas experiências que supostamente ajudariam na guerra, desenvolvendo novas armas, ajudando na recuperação dos militares que haviam sido feridos, e para o avanço da ideologia racial apoiada pelo Terceiro Reich.[2] .

Experimentos envolvendo crianças e particularmente gêmeos, tinham como principal responsável o médico Josef Mengele, que realizou experiências em mais de 1500 gêmeos, dos quais apenas cerca de 200 sobreviveram aos experimentos.[3] Depois da guerra, os crimes foram julgados pelo que ficou conhecido como o Julgamento dos Médicos, a revolta dos abusos perpetrados levou ao desenvolvimento do código de ética médica em Nuremberga.

Experimentos[editar | editar código-fonte]

De acordo com a acusação, nos Processos de Guerra de Nuremberg[4] [5] estavam incluídas as seguintes experiências:

Experiências com gêmeos[editar | editar código-fonte]

Experiências com filhos gêmeos, em campos de concentração foram criados para mostrar as semelhanças e diferenças na genética e na eugenia de gêmeos, bem como para ver se o corpo humano pode ser manipulado. O líder central dos experimentos foi Dr. Josef Mengele, que realizava experiências com mais de 1.500 presos gêmeos conjuntamente, dos quais menos de 200 pessoas sobreviveram aos estudos .[6] . Embora freqüentasse a Universidade de Munique (localizada na cidade que se manteve um dos pontos focais durante a revolução de Adolf Hitler), estudando filosofia e medicina, com ênfase em antropologia e paleontologia, Mengele foi varrido pelos conceitos da história nazista e chegou a dizer que "este simples conceito político finalmente se tornou o fator decisivo na minha vida"[7] .

A recém descoberta de Mengele do "simples conceito político" o levou a fundir os seus estudos de medicina e de sua carreira política. Mengele recebeu seu doutorado por uma tese intitulada "Investigação morfológica Racial sobre a seção inferior do maxilar de quatro grupos raciais", que sugeriu que a raça de uma pessoa poderia ser identificada pela forma da mandíbula.[8] A organização nazista viu os seus estudos como talentosos, e Mengele foi convidado a ser o principal médico e investigador no Campo de concentração de Auschwitz, na Polónia em maio de 1943 .[9]

Neste local Mengele organizou experiências genéticas com gêmeos. Os gêmeos foram escolhidos por idade e sexo e mantidos em quartéis nos experimentos, a qual variou de injeção de produtos químicos diferentes para os olhos dos gêmeos, para ver se eles iam mudar suas cores, e também literalmente costurar gêmeos em conjunto para tentar criar gêmeos siameses.[10] [11]

Experimentos sobre Congelamento[editar | editar código-fonte]

Em 1941, a Luftwaffe conduziu experimentos para aprender como tratar a hipotermia.[12] O estudo forçou pessoas a ficarem em um tanque de água gelada por até três horas. Outros estudo colocaram prisioneiros nus em campo aberto durante várias horas com temperaturas abaixo de zero. Os experimentadores avaliaram diferentes formas de reaquecimento dos sobreviventes .[13]

Os experimentos sobre congelamento/hipotermia foram conduzidos para o alto comando nazista. Os experimentos foram conduzidos em homens para simular as condições dos exércitos sofrido na Frente do Leste, e como as forças alemães estavam mal preparadas para o frio intenso.

Os experimentos foram conduzidos em Dachau e Auschwitz. Rascher notificava os resultados diretamente a Heinrich Himmler, e divulgava os resultados de suas experiências sobre o congelamento na conferência de médicos de 1942 intitulada "Problemas Médicos decorrentes do mar e do Inverno."[14]

Os experimentos de congelamento eram divididos em duas partes. Em primeiro lugar, para determinar quanto tempo seria necessário para baixar a temperatura corporal até à morte, e segundo, qual a melhor forma de reanimar a vítima congelada. Método do cubo gelado provou ser o meio mais rápido para a queda da temperatura corporal. As seleções para os experimentos eram feitas entre jovens saudáveis judeus e russos. Eles estavam nus e preparados para o experimento. Uma sonda que mede a diminuição da temperatura corporal era inserido no reto. A sonda foi mantida no lugar por um anel metálico expansível, que foi ajustada para abrir dentro do reto para segurar a sonda firmemente no lugar. A vítima foi colocada em um uniforme da força aérea, e depois colocada na poça de água fria e começava a congelar.

Experimentos sobre Malária[editar | editar código-fonte]

Em torno de fevereiro de 1942 e abril de 1945, experimentos foram realizados em Dachau, a fim de investigar imunização para o tratamento da malária. Detentos saudáveis foram infectados pelo mosquito ou por injeções de extratos de glândulas mucosas das fêmeas de mosquitos infectados. Depois de contraírem a doença, estas pessoas foram tratadas com várias drogas para testar sua relativa eficiência. Mais de 1.000 pessoas foram utilizadas nesses experimentos, e desses, mais da metade morreu como resultado. [15]

Experimentos sobre gás mostarda[editar | editar código-fonte]

Diversas vezes entre setembro de 1939 e abril de 1945, experimentos foram conduzidos em Sachsenhausen, Natzweiler, e outros campos para investigar o tratamento mais eficaz das feridas causadas por gás mostarda. Pessoas foram deliberadamente expostas a gás mostarda e outros gases, o que causava graves queimaduras químicas. As vítimas feridas foram então testadas para encontrar o tratamento mais eficaz para as queimaduras de gás mostarda.[16]

Experimentos sobre Sulfonamida[editar | editar código-fonte]

Em torno de julho de 1942 e setembro de 1943, experimentos para investigar a eficácia da sulfonamida, um agente antimicrobiano sintético, foram realizadas em Ravensbrück.[17] Indivíduos foram infectados com bactérias como a Streptococcus, gangrena gasosa e Clostridium tetani (que provoca o tétano).[18] A circulação sangüínea foi interrompida pelo fato de terem sido feitas feridas nos vasos sangüíneos nas suas duas extremidades para criar uma condição semelhante a feridas de um campo de batalha. A infecção foi agravada por ter sido colocada depois quantidades de madeira e vidro fosco nas feridas. A infecção foi tratada com sulfonamida e outras drogas, para determinar a sua respectiva eficácia.

Experimentos sobre a água do mar[editar | editar código-fonte]

Em torno de julho de 1944 e de setembro de 1944, experimentos foram realizados no Campo de concentração de Dachau para estudar vários métodos de tornar a água do mar potável. Em certo momento, um grupo de cerca de 90 ciganos foram privados de comida e água, sendo dada de beber somente água do mar pelo Dr. Hans Eppinger, deixando-as gravemente feridos.[14] Eles ficaram tão desidratados que lambiam os pisos recém-lavados, numa tentativa de obter água potável.[19]

Experimentos sobre Esterilização[editar | editar código-fonte]

Em torno de março de 1941 e janeiro de 1945, foram conduzidos experimentos sobre esterilização em Auschwitz, Ravensbrück, e outros lugares pelo Dr. Carl Clauberg.[16] O objetivo desses experimentos foi desenvolver um método de esterilização que seria adequado para esterilizar milhões de pessoas com o menor tempo e esforço possíveis. Esses experimentos foram realizados por meio de raios-X, cirurgias e diversas drogas.

Milhares de vítimas foram esterilizadas. Além desses experimentos, o governo nazista esterilizou cerca de 400.000 pessoas, como parte de seu programa de esterilização obrigatório.[20] Especula-se que injeções intravenosas foram utilizadas para conter iodo e nitrato de prata e que foram bem sucedidas, mas tiveram efeitos colaterais indesejados, como sangramento vaginal, dor abdominal grave e câncer do colo uterino.[21] Porém, a radiação era o tratamento favorito para a esterilização. A exposição de pessoas à radiação destruía sua capacidade para produzir óvulos ou espermatozóides. A radiação foi administrada enganando os presos, estes eram levados para uma sala e pedia-se o preenchimento de formulários, que levava dois a três minutos. Alguns eram submetidos a sessões de raio X, mas na realidade estavam sendo expostos a radiação.[22] O tratamento de radiação era administrado sem o conhecimento dos presos, tornando-os completamente estéreis. Muitos sofreram graves queimaduras por radiações.

Experimentos com tifóide[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 1941 até fevereiro de 1945, experimentos foram conduzidos para investigar a ineficácia dos pontos com febre e outras vacinas.[16] Em Buchenwald, uma grande quantidade de detentos saudáveis foram deliberadamente infectados com a bactéria do tifo para manter as bactérias vivas; Mais de 90% das vítimas morreram.[23] Outros detentos saudáveis foram usados para determinar a ineficácia das vacinas e um número de diferentes produtos químicos. No decorrer desses experimentos, 75% dos detentos foram vacinados ou alimentados com uma das substâncias químicas e, após um período de três a quatro semanas, foram infectados com germes de febre com pontos. Os restantes 25% foram infectados, sem qualquer protecção prévia para comparar a ineficácia das vacinas e produtos químicos. Centenas de indivíduos morreram. Foi também realizado experimentos com a febre amarela, a varíola, tifo, paratifo A e B, cólera e difteria. Experimentos similares foram realizados com resultados semelhantes em Natzweiler.[24]

Experimentos com venenos[editar | editar código-fonte]

Em torno de dezembro de 1943 e outubro de 1944, experimentos foram conduzidos em Buchenwald para investigar o efeito de diferentes venenos. Os venenos foram administrados secretamente na alimentação de indivíduos. As vítimas morreram em consequência do envenenamento ou foram sacrificadas imediatamente, a fim de permitir autópsias. Em setembro de 1944, eram disparadas balas venenosas contra os presos, que após a tortura, faleciam.[16]

Experimentos com Bombas Incendiárias[editar | editar código-fonte]

Por volta de novembro de 1943 e janeiro de 1944, experimentos foram conduzidos em Buchenwald para testar o efeito de vários preparados farmacêuticos de fósforo. Estas queimaduras foram infligidas a prisioneiros com fósforo extraído de bombas incendiárias.[16] .

Experimentos de altas altitudes[editar | editar código-fonte]

No início 1942, os prisioneiros do Campo de concentração de Dachau foram utilizados por Rascher em experiências com pilotos alemães, que se ejetava em altas altitudes. A baixa pressão contendo esses prisioneiros era utilizada para simular as condições a altitudes de até 20 km (66.000 pés). Havia rumores que Rascher realizava vissecções no cérebro das vítimas que sobreviviam ao experimento inicial.[25] Das 200 vítimas, 80 morreram nos experimentos, e os outros foram executados.[14]

Documentação e Estudos[editar | editar código-fonte]

O médico psiquiatra Robert Jay Lifton , em seu livro "Os Médicos Nazistas", em Inglês The Nazi Doctors apresentou detalhado estudo sobre como profissionais médicos racionalizavam sua participação em tais experimentos .[26]

Relação com a Operação Paperclip[editar | editar código-fonte]

Os doutores envolvidos nestes experimentos ficaram conhecidos como "Os Médicos Nazistas", e vários deles receberam exilo do Governo dos Estados Unidos na chamada Operação Paperclip.

Grupo de 104 cientistas levados para os Estados Unidos através da Operação Paperclip.

Questão da Ética médica[editar | editar código-fonte]

Muitas pessoas morreram como consequência das experiências efetuadas pelos nazistas, enquanto muitos outros foram assassinados depois dos testes terem sido concluídos, ou para estudar o efeito das experiências na autópsia.[27] Aqueles que sobreviveram foram deixados muitas vezes mutilados, com incapacidades permanentes, corpos debilitados e problemas psicológicos.[14] [28]

Em 19 de agosto de 1947, os médicos foram capturados pelos Aliados, e levados aos processo conhecido como USA vs. Karl Brandt et. al., vulgarmente conhecido como os Julgamento dos Médicos. No julgamento, vários dos médicos alegaram em sua defesa que não havia direito internacional relativos a experimentação médica.

No entanto, a medicina alemã e a discussão envolvendo o consentimento informado, antecede a Segunda Guerra Mundial. Em 1900, o Dr. Albert Neisser infectou pacientes (principalmente prostitutas), com sífilis sem o seu consentimento. Apesar do apoio da maioria da comunidade acadêmica, a opinião pública liderada pelo psiquiatra Albert Moll ficou contra Neisser. Enquanto Neisser foi multado pela Royal Disciplinary Court, Moll desenvolveu "uma teoria de um contrato legal positivista da relação médico-paciente", que não foi aprovada para o direito alemão.[29] Eventualmente, o ministro dos direitos religiosos, educacionais e assuntos médicos afirmou que intervenções médicas que não sejam para fins de diagnóstico, curativos e imunização deveriam ser excluídos em todas as circunstâncias, e que o paciente devia ser informado sobre as possíveis conseqüências negativas da experiência ao qual passaria. No entanto, isto não foi juridicamente vinculativo.[29]

Em resposta a ausência de regulamentos da relação entre paciente e médico, os Drs. Leo Alexander, e Andrew Conway Ivy elaboraram um memorando com dez pontos intitulado "Experimentos Médicos Permitidos" que passou a ser conhecido como o Código de Nuremberg.[30] O Código define que experiências devem ser realizadas somente com o consentimento dos pacientes, que não devem causar dor desnecessária e sofrimento, e que deve haver certeza de que a experimentação não vai resultar em morte ou invalidez.[31] No entanto, o Código não foi citado em nenhuma das acusações contra os réus e nunca se converteu em lei, tanto na Alemanha quanto nos Estados Unidos.[30]

Legado[editar | editar código-fonte]

Os conhecimentos médicos modernos sobre a forma como o corpo humano reage ao ponto de congelamento para a morte se baseia quase que exclusivamente nesses experimentos nazistas. Isto, juntamente com a recente utilização de dados de investigação nazista dos efeitos do gás fosgênio, revelou-se ser controverso e apresenta um dilema ético para a medicina moderna que não concordam com os métodos utilizados para a obtenção desses dados.[19] Do mesmo modo, surgiu uma polêmica a partir da utilização dos resultados da guerra biológica feitas pelo Exército Imperial japonês na Unidade 731.[32] No entanto, os resultados da Unidade 731 foram mantidas pelos Estados Unidos e a maioria dos médicos envolvidos foram perdoados.[33]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Nuremberg Nazistas no banco dos Réus (no original em inglês Nuremberg - Nazis on Trial). Documentário da BBC. 1996.
  2. Nazi Medical Experimentation. Museo norteamericano conmemorativo del Holocausto. Página visitada em 2008-03-23.
  3. Josef Mengele and Experimentation on Human Twins at Auschwitz, Children of the Flames; Dr. Josef Mengele and the Untold Story of the Twins of Auschwitz, Lucette Matalon Lagnado and Sheila Cohn Dekel, and Mengele: the Complete Story by Gerald Posner and John Ware.
  4. Medical Experiment. Jewish Virtual Library. Página visitada em 2008-03-23.
  5. El proceso a los doctores: El caso médico de los juicios de Nuremberg. Museo norteamericano en conmemoración del Holocausto. Página visitada em 2008-03-23.
  6. Josef Mengele y la experimentación en gemelos humanos en Auschwitz, Children of the Flames; Dr. Josef Mengele and the Untold Story of the Twins of Auschwitz, Lucette Matalon Lagnado y Sheila Cohn Dekel, y Mengele: the Complete Story por Gerald Posner and John Ware.
  7. Lynott, Douglas B.. Dr. Josef Mengele. The Crime Library. Página visitada em 2008-03-23.
  8. Wyschogrod, Edith. Crossover Queries: Dwelling with Negatives, Embodying Philosophy's Others. [S.l.]: Fordham University Press, 2006. ISBN 0823226077 Página visitada em 2008-01-04.
  9. Josef Mengele. United States Holocaust Memorial Museum. Página visitada em 2008-03-23.
  10. Black, Edwin. War Against the Weak: Eugenics and America's Campaign to Create a Master Race. United States: Thunder's Mouth Press, 2004. ISBN 1568582587 Página visitada em 2008-04-14.
  11. Berenbaum, Michael. The world must know: the history of the Holocaust as told in the United States Holocaust Memorial Museum. Boston: Little, Brown, 1993. p. 194–5 p. ISBN 0-316-09134-0
  12. USHMM - Enciclopédia do Holocausto. As Experiências Médicas Nazistas. Página visitada em 06-07-2011.
  13. Bogod, David. "The Nazi Hypothermia Experiments: Forbidden Data?", Anaesthesia, Volumen 59, número 12, página 1155, Diciembre de 2004.
  14. a b c d Tyson, Peter. Holocaust on Trial: The Experiments. NOVA Online. Página visitada em 2008-03-23.
  15. Distel, Barbara (1972). Text of Museum booklet about Dachau Concentration Camp. Scrapbookpages.com. Página visitada em 2008-03-23.
  16. a b c d e Introduction to NMT Case 1: U.S.A. v. Karl Brandt et al.. Harvard Law Library, Nuremberg Trials Project: A Digital Document Collection. Página visitada em 2008-03-23.
  17. Schaefer, Naomi. The Legacy of Nazi Medicine, The New Atlantis, Número 5, primavera 2004, pp. 54-60.
  18. Spitz, Vivien. Doctors from Hell: The Horrific Account of Nazi Experiments on Humans. [S.l.]: Sentient Publications, 2005. ISBN 1591810329 Página visitada em 2008-01-04.
  19. a b Cohen, Baruch C.. The Ethics Of Using Medical Data From Nazi Experiments. Jewish Law: Articles. Página visitada em 2008-03-23.
  20. Piotrowski, Christa (2000-07-21). Dark Chapter of American History: U.S. Court Battle Over Forced Sterilization. CommonDreams.org News Center. Página visitada em 2008-03-23.
  21. Meric, Vesna (2005-01-27). Forced to take part in experiments. BBC News. Página visitada em 2008-01-04.
  22. Medical Experiments at Auschwitz. Jewish Virtual Library. Página visitada em 2008-03-23.
  23. The horrors of Buchenwald. guardian.co.uk (1945-04-18). Página visitada em 2008-03-23.
  24. Experimentos médicos en Natzweiler-Struthof. Scrapbookpages.com. Página visitada em 2008-03-22.
  25. Cockburn, Alexander. Whiteout:The CIA, Drugs, and the Press. [S.l.]: Verso, 1998. ISBN 1859841392 Página visitada em 2008-01-04.
  26. 2006, History Channel, "Decoding the Past".
    Cults: Dangerous Devotion: Scholars and survivors discuss the mystery of cults. (120 min). History. (PG/TV-PG)
  27. Rosenberg, Jennifer. Mengele's Children - The Twins of Auschwitz. about.com. Página visitada em 2008-03-23.
  28. Sterilization Experiments. Jewish Virtual Library. Página visitada em 2008-03-23.
  29. a b Vollman, Jochen. Informed consent in human experimentation before the Nuremberg code. Página visitada em 2008-04-08.
  30. a b The Nuremberg Code. United States Holocaust Memorial Museum. Página visitada em 2008-03-23.
  31. Regulations and Ethical Guidelines: Reprinted from Trials of War Criminals before the Nuremberg Military Tribunals under Control Council Law No. 10, Vol. 2, pp. 181-182. Office of Human Subjects Research. Washington, D.C.: U.S. Government Printing Office (1949). Página visitada em 2008-03-23.
  32. Unit 731: Japan's biological force. BBC News. Página visitada em 2008-03-27.
  33. Reilly, Kevin; Stephen Kaufman, Angela Bodino. Racism: A Global Reader. [S.l.]: M.E. Sharpe, 2003. ISBN 0765610590 Página visitada em 2008-03-27.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Nazi Doctors: Medical Killing and the Psychology of Genocide, Basic Books, 1986.