Febre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Febre (desambiguação).
Febre
Termómetro analógico com indicação de 38,8º C de temperatura corporal
Sinónimos Pirexia, resposta febril
Especialidade Infectologia, pediatria
Sintomas Iniciais: calafrios, sensação de frio[1]
Posteriores: rubor, suores[2]
Complicações Convulsão febril[3]
Causas Aumento da temperatura do corpo[4][5]
Método de diagnóstico Temperatura superior a 37,5–38,3 ºC[6][7]
Condições semelhantes Hipertermia[6]
Tratamento Da causa subjacente, não é necessário para a febre em si[1][8]
Medicação Ibuprofeno, paracetamol[8][9]
Frequência Comum[10][1]
Classificação e recursos externos
CID-10 R50
CID-9 780.6
DiseasesDB 18924
MedlinePlus 003090
eMedicine med/785
MeSH D005334
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Febre ou pirexia é o aumento da temperatura do corpo acima do limite normal em resposta a uma doença ou perturbação orgânica.[11][4][5] Não existe um valor universal para o que se considera o limite máximo da temperatura normal. Os valores indicados na literatura médica variam entre 37,5 ºC e 38,3 ºC.[6][7] O aumento de temperatura é causado por uma subida no ponto de regulação térmica. Este valor é controlado pelo centro termorregulador do corpo no hipotálamo.[12] Isto faz com que o corpo produza mais calor e se esforce por conservar esse calor,[2] provocando contrações musculares e sensação de frio.[1] Quando o ponto de regulação térmica volta ao normal, a pessoa sente-se quente, a pele fica avermelhada e começa a suar.[2] Em casos raros, uma febre pode estar na origem de convulsões febris,[3] as quais são mais comuns entre as crianças mais novas.[3] Geralmente as febres não aumentam a temperatura do corpo para além dos 41 ou 42 ºC.[5]

A febre pode ser causada por numerosas condições médicas, desde condições sem qualquer gravidade até condições potencialmente mortais.[13] Entre estas condições estão infeções virais, bacterianas ou parasíticas como a constipação, infeções urinárias, meningite ou malária.[13] Entre as causas não infeciosas estão a vasculite, trombose venosa profunda, efeitos adversos de medicamentos e cancro.[13] É uma condição distinta da hipertermia, que é o aumento da temperatura corporal acima da temperatura do ponto de regulação térmica, causada por uma produção excessiva de calor ou falta de perda de calor.[6]

Geralmente não é necessário tratamento para baixar a febre.[1][8] No entanto, tratar a dor e inflamação associadas podem ajudar a pessoa a repousar.[8] Geralmente são recomendados medicamentos como o ibuprofeno ou o paracetamol e medidas para baixar a temperatura.[8][9] Medidas como colocar um pano húmido e frio na testa ou tomar um banho quente não são eficazes e podem apenas causar desconforto à pessoa.[8] Os bebés com menos de três meses, as pessoas com problemas de saúde graves, como imunossupressão, ou pessoas com outros sintomas para além da febre podem necessitar de cuidados médicos.[14] A hipertermia requer tratamento.[1]

A febre é um dos sinais médicos mais comuns.[1] Cerca de 30% das consultas médicas de crianças estão relacionadas com estados febris.[1] Cerca de 75% dos adultos seriamente doentes apresentam febre.[10] Embora a febre seja um mecanismo de defesa útil, tratar a febre não aparenta piorar o prognóstico de outras condições.[15][16] Tanto pais como profissionais de saúde tendem a sobrevalorizar a febre.[1]

Tipos[editar | editar código-fonte]

A febre pode ser classificada como de baixa intensidade (37,8 a 38 °C), moderada (38 a 39 °C) ou alta (mais de 39 °C), dependendo de quanto a temperatura corpórea subiu.

A febre pode ser benéfica, e é parte da resposta do corpo a uma doença; no entanto, se a febre for acima de 41,7 °C, então pode causar danos significativos aos neurônios, com risco de afetar a meninge e essa fase é chamada de hipertermia maligna. A alta temperatura causa a desnaturação de proteínas e enzimas, o que agrava o estado do paciente.

A temperatura normalmente flutua ao longo do dia, e o mesmo se aplica à febre. Se esse padrão característico estiver ausente, a temperatura aumentada do corpo pode ser por causa de insolação, uma disfunção mais séria. A insolação é causada pelo excesso de exposição ao sol e desidratação.

Valores normais de temperatura[editar | editar código-fonte]

A ausência de febre é chamada de apirexia e pode ser:

  • Temperatura axilar: 35,5 a 37,3 °C, com média de 36 a 36,5 °C.
  • Temperatura bucal: 36 a 37,4 °C.
  • Temperatura rectal: 36 a 37,8 °C, isto é, 0,5 °C maior que a axilar.

A temperatura rectal maior que a axilar em valores acima de 1 °C, pode ser indicativo de processo inflamatório abdominal baixo ou pélvico.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

O quadro febril é caracterizado por[17]:

  • Cansaço, letargia e sonolência
  • Sensação de frio e tremor (calafrio)
  • Suor
  • Mal estar e fraqueza
  • Perda de apetite
  • Pele pálida
  • Sensibilidade aumentada a dor (hiperalgesia) e incapacidade de concentração

Complicações[editar | editar código-fonte]

Febres muito altas podem eventualmente causar:

  • Desidratação, pelo suor, diarreia ou vômito
  • Alucinações
  • Convulsão febril em crianças com menos de 5 anos

Causas[editar | editar código-fonte]

A febre é um sintoma comum de muitas condições médicas[18]:

Causas de febre no pós-operatório[editar | editar código-fonte]

Após uma cirurgia, é comum haver a elevação da temperatura corporal até 37,8 graus Celsius sem maiores significados. No entanto, temperaturas maiores de 38 graus Celsius podem representar, conforme o tempo decorrido desde a cirurgia:

  • Até 48 horas - atelectasia (problema pulmonar).
  • Terceiro e quarto dia: pneumonias
  • Quinto dia: abcesso (coleção purulenta na área cirúrgica).

Mecanismo[editar | editar código-fonte]

Febre menor a 40 graus é desconfortável, mas pode ajudar a curar uma infecção, portanto pode ser melhor não usar antifebris.

É uma reação orgânica primitiva com múltiplas aplicações contra um mal comum, interpretada pelo meio médico como um simples sinal. A reação descrita como um aumento na temperatura corporal nos seres humanos para níveis até 37,8 °C Celsius chama-se estado febril; ao passar dessa temperatura, já pode ser caracterizado como febre e é um mecanismo adaptativo próprio dos seres vivos. A febre é uma reação do corpo contra patógenos com várias utilidades[19]:

  • Estimula a proliferação de linfócitos;
  • Aumenta a atividade de macrófagos;
  • Reduz o efeito de algumas endotoxinas termossensíveis;
  • Reduz a atividade dos patógenos que crescem melhor a temperatura ambiente.

Apesar da maior parte das febres ser causada por infecções, nem sempre febre é indicador de infecção. Mede-se tradicionalmente a temperatura corporal através da testa e pescoço (com a mão), da boca, da axila, da membrana timpânica ou do ânus (utilizando um termômetro).

As crianças são mais afetadas pela febre porque, para o organismo delas, praticamente todos os vírus e bactérias são desconhecidos. Então, quando esses micro-organismos invadem o corpo, ele logo produz a prostaglandina.

A febre geralmente ocorre em resposta a substâncias pirogênicas, principalmente interleucina 1 e Interleucina 6, que são secretados pelos macrófagos como resposta inflamatória. Essas substâncias pirogênicas agem proporcionando liberação de prostaglandinas que agem no centro termorregulador, o hipotálamo anterior, reconfigurando o ponto de referência da termorregulação para uma temperatura mais alta, e ao fazê-lo, evoca os mecanismos de aumento de temperatura do corpo, fazendo-o aumentar a temperatura a níveis acima do normal (níveis homeostásicos).

O corpo tem várias técnicas para aumentar a temperatura:

  • Aumento da temperatura corporal - tremores, que envolvem movimentos físicos e que produzem calor;
  • Diminuição da perda de calor - vasoconstrição, ou seja, a diminuição do fluxo sanguíneo da pele, reduzindo a quantidade de calor perdido pelo corpo.

A temperatura do corpo é mantida nesses níveis até que os efeitos dos pirógenos cessem.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Existe certa fobia da febre cercada de mitos tanto para profissionais de saúde quanto para a população em geral de que a febre seja algo que implique rápida ação com algum medicamento, principalmente quando ela envolve crianças. No entanto, existem medidas que podem reduzir a febre de forma natural como banhos e resfriamento do ambiente.[20]

Embora a febre seja uma resposta imunológica própria do organismo contra algum mal, a medicina moderna chegou a desenvolver algumas drogas chamadas de antipiréticos que podem reduzir a febre a níveis tolerados. O antipiréticos mais usados são o paracetamol, a dipirona, o ibuprofeno, cetoprofeno e ácido acetilsalicílico.[20]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g h i Section on Clinical Pharmacology and, Therapeutics; Committee on, Drugs; Sullivan, JE; Farrar, HC (março de 2011). «Fever and antipyretic use in children.». Pediatrics. 127 (3): 580–7. PMID 21357332. doi:10.1542/peds.2010-3852 
  2. a b c Sue E. Huether (2014). Pathophysiology: The Biologic Basis for Disease in Adults and Children 7 ed. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 498. ISBN 9780323293754 
  3. a b c «Taking Care of Someone Who is Sick». 13 de agosto de 2010. Consultado em 8 de maio de 2015.. Cópia arquivada em 24 de março de 2015 
  4. a b Kluger, Matthew J. (2015). Fever: Its Biology, Evolution, and Function. [S.l.]: Princeton University Press. p. 57. ISBN 9781400869831 
  5. a b c Garmel, Gus M. (2012). «Fever in adults». In: Mahadevan, S.V.; Garmel, Gus M. An introduction to clinical emergency medicine 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press. 375 páginas. ISBN 0521747767 
  6. a b c d Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome NC08
  7. a b Laupland KB (julho de 2009). «Fever in the critically ill medical patient». Crit. Care Med. 37 (7 Suppl): S273–8. PMID 19535958. doi:10.1097/CCM.0b013e3181aa6117 
  8. a b c d e f Richardson, M; Purssell, E (setembro de 2015). «Who's afraid of fever?». Archives of Disease in Childhood. 100 (9): 818–20. PMID 25977564. doi:10.1136/archdischild-2014-307483 
  9. a b Garmel, edited by S.V. Mahadevan, Gus M. (2012). An introduction to clinical emergency medicine 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press. p. 401. ISBN 9780521747769 
  10. a b Kiekkas, P; Aretha, D; Bakalis, N; Karpouhtsi, I; Marneras, C; Baltopoulos, GI (agosto de 2013). «Fever effects and treatment in critical care: literature review.». Australian Critical Care. 26 (3): 130–5. PMID 23199670. doi:10.1016/j.aucc.2012.10.004 
  11. «Febre». Dicionário de Termos Médicos da Porto Editora. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  12. Sónia Magalhães; et al. (2000). Termorregulação (PDF). [S.l.]: Universidade do Porto. pp. 12–13 
  13. a b c Garmel, edited by S.V. Mahadevan, Gus M. (2012). An introduction to clinical emergency medicine 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press. p. 5. ISBN 9780521747769 
  14. «Fever». MedlinePlus. 30 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 11 de maio de 2009 
  15. Schaffner, A (março de 2006). «[Fever--useful or noxious symptom that should be treated?].». Therapeutische Umschau. Revue therapeutique. 63 (3): 185–8. PMID 16613288. doi:10.1024/0040-5930.63.3.185 
  16. Niven, DJ; Stelfox, HT; Laupland, KB (junho de 2013). «Antipyretic therapy in febrile critically ill adults: A systematic review and meta-analysis.». Journal of critical care. 28 (3): 303–10. PMID 23159136. doi:10.1016/j.jcrc.2012.09.009 
  17. Hart, BL (1988). "Biological basis of the behavior of sick animals". Neuroscience and biobehavioral reviews. 12 (2): 123–37. doi:10.1016/S0149-7634(88)80004-6.
  18. Emedicine. What Are Other Causes of Fever in Adults? http://www.emedicinehealth.com/fever_in_adults/page3_em.htm
  19. Craven, R and Hirnle, C. (2006). Fundamentals of nursing: Human health and function. Fourth edition. p. 1044
  20. a b CRFSP. Manejo do tratamento de pacientes com febre. Acesso em 2 de outubro de 2011

Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Verity" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "Goodman" definido em <references> não é utilizado no texto da página.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete Febre.

Ver também[editar | editar código-fonte]