Dor torácica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Dor torácica
Classificação e recursos externos
CID-10 R07
CID-9 786.5
CID-11 117147127
DiseasesDB 16537
MedlinePlus 003079
MeSH D002637
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A dor torácica é uma dor ou desconforto no tórax, geralmente na parte da frente deste.[1] Pode ser descrita como aguda, maçante, pressão, peso ou aperto.[2] Os sintomas associados podem incluir dor no ombro, braço, abdome superior ou mandíbula, juntamente com náusea, sudorese ou falta de ar.[1][2] Ela pode ser ou não relacionada ao coração.[1][3] A dor devido ao fluxo sanguíneo insuficiente para o coração também é chamada de angina pectoris.[4] Aqueles com diabetes ou os idosos podem ter sintomas menos claros.[2]

Causas graves e relativamente comuns incluem síndrome coronariana aguda, como ataque cardíaco (31%), embolia pulmonar (2%), pneumotórax, pericardite (4%), dissecção da aorta (1%) e ruptura esofágica.[2] Outras causas comuns incluem doença de refluxo gastroesofágico (30%), dor muscular ou esquelética (28%), pneumonia (2%), zoster (0,5%), pleurite, transtornos traumáticos e de ansiedade.[2][5] A determinação da causa da dor torácica é baseada no histórico médico de uma pessoa, um exame físico e outros exames médicos.[2] Cerca de 3% dos ataques cardíacos, no entanto, são inicialmente perdidos.[1]

O manejo da dor torácica é baseado na causa subjacente.[1] O tratamento inicial geralmente inclui os medicamentos aspirina e nitroglicerina.[1][6] A resposta ao tratamento geralmente não indica se a dor está relacionada ao coração.[1] Quando a causa não é clara, a pessoa pode ser encaminhada para avaliação adicional.[2]

A dor torácica representa cerca de 5% dos problemas apresentados ao pronto-socorro.[2] Nos Estados Unidos, cerca de oito milhões de pessoas vão ao pronto-socorro com dor no tórax por ano.[1] Destes, cerca de 60% são internados no hospital ou em uma unidade de observação.[1] O custo das visitas de emergência por dor torácica nos Estados Unidos é superior a oito bilhões por ano.[5] A dor torácica é responsável por cerca de 0,5% das visitas de crianças ao pronto-socorro.[7]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

A dor torácica pode se apresentar de diferentes maneiras, dependendo do diagnóstico subjacente. A dor no peito também pode variar de pessoa para pessoa com base na idade, sexo, peso e outras diferenças.[1] A dor no peito pode se apresentar como uma sensação de pontada, queimação, dor, pontada ou semelhante à pressão no peito.[8][1] A dor torácica também pode irradiar ou se mover para várias outras áreas do corpo. Isso pode incluir pescoço, braços esquerdo ou direito, coluna cervical, costas e abdome superior.[9] Outros sintomas associados à dor no peito podem incluir náusea, vômito, tontura, falta de ar, ansiedade, e sudorese.[8][1] O tipo, a gravidade, a duração e os sintomas associados da dor torácica podem ajudar a orientar o diagnóstico e o tratamento adicional.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A dor no peito é um problema comum de apresentação. A dor torácica geral é responsável por cerca de 6% de todas as visitas ao departamento de emergência nos Estados Unidos e é o motivo mais comum de internação hospitalar.[10] A dor torácica também é muito comum em clínicas de atenção primária, representando 1-3% de todas as consultas.[11] A taxa de visitas ao departamento de emergência nos EUA por dor torácica diminuiu 10% de 1999 a 2008,[12] mas um aumento subsequente de 13% foi observado de 2006 a 2011.[13] Menos de 20% de todos os casos das admissões por dor torácica são devidas à doença arterial coronariana.[14] A taxa de dor torácica como sintoma de síndrome coronariana aguda varia entre as populações com base na idade, sexo e condições médicas anteriores.[15] Em geral, as mulheres são mais propensas do que os homens a apresentarem dor torácica (49% vs. 38%) em casos de infarto do miocárdio.[15]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l Tintinalli, Judith E; Stapczynski, J Stephan; Ma, O John; Yealy, Donald M; Meckler, Garth D; Cline, David (2016). Tintinalli's emergency medicine: a comprehensive study guide Eighth ed. New York: McGraw-Hill Education. pp. 325–331. ISBN 978-0-07-179476-3. OCLC 915775025 
  2. a b c d e f g h Johnson, Ken (13 de março de 2019). «Chest pain». StatPearls. PMID 29262011. Consultado em 22 de junho de 2019 
  3. Schey R, Villarreal A, Fass R (abril de 2007). «Noncardiac chest pain: current treatment». Gastroenterology & Hepatology. 3 (4): 255–62. PMC 3099272Acessível livremente. PMID 21960837 
  4. Alpert, Joseph S. (2005). Cardiology for the Primary Care Physician (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. p. 47. ISBN 9781573402125 
  5. a b Wertli MM, Ruchti KB, Steurer J, Held U (novembro de 2013). «Diagnostic indicators of non-cardiovascular chest pain: a systematic review and meta-analysis». BMC Medicine. 11. 239 páginas. PMC 4226211Acessível livremente. PMID 24207111. doi:10.1186/1741-7015-11-239 
  6. Adams, James G. (2012). Emergency Medicine E-Book: Clinical Essentials (Expert Consult - Online and Print) (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 449. ISBN 9781455733941 
  7. Thull-Freedman J (março de 2010). «Evaluation of chest pain in the pediatric patient». The Medical Clinics of North America. 94 (2): 327–47. PMID 20380959. doi:10.1016/j.mcna.2010.01.004 
  8. a b Marx, John A; Hockberger, Robert S; Walls, Ron M; Biros, Michelle H; Danzl, Daniel F; Gausche-Hill, Marianne; Jagoda, Andy; Ling, Louis; Newton, Edward; Zink, Brian J; Rosen, Peter (2014). Rosen's Emergency Medicine: Concepts and Clinical Practice Eighth ed. Philadelphia, PA: Elsevier/Saunders. ISBN 978-1-4557-0605-1. OCLC 853286850 
  9. Ayloo A, Cvengros T, Marella S (dezembro de 2013). «Evaluation and treatment of musculoskeletal chest pain». Primary Care. 40 (4): 863–87, viii. PMID 24209723. doi:10.1016/j.pop.2013.08.007 
  10. Dezman ZD, Mattu A, Body R (junho de 2017). «Utility of the History and Physical Examination in the Detection of Acute Coronary Syndromes in Emergency Department Patients». The Western Journal of Emergency Medicine. 18 (4): 752–760. PMC 5468083Acessível livremente. PMID 28611898. doi:10.5811/westjem.2017.3.32666 
  11. Stochkendahl MJ, Christensen HW (março de 2010). «Chest pain in focal musculoskeletal disorders». The Medical Clinics of North America. 94 (2): 259–73. PMID 20380955. doi:10.1016/j.mcna.2010.01.007 
  12. «Products - Data Briefs - Number 43 - September 2010». www.cdc.gov. Consultado em 19 de janeiro de 2018 
  13. Skiner HG, Blanchard J, Elixhauser A (setembro de 2014). «Trends in Emergency Department Visits, 2006-2011». HCUP Statistical Brief #179. Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality 
  14. Eslick GD, Coulshed DS, Talley NJ (julho de 2002). «Review article: the burden of illness of non-cardiac chest pain». Alimentary Pharmacology & Therapeutics. 16 (7): 1217–23. PMID 12144570. doi:10.1046/j.1365-2036.2002.01296.xAcessível livremente 
  15. a b Canto JG, Shlipak MG, Rogers WJ, Malmgren JA, Frederick PD, Lambrew CT, Ornato JP, Barron HV, Kiefe CI (junho de 2000). «Prevalence, clinical characteristics, and mortality among patients with myocardial infarction presenting without chest pain». JAMA. 283 (24): 3223–9. PMID 10866870. doi:10.1001/jama.283.24.3223Acessível livremente