Camorra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Camorra
Local de fundação Campânia
Anos ativo século XVII--atualmente
Território (s) Europa:
Itália, Espanha, França, Holanda, Romênia, Reino Unido e Suiça
África:
Marrocos e Costa do Marfim
América:
Peru, República Dominicana
Atividades Exploração de jogos de azar
lavagem de dinheiro
Tráfico de armas
Tráfico de drogas
prostituição
extorsão
fraude
Diversos negócios legalizados
Aliados Cosa nostra
'Ndrangheta
Sacra corona unita
Máfia albanesa
Rivais Outras organizações criminosas, incluindo seus aliados.
Retratos de camorristi procurados pela polícia, 1906

A Camorra é uma organização criminosa italiana, aliada a Máfia Siciliana.[1][2][3] Surgiu na região de Mezzogiorno,[1][2][3] mais precisamente na cidade de Nápoles,[1] possivelmente em meados do século XVII. Tendo controlado de perto o território, integrou-se bastante ao tecido social[4]. A estrutura organizacional da Camorra é dividida em grupos individuais também chamados de "clans". Todo "capo" ou "chefe" é o chefe de um "clan", no qual podem haver dezenas ou centenas de afiliados, dependendo do poder e da estrutura de cada clan. Consequentemente, como os clans da Camorra agem de forma independente, eles são mais propensos a entrarem em guerras entre si.[5]

Segundo relatos, a principal base de operações da organização fora da Italia é a Espanha.[6] A Camorra está presente também em países como França, Holanda, Romênia, Reino Unido, Suiça, Marrocos entre outros.[7][8][9][10]

Segundo a revista Fortune, a Camorra é o terceiro maior grupo de crime organizado do mundo, com uma renda estimada em 5 bilhões de dólares por ano.

Há décadas a organização é fortemente ligada ao tráfico de drogas, tendo vários contatos com chefes de cartéis de droga da América do Sul, principalmente colombianos e peruanos.[11]

Imagina-se que conte atualmente com cerca de 110 famílias operacionais e cerca de 7000 afiliados. As atividades da Camorra são incontáveis, da agiotagem à extorsão, do contrabando de cigarros ao tráfico de drogas, da importação irregular de carne à fraude à União Europeia. Sem esquecer os dois sectores "tradicionais" de monopólio: o do jogo clandestino e o de produção de cimento na região da Campania.

Atualmente, segundos os investigadores, os clans mais poderosos da Camorra são o clan Mazzarella e a Alleanza di Secondigliano (uma aliança formada pelos clans Contini, Mallardo e Licciardi).[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Ricardo Vélez Rodríguez (11 de fevereiro de 2015). «A Camorra através da lente de Roberto Saviano» (PDF). Instituto de Humanidades. Consultado em 18 de abril de 2017 
  2. a b Maurício Santos Mattar (2012). «Crime Organizado, Instituições e Democracia (Especialmente página 96)». revista Humanidades em diálogo. Consultado em 18 de abril de 2017. Cópia arquivada em 18 de abril de 2017 
  3. a b Edson Passetti (2009). «Política e a organização das ilegalidades contemporâneas (Especialmente páginas 311 e 312)». verve. revista semestral autogestionária do Nu-Sol. Consultado em 18 de abril de 2017. Cópia arquivada em 18 de abril de 2017 
  4. Fiore, Antonio (2019). Camorra e polizia nella Napoli borbonica (1840-1860) (PDF). Nápoles: FedOAPress,. pp. 29–33. ISBN 978-88-6887-061-4 
  5. «Inside the Camorra, the other Italian mafia» (em inglês). 17 de janeiro de 2008. ISSN 0307-1235 
  6. lainformacion.com (17 de dezembro de 2015). «Cae en Valencia Pasquale Brunese, mafioso del clan Luca-Bossa, en fuga desde 2008». La Información (em espanhol). Consultado em 7 de junho de 2020 
  7. Rubino (IRPI), Matteo Civillini, Cecilia Anesi and Giulio. «How the Camorra Went Global». www.occrp.org (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2020 
  8. H24info. «Le Maroc livre un chef de la Camorra à l'Italie». H24info (em francês). Consultado em 11 de junho de 2020 
  9. «Maffiakopstuk van de Camorra opgepakt in Amsterdam» (em holandês) 
  10. magazine, Le Point (16 de abril de 2014). «Le boss mafieux italien Antonio Lo Russo arrêté à Nice». Le Point (em francês). Consultado em 11 de junho de 2020 
  11. Lohmuller, Michael (27 de março de 2017). «Italy Mobster Linked to Peru's 'Tony Montana'». InSight Crime (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2020 
  12. Internapoli, Redazione (25 de outubro de 2019). «"Alleanza di Secondigliano e Mazzarella i clan più attenzionati", parla il Capo della Procura». InterNapoli.it (em italiano). Consultado em 7 de junho de 2020