Protestos e dissidência na China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
National Emblem of the People's Republic of China (2).svg
Parte da série sobre
Política da China
Portal da China

Protestos e dissidência na China ocorrem, apesar das restrições à liberdade de associação e de expressão daquele país. Uma grande variedade de protestos e movimentos dissidentes proliferou na China, particularmente nas décadas desde o término Era Mao Tse-tung. Entre os mais notáveis, destacaram-se a revolta no Tibete em 1959 contra o regime do PCC (Partido Comunista da China), o protesto na Praça da Paz Celestial em 1989, que foram reprimidos com força militar brutal, e a manifestação de 25 de Abril de 1999 por 10.000 praticantes de Falun Gong em Zhongnanhai.

Manifestantes e dissidentes na China tem uma extensa gama de queixas, incluindo corrupção,[1] despejos forçados, salários não pagos, violações de direitos humanos, degradação ambiental, protestos étnicos, petições por liberdade religiosa e liberdades civis, protestos contra o governo de partido único e protestos nacionalistas contra outros países.

O número de protestos anuais cresceu constantemente desde o início dos anos 1990, passando de aproximadamente 8700 "incidentes de grupos de massa" em 1993 [2] para mais de 87.000 em 2005.[3] Em 2006, a Academia Chinesa de Ciências Sociais estimou o que número de incidentes anuais em massa excedeu 90.000, e o professor de sociologia chinês Sun Liping estimou 180.000 incidentes em 2010.[4] [5] Tipicamente, incidentes em massa são definidos como "reuniões planejadas ou improvisadas que se formam devido a contradições internas" e podem incluir discursos ou demonstrações públicas, confrontos físicos, manifestações públicas de queixas e outros comportamentos de grupo que perturbam a estabilidade social.[6]

Apesar do aumento de protestos, alguns estudiosos argumentam que estes podem não representar uma ameaça existencial ao regime do PCC porque carecem de "tecido conjuntivo";[7] a preponderância de protestos na China é dirigida a autoridades locais, e apenas um alguns poucos movimentos dissidentes buscam mudanças sistêmicas.[8]

Enquadramento jurídico[editar | editar código-fonte]

Segundo a constituição chinesa:

Artigo 35:[9] O cidadão da República Popular da China desfruta de liberdade de expressão, de imprensa, de assembléia, de associação, de procissão e de manifestação.

Entretanto, na prática, exercer tais direitos é rigorosamente proibido, geralmente sob os auspícios da manutenção da "estabilidade social". Ao garantir liberdades, a constituição também declara ser dever dos cidadãos chineses "lutar contra as forças e elementos [...] hostis ao sistema socialista chinês e que tentam miná-lo". Leis anti-subversão dúbias, como o artigo 105 do código penal,[10] podem ser usadas para processar criminalmente indivíduos que desejem exercer os direitos de reunião, liberdade de expressão ou demonstração. Outros cidadãos envolvidos em várias formas de protesto podem enfrentar punições administrativas, como sentenças de condenações a trabalho forçado.

Extradição de Hong Kong para a China continental[editar | editar código-fonte]

Os protestos em Hong Kong em 2019–2020 convenceram a líder de Hong Kong, Carrie Lam, a suspender um projeto de lei de extradição de suspeitos de crimes para a China continental. Os protestos nas ruas foram enormes, com o protesto de 16 de Junho consistindo em 5% (segundo a polícia) ou 30% (segundo os organizadores) da população total de Hong Kong.[11] Os manifestantes contestaram o projeto de lei, alegando que o "sistema de justiça da RPC (República Popular da China) é marcado por tortura, confissões forçadas, detenções arbitrárias e julgamentos injustos".[12]

Réplica da Deusa da Democracia, a escultura que foi um símbolo do protesto na Praça da Paz Celestial em 1989,[13] numa manifestação em Hong Kong (2014) pelos 25 anos do evento.
Manifestação em 4 de Junho de 2019, no Victoria Park em Hong Kong, marcando os 30 anos dos acontecimentos na Praça da Paz Celestial.
Protesto contra a lei de extradição em 12 de Junho de 2019.

Táticas[editar | editar código-fonte]

Dissidentes e manifestantes chineses empregam inúmeras táticas diferentes para expressar insatisfação com as autoridades, incluindo o xinfang (petições oficiais)[14] aos governos locais ou escritórios de apelações, ao movimento Weiquan de defesa dos direitos civis, manifestações na Praça da Paz Celestial, assinaturas de apoio a manifestos de dissidentes como Carta 08, boicotes, marchas e, às vezes, distúrbios violentos.

A maioria dos protestos na China diz respeito a queixas locais, como a corrupção de funcionários do governo ou do Partido Comunista em nível municipal, exploração por empregadores, taxação abusiva e assim por diante. Os protestos que visam queixas locais específicas e onde os cidadãos propõem soluções viáveis ​​têm maior probabilidade de sucesso do que formas alternativas de protestos.[15]

À medida que a consciência de direitos da população chinesa cresce desde as décadas de 1980 e 1990, um número crescente de cidadãos adotou formas semi-institucionalizadas de protesto, conhecidas como "resistência legítima", nas quais utilizam o sistema judicial, canais de petições ou decretos e políticas do governo central para trazer queixas contra as autoridades locais.[16] Tais protestos são ocasionalmente bem-sucedidos, mas geralmente são frustrados se as autoridades determinarem que não é do interesse do partido atender às demandas dos manifestantes.

O fracasso dos meios de protesto semi-institucionalizados pode eventualmente levar os cidadãos a adotarem formas de resistência mais abertas e públicas, como protestos, piquetes, greves de fome coordenadas,[17] ou marchas. Quando as petições às autoridades locais falham, muitos cidadãos levam suas queixas para a capital em Pequim, ocasionalmente realizando manifestações na Praça da Paz Celestial.

Autoimolação de Rigzin Phuntsog. O monge tibetano Rigzin Phuntsog autoimolou-se,[18] ateando fogo em si mesmo, em 16 de Março de 2011, para protestar contra a ocupação chinesa em seu país.

Em casos isolados, cidadãos descontentes se voltam para tumultos, ataques a prédios do governo e alvos relacionados [19] ou mesmo autoimolação (suicídio-protesto).[20] Em Dezembro de 2011, os moradores da vila de Wukan expulsaram as autoridades do Partido Comunista após protestos contra desapropriação de terras.[21]

No caso de protestos pró-nacionalistas, os cidadãos se envolvem em boicotes contra mercadorias ou empresas estrangeiras [22] e, marchas oficialmente sancionadas que ocasionalmente atacam embaixadas estrangeiras com violência.[23]

A tecnologia tornou-se uma parte cada vez mais importante no arsenal dos manifestantes e dissidentes chineses. Alguns protestos ocorrem quase inteiramente no âmbito do ciberativismo e engajamento online, assumindo a forma de cidadãos assinando petições online, emitindo declarações online rejeitando o Partido Comunista, assinando apoio a manifestos dissidentes como a Carta 08. Os vigilantes cibernéticos fazem uso da Internet para divulgar e envergonhar publicamente funcionários do governo e outros que são considerados corruptos, violam direitos humanos ou ofendem valores coletivos. As mensagens de texto SMS também foram usadas para organizar e coordenar protestos.[24] [25]

Protestos rurais[editar | editar código-fonte]

Estima-se que 65% dos 180.000 "incidentes em massa" anuais na China resultam de queixas e reclamações sobre requisições de terras forçadas, pelas quais as autoridades governamentais - freqüentemente em conluio com investidores privados - tomam terras de vilarejos oferecendo pouca (ou nenhuma) compensação. Desde 2005, as pesquisas indicam um aumento constante no número de requisições de terras forçadas. Todos os anos, governos locais desapropriam terras de aproximadamente 4 milhões de cidadãos chineses em áreas rurais.[26] Em 43% das pesquisas, moradores da China relatam serem vítimas de grilagem de terras. Na maioria dos casos, a terra é vendida para investidores privados a um custo médio de 40x mais alto por acre do que o governo pagou aos moradores.[26]

Protestos trabalhistas[editar | editar código-fonte]

Os protestos trabalhistas na indústria chinesa são comuns, pois os trabalhadores migrantes resistem aos baixos salários ou às más condições de trabalho. Existem sindicatos na China, mas eles supostamente consistem em quadros estatais.[27] [28] Os sindicatos são supostamente uma extensão do Partido Comunista Chinês em empresas, fábricas e administração geral.[29] [30] [31]

Em Março de 2010, os funcionários da fábrica chinesa da Honda entraram em greve, exigindo aumento salarial e um sindicato eleito. Um funcionário mencionou que a Honda estava disposta a se comprometer, mas o governo da província de Cantão havia se manifestado contra o aumento salarial, temendo que demandas semelhantes pudessem ser feitas em outras empresas.[32] Segundo relatos da mídia, o número de greves de trabalhadores atingiu um nível recorde em 2015. A ONG China Labour Bulletin mencionou 2509 greves e protestos de trabalhadores e empregados na China. Diz-se que a principal razão para essas greves deve-se a muitas demissões e fechamentos de fábricas.[33]

Em 2011, muitos trabalhadores migrantes não retornaram aos locais de trabalho na cidade de Cantão, no sul da China, após o feriado de ano-novo. Diz-se que a razão disso tenha sido a criação de mais oportunidades de emprego nas províncias até então mais pobres. Assim, muitos não precisavam mais ir para outras áreas para trabalhar e ganhar a vida. Diz-se que houve 30 a 40% menos trabalhadores migrantes, normalmente 10 a 15%, embora as autoridades da China tenham aumentado o salário mínimo.[34] Como resultado, empresas estrangeiras mudaram suas instalações de produção para o sudeste da Ásia para províncias "mais baratas" ou mesmo no exterior. Os especialistas em China no banco de investimento Credit Suisse consideraram essa mudança um "ponto de virada histórico" tanto para a economia da China quanto para a mundial.[34]

Petições[editar | editar código-fonte]

Desde o período imperial, entre os principais meios para os cidadãos expressarem queixas e buscarem reparações junto às autoridades era através do xinfang (canais de petição).[14] A República Popular da China preservou a instituição, estabelecendo escritórios de petições e recursos nas esferas local, provincial e nacional.[14] Os departamentos de petição são responsáveis ​​por receber apelos e reclamações dos cidadãos e ajudá-los a resolver suas queixas. Na maioria dos casos, os indivíduos iniciam o processo de petição no nível local e passam para o nível provincial ou nacional quando não conseguem encontrar reparação.

Manifestações pró-democracia[editar | editar código-fonte]

Muro da democracia[editar | editar código-fonte]

Ver também: Primavera de Pequim
Muro da Democracia em Maio de 1979.

Em 1978, quando Deng Xiaoping seguiu um programa reformista baseado na teoria das "Quatro Modernizações" na economia da China, dissidentes pró-democracia começaram a publicar escritos, notícias e idéias que eram afixadas num muro da rua Xidan, no distrito de Xicheng, em Pequim. O ativista Wei Jingsheng passou a clamar por democracia e maiores liberdades políticas como uma "Quinta Modernização". O Muro da Democracia, como foi chamado, foi tolerado de Novembro de 1978 [35] a Dezembro de 1979, quando foi encerrado [36] já que as autoridades consideraram que suas críticas contra o governo de partido único e a liderança do Partido passaram dos limites.

Protestos na Praça da Paz Celestial[editar | editar código-fonte]

Na primavera de 1989, centenas de milhares de estudantes, trabalhadores e outros se reuniram na Praça da Paz Celestial para lamentar a morte do secretário geral do PCC, Hu Yaobang. O evento não violento logo se transformou em um movimento que defendia maior transparência, reformas e, eventualmente, democracia. No início da manhã de 4 de Junho de 1989, o exército foi mobilizado para dispersar as multidões usando armas de fogo e disparando contra a multidão, matando de várias centenas a milhares de cidadãos chineses.[37]

Protestos pró-democracia em 2011[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Protestos na China em 2011

Em Fevereiro de 2011, inspirados pela Revolução de Jasmim da Tunísia [38] e pelos protestos no norte da África e Oriente Médio,[39] dissidentes chineses convocaram manifestações pró-democracia em várias cidades chinesas. Embora os organizadores tenham proposto inicialmente que os participantes gritassem slogans, mais tarde mudaram seus planos incentivando os cidadãos a passear inocentemente por locais específicos em horários pré-determinados. Em resposta, as autoridades chinesas lançaram uma ofensiva conjunta contra dissidentes, jornalistas, defensores dos direitos humanos, artistas e outros que agitaram-se por reformas democráticas.

Manifestação da "Revolução de Jasmim chinesa" [38] (Pequim, 20 de Fevereiro de 2011).

Protestos étnicos[editar | editar código-fonte]

Ver também: Etnias da China

A China possui 55 grupos étnicos minoritários, muitos dos quais experimentam tensões recorrentes com o grupo étnico maioritário Han e / ou com as autoridades chinesas. Tibetanos, uigures e mongóis,[40] em particular, têm queixas culturais e territoriais de longa data e, em graus variados, rejeitam o governo do Partido Comunista Chinês em suas respectivas pátrias. A percebida supressão das culturas e dos direitos das minorias, a desigualdade econômica ou o preconceito social às vezes levam a protestos étnicos ou tumultos.

Tibete[editar | editar código-fonte]

Manifestantes tibetanos mortos pela polícia durante os distúrbios de 2008. Imagem retirada do cartaz do documentário When the Dragon Swallowed the Sun (EUA, 2012).[41]

O Tibete tem sido historicamente palco de vários protestos e revoltas em larga escala contra o governo do Partido Comunista, principalmente em 1959, 1989 e 2008. As principais queixas dos manifestantes tibetanos incluem abusos generalizados dos direitos humanos e falta de liberdade religiosa e proteção cultural. Os manifestantes tibetanos costumam exigir maior autonomia política, independência e direito de praticar sua religião sem interferências. Vários protestos no Tibete foram reprimidos com força, às vezes resultando na prisão de ativistas e a morte de civis.[42]

Xinjiang[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conflito de Xinjiang

Minorias étnicas em Xinjiang se envolveram em protestos e levantes - às vezes violentos - contra o governo do Partido Comunista. O grupo uigur, em particular, identifica-se mais fortemente com seus parentes da Ásia Central do que com os chineses Han governantes. Muitos têm defendido um Turquestão Oriental independente e maiores liberdades políticas e religiosas. As tensões étnicas aumentaram nas últimas décadas, com o aumento da população chinesa Han na região ameaçando diluir a cultura uigur. Os distúrbios étnicos em Julho de 2009, resultaram em mortes na capital Ürümqi.[43] Os Hui da região também experimentam tensões com a população Han.

Mongólia[editar | editar código-fonte]

Como os tibetanos e os uigures, alguns mongóis étnicos residentes na Mongólia Interior desejam maior autonomia, se não a total independência da China. A província é o cenário de tensões étnicas entre Han e mongóis, que às vezes resultam em protestos. Em 2011, um pastor mongol tentava impedir uma empresa de mineração chinesa de entrar em seu pasto na cidade administrativa de Xilinhot. Um motorista Han atropelou-o com seu caminhão, matando-o, provocando vários protestos.[44]

Falun Gong[editar | editar código-fonte]

Entre os oponentes mais vocais e consistentes do domínio do Partido Comunista na última década estão os praticantes do Falun Gong. O Falun Gong é uma prática de meditação baseada em qigong, com uma filosofia moral baseada nas tradições budistas.[45] Foi popularizado na China na década de 1990 e, em 1999, foi estimado que possuiria em torno de 70 milhões de praticantes.[46] [47]


Alguns membros da liderança do Partido Comunista desconfiavam da popularidade do grupo, de sua independência do estado e de sua filosofia espiritual. De 1996 a 1999, a prática enfrentou vários graus de assédio por parte das autoridades do Partido Comunista e dos departamentos de segurança pública e críticas das administrações estatais nos meios de comunicação. Os praticantes do Falun Gong responderam às críticas da mídia com piquetes em governos locais ou escritórios de mídia e frequentemente obtinham sucesso em retratações.[48] Uma dessas manifestações, em Abril de 1999, foi interrompida pelas forças de segurança em Tianjin e várias dezenas de praticantes do Falun Gong foram agredidos e presos. Em resposta, em 25 de Abril, o Falun Gong mobilizou a maior manifestação na China desde 1989, reunindo-se silenciosamente fora do complexo governamental central de Zhongnanhai para solicitar reconhecimento oficial e o fim do crescente assédio contra eles.[49] Os representantes do Falun Gong se reuniram com o primeiro-ministro da China, Zhu Rongji e, chegaram a um acordo.[50] No entanto, o secretário-geral do PCC, Jiang Zemin, criticou Zhu por ser "muito brando", e ordenou que o Falun Gong fosse combatido.[51] Em 20 de Julho de 1999, a liderança do Partido Comunista iniciou uma campanha para erradicar o grupo através de uma combinação de propaganda, prisões, tortura e outros métodos coercitivos.[52] [53]

Nos primeiros dois anos da repressão, os praticantes do Falun Gong na China responderam solicitando ajuda de escritórios de apelações locais, provinciais e nacionais. Os esforços de petições eram frequentemente arquivados, o que levou o grupo a mudar de tática organizando manifestações diárias e não violentas na Praça da Paz Celestial.[54] Essas manifestações, que normalmente envolviam praticantes segurando faixas ou organizando sessões de meditação, eram interrompidas, muitas vezes violentamente, por agentes de segurança.[55] No final de 2001, o Falun Gong abandonou os protestos na Praça da Paz Celestial, mas continuou com uma resistência silenciosa contra a campanha de perseguição. Embora o grupo alegue não ter orientação ou ambições políticas, desde 2004 advoga ativamente o fim do governo do Partido Comunista.[56]

Manifestações on-line[editar | editar código-fonte]

Resultado da pesquisa pelo termo "1989" bloqueado na internet chinesa em Julho de 2007. A mensagem sublinhada em vermelho diz:
"De acordo com as leis, regulamentos e políticas locais, alguns resultados da pesquisa não serão exibidos."
Desenho, feito por um estudante em 2009, satirizando a dificuldade que os chineses enfrentam para acessarem a internet.
Imagem do Homem dos Tanques, que rodou o mundo durante a repressão ao Protesto na Praça da Paz Celestial em 1989 [57] e, tida como uma das 100 Fotografias que Mudaram o Mundo,[58] sendo apagada da Internet chinesa.

Os dissidentes chineses empregam cada vez mais a Internet como meio de expressar e organizar oposição ao governo ou à liderança do Partido Comunista, e as ferramentas tecnológicas tornaram-se uma maneira principal de os cidadãos chineses espalharem notícias e informações censuradas. Embora a Internet na China esteja sujeita a severa censura e vigilância, o relativo anonimato e segurança em número que oferece tornaram-na o fórum preferido para expressar visões e opiniões divergentes.

As plataformas de blog e microblog, como o Sina Weibo, contêm regularmente tais visualizações, embora essas plataformas também estejam sujeitas a censura e os comentários ofensivos possam ser excluídos pelos administradores.

Vários dissidentes, estudiosos, defensores de direitos e artistas chineses importantes mantêm blogs nos quais publicam ensaios e críticas ao PCC. Um uso inovador da Internet como meio de protesto foi um vídeo criado pelo artista Ai Weiwei, no qual diferentes cidadãos chineses foram filmados lendo os nomes das vítimas do terremoto de Sichuan em 2008, que morreram devido à má construção da escola.[59]

Várias graves violações de direitos humanos provocaram protestos online. A prisão de Deng Yujiao, de 21 anos, que matou uma autoridade do governo local em legítima defesa quando tentou agredi-la sexualmente, provocou indignação entre os internautas chineses, resultando em cerca de quatro milhões de posts on-line.[60] As acusações contra Deng acabaram sendo retiradas em resposta ao clamor.

Os vigilantes da Internet apelidados de "mecanismos de busca de carne humana" buscam exigir justiça contra autoridades corruptas ou outros indivíduos, publicando informações pessoais sobre os agressores e convidando o público a usar essas informações para humilhá-los e envergonhá-los.[61]

Em 2008, um manifesto pró-democracia de autoria de um grupo de intelectuais intitulado Carta 08 circulou online, coletando aproximadamente 10.000 assinaturas e conferindo a um de seus autores, Liu Xiaobo, o Prêmio Nobel da Paz.[38][62] O jornal Dajiyuan, afiliado ao Falun Gong, mantém um site que permite que cidadãos chineses publiquem desfiliações simbólicas e anônimas do Partido Comunista, Liga da Juventude Comunista da China ou dos Jovens Pioneiros da China. O site afirma que dezenas de milhões de pessoas publicaram essas declarações, embora o número não seja verificado independentemente.[63]

Manifestações nacionalistas[editar | editar código-fonte]

Manifestação antijaponesa em Cantão em 10 de Abril de 2005.

As manifestações antijaponesas de 2005 revelaram o sentimentos antijaponeses e o ressentimento dos chineses contra o Japão. Os protestos eclodiram na China e se espalharam de Pequim para a província de Cantão, no sul. Manifestantes afirmaram que ficaram furiosos com os livros história da guerra japoneses e atiraram pedras na embaixada japonesa em Pequim.[64] Estima-se que mais de 10.000 chineses reuniram-se num comício em Pequim e protestaram contra a distorção do passado expansionista japonês e contra a candidatura de Tóquio a um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU.[65] [66] Informações indicam que vários milhares de chineses marcharam por Pequim e pediram um boicote aos produtos japoneses.[67]

Reação governamental[editar | editar código-fonte]

As autoridades chinesas adotaram uma variedade de estratégias para conter os protestos. Isso inclui o uso de medidas coercitivas de supressão, censura, prisão ou "reeducação através do trabalho" de dissidentes e ativistas e a criação de um vasto aparato de segurança doméstica.[11] As autoridades também tentaram, em alguns casos, abordar as causas das frustrações, como o lançamento de ações anticorrupção [68] e a tentativa de reduzir a desigualdade de renda nas áreas rurais.[69]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «China». Transparência Internacional (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  2. Murray Scot Tanner (17 de dezembro de 2004). «China Rethinks Unrest» (PDF). The Washington Quarterly (Web Archive) (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  3. «Protests in China. The cauldron boils». The Economist (em inglês). 29 de setembro de 2005. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  4. Will Freeman (2 de março de 2010). «The accuracy of China's 'mass incidents'». Financial Times. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  5. «China's Spending on Internal Policing Outstrips Defense Budget». Bloomberg (em inglês). 6 março de 2011. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  6. Tao Ran (16 de dezembro de 2011). «China's land grab is undermining grassroots democracy». The Guardian (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  7. David Shambaugh, China's Communist Party: Atrophy and Adaptation, (Washington DC: Woodrow Wilson Center Press, 2008) p 32. (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  8. Wright, Teresa. Accepting Authoritarianism: State-Society Relations in China's Reform Era. (Stanford, CA: Stanford University Press, 2010) (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020
  9. «CONSTITUTION OFTHE PEOPLE'S REPUBLIC OF CHINA» (PDF). Elegislation.gov (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  10. «Criminal Law of the People's Republic of China» (PDF). Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  11. a b Bethany Allen-Ebrahimian (29 de agosto de 2019). «How China's repression playbook backfired in Hong Kong». Vox (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  12. «Hong Kong leader apologises for handling of extradition bill». Al Jazira (em inglês). 6 de julho de 2019. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  13. Wu Hung (2005). Remaking Beijing: Tiananmen Square and the Creation of a Political Space. [S.l.]: Reaktion Books, pág. 65 (em inglês). ISBN 9781861892355  Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  14. a b c Hidemberg Alves da Frota (julho de 2015). «Facetas do Direito Administrativo chinês: a reforma de 2014 da Lei do Processo Administrativo ― a Justiça Administrativa de Segurança Pública ― o sistema de cartas e visitas». REVISTA DIGITAL DE DIREITO ADMINISTRATIVO. FACULDADE DE DIREITO DE RIBEIRÃO PRETO. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, pág. 205. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  15. Cai Yongshun, Collective Resistance in China: Why Popular Protests Succeed or Fail, (Stanford, CA: Stanford University Press, 2010). (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  16. Kevin J. O'Brien and Li Lianjiang, "Rightful Resistance in Rural China." Cambridge University Press, 2006. (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  17. Eva Pils (2006). «'Asking the Tiger for His Skin: Rights Activism in China.'». Fordham International Law Journal, Volume 30, Issue 4. (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  18. Edward Wong (26 de setembro de 2011). «Two Tibetan Monks Set Themselves on Fire in Protest». The New York Times (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  19. Peter Ford (27 de maio de 2011). «Chinese bomber receives outpouring of sympathy online». The Christian Science Monitor (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  20. «China's real estate bubble and its victims». The Washington Post (em inglês). 18 de junho de 2011. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  21. Malcolm Moore (14 de dezembro de 2011). «Rebel Chinese Village of Wukan 'has food for ten days.». The Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  22. «Carrefour faces China boycott bid». BBC News (em inglês). 15 de abril de 2008. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  23. «China gives green light to embassy protests, but warns against violence». CNN (em inglês). 9 de Maio de 1999. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  24. Jim Yardley (25 de abril de 2005). «A Hundred Cellphones Bloom, and Chinese Take to the Streets». The New York Times (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  25. Laura Sydell (11 de julho de 2008). «Free Speech In China? Text Me». National Public Radio (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  26. a b Elizabeth C. Economy (7 de fevereiro de 2011). «A Land Grab Epidemic: China's Wonderful World of Wukans». Council on Foreign Relations (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  27. «Verdoppelung der Streiks in China». Solidar Suisse (em alemão). 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  28. Stefanie Elbern (7 de abril de 2017). «Streiken in China: Gewusst wie». Stiftung Asienhaus (em alemão). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  29. Peter Franke (23 de janeiro de 2914). «Es gärt in Chinas Fabriken». welt-sichten.org (em alemão). Consultado em 12 de janeiro de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  30. Simon Lang (27 de abril de 2016). «Chinas Führung muss gesellschaftliche Destabilisierung fürchten Anhaltende Spannungen durch Streiks in China». Mercator Institute for China Studies (em alemão). Consultado em 12 de janeiro de 2020  line feed character character in |título= at position 64 (ajuda)
  31. Nora Sausmikat (17 de março de 2016). «Europa – Asien, Gemeinsam für eine gerechte Welt». Stiftung Asienhaus, EU – China Newsletter (em alemão). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  32. «Streikwelle in China: Honda-Mitarbeiter kämpfen weiter». N-TV De (em alemão). 13 de junho de 2010. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  33. «Zahl der Streiks in China wächst rasant». Der Spiegel (em alemão). 15 de dezembro de 2015. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  34. a b Kelvin Chan (26 de abril de 2011). «Chinas Tage als Zentrum der Billigproduktion sind gezählt». Hamburger Abendblatt (em alemão). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  35. «Democracy Wall». BBC News (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  36. James P. Sterba (7 de dezembro de 1979). «Peking Closes Democracy Wall, Banishes Posters to Remote Park». The New York Times (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  37. Joe Sommerland (4 de junho de 2019). «Tiananmen Square massacre: Who was the Tank Man and how is he being remembered today?». The Independent (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  38. a b c William J Dobson (7 de março de 2013). «The Dictator's Learning Curve: Tyranny and Democracy in The Modern World». Random House (Google Livros (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  39. «Upbeat Chinese Public May Not Be Primed for a Jasmine Revolution». Pew Research Center (em inglês). 31 de março de 2011. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  40. Teresa Wright (2019). Handbook of Protest and Resistance in China. [S.l.]: Edward Elgar Publishing, (em inglês) pág. 14. ISBN 9781786433787  Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  41. «When The Dragon Swallowed The Sun». Rotten Tomatoes (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  42. Richard Spencer, James Miles (18 de março de 2008). «China crackdown silences Tibet protests». The Telegraph (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  43. Michael Dillon (3 de agosto de 2011). «Death on the Silk Route: Violence in Xinjiang». BBC News (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  44. «China Mongols protest in Xilinhot over shepherd's death». BBC News (em inglês). 25 de maio de 2011. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  45. Penny, Benjamin (2001). «The Past, Present and Future of Falun Gong». Biblioteca Nacional da Austrália (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  46. Seth Faison (27 de abril de 1999). «In Beijing: A Roar of Silent Protesters». The New York Times (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  47. Joseph Kahn, "Notoriety Now for Movement's Leader," New York Times, 27 de abril de 1999 (em inglês), adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  48. David Ownby. "Falun Gong and the Future of China." Oxford University Press, 2008, (em inglês). Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  49. Ethan Gutmann (2 de julho de 2009). «An Occurrence on Fuyou Street». National Review (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  50. James Tong, Revenge of the Forbidden City, Oxford University Press (2009), (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  51. Danny Schechter, Falun Gong's Challenge to China: Spiritual Practice or Evil Cult?, Akashic books: New York, 2001, (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  52. «République Populaire de Chine: La répression s'abat sur le Fa Lun Gong et d'autres "organisations hérétiques». Amnesty International (em francês). 23 de março de 2000. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  53. Human Right Watch; M Spiegel (2001). Dangerous meditation: China's campaign against Falungong. New York. (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  54. Ian Johnson (25 de abril de 2000). «Defiant Falun Dafa Members Converge on Tiananmen». The Wall Street Journal (Web Archive) (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  55. Elisabeth Rosenthal, "Falun Gong Holds Protests On Anniversary of Big Sit-In." New York Times. 26 de abril de 2001, (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  56. Hu Ping, "The Falun Gong Phenomenon," in Challenging China: Struggle and Hope in an Era of Change, Sharon Hom and Stacy Mosher (ed) (New York: The New Press, 2007, (em inglês) Adicionado em 12 de janeiro de 2020.
  57. «Tiananmen Square Tank Man photographer Charlie Cole dies». BBC (em inglês). 13 de setembro de 2019. Consultado em 1 de agosto de 2020 
  58. «Tank Man». Time (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2020 
  59. Holland Cotter (5 de abril de 2011). «An Artist Takes Role of China's Conscience». New York Times (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  60. Michael Wines (6 de junho de 2009). «Civic-Minded Chinese Find a Voice Online». The New York Times (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  61. Hannah Fletcher (25 de junho de 2008). «Human flesh search engines: Chinese vigilantes that hunt victims on the web». The Times (Web Archive) (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  62. Vaclav Havel, Dana Němcová & Vaclav Maly (20 de setembro de 2010). «A Nobel Prize for a Chinese Dissident». The New York Times (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  63. Caylan Ford (21 de outubro de 2009). «An underground challenge to China's status quo». The Christian Science Monitor (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  64. «China's anti-Japan rallies spread». BBV News (em inglês). 10 de abril de 2005. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  65. «People stage anti-Japanese demonstration in Beijing». People's Daily Online (em inglês). 10 de abril de 2005. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  66. Joseph Kahn (109 de abril de 2005). «Riot Police Called In to Calm Anti-Japanese Protests in China». The New York Times (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  67. Joseph Kahn (9 de abril de 2005). «In Rare Legal Protest, Chinese Seek Boycott of Japan Goods». The New York Times (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  68. Associated Press (11 de janeiro de 2019). «China's anti-corruption campaign recovers $519 million in a year». NBC News (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  69. Thaddeus Hwong (3 de outubro de 218). «China Must Solve Urban-Rural Divide to Solve Income Inequality». Asia Sentinel (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)