Censura da Internet na China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Censura da Internet na China
Tank Man Censorship.jpg

Censura chinesa ao
Homem dos Tanques.

Tipo

A Censura da Internet na China é extrema devido a uma grande variedade de leis e regulamentos.[1] O aparato do controle de internet chinês é considerado mais extensivo e avançado que qualquer outro país do mundo. As autoridades do governo não apenas bloqueiam o acesso ao conteúdo dos websites mas também monitoram o acesso de internet dos indivíduos; essas medidas que compõem o Projeto Escudo Dourado receberam o apelido infame de "O Grande Firewall da China".

A Anistia Internacional observa que a China "tem o maior número registrado de jornalistas presos e ciber-dissidentes do mundo"[2] e a organização parisiense Repórteres sem Fronteiras afirmou em 2010 e 2012 e que "a China é o maior produtor mundial de prisão por internautas."[3][4] Os crimes acusados incluem comunicação com grupos no exterior, assinatura de petições online, e chamando para a reforma politica e o fim da corrupção. O aumento do esforço do governo para neutralizar a crítica on-line vem depois de uma série de grandes protestos contra a poluição, corrupção e racismo, muitos dos quais foram organizados e divulgados, usando serviços de mensagens instantâneas, salas de bate-papo e mensagens de texto. A força policial cibernética chinesa possuía 2 milhões de funcionários em 2013 segundo o jornal estatal The Beijing News.[5]

Segundo Carrie Gracie, editora da BBC China, empresas locais como Baidu, Tencent e Alibaba, algumas das maiores empresas de internet do mundo, se beneficiaram com a forma como a China tem bloqueado rivais estrangeiras do mercado, incentivando a competição nacional.

Em abril de 2015, os sites da Wikipédia em chinês foram bloqueados após a o site começar a usar HTTPS, o que aumentou a dificuldade de censura. No dia 6 de dezembro de 2015, o governo bloqueou todos os sites da Wikipédia em todas as línguas, mas o bloqueio foi desfeito após alguns dias.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «II. How Censorship Works in China: A Brief Overview» (em inglês). Human Rights Watch. Consultado em 27 de julho 2017 
  2. «"Background: Firewall of Shame"» (em inglês). Global Internet Freedom Consortium. Consultado em 27 de julho de 2017 
  3. Miles Yu (8 de fevereiro de 2012). «Inside China» (em inglês). Washington Times. Consultado em 27 de julho de 2017 
  4. «China» (em inglês). Repórteres sem Fronteiras. 20 de janeiro de 2016. Consultado em 27 de julho de 2017 
  5. «China employs two million microblog monitors state media say» (em inglês). BBC. 20 maio de 2015. Consultado em 27 de julho 2017 
  6. «Chinese Wikipedia Blocked by Great Firewall - China Digital Times (CDT)» (em inglês). China Digital Times (CDT). 4 de outubro de 2013. Consultado em 27 de julho 2017