Protestos em Hong Kong em 2014

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Protestos do dia 10 de outubro de 2014.

Os protestos em Hong Kong em 2014, também chamados de Revolução dos Guarda-chuvas (em referência aos guarda-chuvas usados contra os efeitos do gás lacrimogênio)[1] e de Primavera Asiática,[2][3] começaram em setembro de 2014, quando manifestantes pró-democracia de Hong Kong, uma região administrativa especial da China, se manifestaram em frente à sede do governo e ocuparam vários dos principais cruzamentos da cidade logo após o Congresso Nacional do Povo anunciar a sua decisão sobre a proposta de reforma eleitoral,[4] quando exigiu que um comitê de nomeação pré-aprovasse até três candidatos ao governo local antes de proceder para uma votação que envolva a população civil em geral. Após esta eleição, o chefe do poder executivo eleito ainda precisaria ser formalmente nomeado pelo governo central antes de tomar posse oficialmente do cargo.[5]

A Federação dos Estudantes de Hong Kong começou a protestar contra a decisão em frente à sede do governo da em 22 de setembro de 2014.[6] Na noite de 26 de setembro, várias centenas de manifestantes violaram uma barreira de segurança e entraram na praça em frente ao complexo do governo central, que tem impedido a entrada pública desde julho de 2014. Oficiais isolaram os manifestantes dentro do pátio e restringiram seus movimentos durante a noite e retirou-os com o uso da força no dia seguinte; o líder estudantil Joshua Wong, que foi detido temporariamente.[7] O movimento então ganhou impulso com o início imediato da campanha de desobediência civil chamada Occupy Central with Love and Peace.[8]

Por volta de meio-dia de 28 de setembro, os manifestantes marcharam na rodovia Harcourt e passaram a ocupar a rodovia Queensway, bloqueando assim as duas vias arteriais leste-oeste no norte da Ilha de Hong Kong. Depois de um impasse de várias horas, a polícia local tentou dispersar a multidão com spray de pimenta, gás lacrimogêneo e canhões de água, além de ter avisados iriam abrir fogo com balas de borracha se os manifestantes não voltassem para casa, mas os protestos prosseguiram.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Protestos em Hong Kong em 2014
Ícone de esboço Este artigo sobre a China é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.