Ai Weiwei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ai Weiwei
Ai Weiwei
Ai Weiwei em 2007
Conhecido(a) por Estádio Nacional de Pequim
Nascimento 28 de agosto de 1957 (66 anos)
China Pequim
Nacionalidade China chinês
Ocupação artista plástico
desenhista

Ai Weiwei (Pequim, 28 de agosto de 1957) é um artista, designer arquitetônico, artista plástico, pintor, comentarista e ativista social chinês.

Desde 2020 vive em Montemor-o-Novo, Portugal.[1]

Trabalho artístico[editar | editar código-fonte]

Ai Weiwei foi o assessor artístico na construção do Ninho de Pássaro (Estádio Nacional de Pequim), onde foram celebrados os Jogos Olímpicos de Pequim de 2008, que foi uma empreitada conjunta entre os arquitetos Jacques Herzog e Pierre de Meuron de Herzog & de Meuron, o arquiteto Stefan Marbach e Ai Weiwei.[2]

Na América Latina, Ai Weiwei realizou algumas das suas exposições artísticas marcantes, com foco nos refugiados internacionais da atualidade e sua origem chinesa, em três países:na Argentina, no Chile e no Brasil. Na Argentina e no Chile a exposição de nome Ai Weiwei: Inoculación foi sediada na Fundación Proa em Buenos Aires e na Fundación CorpArtes em Santiago de Chile. Já o Brasil foi o país onde a sua exposição de maior acervo, até agora, ocorreu Raiz: Ai Weiwei foi sediada em São Paulo capital na Oca do Parque Ibirapuera, em Belo Horizonte no Centro Cultural Banco do Brasil e na data 20 de agosto de 2019 irá para o Rio de Janeiro capital. Em todos os locais onde ele passou com seu trabalhos artísticos o chinês utilizou de elementos regionais para compor a galeria, como a 200 Ex-Votos em que ele usou dos trabalhadores locais do Juazeiro do Norte para a realizar a obra.

Foi o autor do filme documentário Coronation, filmado numa cidade de Wuhan em confinamento[3] devido a ser primeira cidade no mundo a ser atingida pela Pandemia de COVID-19.[4]

Trabalho como ativista[editar | editar código-fonte]

Foi especialmente conhecido por suas críticas à construção de uma instalação escolar destruída durante o terremoto de Sichuan de 2008. Em novembro de 2010, ficou em prisão domiciliar depois de anunciar a organização de uma confraternização para o dia 7 de novembro em Xangai, com a que pretendia denunciar a demolição do seu estúdio nessa cidade, ação ordenada e executada pelas autoridades chinesas em razão de sua ilegalidade. Por sua parte, Ai Weiwei negou, assinalando que tinha o beneplácito das autoridades de Xangai e que a atuação do governo só obedecia a um castigo contra ele por seu apoio à dissidência no país.[5] Pouco depois, o governo chinês ordenou demolir seu estúdio, no qual havia investido um milhão de euros.[6]

Em 3 de abril de 2011, Ai Weiwei acabou sendo preso pelas autoridades chinesas quando embarcava para Hong Kong. Poucas horas após sua detenção, seu estúdio em Pequim foi invadido por mais de 40 policiais. Dezenas de itens foram confiscados e funcionários foram interrogados.[7] Passou três meses detido num local secreto.[8]

Em 21 de novembro de 2011 foi divulgada uma foto onde Ai Weiwei e mais quatro mulheres aparecem nus. O ato eclodiu com a ação diversas pessoas que publicaram fotos nus em apoio ao artista e protestando contra o governo chinês com o argumento de que nudez não é pornografia.[8]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Em 04 de outubro de 2023, Ai Weiwei recebeu o grau de doutor honoris causa pela Universidade de Évora.[9] Mostrou-se agradecido pelo reconhecimento "Means im being accepted in the academic world" comentou na RTP. [10]

Referências

  1. «Na casa alentejana de Ai Weiwei. Foi em Montemor-o-Novo que o artista plástico chinês encontrou a luz que procurava» 
  2. «China: após ser detido, artistas chinês continua desaparecido». SOL. 4 de Abril de 2011. Consultado em 4 de Abril de 2011 
  3. Ai Weiwei em entrevista exclusiva esta sexta-feira ao Ípsilon: “A China é como um vírus”, por Alexandra Prado Coelho, Publico, 2 de Setembro de 2020, 20:12
  4. O novo filme de Ai Weiwei é um retrato da covid-19 em Wuhan, onde tudo começou, por Daniel Dias, Publico, 23 de Agosto de 2020, 17:30
  5. «El artista disidente chino Ai Weiwei, bajo arresto domiciliario» (em espanhol). El País, 5 de novembro de 2010 .
  6. «Las autoridades de Shanghai derriban el estudio del artista y activista Ai Weiwei» (em espanhol). El País, 11 de janeiro de 2011 
  7. «Folha Online, China prende artista aclamado e silencia sobre seu paradeiro, 4 de março de 2011». Página visitada em 4 de março de 2011 
  8. a b G1 (21 de novembro de 2011). «Imagem de artista Ai Weiwei nu ao lado de quatro mulheres é divulgada». Reuters. Consultado em 22 de novembro de 2011 
  9. «Artista Ai Weiwei recebe hoje doutoramento 'honoris causa' da Universidade de Évora» 
  10. Portugal, Rádio e Televisão de (4 de outubro de 2023). «Honoris Causa. Artista Ai Weiwei revela "orgulho pelo reconhecimento da academia"». Honoris Causa. Artista Ai Weiwei revela "orgulho pelo reconhecimento da academia". Consultado em 4 de outubro de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias