Distúrbios no Tibete em 1987-1993

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Os distúrbios no Tibete em 1987-1993 foram uma série de protestos pró-independência, distúrbios e violência que ocorreram entre setembro de 1987 e junho de 1993 nas áreas tibetanas da República Popular da China: Sichuan, Região Autônoma do Tibete e Qinghai, e nas prefeituras tibetanas em Yunnan e Gansu .

As maiores manifestações ocorreram em 5 de março de 1989, na capital do Tibete, Lhasa, quando um grupo de monges, monjas e leigos saíram às ruas a medida que o 30º aniversário da Revolta no Tibete em 1959 se aproximava. A polícia e os agentes de segurança tentaram reprimir os protestos, mas as tensões escalaram e uma multidão ainda maior de manifestantes se acumulou. Depois de três dias de violência, uma lei marcial foi declarada em 8 de março de 1989, e os jornalistas estrangeiros e turistas foram expulsos do Tibete em 10 de março. [1] Os relatos de mortes e de força militar sendo usado contra os manifestantes eram proeminentes. [2]Os números de mortos são desconhecidos.

As causas, a evolução e as consequências desses distúrbios, que diferem substancialmente, se baseiam em fontes do governo chinês, do governo tibetano no exílio, de observadores ou das organizações humanitárias.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hobart Mercury, "Tibet braces for crackdown," 10 March 1989.
  2. Becker, Jasper. Tibetans fear more secret brutality. The Guardian (London), March 10, 1989.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]