Liaquat Ali Khan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Liaquat Ali Khan
Nascimento 1 de outubro de 1895
Karnal
Morte 16 de outubro de 1951 (56 anos)
Rawalpindi
Sepultamento Mazar-e-Quaid
Cidadania Índia britânica, Paquistão
Cônjuge Ra'ana Liaquat Ali Khan
Alma mater Muhammedan Anglo-Oriental College, Exeter College
Ocupação político, diplomata, advogado
Religião Islã

Liaquat Ali Khan, لیا قت علی خان em urdu/pashto; (Karnal, 1 de outubro de 1896Rawalpindi, 16 de outubro de 1951), foi um político paquistanês e Primeiro Ministro do Paquistão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou na Universidade Muçulmana de Aligarh e em Oxford. Ganhou proeminência política como membro da Liga Muçulmana (All India Muslim League), nos anos 1930. Teve um papel influente na partição da Índia e criação do Paquistão. Em 1947, tornou-se primeiro-ministro do Paquistão, posição em que se manteve até ser assassinado, em outubro de 1951. No Paquistão, é considerado como o braço direito de Muhammad Ali Jinnah, o líder da Liga Muçulmana e primeiro governador-geral do Paquistão independente, considerado como "O Pai da Nação".[carece de fontes?]

Acredita-se que tenha persuadido Jinnah a voltar para a Índia, evento que marcou o início da ascensão da Liga Muçulmana e pavimentou o caminho para a autonomia paquistanesa.[carece de fontes?]

Em 1947, a Índia foi dividida em dois Estados - Índia e Paquistão. Como Primeiro Ministro do Paquistão, Liaquat foi responsável pela condução do país nos seus primeiros anos. Após a partição, a Índia e o Paquistão entraram em conflito sobre o destino da Kashmir. Liaquat negociou longamente com o Primeiro Ministro indiano, Jawaharlal Nehru, e pressionou para que o problema fosse levado ao referendo das Nações Unidas.[carece de fontes?]

Durante seu mandato, o Paquistão manteve estreitos laços com o Reino Unido e os Estados Unidos. Como resultado da independência do Paquistão também houve distúrbios políticos internos e mesmo um confuso golpe militar contra seu governo. Após a morte de Jinnah, Liaquat assumiu um papel mais influente no governo e passou uma resolução precursora da Constituição do Paquistão.[carece de fontes?]

Em 16 de outubro de 1951, Liaquat deveria fazer um importante pronunciamento em comício da Liga Muçulmana no Parque Municipal de Rawalpindi. Durante o evento Liaquat recebeu dois tiros no peito. O assassino foi imediatamente morto pela polícia, tendo sido identificado como um afegão - Saad Akbar. O exato motivo do assassinato de Liaquat nunca foi completamente esclarecido.[carece de fontes?]

O Parque Municipal foi renomeado, passando a chamar-se Liaquat Bagh. Em 27 de dezembro de 2007, a ex-primeira ministra Benazir Bhutto também foi morta do lado de fora do mesmo parque.[carece de fontes?]

Liaquat recebeu postumamente os títulos de Quaid-e-Millat (Líder da Nação) e Shaheed-e-Millat (Mártir da Nação).[carece de fontes?]

Referências