Jamsetji Tata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jamsetji Tata
Nascimento 3 de março de 1839
Navsari
Morte 19 de maio de 1904 (65 anos)
Bad Nauheim
Sepultamento Cemitério de Brookwood
Cidadania Império Britânico
Etnia Parsis
Filho(s) Dorabji Tata, Ratanji Tata
Alma mater Universidade de Mumbai, Elphinstone College
Ocupação empresário, artesão

Jamsetji Nusserwanji Tata (em gujarati: જમ્શેત્જી નુંસ્સેર્વાનજી ટાટા; Navsari, Gujarat, Raj Britânico, 3 de março de 1839 - Bad Nauheim, Império Alemão, 19 de maio de 1904) foi um magnata indiano pioneiro da indústria moderna por ter fundado o Grupo Tata, o maior conglomerado empresarial da Índia. Por isso, Jamsetji Tata é considerado como o «pai da indústria da Índia»,[1] com um património estimado e 4 milhões de dólares à data da sua morte.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jamsetji Tata estudou no reputado Elphinstone College de Bombaim, saindo diplomado em 1858,[2] um ano depois da revolta dos cipaios. Esta sua escolaridade num bastião da cultura inglesa permitiu-lhe mais tarde ter numerosos contactos em Inglaterra, para onde se mudou em 1864 aos 25 anos e contactou muitos industriais produtores de algodão.

Fundou a sua primeira empresa têxtil em 1869: transformou um moinho em ateliê de algodão,[2] que revende dois anos depois antes de reinvestir em 1874 numa fábrica de algodão.

Em 1876 instalou a Central India Spinning Weaving and Manufacturing Company em Nagpur, na zona de cultura de algodão, a 1000 km de Bombaim,[3] que será o seu maior êxito e que permitirá ao grupo diversificar os seus investimentos.

Faleceu durante uma visita de negócios ao Império Alemão, em 1904.

Ver também[editar | editar código-fonte]

  1. «Jamshedji Tata, founder of TATA Industries». www.webindia123.com 
  2. a b «Título ainda não informado (favor adicionar)». www.myjamshedpur.com. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 11 de outubro de 2011 
  3. Les Tata, par Tristan Gaston-Lebreton, historien d'entreprise, em Les Échos de 2-8-2000