Abas I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Abas I.

Abas I, o Grande (Herat, 27 de Janeiro de 1557/1571 - Mazandaran, 19 de Janeiro de 1629) foi Xá da Pérsia, (schah) em persa moderno شاه, "rei"), entre 1585 e 1628.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Subiu ao trono no ano de 1585. Derrotou os uzbeques em Herat no ano de 1579 e os turcos em numerosas batalhas entre 1601 e 1609.

Em 1623, Abas I tomou aos portugueses com o auxílio da Companhia das Índias Orientais a ilha de Ormuz.

Ficou conhecido pelo seu zelo reformador e pela sua crueldade, fez de Isfahan a capital do seu vasto império, que se estendia do rio Tigre ao rio Indo. Pertencia à dinastia dos safávidas.

Foi proclamado Xá da Pérsia pelos nobres do Khorasan onde fundou a cidade de Abasabad, ainda em vida de seu pai Mohammed Khodabanda. Em 1585 tornou-se o verdadeiro senhor do reino e tratou de o pacificar. Venceu os uzbeques que, havia anos, devastavam o seu país submeteu as ilhas do Golfo Pérsico; depois mandou à Europa um embaixador encarregado de concluir com diferentes países uma aliança defensiva e ofensiva contra o Império Otomano que retinha uma parte dos seus estados, isto em 1600.

Em 1602 expulsou os turcos do seu reino e consumou a ruína do seu domínio na Pérsia pela vitória em Shibled, entre Sultanieh e Tabriz.

A administração interna do Xá Abas I excedeu em perfeição e prudência a dos seus predecessores. Isfahan, escolhida para capital, embelezou-se muito. Empreenderam-se muitas e numerosas obras públicas; a agricultura recebeu incentivo.

Justiceiro e severo, Abas I demitiu os prevaricadores e suspeitos na administração e na justiça. Teve o espírito bastante liberal para deixar aos arménios o livre exercício do seu culto e mostrou-se benévolo para com os cristãos. Os seus súbditos adoravam-no. É considerado como um dos maiores reis da Pérsia.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Grande Dicionário Enciclopédico ediclube, Dep. Legal BI – 1697-1996.
  • Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Dep. Legal 15022-1987