Gaza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Gaza (desambiguação).
Gaza
Gaza City.JPG
Geografia
País
Território ocupado
Governorate of the State of Palestine
Gaza Governorate (en)
Capital de
Área
55 km2Visualizar e editar dados no Wikidata
Altitude
30 mVisualizar e editar dados no Wikidata
Coordenadas
Gz-map.gif
Demografia
População
515 556 hab. ()Visualizar e editar dados no Wikidata
Densidade
9 373,7 hab./km2 ()
Funcionamento
Estatuto
Cidade com centenas de milhar de habitantes, Municipalities of the State of Palestine (en)Visualizar e editar dados no Wikidata
Geminações
História
Eventos chaves
Cerco a Gaza (d), Cerco de Gaza, Q3485896Visualizar e editar dados no Wikidata
Identificadores
Website

Gaza (em árabe: غَزَّة Ġazzah, IPA: [ɣaz.zah]; Hebraico: עַזָּה, Moderno Aza Tiberiano ʿAzzā) é uma cidade palestina na Faixa de Gaza, com uma população de 590.481 habitantes (em 2017), o que a torna a maior cidade do Estado da Palestina.

Habitada desde pelo menos o século XV a.C.,[1] Gaza foi dominada por vários povos e impérios diferentes ao longo de sua história. Os filisteus a ornaram parte de sua pentápolis depois que os antigos egípcios a governaram por quase 350 anos. Sob os romanos - em sua forma pagã, bem como após a cristianização de seu império, para o qual os historiadores usam o termo Império Bizantino - Gaza experimentou uma paz relativa e seu porto floresceu. No ano 635, ela se tornou a primeira cidade da Palestina a ser conquistada pelo exército muçulmano do Califado Ortodoxo e rapidamente se tornou um centro da lei islâmica. No entanto, quando os cruzados invadiram a região a partir de 1099, Gaza ficou em ruínas. Nos séculos posteriores, Gaza passou por várias dificuldades - de ataques mongóis a enchentes e pragas de gafanhotos, reduzindo-a a uma vila no século XVI, quando foi incorporada ao Império Otomano. Durante a primeira metade do domínio otomano, a dinastia Ridwan controlou Gaza e sob eles a cidade passou por uma época de grande comércio e paz. O município de Gaza foi estabelecido em 1893.

Gaza caiu nas mãos das forças britânicas durante a Primeira Guerra Mundial, tornando-se parte do Mandato Britânico da Palestina. Como resultado da Guerra Árabe-Israelense de 1948, o Egito administrou o território recém-formado da Faixa de Gaza e várias melhorias foram realizadas na cidade. Gaza foi capturada por Israel na Guerra dos Seis Dias em 1967, mas em 1993, a cidade foi transferida para a recém-criada Autoridade Nacional Palestina. Nos meses que se seguiram às eleições de 2006, um conflito armado eclodiu entre as facções políticas palestinas do Fatah e do Hamas, resultando na tomada do poder em Gaza por este último em 2007. Consequentemente, o Egito e Israel impuseram um bloqueio à Faixa de Gaza. Israel aliviou as restrições que permitia bens de consumo em junho de 2010 e o Egito reabriu a passagem de fronteira de Rafah em 2011 para pedestres.[2][3]

As principais atividades econômicas de Gaza são as indústrias de pequena escala e a agricultura. No entanto, o bloqueio e os conflitos recorrentes colocaram a economia local sob forte pressão.[4] A maioria dos habitantes de Gaza é muçulmana, embora haja também uma pequena minoria cristã. Gaza tem uma população muito jovem, com cerca de 75% com menos de 25 anos. A cidade é atualmente administrada por um conselho municipal de 14 membros.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome "Gaza" surge pela primeira vez nos registros militares de Tutmés III do Império Novo do Antigo Egito, no século XV a.C.. [5] Nas línguas semíticas, o significado do nome da cidade é "feroz, forte". O nome hebraico da cidade é Aza (עזה) - o ayin no início da palavra representava uma fricativa velar expressa em hebraico bíblico, mas em hebraico moderno, é silenciosa.[6]

De acordo com Shahin, os antigos egípcios a chamavam de "Ghazzat" ("cidade valiosa") e os muçulmanos costumavam se referir a ela como "Ghazzat Hashem", em homenagem a Hashim, o bisavô de Maomé que, de acordo com a tradição islâmica, está enterrado na cidade.[7]

História[editar | editar código-fonte]

A história de Gaza remonta a 5 mil anos, tornando-a uma das cidades mais antigas do mundo.[8] Localizada na rota costeira do Mediterrâneo entre o Norte da África e o Levante, a cidade, durante a maior parte de sua história, serviu como um importante entreposto do sul da Palestina e uma parada importante na rota de comércio de especiarias que atravessa o Mar Vermelho.[9]

Idade do bronze[editar | editar código-fonte]

O assentamento na região de Gaza remonta à fortaleza do Antigo Egito construída no território cananeu em Tell es-Sakan, ao sul da atual Gaza. O local entrou em declínio durante o início da Idade do Bronze, à medida que seu comércio com o Egito diminuía drasticamente.[10] Outro centro urbano conhecido como Tell el-Ajjul começou a crescer ao longo do leito do rio Wadi Ghazza. Durante meados da Idade do Bronze, Tell es-Sakan ressurgiu e tornou-se a localidade mais ao sul da Palestina, servindo como um forte. Em 1650 a.C, quando os cananeus hicsos ocuparam o Egito, uma segunda cidade se desenvolveu nas ruínas de Tell as-Sakan. No entanto, ela também foi abandonada por volta do século XIV a.C., no final da Idade do Bronze.

Durante o reinado de Tutmosis III (r. 1479-1425 a.C.), a cidade se tornou uma parada na rota de caravanas sírio-egípcias e foi mencionada nas Cartas de Amarna como "Azzati". Mais tarde, Gaza serviu como capital administrativa do Egito em Canaã.[11] A cidade permaneceu sob controle egípcio por 350 anos, até ser conquistada pelos filisteus no século XII a.C.. [12] No século XII a.C., Gaza tornou-se parte da "pentápolis" dos filisteus. De acordo com o Livro dos Juízes da Bíblia Hebraica, Gaza foi o lugar onde Sansão foi preso pelos filisteus e morreu.[12]

Período helenístico[editar | editar código-fonte]

Estátua grega de bronze em tamanho natural de Apolo encontrada em Gaza em 2013

Depois de ser governada pelos israelitas, assírios e depois pelos egípcios, Gaza alcançou relativa independência e prosperidade sob o Império Persa. Alexandre, o Grande sitiou Gaza, a última cidade a resistir à sua conquista em seu caminho para o Egito, por cinco meses antes de finalmente capturá-la em 332 a.C.; os habitantes foram mortos ou levados cativos. Alexandre trouxe beduínos locais para povoar Gaza e organizou a cidade em uma pólis (ou "cidade-Estado").[12]

No período dos selêucidas, Seleuco I Nicátor, ou um de seus sucessores renomeou Gaza para Seleucia com o intuito de controlar a área circundante contra os ptolemaicos. A cultura grega, consequentemente, criou raízes e Gaza ganhou a reputação de um próspero centro helenístico de aprendizagem e filosofia.[13] Durante a Terceira Guerra do Diádocos, Ptolemeu I Sóter derrotou Demétrio I da Macedônia em uma batalha perto de Gaza em 312 a.C.. Em 277 a.C., após a campanha bem-sucedida de Ptolomeu II contra os nabateus, a fortaleza ptolomaica de Gaza assumiu o controle do comércio de especiarias com Gerra e o sul da Arábia. Gaza experimentou outro cerco em 96 a.C. pelo rei asmoneu Alexandre Janeu, que "derrubou totalmente" a cidade, matando 500 senadores que fugiram para o templo de Apolo em busca de segurança.[14]

Período romano[editar | editar código-fonte]

Estátua romana de Zeus do século II encontrada em Gaza

Josefo observa que Gaza foi reassentada sob o governo de Antípatro, que cultivou relações amigáveis com os habitantes de Gaza, de Ascalão e cidades vizinhas após ser nomeado governador de Edom por Janeu.[15] Reconstruída depois de ter sido incorporada ao Império Romano em 63 a.C. sob o comando de Pompeu Magnus, Gaza tornou-se então uma parte da província romana da Judeia.[12] Foi alvo de forças judaicas durante a rebelião contra o domínio romano em 66 a.C. e foi parcialmente destruída.[16] No entanto, continuou sendo uma cidade importante, ainda mais após a destruição de Jerusalém.[17]

Durante o período romano, Gaza foi uma cidade próspera e recebeu doações e atenção de vários imperadores. [12] Um senado de 500 membros governava Gaza e uma grande variedade de gregos, romanos, fenícios, judeus, egípcios, persas e beduínos povoavam a cidade. A casa da moeda de Gaza emitia moedas adornadas com bustos de deuses e imperadores.[18] Durante sua visita no ano 130 d.C.,[19] o imperador Adriano inaugurou pessoalmente competições de luta livre, boxe e oratória no novo anfiteatro de Gaza, que se tornou famoso de Alexandria até Damasco. A cidade era adornada com muitos templos pagãos; o culto principal era ao deus Dagom. Outros templos eram dedicados a Zeus, Hélio, Afrodite, Apolo, Atena e Tique. O cristianismo começou a se espalhar por Gaza por volta do ano 250, inclusive no porto de Maiuma.[20][21][22][23]

Período bizantino[editar | editar código-fonte]

Após a divisão do Império Romano no século III d.C, Gaza permaneceu sob o controle do Império Romano do Oriente, que por sua vez se tornou o Império Bizantino . A cidade prosperou e foi um importante centro para o sul da Palestina. [24] Um bispado cristão foi estabelecido em Gaza . A conversão ao cristianismo em Gaza foi acelerada sob Santo Porfírio entre 396 e 420. Em 402, Teodósio II ordenou a destruição de todos os oito templos pagãos da cidade, [12] e quatro anos depois a Imperatriz Aelia Eudocia encomendou a construção de uma igreja no topo das ruínas do Templo de Marnas. [25] Foi nessa época que o filósofo cristão Enéias de Gaza chamou Gaza, sua cidade natal, de "a Atenas da Ásia". [26] Uma grande sinagoga existia em Gaza no século VI, de acordo com escavações. [27]

Período islâmico inicial[editar | editar código-fonte]

Em 634, Gaza foi sitiada pelo exército muçulmano Califado Ortodoxo sob o general Amer ibne Alas, após a Batalha de Ajenadaim entre o Império Bizantino e o Califado Ortodoxo na Palestina central. Foi capturado pelas forças de Amer cerca de três anos depois. Acredita-se que seja o local onde o bisavô de Maomé, Hashim ibn Abd Manaf, foi enterrado. Gaza não foi destruída e seus habitantes não foram atacados pelo exército de Amer, apesar da dura e longa resistência da cidade, embora sua guarnição bizantina tenha sido massacrada.[28]

A chegada dos árabes muçulmanos trouxe mudanças significativas para Gaza; a princípio, algumas de suas igrejas foram transformadas em mesquitas, incluindo a atual Grande Mesquita de Gaza (a mais antiga da cidade), que mais tarde foi reconstruída pelo sultão baibars, que a dotaram de uma enorme biblioteca que continha mais de 20 mil manuscritos no século XII.[28] Um grande segmento da população rapidamente adotou o Islã[29][30] e o árabe tornou-se a língua oficial. Em 767, Muhammad ibn Idris ash-Shafi'i nasceu em Gaza e viveu ali sua primeira infância; ele fundou o código religioso do xafeísmo, uma das quatro principais escolas de direito muçulmano sunita (fiqh).[31] A segurança, que foi bem mantida durante o início do domínio muçulmano, foi a chave para a prosperidade de Gaza. Embora o álcool tenha sido proibido no Islã, as comunidades judaica e cristã tiveram permissão para manter a produção de vinho e as uvas, uma das principais safras comerciais da cidade, eram exportadas principalmente para o Egito.[32]

Por fazer fronteira com o deserto, Gaza era vulnerável a grupos nômades em guerra.[32] Em 796, ela foi destruída durante uma guerra civil entre as tribos árabes da região.[33] No entanto, por volta do século X, a cidade foi reconstruída pelos abássidas; durante o governo abássida, o geógrafo Mocadaci, de Jerusalém, descreveu Gaza como "uma grande cidade situada na estrada para o Egito, na fronteira do deserto".[34] Em 978, os fatímidas estabeleceram um acordo com o Alpetequim, o governante turco de Damasco, por meio do qual os fatímidas controlariam Gaza e as terras ao sul dela, incluindo o Egito, enquanto Alpetequim controlaria a região ao norte da cidade.[35]

Períodos cruzado e aiúbida[editar | editar código-fonte]

Os cruzados conquistaram Gaza em 1100 e o rei Balduíno III construiu um castelo na cidade para os Cavaleiros Templários em 1149.[25] Ele também fez com que a Grande Mesquita voltasse a ser uma igreja, a Catedral de São João.[19] Em 1154, o viajante árabe Dreses escreveu que Gaza "é hoje muito populosa e está nas mãos dos cruzados".[36] Em 1187 os aiúbidas, liderados pelo sultão Saladino, capturaram Gaza e em 1191 destruíram as fortificações da cidade. Ricardo Coração de Leão aparentemente refortificou a cidade em 1192, mas as paredes foram desmontadas novamente como resultado do Tratado de Ramla acordado meses depois em 1193. O governo aiúbida terminou em 1260, depois que os mongóis sob o comando de Hulagu Khan destruíram completamente Gaza, que se tornou sua conquista mais meridional. [30]

Período mameluco[editar | editar código-fonte]

O Mercado Dourado de Gaza data do período mameluco

Após a destruição de Gaza pelos mongóis, soldados escravos muçulmanos baseados no Egito, conhecidos como mamelucos, começaram a administrar a área. Em 1277, os mamelucos fizeram de Gaza a capital de uma província que leva seu nome, Mamlakat Ghazzah (governo de Gaza). Este distrito se estendia ao longo da planície costeira da Palestina de Rafah, no sul, até o norte de Cesareia, e para o leste, até os planaltos da Samaria e as Colinas de Hebron. Outras cidades importantes da província incluíam Qaqun, Ludd e Ramla.[30][37] Gaza, que entrou em um período de tranquilidade sob o domínio dos mamelucos, foi usada por eles como um posto avançado em suas ofensivas contra os cruzados que terminaram em 1290.[38] Em 1294, um terremoto devastou Gaza e, cinco anos depois, os mongóis destruíram novamente tudo o que havia sido restaurado pelos mamelucos. O geógrafo sírio al-Dimashqi descreveu Gaza em 1300 como uma "cidade tão rica em árvores que parece um tecido de brocado estendido sobre a terra".[18] Sob o governo do emir Sanjar al-Jawli, Gaza foi transformada em uma cidade próspera e grande parte da arquitetura da era mameluca remonta ao seu reinado entre 1311 e 1320 e novamente em 1342.[39][40] Em 1348, a peste bubônica se espalhou pela cidade, matando a maioria de seus habitantes e, em 1352, Gaza sofreu uma inundação destrutiva, que era rara naquela parte árida da Palestina.[41] No entanto, quando o viajante e escritor árabe Ibne Batuta visitou a cidade em 1355, ele observou que ela era "grande e populosa e tem muitas mesquitas".[42] Os mamelucos contribuíram para a arquitetura de Gaza construindo mesquitas, faculdades islâmicas, hospitais, caravançarais e banhos públicos.[10]

Os mamelucos permitiram que os judeus retornassem à cidade, depois de serem expulsos pelos cruzados, e a comunidade judaica prosperou durante o governo mameluco. No final desse período, a comunidade judaica em Gaza era a terceira maior da Palestina, depois das comunidades em Safad e Jerusalém. Em 1481, um viajante judeu italiano, Meshulam de Volterra, escreveu:

Gazza é chamada assim pelos muçulmanos de Gaza. É um lugar fino e renomado e suas frutas são muito renomadas e boas. Pão e bom vinho podem ser encontrados lá, mas só os judeus fazem vinho. Gaza tem uma circunferência de quatro milhas e não tem paredes. Fica a cerca de seis milhas do mar e situada em um vale e em uma colina. Tem uma população tão numerosa quanto as areias do mar e há cerca de cinquenta (ou sessenta) chefes de família judeus, artesãos. Eles têm uma sinagoga pequena, mas bonita, e vinhas, campos e casas. Eles já haviam começado a fazer o vinho novo. ... Os judeus moram no topo da colina. Que Deus os exalte. Também há quatro chefes de família samaritanos que moram na encosta.[43]

Período otomano[editar | editar código-fonte]

Gaza em 1841, conforme mapeada pelos Engenheiros Reais Britânicos após a Crise Oriental de 1840

Em 1516, Gaza - na época uma pequena cidade com um porto inativo, edifícios em ruínas e comércio reduzido - foi incorporada ao Império Otomano.[41] O exército otomano esmagou com rapidez e eficiência um levante de pequena escala[44] e a população local geralmente os recebia como companheiros muçulmanos sunitas. A cidade foi então nomeada capital de Gaza Sanjak, parte da maior província de Damasco.[45] A família Ridwan, em homenagem ao governador Ridwan Pasha, foi a primeira dinastia a governar Gaza e continuaria a governar a cidade por mais de um século.[46] Sob Ahmad ibn Ridwan, a cidade se tornou um centro cultural e religioso como resultado da parceria entre o governador e o proeminente jurista islâmico Khayr al-Din al-Ramli, que morava na cidade vizinha de Ramla.[47]

Durante o governo de Husayn Pasha, os conflitos entre a população assentada e as tribos beduínas vizinhas foram drasticamente reduzidos, permitindo que Gaza prosperasse pacificamente. O período dos Ridwan é descrito como uma era de ouro para Gaza, uma época em que ela serviu como virtual "capital da Palestina".[48][49] A Grande Mesquita foi restaurada e outras seis mesquitas construídas, enquanto os banhos turcos e as bancas do mercado proliferavam.[41]

Muçulmanos estudando o Alcorão com Gaza ao fundo, pintura de Harry Fenn
A Cidade Velha, Gaza (1862-1863). Foto de Frances Frith

Após a morte de Musa Pasha, o sucessor de Husayn, oficiais otomanos foram nomeados para governar no lugar dos Ridwans. O período Ridwan foi a última era de ouro de Gaza durante o domínio otomano. Depois que a família foi removida do cargo, a cidade gradualmente entrou em declínio.[50]

A partir do início do século XIX, Gaza havia sido culturalmente dominada pelo vizinho, o Egito; Maomé Ali conquistou Gaza em 1832.[19] O estudioso estadunidense Edward Robinson visitou a cidade em 1838, descrevendo-a como uma cidade "densamente povoada" maior do que Jerusalém, com sua Cidade Velha situada no topo de uma colina, enquanto seus subúrbios ficavam na planície próxima.[51] A cidade se beneficiava do comércio por causa de sua posição estratégica na rota de caravanas entre o Egito e o norte da Síria, bem como pela produção de sabão e algodão para o comércio com o governo, tribos árabes locais e os beduínos de Wadi Arabah e Ma'an.[52] Os bazares de Gaza eram bem abastecidos e eram considerados por Robinson como "bem melhores" do que os de Jerusalém.[53] Robinson observou que virtualmente todos os vestígios de história antiga e antiguidade de Gaza desapareceram devido ao conflito e ocupação constantes.[54] Em meados do século XIX, o porto de Gaza foi eclipsado pelos portos de Jaffa e Haifa, mas a cidade manteve sua frota pesqueira.[55]

A peste bubônica atingiu Gaza novamente em 1839 e a cidade, sem estabilidade política e econômica, entrou em estado de estagnação. Em 1840, tropas egípcias e otomanas lutaram fora de Gaza. Os otomanos conquistaram o controle do território, encerrando efetivamente o domínio egípcio sobre a Palestina. No entanto, as batalhas causaram mais mortes e destruição em Gaza, enquanto a cidade ainda se recuperava dos efeitos da peste.[41]

Primeira Guerra Mundial e Mandato Britânico[editar | editar código-fonte]

Gaza após rendição às forças britânicas, 1918

Enquanto liderava a Forças Aliadas durante a Primeira Guerra Mundial, os britânicos ganharam o controle da cidade durante a Terceira Batalha de Gaza em 1917.[41] Após a guerra, Gaza foi incluída na Mandato Britânico da Palestina.[56] Nas décadas de 1930 e 1940, Gaza passou por uma grande expansão. Novos bairros foram construídos ao longo da costa e nas planícies do sul e do leste. Organizações internacionais e grupos missionários financiaram a maior parte desta construção.[55]

Domínio egípcio e israelense[editar | editar código-fonte]

O então recém-nomeado prefeito de Gaza, Rushdi al-Shawwa, falando na cerimônia de inauguração do conselho municipal de Gaza, em 26 de novembro de 1956

No Plano de Partição da Palestina de 1947, proposta pelas Nações Unidas, Gaza era designada para fazer parte de um Estado de maioria árabe na Palestina, mas foi ocupada pelo Egito após a Guerra Árabe-Israelense de 1948. A crescente população de Gaza foi aumentada por um fluxo de refugiados que fugiram ou foram expulsos de cidades próximas, vilas e aldeias que foram capturadas por Israel. Em 1957, o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser fez uma série de reformas em Gaza, que incluíram expandir as oportunidades educacionais e os serviços civis, fornecer moradia e estabelecer forças de segurança locais.[57]

Gaza foi ocupada por Israel durante a Guerra dos Seis Dias em 1967, após a derrota do exército egípcio. Conflitos frequentes surgiram entre palestinos e as autoridades israelenses na cidade desde os anos 1970. As tensões levaram à Primeira Intifada em 1987. Gaza foi um centro de confronto durante este levante[41] e as condições econômicas na cidade pioraram.[58]

Controle palestino[editar | editar código-fonte]

Residentes em um bairro de Gaza durante a Guerra de Gaza de 2008-09
Bombardeio israelense contra a Faixa de Gaza durante o crise israelo-palestina de 2021

Em setembro de 1993, os líderes de Israel e da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) assinaram os Acordos de Oslo . O acordo previa a administração palestina da Faixa de Gaza e da cidade de Jericó, na Cisjordânia, o que foi implementado em maio de 1994. As forças israelenses retiraram-se de Gaza, deixando a Autoridade Nacional Palestina (ANP) para administrar e policiar a cidade.[13] A ANP, liderada por Yasser Arafat, escolheu Gaza como sua primeira sede provincial. O recém-criado Conselho Nacional Palestino realizou sua sessão inaugural em Gaza em março de 1996. A Segunda Intifada também foi um grande divisor de águas para Gaza. [55]

Em 2005, Israel retirou suas tropas da Faixa de Gaza e removeu os milhares de israelenses que haviam se estabelecido no território.[59] (Ver: plano de retirada unilateral de Israel em 2004.) Desde a retirada israelense, o Hamas tem se engajado em uma luta, às vezes violenta, pelo poder com sua rival organização palestina Fatah. Em 25 de janeiro de 2006, o Hamas obteve uma vitória surpreendente nas eleições para o Conselho Legislativo Palestino, a legislatura da Autoridade Nacional Palestina Em 2007, o Hamas derrubou as forças do Fatah na Faixa de Gaza e os membros do Hamas foram demitidos do governo da ANP na Cisjordânia como resposta. Atualmente, o Hamas, reconhecido como uma organização terrorista pela maioria dos países ocidentais, tem o controle de facto da cidade e da Faixa.[60]

Em março de 2008, uma coalizão de grupos de direitos humanos acusou que o bloqueio israelense à cidade havia feito com que a situação humanitária em Gaza atingisse seu pior ponto desde que Israel ocupou o território na Guerra dos Seis Dias de 1967[61] e que os ataques aéreos israelenses contra militantes em áreas densamente povoadas também mataram transeuntes civis.[59] Em 2008, Israel iniciou um ataque contra Gaza[62] e afirmou que fez isso como resposta aos repetitivos lançamentos de foguetes e morteiros da Faixa de Gaza contra Israel desde 2005, enquanto os palestinos declararam que estavam respondendo às incursões militares de Israel e ao bloqueio à Faixa de Gaza. Em janeiro de 2009, pelo menos 1.300 palestinos foram mortos no conflito.[63][64]

Em novembro de 2012, após uma semana de conflito entre Israel e grupos militantes palestinos, um cessar-fogo intermediado pelo Egito foi anunciado em 21 de novembro.[65] No conflito Israel-Gaza de 2014, 2.205 palestinos (incluindo pelo menos 1.483 civis) e 71 israelenses (incluindo 66 soldados) e um cidadão estrangeiro em Israel foram mortos, de acordo com o UN OCHA.[66] De acordo com uma análise do The New York Times, homens com idades entre 20 e 29 anos, que provavelmente são militantes, são os mais representados no número de mortos.[67] Um bloco de torres foi bombardeado durante a crise israelo-palestina de 2021.[68]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Praia na cidade de Gaza
Vista de Gaza a partir do porto

O centro de Gaza está situado em uma colina baixa e redonda com uma altitude de 14 metros acima do nível do mar.[69] Grande parte da cidade moderna é construída ao longo da planície abaixo da colina, especialmente ao norte e ao leste, formando os subúrbios de Gaza. A praia e o porto de Gaza estão localizados a 3 quilômetros a oeste do núcleo da cidade e o espaço intermediário é inteiramente construído em colinas baixas.[51]

A jurisdição municipal da cidade hoje constitui cerca de 45 quilômetros quadrados.[70] Gaza está localizada a 78 km a sudoeste de Jerusalém, 71 km ao sul de Tel Aviv[71] e 30 km ao norte de Rafa.[72] As localidades vizinhas incluem Beit Lahia, Beit Hanoun e Jabalia ao norte, e a vila de Abu Middein, o campo de refugiados Bureij e a cidade de Deir al-Balah ao sul.[73]

A população de Gaza depende da água subterrânea como única fonte de água potável, uso agrícola e abastecimento doméstico. O riacho mais próximo é Wadi Ghazza ao sul, proveniente de Abu Middein ao longo da costa. Tem pouca água durante o inverno e praticamente nenhuma água durante o verão. A maior parte de seu abastecimento de água é desviada para Israel.[74] O Aquífero de Gaza ao longo da costa é o principal aquífero da Faixa de Gaza e consiste principalmente de arenitos do Pleistoceno. Como a maior parte da Faixa de Gaza, Gaza é coberta por solo quaternário; minerais de argila no solo absorvem muitos produtos químicos orgânicos e inorgânicos que aliviaram parcialmente a extensão da contaminação das águas subterrâneas.[75]

Uma colina proeminente a sudeste de Gaza, conhecida como Tell al-Muntar, tem uma altitude de 82 metros acima do nível do mar. Durante séculos, foi reivindicado como o lugar para onde Sansão trouxe os portões da cidade dos filisteus. A colina é coroada por um santuário muçulmano (maqam) dedicado a Ali al-Muntar ("Ali da Torre de Vigia"). Existem antigas sepulturas muçulmanas ao redor das árvores da área[76] e o lintel da entrada do maqam tem duas escrituras árabes medievais.[12]

Cidade Velha[editar | editar código-fonte]

A Cidade Velha forma a parte principal do núcleo de Gaza. É aproximadamente dividido em dois quartos; o bairro Daraj ao norte (também conhecido como bairro muçulmano) e o bairro Zaytun ao sul (que continha os bairros judaico e cristão). A maioria das estruturas data das eras mameluca e otomana e algumas foram construídas sobre estruturas anteriores. A parte antiga da Cidade Velha tem cerca de 1,6 km².[55]

Existem sete portões históricos para a Cidade Velha: Bab Asqalan (Portão de Ashkelon), Bab al-Darum (Portão de Deir al-Balah), Bab al-Bahr (Portão do Mar), Bab Marnas (Portão de Marnas), Bab al-Baladiyah (Portão da Cidade), Bab al-Khalil (Portão de Hebron) e Bab al-Muntar (Portão de Tell al-Muntar).[77] Alguns dos edifícios mais antigos usam o estilo ablaq de decoração, que apresenta camadas alternadas de alvenaria vermelha e branca, predominante na era mameluca. Daraj contém o Mercado de Ouro (Qissariya), bem como a Grande Mesquita de Gaza (a mesquita mais antiga de Gaza) [78] e a Mesquita Sayed al-Hashim. [79] Em Zaytun fica a Igreja de São Porfrírio, a Mesquita Katib al-Wilaya e Hamam as-Sammara ("a casa de banhos do Samaritano".)[80]

Distritos[editar | editar código-fonte]

Zona Oriental de Gaza
Cidade de Gaza em 2009

Gaza é composta por treze distritos (feno) fora da Cidade Velha.[81] A primeira extensão de Gaza além do centro da cidade foi o distrito de Shuja'iyya, construído em uma colina a leste e sudeste da Cidade Velha durante o período aiúbida.[82] No nordeste está o distrito de Tuffah,[83] que é dividido em metades leste e oeste e estava originalmente localizado dentro das muralhas da Cidade Velha.[78]

Durante as décadas de 1930 e 1940, um novo distrito residencial, Rimal (atualmente dividido nos distritos de Rimal do Norte e Rimal do Sul),[81] foi construído nas dunas de areia a oeste do centro da cidade e o distrito de Zeitoun foi construído ao longo de Gaza fronteiras sul e sudoeste, enquanto os bairros Judeide ("o Novo") e Turukman de Shuja'iyya se expandiram em distritos separados no nordeste e sudeste, respectivamente.[55][84] Judeide (também conhecido como Shuja'iyyat al-Akrad) foi nomeado após as unidades militares curdas que se estabeleceram lá durante a era mameluca, enquanto Turukman foi nomeado após as unidades militares turcomanas que se estabeleceram lá.[82]

As áreas entre Rimal e a Cidade Velha tornaram-se os distritos de Sabra e Daraj.[83] No noroeste fica o distrito de Nasser, construído no início dos anos 1950 e batizado em homenagem ao presidente egípcio Gamal Abdel Nasser.[85] O distrito de Sheikh Radwan, desenvolvido na década de 1970, está a 3 km ao norte da Cidade Velha e tem o nome de Sheikh Radwan - cuja tumba está localizada dentro do distrito.[86] Gaza absorveu a aldeia de al-Qubbah perto da fronteira com Israel, bem como o campo de refugiados palestinos de al-Shati ao longo da costa,[73] embora este último não esteja sob a jurisdição municipal da cidade. No final da década de 1990, a ANP construiu o bairro mais rico de Tel al-Hawa ao longo da borda sul de Rimal.[87] Ao longo da costa sul da cidade fica o bairro de Sheikh Ijlin.[81]

Panorama da cidade de Gaza em abril de 2011

Clima[editar | editar código-fonte]

Gaza tem um clima semiárido quente (Köppen: BSh), com características mediterrâneas, com invernos amenos e chuvosos e verões quentes e secos.[69] A primavera chega por volta de março ou abril e o mês mais quente é agosto, com alta média de 31,7ºC. O mês mais frio é janeiro, com temperaturas geralmente chegando a 18,3ºC. A chuva é escassa e cai quase exclusivamente entre novembro e março, com uma precipitação anual de aproximadamente 395 mm.[88]

Dados climáticos para Gaza
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Média alta °C (°F) 18.3
(64.9)
18.9
(66)
21.1
(70)
24.4
(75.9)
27.2
(81)
29.4
(84.9)
30.6
(87.1)
31.7
(89.1)
30.6
(87.1)
28.9
(84)
25.0
(77)
20.6
(69.1)
25.6
(78.1)
Média diária °C (°F) 13.9
(57)
14.5
(58.1)
16.4
(61.5)
19.1
(66.4)
21.8
(71.2)
24.5
(76.1)
26.0
(78.8)
27.0
(80.6)
25.6
(78.1)
23.3
(73.9)
19.8
(67.6)
16.1
(61)
20.67
(69.19)
Média baixa °C (°F) 9.4
(48.9)
10.0
(50)
11.6
(52.9)
13.8
(56.8)
16.4
(61.5)
19.5
(67.1)
21.4
(70.5)
22.2
(72)
20.5
(68.9)
17.7
(63.9)
14.5
(58.1)
11.6
(52.9)
15.7
(60.3)
Precipitação média mm (pol.) 104
(4.09)
76
(2.99)
30
(1.18)
13
(0.51)
3
(0.12)
1
(0.04)
0
(0)
1
(0.04)
3
(0.12)
18
(0.71)
64
(2.52)
81
(3.19)
394
(15.51)
Média umidade relativa (%) 85 84 83 82 84 87 86 87 86 74 78 81 83
Média mensal horas de sol 204.6 192.1 241.8 264.0 331.7 339.0 353.4 337.9 306.0 275.9 237.0 204.6 3 288
Média diária horas de sol 6.6 6.8 7.8 8.8 10.7 11.3 11.4 10.9 10.2 8.9 7.9 6.6 9.1
Fonte: Arab Meteorology Book[89]

Demografia[editar | editar código-fonte]

População[editar | editar código-fonte]

Homens de Gaza, século XIX

De acordo com os registros fiscais otomanos em 1557, Gaza tinha 2.477 contribuintes do sexo masculino.[90] As estatísticas de 1596 mostram que a população muçulmana de Gaza consistia em 456 famílias, 115 solteiros, 59 pessoas religiosas e 19 pessoas deficientes. Além da figura muçulmana, havia 141 jundiyan ou "soldados" no exército otomano. Dos cristãos, havia 294 famílias e sete solteiros, enquanto havia 73 famílias judias e oito famílias samaritanas. No total, cerca de 6 mil pessoas viviam em Gaza, tornando-a a terceira maior cidade da Palestina otomana depois de Jerusalém e Safad.[91]

Em 1838, havia cerca de 4 mil contribuintes muçulmanos e 100 cristãos, o que implica uma população de cerca de 15 mil ou 16 mil - o que a torna maior do que Jerusalém na época. O número total de famílias cristãs era 57.[52]

Ano População
1596 6.000 [91]
1838 15.000-16.000 [52]
1882 16.000 [92]
1897 36.000
1906 40.000
1914 42.000 [93]
1922 17.480 [94]
1931 17.046 [95]
1945 34.250 [96] [97]
1982 100.272 [98]
1997 306.113 [99]
2007 449.221
2012 590.481

Antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial, a população de Gaza havia chegado a 42 mil; no entanto, as ferozes batalhas entre as Forças Aliadas e os otomanos e seus aliados alemães em 1917 em Gaza resultaram em uma diminuição massiva da população.[93] O censo seguinte, realizado em 1922 pelas autoridades do Mandato Britânico, mostra uma queda acentuada da população, que era de 17.480 residentes, composta por 16.722 muçulmanos, 54 judeus e 701 cristãos.[94]

De acordo com um censo de 1997 do Departamento Central de Estatísticas Palestino (DCEP), Gaza e o campo de refugiados adjacente de al-Shati tinham uma população de 353.115 pessoas, dos quais 50,9% eram homens e 49,1% mulheres. Gaza tinha uma população esmagadoramente jovem, com mais da metade entre os primeiros 19 anos (60,8%). Cerca de 28,8% tinham entre 20 e 44 anos, 7,7% entre 45 e 64 anos e 3,9% tinham mais de 64 anos.[99]

Um influxo maciço de refugiados palestinos aumentou a população de Gaza após a Guerra Árabe-Israelense de 1948. Em 1967, a população havia crescido cerca de seis vezes o tamanho de 1948.[55] Em 1997, 51,8% dos habitantes de Gaza eram refugiados ou descendentes deles. A população da cidade continuou a aumentar desde então para 590.481 em 2017, tornando-a a maior cidade dos territórios palestinos. [100] A Cidade de Gaza tem uma das maiores taxas de crescimento geral do mundo. Sua densidade populacional é 9.982,69/km2 comparável à cidade de Nova York (10.725,4/km2) e metade da densidade de Paris (21.000/km2). Em 2007, a pobreza, o desemprego e as más condições de vida eram problemas generalizados e muitos residentes recebiam ajuda das Nações Unidas para se alimentar.[101]

Religião[editar | editar código-fonte]

Mesquita Khalidi em Gaza

A população de Gaza é predominantemente composta de muçulmanos, que em sua maioria seguem o islamismo sunita.[55] Durante o período fatímida, o islamismo xiita era dominante em Gaza, mas depois que Saladino conquistou a cidade em 1187, ele promoveu uma política religiosa e educacional estritamente sunita, que na época foi fundamental para unir seus soldados árabes e turcos.[10]

Gaza é o lar de uma pequena minoria cristã palestina de cerca de 3,5 mil pessoas.[102] A maioria vive no bairro Zaytun da Cidade Velha e pertence às denominações ortodoxa grega, católica romana e batista.[103] Em 1906, havia cerca de 750 cristãos, dos quais 700 eram ortodoxos e 50 católicos romanos.[92]

A comunidade judaica de Gaza tinha cerca de 3 mil anos[55] e em 1481 havia 60 famílias judias.[104] A maioria deles fugiu de Gaza após os tumultos palestinos de 1929, quando eles consistiam em cinquenta famílias. Na pesquisa populacional de Sami Hadawi, Gaza tinha uma população de 34.250, incluindo 80 judeus em 1945.[96] A maioria deles deixou a cidade após a Guerra de 1948, devido à desconfiança mútua entre eles e a maioria árabe.[105] Hoje, não há judeus morando em Gaza.[106]

Governo[editar | editar código-fonte]

Prédio do Conselho Legislativo da Palestina, que foi destruído por Israel durante a Operação Chumbo Fundido em 2008

Hoje, Gaza é a capital administrativa do Governatorato de Gaza.[107] Ela contém o edifício do Conselho Legislativo Palestino, bem como a sede da maioria dos ministérios da Autoridade Palestina. O primeiro conselho municipal de Gaza foi formado em 1893 sob a presidência de Ali Khalil Shawa. A prefeitura moderna, no entanto, começou em 1906 com seu filho Said al-Shawa, que foi nomeado prefeito pelas autoridades otomanas.[108] Al-Shawa supervisionou a construção do primeiro hospital de Gaza, várias novas mesquitas e escolas, a restauração da Grande Mesquita e a introdução do arado moderno na cidade.[109] Em 1922, o secretário colonial britânico Winston Churchill solicitou que Gaza desenvolvesse sua própria constituição durante o Mandato Britânico da Palestina. No entanto, isso foi rejeitado pelos palestinos.[110]

Em 24 de julho de 1994, a ANP proclamou Gaza como a primeira câmara municipal dos territórios palestinos. As eleições municipais palestinas de 2005 não foram realizadas em Gaza, nem em Khan Yunis ou Rafah. Em vez disso, os dirigentes do partido Fatah selecionaram as cidades menores, vilas e aldeias para realizar eleições, presumindo que se sairiam melhor em áreas menos urbanas. No entanto, o partido rival, o Hamas, conquistou a maioria das cadeiras em sete dos dez municípios selecionados para o primeiro turno, com a participação eleitoral em torno de 80%.[111] Em 2007, confrontos violentos entre os dois partidos que deixaram mais de 100 mortos, resultando na tomada da cidade pelo Hamas.[112] Normalmente, os municípios palestinos com população superior a 20 mil pessoas e que servem como centros administrativos têm conselhos municipais compostos por quinze membros, incluindo o prefeito. O atual conselho municipal de Gaza, no entanto, é composto por quatorze membros, incluindo o prefeito, Nizar Hijazi.[113]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Gaza é uma cidade-irmã de:

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro de Gaza em 2012
Panorama do porto de Gaza
Um resort de praia na cidade de Gaza

Os principais produtos agrícolas são morangos, frutas cítricas, tâmaras, azeitonas, flores e vários vegetais. A poluição e a alta demanda por água reduziram a capacidade produtiva das fazendas na Faixa de Gaza.[55] As indústrias de pequena escala incluem a produção de plásticos, materiais de construção, têxteis, móveis, cerâmica, azulejos, artigos de cobre e tapetes. Desde os acordos de Oslo, milhares de residentes foram empregados em ministérios do governo e serviços de segurança, na UNRWA e em outras organizações internacionais. Indústrias menores incluem têxteis e processamento de alimentos. Uma variedade de mercadorias é vendida nos bazares de rua de Gaza, incluindo tapetes, cerâmica, móveis de vime e roupas de algodão. O luxuoso Gaza Mall foi inaugurado em julho de 2010.[122][123]

Muitos habitantes de Gaza trabalhavam na indústria de serviços israelense quando a fronteira estava aberta, mas depois da retirada de Israel da Faixa de Gaza em 2005, essa fonte de empregos desapareceu.

Um relatório de grupos de direitos humanos e desenvolvimento publicado em 2008 afirmou que Gaza sofreu um padrão de longo prazo de estagnação econômica e indicadores de desenvolvimento terríveis, a gravidade que foi aumentada exponencialmente pelos bloqueios israelense e egípcio. O relatório citou uma série de indicadores econômicos para ilustrar o ponto: em 2008, 95% das operações industriais de Gaza foram suspensas devido à falta de acesso a insumos para produção e problemas de exportação. Em 2009, o desemprego em Gaza estava perto de 40%. O setor privado, que gera 53% de todos os empregos em Gaza, foi devastado e as empresas faliram. Em junho de 2005, 3,9 mil fábricas em Gaza empregavam 35 mil pessoas, em dezembro de 2007, apenas 1,7 mil pessoas ainda estavam empregadas. A indústria da construção estava paralisada com dezenas de milhares de trabalhadores desempregados. O setor agrícola foi duramente atingido, afetando quase 40 mil trabalhadores dependentes de safras comerciais.[4]

Os preços dos alimentos em Gaza subiram durante o bloqueio, com a farinha de trigo subindo 34%, o arroz 21% e o talco para bebês 30% mais caro. Em 2007, as famílias gastaram em média 62% de sua renda total com alimentos, em comparação com 37% em 2004. Em menos de uma década, o número de famílias dependentes da ajuda alimentar da UNRWA aumentou dez vezes.[4] Em 2008, 80% da população dependia de ajuda humanitária em 2008, em comparação com 63% em 2006. De acordo com um relatório da OXFAM em 2009, Gaza sofria de uma grave escassez de moradias, instalações educacionais, instalações de saúde e infraestrutura, além de um sistema de esgoto inadequado que contribuía para problemas de higiene e saúde pública.

Após um abrandamento significativo da política de fechamento em 2010, a economia de Gaza começou a ver uma recuperação substancial dos níveis anêmicos durante o auge do bloqueio.[124] A economia de Gaza cresceu 8% nos primeiros 11 meses de 2010.[125] A atividade econômica é amplamente apoiada por doações de ajuda externa. Existem vários hotéis em Gaza, incluindo o Palestine, Grand Palace, Adam, al-Amal, al-Quds, Cliff, al-Deira e Marna House. Todos, exceto o Palestine Hotel, estão localizados ao longo do distrito costeiro de Rimal. A Organização das Nações Unidas (ONU) tem um clube de praia na mesma rua. Gaza não é um destino frequente para turistas e a maioria dos estrangeiros que se hospedam em hotéis são jornalistas, trabalhadores humanitários, pessoal da ONU e da Cruz Vermelha. Os hotéis de luxo incluem o al-Quds e o al-Deira Hotel.[126] Em 2012, o desemprego caiu para 25%.[127]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Meninas em Gaza fazendo fila para as aulas, 2009
A principal sala de conferências da Universidade Islâmica de Gaza

De acordo com a ANP, em 1997, aproximadamente mais de 90% da população de Gaza com mais de 10 anos era alfabetizada. Da população da cidade, 140.848 estavam matriculados em escolas (39,8% no ensino fundamental, 33,8% no ensino médio e 26,4% no ensino médio). Cerca de 11.134 pessoas receberam diplomas de bacharelado ou diplomas superiores.[128]

Em 2006, havia 210 escolas em Gaza; 151 eram administradas pelo Ministério da Educação da Autoridade Nacional Palestina, 46 eram administrados pela UNRWA e 13 eram escolas particulares. Um total de 154.251 alunos estavam matriculados e 5.877 professores estavam empregados.[129] A economia atualmente oprimida afetou severamente a educação na Faixa de Gaza. Em setembro de 2007, uma pesquisa da UNRWA na Faixa de Gaza revelou que havia uma taxa de reprovação de quase 80% nas escolas de 4ª a 9ª série, com taxas de reprovação de até 90% em matemática. Em janeiro de 2008, o Fundo das Nações Unidas para a Infância informou que as escolas em Gaza vinham cancelando aulas com alto consumo de energia, como tecnologia da informação, laboratórios de ciências e atividades extracurriculares.[4]

Gaza tem muitas universidades. As quatro principais universidades da cidade são a Universidade al-Azhar - Gaza, a Universidade Aberta al-Quds, a Universidade al-Aqsa e a Universidade Islâmica de Gaza. A Universidade Islâmica, composta por dez instalações, foi fundada por um grupo de empresários em 1978, tornando-se a primeira universidade em Gaza. Teve uma matrícula de 20.639 alunos. A al-Azhar é geralmente secular e foi fundada em 1992. A Universidade al-Aqsa foi fundada em 1991. A Universidade Aberta al-Quds estabeleceu seu campus na Região Educacional de Gaza em 1992 em um prédio alugado no centro da cidade, originalmente com 730 alunos. Devido ao rápido aumento do número de alunos, construiu o primeiro prédio de propriedade da universidade no distrito de Nasser. Em 2006–07, 3.778 alunos estavam matriculados na instituição de ensino.[130]

A Biblioteca Pública de Gaza está localizada perto da Rua Wehda e possui uma coleção de quase 10 mil livros em árabe, inglês e francês. Uma área total de cerca de 1.410 metros quadrados, o edifício é constituído por dois pisos e um porão. A biblioteca foi inaugurada em 1999 após a cooperação desde 1996 com Gaza, sob o prefeito Aoun Shawa, o município de Dunkerque e o Banco Mundial. Os principais objetivos da biblioteca são fornecer fontes de informação que atendam às necessidades dos beneficiários, fornecer instalações necessárias para acesso às fontes de informação disponíveis e organizar vários programas culturais, como eventos culturais, seminários, palestras, apresentações de filmes, vídeos, arte e livro exposições.[131]

Marcos arquitetônicos[editar | editar código-fonte]

Cemitério da Primeira Guerra Mundial em Gaza

Os marcos em Gaza incluem a Grande Mesquita na Cidade Velha. Originalmente um templo pagão, foi consagrada uma igreja ortodoxa grega pelos bizantinos,[132] depois como uma mesquita no século VIII pelos árabes. Os cruzados a transformaram em igreja, mas ela foi restabelecida como mesquita novamente logo após a reconquista de Gaza pelos muçulmanos.[78] É a maior e mais antiga da Faixa de Gaza.[133]

Outras mesquitas na Cidade Velha incluem a mesquita Sayed Hashem da era mameluca, que se acredita abrigar o túmulo de Hashem ibn Abd al-Manaf em sua cúpula.[134] Há também a mesquita Kateb al-Welaya, que data de 1334, nas proximidades. Em Shuja'iyya está a Mesquita Ibn Uthman, que foi construída pelo nativo de Nablus Ahmad ibn Uthman em 1402 e a Mesquita Mahkamah, construída pelo majordomo Mamluk Birdibak al-Ashrafi em 1455. Em Tuffah está a Mesquita Ibn Marwan,[79] que foi construída em 1324 e abriga o túmulo de Ali ibn Marwan, um homem santo.[84]

A Praça do Soldado Desconhecido, localizada em Rimal, é um monumento dedicado a um lutador palestino desconhecido que morreu na Guerra de 1948. Em 1967, o monumento foi demolido pelas forças israelenses e permaneceu como um pedaço de areia,[135] até que um jardim público foi construído lá com financiamento da Noruega. Qasr al-Basha, originalmente uma vila da era mameluca que foi usada por Napoleão durante sua breve estada em Gaza, está localizada na Cidade Velha e hoje é uma escola para meninas. O Cemitério de Guerra de Gaza da Comunidade Britânica, frequentemente referido como Cemitério de Guerra Britânico, que contém os túmulos de soldados aliados mortos na Primeira Guerra Mundial está a 1,5 km a nordeste do centro da cidade, no distrito de Tuffah, perto da Rodovia Salah al-Din.[78][136]

Abastecimento de água, saneamento e rede elétrica[editar | editar código-fonte]

Crazy Water Park, fechado pelo Hamas em 2010

De acordo com o censo de 1997 do Escritório Central de Estatísticas da Palestina, 98,1% dos residentes de Gaza estavam conectados ao abastecimento público de água, enquanto o restante usava sistema privado. Cerca de 87,6% tinham rede pública de esgoto e 11,8% fossa séptica. O bloqueio em Gaza restringiu severamente o abastecimento de água da cidade. Os seis principais poços de água potável não funcionaram e cerca de 50% da população não tinha água regularmente. O município afirmou que foi forçado a bombear água por "poços de sal" por causa da indisponibilidade de eletricidade. Cerca de 20 milhões de litros de esgoto bruto e 40 milhões de litros de água parcialmente tratada por dia fluíam para o Mar Mediterrâneo e o esgoto não tratado atraia insetos e ratos.[137] Como um país "pobre em água", Gaza é altamente dependente da água de Wadi Ghazza. O aquífero de Gaza é usado como o principal recurso de Gaza para a obtenção de água de qualidade. No entanto, a maior parte da água de Wadi Ghazza é transportada para Jerusalém.[138]

Em 2002, Gaza começou a operar sua própria usina de energia, construída pela Enron.[139] No entanto, a usina foi bombardeada e destruída pelas Forças de Defesa de Israel em 2006. Antes da destruição da usina, Israel fornecia eletricidade adicional a Gaza por meio da Israel Electric Corporation. A planta foi reconstruída em dezembro de 2007.[140] Em Jerusalém, a eletricidade continuou a ser vendida para Gaza, de acordo com fontes de notícias [141] Atualmente, o Egito está em negociações para combinar a rede de energia de Gaza com a sua própria.[142]

Gestão de resíduos sólidos[editar | editar código-fonte]

Entulhos gerados a partir de destruição causadas por bombardeios israelenses

A gestão de resíduos sólidos é um dos principais problemas que os habitantes de Gaza enfrentam hoje. Esses desafios são atribuídos a vários fatores, como a falta de investimento em sistemas ambientais, falta de atenção a projetos ambientais e a ausência de aplicação da lei e tendência para a gestão de crises. Um dos principais aspectos desse problema são as enormes quantidades de entulho e entulho gerados como resultado dos bombardeios israelenses.[143][144]

Por exemplo, a escala de danos resultantes da Operção Margem Protetora não teve precedentes. Todas as províncias da Faixa de Gaza testemunharam extensos bombardeios aéreos, bombardeios navais e fogo de artilharia, resultando em uma quantidade considerável de entulho. De acordo com estatísticas recentes, mais de 2 milhões de toneladas de entulho foram gerados. Aproximadamente 10 mil casas foram niveladas ao solo, incluindo dois edifícios residenciais de 13 andares. Uma enorme quantidade de destroços permanece espalhada em Gaza. Esforços sérios e um alto orçamento são necessários para lidar com este desafio. Mais importante, e com base em um estudo do PNUMA após a guerra de 2008, os destroços têm grande probabilidade de estar contaminados com HAPs e provavelmente com bifenilas policloradas (PCBs), dioxinas e compostos de furano.[145]

Assistência médica[editar | editar código-fonte]

Hospital Al-Quds, cidade de Gaza, após bombardeio israelense
O trabalhador E.M.S se apressa para tirar o cidadão ferido da ambulância e levá-lo ao Hospital al-Shifa durante a Operação Margem Protetora em 2014

O Hospital al-Shifa ("a cura") foi fundado no distrito de Rimal pelo governo do Mandato Britânico na década de 1940. Instalado em um quartel do exército, originalmente fornecia quarentena e tratamento para doenças febris. Quando o Egito administrou Gaza, este departamento original foi realocado e al-Shifa tornou-se o hospital central da cidade.[146] Quando Israel se retirou da Faixa de Gaza após ocupá-la na Crise de Suez de 1956, o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser fez com que o hospital Al-Shifa fosse ampliado e melhorado. Ele também ordenou o estabelecimento de um segundo hospital no distrito de Nasser com o mesmo nome. Em 1957, o hospital de quarentena e doenças febris foi reconstruído e denominado Hospital Nasser.[85] Hoje, o al-Shifa continua sendo o maior complexo médico de Gaza.[147]

Ao longo do final da década de 1950, uma nova administração de saúde, Bandar Gaza ("Região de Gaza"), foi estabelecida e chefiada por Haidar Abdel-Shafi. Bandar Gaza alugou vários quartos em toda a cidade para instalar clínicas governamentais que forneciam cuidados médicos essenciais.[85]

O Hospital Ahli Arab, fundado em 1907 pela Church Missionary Society (CMS), foi destruído na Primeira Guerra Mundial.[148] Foi reconstruído após a guerra pela CMS e em 1955 tornou-se o Southern Baptist Hospital.[149][150] Em 1982, a Diocese Episcopal de Jerusalém assumiu a liderança e o nome original foi restaurado. O Hospital Al-Quds, localizado no bairro de Tel al-Hawa e administrado pelo Crescente Vermelho Palestino, é o segundo maior hospital de Gaza.[151]

Em 2007, os hospitais sofreram cortes de energia com duração de 8 a 12 horas diárias e o diesel necessário para geradores de energia estava em falta. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a proporção de pacientes que receberam permissão para sair de Gaza para cuidados médicos diminuiu de 89,3% em janeiro de 2007 para 64,3% em dezembro de 2007.[4]

Em 2010, uma equipe de médicos do Hospital al-Durrah em Gaza passou um ano treinando na clínica de fibrose cística do Hospital Hadassah em Jerusalém. Após seu retorno a Gaza, um centro de fibrose cística foi estabelecido em al-Durrah, embora os casos mais graves sejam encaminhados para o Hadassah.[152]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Ruínas do Aeroporto Internacional Yasser Arafat no sul da Faixa de Gaza

A Rodovia Costeira Rasheed percorre o litoral de Gaza e a conecta com o resto da costa da Faixa de Gaza ao norte e ao sul. A principal rodovia da Faixa de Gaza, Rodovia Salah al-Din (a moderna Via Maris) passa pelo meio da cidade de Gaza, conectando-a com Deir al-Balah, Khan Yunis e Rafah no sul e Jabalia e Beit Hanoun no norte.[153] O cruzamento ao norte da rua Salah ad-Din em direção a Israel é a passagem de Erez e o cruzamento para o Egito é a passagem de Rafah .

A Rua Omar Mukhtar é a estrada principal da cidade de Gaza que segue de norte a sul, ramificando-se na Rua Salah ad-Din, que se estende desde a costa de Rimal até a Cidade Velha, onde termina no Mercado de Ouro.[78] Antes do bloqueio da Faixa de Gaza, existiam linhas regulares de táxis coletivos para Ramala e Hebron na Cisjordânia. Exceto para carros particulares, a Cidade de Gaza é servida por táxis e ônibus.[154]

O Aeroporto Internacional Yasser Arafat perto de Rafa foi inaugurado em 1998 com 40 km ao sul de Gaza. Suas pistas e instalações foram danificadas pelas Forças de Defesa de Israel em 2001 e 2002, tornando o aeroporto inutilizável. Em agosto de 2010, a pista de asfalto foi destruída por palestinos em busca de pedras e materiais de construção reciclados.[155] O Aeroporto Internacional Ben Gurion em Israel está localizado a cerca de 75 km a nordeste da cidade.[154]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Centros culturais e museus[editar | editar código-fonte]

Biblioteca e Centro Cultural de Nehru na Universidade Al-Azhar em Gaza

O Centro Cultural Rashad Shawa, localizado em Rimal, foi concluído em 1988 e recebeu o nome de seu fundador, o ex-prefeito Rashad al-Shawa.[156] Um edifício de dois andares e planta triangular, o centro cultural desempenha três funções principais: ponto dpara grandes encontros durante os festivais anuais, local de realização de exposições e biblioteca.[157] O Centro Cultural Francês é um símbolo da parceria e cooperação francesa em Gaza. Abriga exposições de arte, concertos, exibição de filmes e outras atividades. Sempre que possível, artistas franceses são convidados a expor suas obras e, com mais frequência, artistas palestinos da Faixa de Gaza e da Cisjordânia são convidados a participar de competições de arte.[158]

Fundada em 1998, a Vila de Artes e Ofícios é um centro cultural infantil com o objetivo de promover a documentação abrangente, regular e periódica da arte criativa em todas as suas formas. O projeto interagiu em grande escala com uma turma de artistas de diversas nacionalidades e organizou cerca de 100 exposições de arte criativa, cerâmica, gráfica, talha, entre outros. Quase 10 mil crianças de toda a Faixa de Gaza se beneficiaram com a iniciativa.[159]

O Teatro de Gaza, financiado por contribuições da Noruega, foi inaugurado em 2004. [160] O teatro não recebe muito financiamento do PNA, dependendo principalmente de doações de agências de ajuda externa. A Fundação AM Qattan, uma instituição de caridade artística palestina, oferece vários workshops em Gaza para desenvolver jovens talentos artísticos e transmitir habilidades dramáticas aos professores. O Festival de Teatro de Gaza foi inaugurado em 2005.[161]

O Museu de Arqueologia de Gaza, fundado por Jawdat N. Khoudary, foi inaugurado no verão de 2008. A coleção do museu apresenta milhares de itens, incluindo uma estátua de Afrodite em um vestido diáfano, imagens de outras divindades antigas e lâmpadas de óleo com menorá.[162]

Culinária[editar | editar código-fonte]

A culinária de Gaza é caracterizada pelo uso generoso de especiarias e pimentas. Outros sabores e ingredientes importantes incluem endro, acelga, alho, cominho, lentilha, grão de bico, romã, ameixa azeda e tamarindo. Muitos dos pratos tradicionais dependem do cozimento em panela de barro, que preserva o sabor e a textura dos vegetais e resulta em uma carne tenra no garfo. Tradicionalmente, a maioria dos pratos de Gaza são sazonais e dependem de ingredientes nativos da área e das aldeias vizinhas. A pobreza também desempenhou um papel importante na determinação de muitos dos pratos e guisados simples sem carne da cidade, como saliq wa adas ("acelga e lentilhas") e bisara (feijão fava sem pele amassado com folhas secas de mulukhiya e pimentões).[163]

Sumaghiyyeh, prato típico de Gaza e que mistura de sumagre, tahina e água combinada com acelga, pedaços de carne e grão de bico

Frutos do mar são um aspecto-chave da vida de Gaza e um alimento básico local. Alguns pratos de frutos do mar bem conhecidos incluem zibdiyit gambari, literalmente, "camarões em uma panela de barro" e shatta, que são caranguejos recheados com molho de pimenta malagueta vermelha, então assado no forno. O peixe é frito ou grelhado depois de recheado com coentro, alho, pimenta e cominho e marinado com temperos diversos. É também um ingrediente-chave em sayyadiya, arroz cozido com cebola caramelizada, uma quantidade generosa de dentes de alho inteiros, grandes pedaços de peixe frito bem marinado e especiarias como açafrão, canela e cominho. Muitos dos refugiados da era de 1948 eram fellahin ("camponeses") que comiam alimentos sazonais. Sumaghiyyeh, popular em Gaza não apenas no Ramadã, mas durante todo o ano, é uma mistura de sumagre, tahina e água combinada com acelga, pedaços de carne e grão de bico. O prato é coberto com sementes de endro trituradas, pimenta e alho frito e servido em tigelas. Maftool é um prato à base de trigo aromatizado com ameixas azedas secas que é servido como cuscuz ou moldado em pequenas bolas e cozido no vapor sobre um ensopado ou sopa.[164]

A maioria dos restaurantes de Gaza estão localizados no distrito de Rimal. O al-Andalus, especializado em peixes e frutos do mar, é popular entre os turistas, assim como al-Sammak e o sofisticado Roots Club.[165] O Atfaluna é um restaurante estiloso perto do porto de Gaza, administrado por surdos e com o objetivo de construir uma sociedade que aceite mais as pessoas com deficiência.[127]

Em toda a Cidade Velha, há barracas de rua que vendem feijão cozido, homus, batata-doce assada, falafel e espetadas. Os cafés (qahwa) servem café e chá árabes. As lojas de doces bem conhecidas de Gaza, Saqqala e Arafat, vendem doces árabes comuns e estão localizadas perto da Rua Wehda. O álcool é uma raridade, encontrada apenas no Clube de Praia das Nações Unidas.[166]

Trajes e bordados[editar | editar código-fonte]

Tapete de lã gazan

Acredita- se que a gaze tenha se originado em Gaza. O pano para o thob de Gaza era frequentemente tecido nas proximidades de Majdal (Ascalão). Algodão preto ou azul ou tecido listrado rosa e verde que foram feitos em Majdal continuaram a ser tecidos em toda a Faixa de Gaza por refugiados das vilas da planície costeira até a década de 1960. Thobs tinha mangas estreitas, justas e retas. O bordado era muito menos denso do que o aplicado em Hebron. Os motivos mais populares incluem: tesouras (muqass), pentes (mushut) e triângulos (hijab), muitas vezes dispostos em grupos de cincos, setes e três, já que o uso de números ímpares é considerado no folclore árabe como eficaz contra o mau-olhado.[167]

Por volta de 1990, o Hamas e outros movimentos islâmicos procuraram aumentar o uso do hijab ("lenço de cabeça") entre as mulheres de Gaza, especialmente mulheres urbanas e educadas, e os estilos de hijab desde então introduzidos variaram de acordo com a classe e a identidade de grupo.[168]

Esportes[editar | editar código-fonte]

O Estádio Palestina, o estádio nacional palestino, está localizado em Gaza e tem capacidade para 10 mil pessoas. É a casa da Seleção Palestina de Futebol, mas os jogos em casa foram disputados em Doha, no Catar.[169] Gaza tem vários times de futebol locais que participam da Liga da Faixa de Gaza. Eles incluem Khidmat al-Shatia (acampamento al-Shati), Ittihad al-Shuja'iyya (bairro de Shuja'iyya), Clube de Esportes de Gaza e al-Zeitoun (bairro de Zeitoun).[170]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Gaza City».

Referências

  1. «Gaza (Gaza Strip)». International Dictionary of Historic Places. 4. Fitzroy Dearborn Publishers. 1996. pp. 87–290 
  2. Gaza Benefiting From Israel Easing Economic Blockade. HuffPost. Acessado em 1 de junho de 2021.
  3. Gaza Border Opening Brings Little Relief. HuffPost. Acessado em 1 de junho de 2021.
  4. a b c d e «The Gaza Strip: A Humanitarian Implosion» (PDF). Oxfam. Consultado em 19 de janeiro de 2009. Cópia arquivada (PDF) em 24 de dezembro de 2013 
  5. H. Jacob Katzenstein (1982). «Gaza in the Egyptian Texts of the New Kingdom». Journal of the American Oriental Society. 102: 111–113. JSTOR 601117. doi:10.2307/601117 
  6. Masalha, Nur (2018). Palestine: A Four Thousand Year History. [S.l.]: Zed Books Ltd. ISBN 9781786992758 
  7. Shahin, 2005, p. 414.
  8. Dumper et al., 2007, p. 155.
  9. Alan Johnston (22 de outubro de 2005). «Gaza's ancient history uncovered». BBC news. Consultado em 16 de fevereiro de 2009 
  10. a b c Filfil, Rania; Louton, Barbara (Setembro de 2008). «The Other Face of Gaza: The Gaza Continuum». This Week in Palestine. This Week in Palestine. Consultado em 30 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2009 
  11. Michael G. Hasel (1998) Domination and Resistance: Egyptian Military Activity in the Southern Levant, Ca. 1300–1185 B.C. BRILL, ISBN 90-04-10984-6 p 258
  12. a b c d e f g «Gaza – (Gaza, al -'Azzah)». Studium Biblicum Franciscanum – Jerusalem. 19 de dezembro de 2000. Consultado em 16 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 28 de julho de 2012 
  13. a b Ring and Salkin, 1994, p.287.
  14. Patai, 1999, p. 149.
  15. Shatzman, 1991, p. 79.
  16. Patai, 1999, p. 142.
  17. Dowling, 1913, p. 33
  18. a b Doughty, Dick (Novembro de 2006). «Gaza: Contested Crossroads». This Week in Palestine. Consultado em 30 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2011 
  19. a b c Remondino (5 de junho de 2007). «Gaza at the crossroads of civilisations» (PDF). Exhibition: Gaza at the crossroads of civilisations. Genebra, Suíça: Art and History Museum. Consultado em 23 de janeiro de 2008 
  20. Jennifer Lee Hevelone-Harper (1997) Disciples of the Desert: Monks, Laity, and Spiritual Authority in Sixth-century Gaza (JHU Press) ISBN 0-8018-8110-2 pp 11- 12
  21. Hagith Sivan (2008) Palestine in late antiquity Oxford University Press, ISBN 0-19-928417-2 p 337
  22. Andrea Sterk (2004) Renouncing the World Yet Leading the Church: The Monk-bishop in Late Antiquity Harvard University Press, ISBN 0-674-01189-9 p 207
  23. Gerald Butt (1995) Life at the crossroads: a history of Gaza Rimal Publications, ISBN 1-900269-03-1 p 70
  24. Kaegi, W. Byzantium and the early Islamic conquests, p. 95
  25. a b Pringle, 1993, p. 208
  26. J.S. Tunison: "Dramatic Traditions of the Dark Ages", Burt Franklin, New York, p.11
  27. «King David playing the lyre». Consultado em 28 de abril de 2017. Cópia arquivada em 17 de maio de 2017 
  28. a b Filiu, 2014, pp. 18–19.
  29. Filiu, 2014, pp. 23.
  30. a b c Ring and Salkin, 1994, p. 289.
  31. Gil, 1992, p.292.
  32. a b Sharon, 2009, pp. 17-18
  33. Dowling, 1913, p. 37
  34. al-Muqaddasi quoted in le Strange, 1890, p. 442
  35. Gil, 1992, p.349.
  36. Yaqut al-Hamawi quoted in le Strange, 1890, p. 442
  37. Sharon, 1997, pp.XII-XIII.
  38. Sharon, 2009, p. 26
  39. Sharon, 2009, p. 87
  40. Meyer, 1907, p. 83
  41. a b c d e f Ring and Salkin, 1994, p.290.
  42. Ibn Battuta quoted in le Strange, 1890, p. 442
  43. Elkan Nathan Adler (1987) [1930]. Jewish Travellers in the Middle Ages. [S.l.]: Dover. pp. 180–181 
  44. Ze'evi, 1996, p.2.
  45. Doumani, 1995, p.35.
  46. Ze'evi, 1996, p.40.
  47. Ze'evi, 1996, p.53.
  48. Dowling, 1913, pp. 70-71
  49. Meyer, 1907, p. 98
  50. Ze'evi, 1996, p.41.
  51. a b Robinson, 1841, vol 2, pp. 374-375
  52. a b c Robinson, 1841, vol 2, pp. 377–378
  53. Robinson, 1841, vol 2, p. 378
  54. Robinson, 1841, p.38.
  55. a b c d e f g h i Dumper and Abu-Lughod, 2007, p.155.
  56. «Palestine, Israel and the Arab-Israeli Conflict A Primer». Middle East Research Information Project. Consultado em 19 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2009 
  57. Feldman, 2008, pp.8–9.
  58. Roy, Sara. «The Economy of Gaza». Counter Punch. Consultado em 19 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2008 
  59. a b «Gaza crisis: key maps and timeline». BBC News. 6 de janeiro de 2009. Consultado em 16 de junho de 2009 
  60. «Abbas sacks Hamas-led government». BBC News. 15 de julho de 2007. Consultado em 19 de janeiro de 2009 
  61. «Human rights coalition: Gaza at worst since 1967». CNN. 6 de março de 2008. Consultado em 19 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 6 de maio de 2008 
  62. Sharp, Heather (5 de janeiro de 2009). «Gaza conflict: Who is a civilian?». BBC News. Consultado em 19 de janeiro de 2009 
  63. Lappin, Yaakov (26 de março de 2009). «IDF releases Cast Lead casualty numbers». The Jerusalem Post. Consultado em 6 de junho de 2012 
  64. «Rocket salvo tests Gaza ceasefire». BBC News. 16 de janeiro de 2009. Consultado em 19 de janeiro de 2009 
  65. Najjar, Nasser and Lynch, Sarah. Cease-fire brings hope to weary residents of Gaza. USA Today. 2012-11-21.
  66. «Occupied Palestinian territory, Gaza Crisis». Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários. 15 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 25 de julho de 2015 
  67. Rudoren, Jodi (5 de agosto de 2014). «Civilian or Not? New Fight in Tallying the Dead From the Gaza Conflict». Consultado em 28 de abril de 2017 – via NYTimes.com 
  68. «Rockets target Tel Aviv after Gaza tower destroyed». BBC News (em inglês). 11 de maio de 2021. Consultado em 12 de maio de 2021 
  69. a b «Gaza». Global Security. Consultado em 25 de janeiro de 2009 
  70. «Gaza City». Gaza Municipality. Consultado em 16 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 20 de junho de 2008 
  71. Distance from Gaza to Tel Aviv Arquivado em 2011-06-11 no Wayback Machine. and Distance from Gaza to Jerusalem Arquivado em 2011-06-11 no Wayback Machine. Time and Date AS.
  72. Welcome to Rafah Palestine Remembered.
  73. a b «Satellite View of Gaza». Palestine Remembered. Consultado em 19 de janeiro de 2009 
  74. Lipchin, 2007, p.109.
  75. Chilton, 1999, p.77.Trecho do relatório de Mohammad R. Al-Agha da Universidade Islâmica de Gaza.
  76. Briggs, 1918, p.258.
  77. Pringle, 1993, p. 209
  78. a b c d e Sheehan, 2000, p. 429.
  79. a b Sharon, 2009, p. 31
  80. El-Haddad, Laila (Dezembro de 2006). «Hammat al-Sammara/Hammam es-Samara/Sammara Public Baths». This Week in Palestine. Consultado em 16 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2011 
  81. a b c Gaza Strip: Communities and Neighborhoods Map (PDF) (Mapa) 2009 ed. Cópia arquivada (PDF) em 19 de fevereiro de 2009 
  82. a b Sharon, 2009, p. 30
  83. a b Butt, 1995, p. 9.
  84. a b «Travel in Gaza». MidEastTravelling. Consultado em 16 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2013 
  85. a b c Husseini and Barnea, 2002, p.136.
  86. Bitton-Ashkelony, 2004, p. 75.
  87. «Tel Al-Hawa: The invasion and then after». Ma'an News Agency. 17 de janeiro de 2009. Consultado em 16 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2013 
  88. «Monthly Averages for Gaza, Gaza Strip». MSN Weather. Consultado em 15 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2009 
  89. «Appendix I: Meteorological Data» (PDF). Springer. Consultado em 25 de outubro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 4 de março de 2016 
  90. Cohen and Lewis, 1978.
  91. a b Hütteroth and Abdulfattah, 1977, p.52.
  92. a b Meyer, 1907, p.108
  93. a b IIPA, 1966, p. 44.
  94. a b Barron, 1923, p. 6
  95. «Census of Palestine 1931. Population of villages, towns and administrative areas». 1931 Census of Palestine. British Mandate survey in 1931. Consultado em 12 de novembro de 2014 
  96. a b Government of Palestine, Department of Statistics. Village Statistics, April, 1945. Quoted in Hadawi, 1970, p. 45
  97. Department of Statistics, 1945, p. 31[ligação inativa]
  98. Censo do Escritório Israelense de Estatísticas
  99. a b «Gaza Governorate: Palestinian Population by Locality, Subspace and Age Groups in Years». Escritório Palestino de Estatísticas. 1997. Consultado em 19 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2012 
  100. «FAQ». Escritório Israelense de Estatísticas. Consultado em 20 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2013 
  101. «Five militants die in Gaza strike». BBC News. 27 de fevereiro de 2008. Consultado em 19 de janeiro de 2009 
  102. «Militants bomb Gaza YMCA library». BBC News. 15 de fevereiro de 2008. Consultado em 19 de janeiro de 2009 
  103. Omer, Mohammed (9 de fevereiro de 2008). «Gaza's Christian community – serenity, solidarity and soulfulness». Institute for Middle East Understanding. Consultado em 19 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2009 
  104. Gaza, Jewish Encyclopedia
  105. «A Brief History of the Gaza Settlements». Jewish Virtual Library. Consultado em 16 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2007 
  106. «The Disengagement Plan-General Outline». Consultado em 28 de abril de 2017 
  107. Gaza Governorate Home Page Arquivado em 2005-03-09 no Wayback Machine. Governorate of Gaza Official Website.
  108. Former Presidents of the Municipality of Gaza. Municipality of Gaza.
  109. Said al-Shawa, 1906[ligação inativa] Gaza Municipality.
  110. Tessler M (1994). «Ch. 3: The Conflict Takes Shape». A History of the Israeli-Palestinian Conflict. [S.l.: s.n.] ISBN 0253208734 
  111. Anderson, John. Hamas Dominates Local Vote in Gaza Washington Post. 2005-01-29.
  112. How Hamas took over the Gaza Strip BBC News.
  113. New Gaza City mayor to start job Sunday Arquivado em 2014-04-08 no Wayback Machine.. Maan News Agency. 2014-04-09.
  114. «Tel Aviv Decides to Retain Contract With Gaza City as Twin City'». 10 de fevereiro de 2008. Consultado em 28 de abril de 2017 – via Haaretz 
  115. «La Communauté Urbaine de Dunkerque a signé des accords de coopération avec». Hôtel de ville de Dunkerque – Place Charles Valentin – 59140 Dunkerque. Consultado em 28 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2007 
  116. Pessotto, Lorenzo. «International Affairs – Twinnings and Agreements». International Affairs Service in cooperation with Servizio Telematico Pubblico. City of Torino. Consultado em 6 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 18 de junho de 2013 
  117. «خبرگزاری جمهوری اسلامی». .irna.ir. Consultado em 26 de março de 2013. Cópia arquivada em 26 de março de 2013 
  118. «Vennskapsbyer». Tromsø kommune, Postmottak, Rådhuset, 9299 Tromsø. Consultado em 28 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2007 
  119. «Cidades Geminadas». Câmara Municipal de Cascais. Consultado em 28 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2007 
  120. «Barcelona internacional – Ciutats agermanades» (em espanhol). Ajuntament de Barcelona. Consultado em 13 de julho de 2009. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2009 
  121. «Cáceres prepara su hermanamiento con la palestina Gaza» (em espanhol). © 2010 El Periódico de Extremadura. Consultado em 1 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2010 
  122. "As the Israeli blockade eases, Gaza goes shopping", Donald Macintyre, 26 July 2010, The Independent
  123. "1st Gaza mall attracts thousands; Despite siege, new shopping center in Strip opened its doors last Saturday to enthusiastic crowds, offering international brands, much-needed air-conditioning. Mall's manager promises affordable prices tailored for local residents", Ali Waked, 07.20.10, Ynet.
  124. «Gaza Strip». New York Times. 28 de agosto de 2012. Consultado em 18 de outubro de 2012 
  125. «Archived copy». Consultado em 8 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2010 
  126. Jacobs, 1994, p.454
  127. a b Editorial, Reuters. «Gaza deaf restaurant a chance to change perceptions». Consultado em 28 de abril de 2017 
  128. Palestinian Population (10 Years and Over) by Locality, Sex and Educational Attainment Arquivado em 2008-11-19 no Wayback Machine. Escritório Israelense de Estatísticas.
  129. «Statistics About General Education in Palestine» (PDF). Ministério da Educação da Autoridade Nacional Palestina. Consultado em 24 de abril de 2008. Cópia arquivada (PDF) em 29 de maio de 2008 
  130. Gaza Educational Region Arquivado em 2009-07-03 no Wayback Machine. Al-Quds Open University.
  131. «The municipal public library». Gaza Municipality [ligação inativa]
  132. Jacobs, 1998, p.451
  133. Porter and Murray, 1868, p.250.
  134. Sayyed Hashem Mosque Arquivado em 2008-12-24 no Wayback Machine. Web Gaza.
  135. Jacobs, 1998, p.455.
  136. Gaza War Cemetery at the Commonwealth War Graves Commission
  137. The outcome of the unjust embargo on the work of the municipal Gaza Municipality.
  138. Lipchin, Clive; Pallant, Eric; Saranga, Danielle; Amster, Allyson (2007). Integrated Water Resources Management and Security in the Middle East. [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 978-1-4020-5986-5 
  139. Published: March 09, 2002 (9 de março de 2002). «Enron Sought To Raise Cash Two Years Ago – Page 2 – New York Times». Nytimes.com. Consultado em 26 de março de 2013 
  140. «Gaza Power Plant». Gisha.org. 3 de fevereiro de 2010. Consultado em 26 de março de 2013. Cópia arquivada em 11 de maio de 2013 
  141. «AFP: Cut Gaza power supply to boost Israel grid: minister». 13 de maio de 2012. Consultado em 26 de março de 2013 
  142. «'Egypt, Hamas agree to link electricity grids' | JPost | Israel News». JPost. 23 de fevereiro de 2012. Consultado em 26 de março de 2013 
  143. Salemdeeb, Ramy (2013). «Gaza's Challenge». CIWM 
  144. «Gaza's Challenge». CIWM journal. 25 de abril de 2013. Consultado em 18 de abril de 2015 
  145. «Gaza: Toil & Rubble». CIWM journal. 16 de dezembro de 2014. Consultado em 18 de abril de 2015 
  146. Husseini and Barnea, 2002, p.135.
  147. «Al-Shifa Hospital and Israel's Gaza Siege». Defence For Children International, Palestine Section. 16 de julho de 2006. Consultado em 16 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2009 
  148. «Al Ahli Arab Hospital». Bible Lands. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2007 
  149. «CHURCH MISSIONARY SOCIETY ARCHIVE Section IX: Middle East Missions». Consultado em 4 de junho de 2020. Cópia arquivada em 4 de junho de 2020 
  150. Husseini and Barnea, 2002, p.34.
  151. Frenkel, Sheera (15 de janeiro de 2009). «UN headquarters in Gaza hit by Israeli 'white phosphorus' shells». Times Online. London. Consultado em 24 de maio de 2009 
  152. «Secret medical service». Haaretz 
  153. Sheehan, 2000, p.428.
  154. a b About Gaza City Gaza Municipality. Arquivado em 20 de junho de 2008 no Wayback Machine.
  155. «Gazans rip apart airport tarmac». Consultado em 28 de abril de 2017 
  156. Rashad Shawa Cultural Center Gaza Municipality.
  157. Rashad Shawa Cultural Center Arquivado em 2009-08-02 no Wayback Machine. Archnet Digital Library.
  158. Abdel-Shafi, Sami. Promoting culture and hope in Gaza Institute for Middle East Understanding republishing of This Week in Palestine. Arquivado em 24 de agosto de 2013 no Wayback Machine.
  159. Thomas, Amelia (Setembro de 2006). «Arts and Crafts Village». This Week in Palestine. Consultado em 16 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 20 de julho de 2011 
  160. Edwards, Bob (14 de fevereiro de 2004). «Analasis: New Cinema Opening up in Gaza City». NPR. Consultado em 16 de fevereiro de 2009 
  161. Thomas, Amelia (22 de janeiro de 2005). «Theater thrives in Gaza, despite restrictions». The Christian Science Monitor. Consultado em 16 de fevereiro de 2009 
  162. Bronner, Ethan. Museum Offers Gray Gaza a View of Its Dazzling Past. New York Times, 2008-07-25.
  163. El-Haddad, Laila. The Foods of Gaza Arquivado em 2011-07-24 no Wayback Machine. This Week in Palestine. Junho de 2006.
  164. Albala, Ken (1 de janeiro de 2011). Food Cultures of the World Encyclopedia. [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 9780313376269. Consultado em 28 de abril de 2017 – via Google Books 
  165. «Israel's Gaza Blockade Baffles Both Sides». CBS News. 28 de maio de 2010. Consultado em 10 de agosto de 2010 
  166. Jacobs, 1994, p.456
  167. «Palestine costume before 1948: by region». Palestine Costume Archive. Consultado em 1 de agosto de 2008. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2002 
  168. Rema Hammami. "Women, the Hijab and the Intifada" in Middle East Report, No. 164/165, May–Aug., 1990. JSTOR 3012687
  169. Starmer, Mark. Details for Palestine Stadium, Gaza City Arquivado em 2011-08-08 no Wayback Machine. World Stadia.
  170. Palestina 2005/06 Rec.Sport.Soccer Statistics Foundation.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Gaza