Felá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mercado de cerâmicos, com mesquita e mulheres felás no fundo, em Gizé, subúrbio do Cairo em 1911

Felá[1] (em árabe: فلاح; transl.: fallāḥ; pl. em árabe: فلاحين‎; transl.: fallāḥīn) é um fazendeiro e laborador agrícola do Oriente Médio e Norte da África. A palavra deriva do termo árabe para "lavrador" ou "agricultor".

Uso[editar | editar código-fonte]

Felá foi um termo usado por todo o Oriente Médio no Império Otomano e depois para se referir a aldeões e fazendeiros,[2] com Nur-eldeen Masalha traduzindo-o como "camponês".[3] Devem ser distintos dos efendi, ou proprietários de terra,[4] embora os felás nesse região podem ser arrendatários rurais, pequenos proprietários ou viverem numa vila que possui a terra comunalmente.[5][6] Outros aplicam-o apenas aos trabalhadores sem terra.[7] Também foi usado para descrever aldeões cristão drusos, judeus e muçulmanos.[8]

No Egito, compõem 60% da população[9] e levam vidas humildes e vivem em casas de adobe como seus ancestrais.[10] Seu número aumentou muito no começo do século XX, antes do grande influxo de felás egípcios às cidades. Em 1927, o antropólogo Winifred Blackman, autor de Os Felás do Alto Egito, conduziu pesquisa etnográfica sobre a vida dos fazendeiros do Alto Egito e concluiu que havia continuidades entre a cultura, crenças religiosas e práticas dos felás com a dos antigos egípcios.[11] Por tal continuidade são chamados de "verdadeiros" egípcios.[10]

Referências

  1. Alves 2014, p. 502.
  2. Mahdi 2007, p. 209.
  3. Masalha 2005, p. 78.
  4. Tyler 2001, p. 13.
  5. Cohen 2008, p. 32.
  6. Sufian 2007, p. 57.
  7. Gilsenan 2003, p. 13.
  8. Smith 1918, p. 41.
  9. Editores 2005.
  10. a b Pateman 2003, p. 54.
  11. Faraldi 2000.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alves, Adalberto (2014). «Felá». Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa. Lisboa: Leya. ISBN 9722721798 
  • Cohen, Hillel (2008). Army of Shadows, Palestinian Collaboration with Zionism, 1917–1948. Berkeley: University of California Press 
  • Gilsenan, Michael (2003). Lords of the Lebanese Marches: Violence and Narrative in an Arab Society. Nova Iorque: I.B.Tauris 
  • Mahdi, Kamil A.; Würth, Anna; Lackner, Helen (2007). Yemen Into the Twenty-First Century: Continuity and Change. Nova Iorque: Garnet & Ithaca Press 
  • Masalha, Nur (2005). Catastrophe Remembered: Palestine, Israel and the Internal Refugees: Essays in Memory of Edward W. Said (1935-2003). Londres: Zed Books 
  • Pateman, Robert; El-Hamamsy, Salwa (2003). Egypt. Nova Iorque: Marshall Cavendish Benchmark 
  • Smith, George Adam (1918). Syria and the Holy Land. Nova Iorque: George H. Doran company 
  • Sufian, Sandra Marlene (2007). Healing the Land and the Nation: Malaria and the Zionist Project in Palestine, 1920–1947. Chicago: University of Chicago Press 
  • Tyler, Warwick P. N. (2001). State Lands and Rural Development in mandatory Palestine, 1920–1948. Eastbourne: Sussex Academic Press