Barcelona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Barcelona (desambiguação).
Espanha Barcelona  
—  Município  —
CollageBarcelona.JPG
Bandeira de Barcelona
Bandeira
Brasão de armas de Barcelona
Brasão de armas
Barcelona está localizado em: Espanha
Barcelona
Localização de Barcelona na Espanha
Barcelona está localizado em: Catalunha
Barcelona
Localização de Barcelona na Catalunha
Coordenadas 41° 23' N 2° 10' E
Comunidade autónoma Catalunha
Província Barcelona
Comarca Barcelonès
 - Alcaide Ada Colau (Coligação Barcelona em Comum - ICV, EUiA, Procés Constituent, Podemos, Equo) (2015)
Área
 - Total 101,4 km²
Altitude 9 m
População (2016) [1]
 - Total 1 608 746
    • Densidade 15 865,3 hab./km²
Orago Santa Eulália de Barcelona
Sítio www.barcelona.cat

Barcelona (em catalão: AFI[bərsəˈɫonə]; em espanhol: AFI[barθeˈlona]) é a capital da comunidade autônoma da Catalunha no Reino de Espanha, bem como o segundo município mais populoso do país, com uma população de 1,6 milhão dentro dos limites da cidade.[2] A sua área urbana se estende para além dos limites administrativos da cidade com uma população de cerca de 4,7 milhões de pessoas,[3] sendo a sexta área urbana mais populosa da União Européia, depois de Paris, Londres, Madri, Ruhr e Milão.[4] É a maior metrópole do Mar Mediterrâneo, localizada na costa entre as foz dos rios Llobregat e Besòs, e limitada ao oeste pela Serra de Collserola, cujo pico mais alto é de 512 metros de altura.

Fundada como uma cidade da Roma Antiga, durante a Idade Média Barcelona tornou-se a capital do Condado de Barcelona. Após a fusão com o Reino de Aragão, Barcelona continuou a ser uma cidade importante na Coroa de Aragão como um centro econômico e administrativo real e a capital do Principado da Catalunha. Barcelona possui uma rica herança cultural e é hoje um importante polo cultural e um destino turístico popular. Particularmente conhecidas são as obras arquitetônicas de Antoni Gaudí e Lluís Domènech i Montaner, que foram designadas Patrimônio Mundial da UNESCO. A sede da União para o Mediterrâneo está localizada em Barcelona. A cidade é conhecida por hospedar os Jogos Olímpicos de Verão de 1992, bem como conferências e exposições de classe mundial e também muitos torneios de esporte internacional.

Barcelona é um dos principais centros turísticos, econômicos, comerciais e culturais do mundo, sendo que sua influência no comércio, educação, entretenimento, mídia, moda, ciência e artes contribuem para o seu estatuto como uma das principais cidades mundiais.[5][6] É um importante centro cultural e econômico na Península Ibérica, 24º no mundo (antes de Zurique e depois de Frankfurt)[7] e um centro financeiro. Em 2008, tinha o quarto maior PIB urbano na União Européia e o 35º no mundo, com o PIB no valor de 177 bilhões de dólares.[8]

Em 2009, a cidade foi classificada como a quarta melhor cidade da Europa para os negócios.[9] Desde 2011, Barcelona tem sido considerada uma cidade inteligente líder no continente europeu.[10] A capital catalã é um centro de transporte, sendo que seu porto é um dos mais movimentados da Europa;[11] um aeroporto internacional, o Aeroporto de Barcelona-El Prat, que atende mais de 40 milhões de passageiros por ano;[12] uma rede de autoestradas e uma linha ferroviária de alta velocidade com ligação para a França e o resto da Europa.[13]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Barcelona deriva do antigo ibero-fenício barkeno, inscrito em uma antiga moeda em alfabeto ibérico como Barkeno em caractéres Iberos[14] em grego antigo como Βαρκινών (Barkinṓn)[15] e em latim como Barcino, Barcilonum[16] e Barceno.[17]

Durante a Idade Média, a cidade ficou conhecida como Barchinona, Barçalona, Barchelona e Barchenona.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História de Barcelona

Os primeiros vestígios de povoamento em Barcelona remontam ao final do período Neolítico (2 000 a 1 500 a.C.). Barcino foi a cidade dos laietanos (um povo ibero) e deu origem à cidade de Barcelona. Estava situada perto do Rio Rubricato (atualmente, conhecido como Rio Llobregat). Uma lenda atribui sua fundação a Hércules, quatrocentos anos antes da fundação de Roma. A cidade foi, supostamente, refundada por Amílcar Barca, que lhe teria dado o nome. Os cartagineses ocuparam a região durante a Segunda Guerra Púnica. Aparentemente, por essa mesma época teria existido uma colônia grega (Calípolis) na região, apesar de os historiadores discordarem sobre a sua localização exata.[carece de fontes?]

Em sentido estrito, Barcelona teria sido fundada pelos romanos no final do século I a.C., sobre o mesmo assentamento ibérico anterior onde já se haviam instalado anteriormente desde o ano 218 a.C., e teria sido convertida numa fortificação militar, chamada de "Júlia Augusta Paterna Favência Barcino" (IVLIA AVGVSTA PATERNA FAVENTIA BARCINO), que estava situada sobre o então chamado MONS TABER, uma pequena elevação onde hoje está situada a catedral da cidade e a Praça de São Tiago. No século II, as suas muralhas foram construídas por ordem do Cláudio e, já no início do século III, a população de Barcino estava estimada entre 4 000 e 8 000 habitantes.[carece de fontes?]

No 415, Barcelona foi ocupada pelos visigodos do rei Ataúlfo (r. 410–415) provenientes da Itália. No século VIII, a cidade foi conquistada pelo uale de al-Andalus Alhor ibne Abdal Ramane al-Tacafi e iniciou-se um período de quase um século de domínio muçulmano, que terminou em 801, quando foi ocupada pelos carolíngios de Carlos Magno (r. 768–814). Os carolíngios a converteram em capital do Condado de Barcelona. A potência econômica da cidade e a sua localização estratégica fizeram com que os muçulmanos voltassem em 985, comandados por Almançor, ocupando-a durante alguns meses, saqueando a cidade, destruindo até às fundações igrejas e a muralha, incendiando os edifícios, além de matarem milhares de pessoas e de escravizarem e transportarem para sul outra parte da população.[carece de fontes?]

Barcelona em 1563

A partir do século XIV, a cidade iniciou uma era de decadência que se estendeu durante os séculos seguintes. A união dos reinos de Aragão e Castela, oficializada com o casamento entre os reis Fernando de Aragão e Isabel de Castela, gerou um ambiente tenso entre catalães e castelhanos que chegou ao momento mais crítico com a Guerra dos Segadores (de 1640 a 1652) e, posteriormente, com a Guerra da Sucessão Espanhola (de 1702 a 1714), que terminou com a abolição das leis institucionais próprias da Catalunha, com a destruição de boa parte do bairro da Ribera e com a construção, em seu lugar, da fortaleza conhecida como Cidadela (no local do atual Parque da Cidadela).[carece de fontes?]

A partir do fim do século XVIII, Barcelona iniciou uma recuperação econômica que lhe favoreceu a industrialização progressiva do século seguinte. A segunda metade do século XIX coincidiu com o projeto de derrubada das muralhas antigas que envolviam a cidade. Cidades próximas a Barcelona foram, então, incorporadas à mesma. Foram incorporadas à "Grande Barcelona" as cidades de Gràcia, Sarrià, Horta, Sant Gervasi de Cassoles, Les Corts, Sants, Sant Andreu de Palomar e Sant Martí de Provençals. Isso permitiu que a cidade executasse o projeto do Eixample e desenvolvesse sua indústria, feitos que lhe permitiram entrar no século XX como um dos centros urbanos mais avançados de Espanha. Foi sede de duas exposições universais: uma em 1888 e outra em 1929.[carece de fontes?]

A escalada da Guerra Civil Espanhola e a derrota das forças republicanas tornaram o panorama desfavorável novamente, uma vez que Barcelona se havia posto ao lado da república. No final de 1939, as tropas franquistas ocuparam a cidade na última fase da guerra.[carece de fontes?]

Depois de um pós-guerra duro para Barcelona, teve início uma fase de desenvolvimento sob o mandato do prefeito Josep María de Porcioles i Colomer. Toda a região próxima à cidade que ainda mantinha alguma tradição agrícola e rural aos poucos foi se urbanizando, com grandes bairros cheios de imigrantes procedentes de outras partes da Península Ibérica. Restaurada a democracia após a morte do ditador Franco, um novo desenvolvimento cultural e urbanístico aconteceu, com uma crescente participação da população civil, dotando a cidade de uma infraestrutura digna de uma metrópole moderna, cosmopolita e atrativa para o turismo. Nessa última etapa, celebraram-se os Jogos Olímpicos de Verão de 1992 e o Fórum Universal das Culturas em 2004.[carece de fontes?]

Em 17 de agosto de 2017, uma van foi jogada contra pedestres em La Rambla, matando 15 pessoas e ferindo outras 100. Alguns suspeitos pelo atentado em Barcelona foram mortos pela polícia catalã em Cambrils. O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, chamou o ataque em Barcelona de um ataque jihadista. A Amaq News Agency atribuiu a responsabilidade indireta pelo ataque ao Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS).[18][19][20]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Barcelona vista por satélite

Barcelona está localizada na costa nordeste da Península Ibérica, de frente para o Mar Mediterrâneo, em uma planície de aproximadamente 5 km largamente limitada pela cordilheira de Collserola, o rio Llobregat a sudoeste e o rio Besòs ao norte.[21] Esta planície cobre uma área de 170 quilômetros quadrados,[21] dos quais 101 km² são ocupados pela própria cidade.[22]

Em seu topo, está localizado o Tibidabo, a planície e os deltas dos rios Besòs e Lobregat, que, juntamente com o litoral, delimitam seu território. Localiza-se cerca de 160 quilômetros ao sul das montanhas dos Pirenéus. A população da cidade é de 1 595 110 habitantes (estimativa em 2006), sendo que a população da área metropolitana é de 3 161 081 (estimativa em 2006). A população da província é de 5 226 354 (estimativa em 2005), mas cobre apenas 7 773 quilômetros quadrados da cidade.

Clima[editar | editar código-fonte]

Barcelona tem um clima mediterrânico[23] (classificação climática de Köppen: Csa), com invernos suaves e úmidos e verões quentes e secos.[24] Sua temperatura média anual é de 21°C durante o dia e 14 °C à noite. A temperatura média anual do mar é de cerca de 20 °C. No mês mais frio - janeiro - a temperatura tipicamente varia entre 7 até 17 °C durante o dia e de 4 a 10 °C durante a noite, enquanto a temperatura média do mar fica em torno de 13 °C.[25]

No mês mais quente - agosto - a temperatura varia entre 26 a 32 °C durante o dia, cerca de 23 °C durante a noite e temperatura média do mar de 26 °C.[25] Geralmente a temporada mais quente dura cerca de seis meses, de maio a outubro. Dois meses - abril e novembro - são de transição; por vezes, a temperatura fica superior a 20 °C, com uma temperatura média de 18-19 °C durante o dia e de 10-13 °C durante a noite. Dezembro, janeiro e fevereiro são os meses mais frios, com temperaturas médias em torno de 15 °C durante o dia e de 9 °C à noite. Grandes flutuações de temperatura são raras, especialmente nos meses de verão. Por causa da proximidade com o mar quente, geadas são muito pouco frequentes na cidade. Na verdade, apenas um dia nos últimos 30 anos foi registrada uma temperatura abaixo de zero.[26]

A umidade relativa média anual é de 72%, variando de 69% em julho para 75% em outubro. Os totais de precipitação são maiores no outono e menores no início do verão. A duração da luz do sol é 2 524 horas por ano, de 138 (média de 4,5 horas de sol por dia) em dezembro para 310 (média de 10 horas de sol por dia) em julho.[27]

Vista panorâmica de Barcelona a partir do Tibidabo

Demografia[editar | editar código-fonte]

Panorama do centro de Barcelona.

De acordo com o Conselho Municipal de Barcelona, ​​a população da cidade 1 de janeiro de 2016 era de 1 608 746 pessoas,[28] em uma área de terra de 101,4 km². É o principal componente da área administrativa da Grande Barcelona, ​​com uma população de 3 218 071 habitantes em uma área de 636 quilômetros quadrados (densidade de 5060 hab/km²). A população da área urbana era de 4 223 000 habitantes. É o núcleo central da área metropolitana de Barcelona, ​​que conta com uma população de 5 083 000.[29][30]

O espanhol é a língua mais falada em Barcelona (de acordo com o censo linguístico realizado pelo Governo da Catalunha em 2013) e é entendido quase universalmente. Após o espanhol, a língua catalã é a segunda mais falada na cidade e é compreendida por 95% da população, enquanto 72,3% podem falar, 79% podem lê-la e 53% podem escrevê-la, graças ao sistema educacional de imersão linguística.[31]

Em 1900, Barcelona tinha uma população de 533 mil pessoas,[21] que cresceu de forma constante, mas lenta, até 1950, quando começou a absorver um grande número de pessoas de outras partes menos industrializadas da Espanha. A população de Barcelona atingiu o pico em 1979 com 1 906 998 pessoas e caiu durante os anos 1980 e 1990, à medida que mais pessoas procuravam uma maior qualidade de vida nas cidades periféricas da Grande Barcelona. Depois de atingir o fundo em 2000 com 1 496 266 pessoas, a população da cidade começou a aumentar de novo à medida que os jovens começaram a retornar, causando um grande aumento nos preços da habitação.[32]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Prefeitura de Barcelona

Como a capital da comunidade autônoma da Catalunha, Barcelona é a sede do governo catalão, conhecido como Generalitat de Catalunya; destacam-se o poder executivo, o parlamento e o Supremo Tribunal da Catalunha. A cidade é também a capital da província de Barcelona e da comarca de Barcelonès (distrito).

A cidade é governada por um conselho municipal formado por 41 conselheiros, eleitos por um mandato de quatro anos por sufrágio universal. Como uma das duas maiores cidades de Espanha, o Barcelona está sujeito a uma lei especial articulada através da Carta Municipal (Lei Municipal). Uma primeira versão desta lei foi aprovada em 1960 e alterada posteriormente, mas a versão atual foi aprovada em março de 2006.[33] De acordo com esta lei, o conselho da cidade de Barcelona é organizado em dois níveis: político, com conselheiros eleitos, e um executivo, que administra os programas e executa as decisões tomadas a nível político.[34] Esta lei também dá ao governo local um relacionamento especial com o governo central e também dá ao prefeito prerrogativas mais amplas por meio de comissões executivas municipais.[35]

A Comissió de Govern (comissão governamental) é o poder executivo, formado por 24 conselheiros, liderados pelo prefeito, com 5 tenentes-prefeitos e 17 conselheiros municipais, cada um a cargo de uma área de governo e 5 conselheiros não eleitos.[36] O plenário, formado pelos 41 conselheiros municipais, tem funções de assessoria, planejamento, regulação e fiscalização executiva.[37]

O Poder Executivo é liderado por um Diretor Executivo Municipal Principal que responde ao Prefeito. É composto por departamentos que são legalmente parte do conselho da cidade e por entidades jurídicas separadas de dois tipos: departamentos públicos autônomos e empresas públicas.[38]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Barcelona mantém uma relação de irmandade com as seguintes cidades:[39]

Entretanto, desde meados da década de 1990, Barcelona tem optado por minimizar os novos acordos de irmandade e pôr ênfase em convênios de amizade e cooperação, com objetivos concretos e mensuráveis. Esses convênios de cooperação foram firmados com as seguintes cidades:[40]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Distritos de Barcelona

Barcelona cresceu e anexou municípios vizinhos que atualmente são bairros da cidade. Destacam-se a contribuição do engenheiro Ildefons Cerdà e a ordenação urbanística da cidade.

Barcelona está dividida em dez distritos (enumeram-se alguns bairros históricos):

  • Ciutat Vella: Raval, bairro Gótico, Ribera e a Barceloneta.
  • L'Eixample: Sant Antoni, Esquerra de Eixample, Dreta de Eixample, Sagrada Família, Fort Pienc.
  • Sants-Montjuïc: Can Tunis, Montjuïc, Badal, Hostafrancs, Bordeta, Sants, Poble Sec, Zona Franca, Font de la Guatlla.
  • Les Corts: Les Corts, Pedralbes, Sant Ramon.
  • Sarrià - Sant Gervasi: Sarrià, Galvany, Sant Gervasi de Cassoles, El Putxet, Três Torres, Bonanova, Vallvidrera, Les Planes.
  • Gràcia: Vallcarca, Penitents, Salut, Gràcia, Camp d'en Grassot.
  • Horta-Guinardó: Horta, Carmel, Teixonera, Can Baró, Font d'en Fargas, Guinardó, Vall d'Hebron, Montbau, Sant Genís dels Agudells, Baix Guinardó.
  • Nou Barris: Vallbona, Ciutat Meridiana, Torre Baró, Canyelles, Roquetes, Trinitat Nova, Prosperitat, Guineueta, Verdum, Turó de la Peira, Vilapicina.
  • Sant Andreu: Congrés, La Sagrera, Sant Andreu de Palomar, Bon Pastor, Trinitat Vella.
  • Sant Martí: Sant Martí de Provençals, Clot, Camp de l'Arpa, Poble Nou, Vila Olímpica, Besòs, Verneda, Ciutadella, Nova Icària, Diagonal Mar.

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro de Barcelona

A área metropolitana de Barcelona compreende mais de 66% dos habitantes da Catalunha, uma das regiões mais ricas da Europa e a quarta região mais rica per capita da Espanha, com um PIB per capita no valor de 28 400 euros (16% a mais do que a média da UE). A Grande Barcelona teve um PIB no valor de 177 bilhões de dólares (equivalente a 34 821 dólares em termos per capita, 44% a mais que a média da UE), tornando-se a 4ª cidade com maior PIB bruto na União Européia e a 35ª no mundo em 2009.[8]

Barcelona foi a 14ª cidade mais "habitável" do mundo em 2009 de acordo com a revista de estilo de vida Monocle.[41] Da mesma forma, Barcelona ocupa o 13º lugar no Índice Global de Cidades da Inovação.[42]

A indústria gera 21% do produto interno bruto (PIB) total da região,[43] com as indústrias de energia, química e metalurgia representando 47% da produção industrial.[44] A área metropolitana de Barcelona tinha 67% do número total de estabelecimentos industriais na Catalunha em 1997.[45]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Barcelona foi a 20ª cidade mais visitada do mundo pelos visitantes internacionais e a 5ª cidade mais visitada da Europa depois de Londres, Paris, Istambul e Roma, com 5,5 milhões de visitantes internacionais em 2011.[46] Até 2015, tanto Praga quanto Milão tiveram mais visitantes internacionais.[47] Com sua La Rambla, Barcelona é classificada como a cidade mais popular para visitar na Espanha.[48]

A capital catalã é um destino turístico de renome mundial, com inúmeras áreas recreativas, uma das melhores praias do mundo,[49] clima ameno e quente, monumentos históricos, incluindo oito Patrimônios Mundiais da UNESCO, 519 hotéis (em março de 2016),[50] incluindo 35 hotéis de cinco estrelas, e infraestrutura turística desenvolvida.[51]

Devido ao seu grande afluxo de turistas a cada ano, Barcelona, tem que lidar com carteiristas, visto que carteiras e passaportes sendo itens vulgarmente furtados e roubados. Por esse motivo, a maioria dos guias de viagem recomendam que os visitantes tomem precauções para garantir a segurança de seus pertences, especialmente dentro das instalações do metrô. No entanto, Barcelona é considerada uma das cidades mais seguras em termos de segurança da saúde e segurança pessoal,[52] principalmente por causa de uma sofisticada estratégia de policiamento que caiu crime em 32% em pouco mais de três anos, o que levou a cidade a ser considerada a 15ª cidade mais segura do mundo pelo Business Insider.[53]

Panorama do Porto de Barcelona.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Museus[editar | editar código-fonte]

Na Fundação Joan Miró, encontram-se algumas obras deste pintor e são realizadas exposições itinerantes procedentes de museus de todo mundo. O Museu Picasso conta com uma importante coleção de obras pouco conhecidas deste pintor, sobretudo de suas épocas iniciais. No Museu Nacional de Arte da Catalunha encontra-se exposta uma importante coleção de arte romana.

O Museu de História de Barcelona, conhecido também pela sua sigla MUHBA é um museu que conserva, documenta, divulga e expõe o patrimônio histórico da cidade de Barcelona. Desde as suas origens até o presente. A arte da época atual fica no recém construído Museu de Arte Contemporânea de Barcelona. Também são de relevância o Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona situado Em El Raval. Além do museu da Fundação Antoni Tàpies, o CaixaFòrum e o Museu da Ciência, agora chamado de CosmoCaixa.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Templo Expiatório da Sagrada Família, iniciado pelo arquiteto catalão Antoni Gaudí em 1883[54]

Barcelona é conhecida como capital do modernismo catalão. A cidade, na qual viveu e trabalhou o arquiteto Antoni Gaudí, conta com algumas de suas obras mais relevantes, que atraem a cada ano milhões de visitantes de todo mundo. A mais representativa é o Templo Expiatório da Sagrada Família, que Gaudí deixou inacabado e que segue sendo construído lentamente, como as catedrais na Idade Média. Seu término está previsto para até 2020. Outras das obras mais conhecidas de Gaudí são o Parque Güell (Parc Güell), a Casa Milà, também chamada de La Pedrera e a Casa Batlló. Além de Gaudí, Barcelona conta com outras joias do modernismo catalão, como o Hospital de São Paulo e o Palácio da Música Catalã, de Lluís Domènech i Montaner, ou o Palácio Macaya e muitas outras obras de Josep Puig i Cadafalch.

Além das obras modernistas, Barcelona também conta com relevantes obras pertencentes a outros estilos e períodos históricos. Dentro do período medieval, destacam-se, especialmente, as obras góticas que proliferam em seu centro histórico, precisamente denominado Bairro Gótico, como a Catedral de Barcelona. Nesse mesmo estilo, encontra-se, ainda, a Igreja de Santa Maria do Mar, caracterizada por sua austeridade e harmonia nas medidas.

Também possui distintas amostras de arquitetura contemporânea, destacando-se o Pavilhão Alemão de Ludwig Mies van der Rohe, que foi construído para a Exposição Universal de Barcelona de 1929, assim como a Fundação Joan Miró, do arquiteto catalão Josep Lluís Sert.

Anos mais tarde, por causa dos Jogos Olímpicos de Verão de 1992, a cidade viveu uma etapa de grandes transformações que deram lugar a obras como o Palácio São Jorge, de Arata Isozaki, a Torre de Collserola, de Norman Foster e a Torre de Montjuïc, de Santiago Calatrava.

Antes dos jogos, houve também a remodelação e ampliação do Aeroporto de Barcelona por Ricardo Bofill. Na etapa pós-olímpica, a cidade seguiu mantendo seu desenvolvimento arquitetônico, construindo edifícios como o Museu de Arte Contemporânea de Barcelona, de Richard Meier, a Torre Agbar, de Jean Nouvel e os projetos de uma nova estação em La Sagrera e da Torre do Triângulo Ferroviário, de Frank Gehry. Outras construções, como o Edifício Fórum de Jacques Herzog e Pierre de Meuron, foram motivadas pela realização do Fórum Universal das Culturas.

Esportes[editar | editar código-fonte]

A cidade de Barcelona também se destaca no futebol, com os clubes F.C. Barcelona e Espanyol. Barcelona tem dois estádios de elite da UEFA (Nuvola apps mozilla.pngNuvola apps mozilla.pngNuvola apps mozilla.pngNuvola apps mozilla.pngNuvola apps mozilla.png): o Camp Nou do F.C. Barcelona, o maior estádio da Europa, com uma capacidade de 100 000 espectadores e o Estadi Olímpic Lluís Companys, com uma capacidade fixa de 55 000, reformado para os Jogos Olímpicos de 1992.

Há também o novo estádio - Estadi Cornellà-El Prat (Nuvola apps mozilla.pngNuvola apps mozilla.pngNuvola apps mozilla.pngNuvola apps mozilla.png), com uma capacidade de mais de 40 000 - casa do Espanyol.

A cidade também já sediou os Jogos Olímpicos de Verão de 1992,os Jogos Paralímpicos de Verão de 1992 e alguns jogos da Copa do Mundo de 1982.

Apesar do grande destaque no futebol, outros desportos se destacam na cidade catalã, entre eles esportes náuticos, automobilísticos, além de outros. No Circuito da Catalunha, são disputadas provas de Fórmula 1 e do Campeonato Mundial de Motociclismo.

Panorama do interior do estádio Camp Nou do Futbol Club Barcelona.

Referências

  1. «Cifras oficiales de población de los municipios españoles: Revisión del Padrón Municipal». www.ine.es (em espanhol). Instituto Nacional de Estatística de Espanha. Consultado em 7 de abril de 2017 
  2. «El municipi en xifres: Barcelona». Institut d'Estadística de Catalunya. Consultado em 23 de novembro de 2015 
  3. Boeing, G. (2016). «Honolulu Rail Transit: International Lessons in Linking Form, Design, and Transportation». Planext. 2: 28–47. Consultado em 29 de abril de 2016 
  4. Demographia: World Urban Areas – Demographia, 2016
  5. «The World According to GaWC 2010». Globalization and World Cities Study Group and Network, Universidade de Loughborough. Consultado em 13 de maio de 2014. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2013 
  6. «Inventory of World Cities». Globalization and World Cities (GaWC) Study Group and Network. Consultado em 1 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2013 
  7. «2012 Global Cities Index». Consultado em 30 de março de 2014. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2013 
  8. a b «Global city GDP rankings 2008–2025». Pricewaterhouse Coopers. Consultado em 16 de dezembro de 2009 [ligação inativa] 
  9. «Best European business cities». City Mayors. 28 de outubro de 2009. Consultado em 15 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 23 de julho de 2013 
  10. «Barcelona 5.0 or Barcelona smart city». tvbrussel. 4 de dezembro de 2014 
  11. «Port of Barcelona traffic statistics Accumulated data December 2013» (PDF). Statistics Service. p. 6. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 14 de junho de 2014 
  12. Ralph Tragale (1 de abril de 2013). «2012 Annual Traffic Report» (PDF). Annual Traffic Report of the Aviation Department. Port Authority of NY & NJ. Consultado em 23 de janeiro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 13 de junho de 2013 
  13. «First commercial trips» (em espanhol). Europapress.es. 10 de dezembro de 2010. Consultado em 30 de março de 2014. Cópia arquivada em 10 de abril de 2014 
  14. Emerita: Revista de Lingüística y Filología clasica 11 (1943), p.468
  15. Ptolemy, ii. 6. § 8
  16. Rufus Festus Avienus Ora Maritima « et Barcilonum amoena sedes ditium. » v514
  17. Itin. Ant.
  18. «At least 13 dead in van crash in Barcelona city center: media». 17 de agosto de 2017 – via Reuters 
  19. Ward, Victoria. «Barcelona scene». telegraph.co.uk. The Telegraph. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  20. «Barcelona and Cambrils: 'Bigger' attacks were prepared». 18 de agosto de 2017 – via www.bbc.com 
  21. a b c «Barcelona». Gran Enciclopèdia Catalana. 3. Barcelona: Edicions 62. Julho de 1971. pp. 193–229 
  22. «11 Barcelona.indd» (PDF). Consultado em 26 de junho de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 20 de fevereiro de 2011 
  23. «Servei Meteorològic de Catalunya». Meteo.cat. Consultado em 22 de maio de 2009. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2013 
  24. «World Map of Köppen−Geiger Climate Classification». Cópia arquivada em 10 de abril de 2014 
  25. a b «Weather2Travel.com: Barcelona Climate Guide». Consultado em 16 de junho de 2011. Cópia arquivada em 18 de julho de 2011 
  26. http://w1.bcn.cat/temps/docs/Can_Bruixa%201987-2010.pdf
  27. «Valores Climatológicos Normales. Barcelona / Aeropuerto». Consultado em 16 de junho de 2011. Cópia arquivada em 10 de abril de 2014 
  28. "Ajuntament de Barcelona - Population, household and homes statistics", retrieved 12 June 2017.
  29. «Archived copy». Consultado em 11 de maio de 2011. Arquivado do original em 31 de outubro de 2013 
  30. «Archived copy». Consultado em 11 de maio de 2011. Arquivado do original em 31 de outubro de 2013 
  31. Departament d'Estadística. Ajuntament de Barcelona (2011). «Coneixement del català: Evolució de les característiques de la població de Barcelona (Knowledge of Catalan in Barcelona)». Ajuntament de Barcelona (em Catalan). Consultado em 13 de novembro de 2015. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2015 
  32. «Ajuntament de Barcelona: Estadística: Evolució de la població. 1900–2005». Web.archive.org. Consultado em 26 de junho de 2010. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2007 
  33. «BOE – LEY 1/2006, de 13 de marzo, por la que se regula el Régimen Especial del municipio de Barcelona». Boe.es. 14 de março de 2006. Consultado em 26 de junho de 2010. Arquivado do original em 30 de abril de 2008 
  34. «Ajuntament de Barcelona> Ajuntament> El Govern de la Ciutat». W3.bcn.es. Consultado em 26 de junho de 2010. Cópia arquivada em 28 de julho de 2010 
  35. «Ajuntament de Barcelona: Organització política». Bcn.cat. Consultado em 26 de junho de 2010. Cópia arquivada em 23 de julho de 2013 
  36. «Ajuntament de Barcelona> Council> The city government> Council Executive». W3.bcn.es. Consultado em 26 de junho de 2010. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2011 
  37. «Ajuntament de Barcelona> Council> The city government> Plenary». W3.bcn.es. Consultado em 26 de junho de 2010. Arquivado do original em 15 de abril de 2011 
  38. «Ajuntament de Barcelona> Council> The municipal administration». W3.bcn.es. Consultado em 26 de junho de 2010. Cópia arquivada em 22 de junho de 2010 
  39. Ciudades hermanadas según la web del Ayuntamiento
  40. Acuerdos de colaboración según la web del Ayuntamiento
  41. «The World's Top 25 Most Liveable Cities». Monocle. 11 de junho de 2009. Consultado em 26 de junho de 2010. Cópia arquivada em 17 de maio de 2010 
  42. «Independent city analysis and rankings for innovation in 2009». 2thinknow. Consultado em 1 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 9 de abril de 2014 
  43. "Valor afegit brut a preus bàsics. Base 2000 Per sectors (%)" (en: "Gross value added at basic prices. Base by sector (%)")Idescat, 2008 Arquivado em 10 de abril de 2014 no Wayback Machine.
  44. "Valor afegit brut. Indústria per branques d'activitat (%)" (en: "Gross Value Added. Branches of industry (%)")Idescat, 2008 Arquivado em 10 de abril de 2014 no Wayback Machine.
  45. Els recursos econòmics i l'economia: La indústria i els sectors afins
  46. «Top 100 Cities Destination Ranking». blog.euromonitor.com. Consultado em 24 de março de 2016 
  47. «Irresistible cities: World's 25 top tourism destinations». edition.cnn.com. Consultado em 24 de março de 2016 
  48. «Best Spanish Cities». Gospain.about.com. 25 de março de 2014. Consultado em 30 de março de 2014. Cópia arquivada em 10 de abril de 2014 
  49. «Top 10 Beach Cities». Consultado em 30 de julho de 2010. Cópia arquivada em 21 de julho de 2010 
  50. «Los 10 mejores hoteles en Barcelona 2016 – TripAdvisor – Precios y opiniones». tripadvisor.es 
  51. «10 mejores hoteles de 5 estrellas en Barcelona – TripAdvisor». tripadvisor.es 
  52. «20 Of The Safest Cities In The World». Business Insider. Consultado em 12 de dezembro de 2016 
  53. «The 15 safest cities in the world». Business Insider. Consultado em 12 de dezembro de 2016 
  54. Guia Visual Folha de S. Paulo - Barcelona e Catalunha. São Paulo: Publifolha, 2001. p. 74

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage