Edom

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Edom (desambiguação).
Reino de Edom
século XIII a.C.125 a.C. 
Blank.png
Kingdom of Edom 830 map-pt.svg
Edom ca. 831 a.C.
Região
Capital
País atual

Línguas oficiais Edomita
Religião

Forma de governo Monarquia
Rei

Período histórico Antiguidade
• século XIII a.C.  Estabelecido
• 125 a.C.  Conquista asmoneia

Edom (em edomita: 𐤀𐤃𐤌; transl.: ’Edām; em hebraico: אֱדוֹם, ʾĔḏôm, "Vermelho"; em acádio: 𒌑𒁺𒈠𒀀𒀀 e 𒌑𒁺𒈪, Uduma e Udumi; em siríaco: ܐܕܘܡ; em grego clássico: Ἰδουμαία, Idoumaía; em latim: Idumæa ou Idumea) foi um país da Transjordânia na Idade do Ferro. Fazia fronteira com Moabe a nordeste, Arava a oeste e o deserto da Arábia a sul e leste.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Edom é o nome que foi dado a Esaú, o primogênito de Isaque, que vendeu seu direito de primogenitura a seu irmão Jacó por um prato de sopa, cuja cor vermelha deu seu nome - "Adom". O país que mais tarde Esaú e seus descendentes habitaram se chamava "o campo de Edom" ou "a terra de Edom", com o topônimo também equivalendo a edomitas (citados uma única vez na Bíblia como "filhos de Edom").[1] Esse topônimo foi traduzido como Udumi (𒌑𒁺𒈪) ou Udumu (𒌑𒁺𒈬) em acadiano,[2] Aduma em egípcio,[3] dwm (ܐܕܘܡ) em siríaco,[4] Idumeia em grego (Ἰδουμαία) e latim (Idumaea ou Idumea). Pensa-se que o nome, à parte de sua etimologia bíblica, tenha se originado do arenito avermelhado típico da região.[5]

O país já foi chamado de Monte Seir, homógrafo portanto ao monte que separada Edom de Judá. O topônimo Seir derivou, de acordo com a Bíblia, do progenitor dos horeus, que habitaram Edom antes dos edomitas. Segundo Flávio Josefo, o nome Seir se deve ao fato de que Esaú era peludo, mas segundo Gênesis XIV:6, se chamava Seir muito antes do nascimento de Esaú.[1]

Geografia[editar | editar código-fonte]

As fronteiras de Edom foram definidas concisamente. Se estendia ao longo rota seguida pelos israelitas da península do Sinai a Cades, isto é, ao longo do lado oriental do vale de Arava. Ao sul alcançou até Elate, que era porto de Edom. No norte de Edom estava o reino de Moabe. O limite entre Moabe e Edom era o ribeiro de Zerede. A antiga capital de Edom era Bozra. No tempo de Amassias (838 a.C.), Selá era sua principal fortaleza, enquanto Elate e Eziom-Géber eram seus portos.[1][6]

Referências

  1. a b c Gottheil 1906.
  2. LeBlanc 2017, p. 118.
  3. Müller 1893, p. 135.
  4. Thales 2019.
  5. King 1988, p. 56.
  6. Negev 2001, p. 149-150.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • King, Philip J. (1988). Amos, Hosea, Micah: An Archaeological Commentary. Filadélfia: The Westminster Press 
  • LeBlanc, Paul D. (2017). Deciphering the Proto-Sinaitic Script: Making Sense of the Wadi el-Hol and Serabit el-Khadim Early Alphabetic Inscriptions. Canadá: Subclass Press 
  • Müller, Wilhelm Max. Asien und Europa nach altägyptischen denkmälern mit einem vorwort von Georg Ebers. Lípsia: W. Engelmann 
  • Negev, Avraham; Gibson, Shimon (2001). Edom; Edomites. Archaeological Encyclopedia of the Holy Land. Nova Iorque e Londres: Continuum. ISBN 0-8264-1316-1