Saltar para o conteúdo

Língua grega antiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Língua grega clássica)
Grego antigo

ἡ Ἑλληνικὴ γλῶσσα

Falado(a) em: Mediterrâneo oriental
Extinção: evoluiu para o Grego Koiné
Família: Indo-europeia
 Helênica
  Grego antigo
Códigos de língua
ISO 639-1: grc
ISO 639-2: grc
ISO 639-3: grc

A língua grega antiga ou clássica (ἡ Ἑλληνικὴ γλῶσσα, hē Hellēnikḕ glō̃ssa, em grego antigo) é uma língua indo-europeia morta, falada na Grécia durante a Antiguidade e que evoluiu para o grego moderno. A língua grega clássica é dividida com base nos seguintes períodos: grego micênico (c. 1400–1200 aC), período homérico (c. 1200–800 aC), o período arcaico (c. 800–500 aC) e o período clássico (c. 500–300 aC).[1]

Na educação

[editar | editar código-fonte]

O estudo do grego antigo nos países europeus, além do latim, ocupou um lugar importante no currículo desde o Renascimento até o início do século XX. Isso também foi verdade nos Estados Unidos, onde muitos dos fundadores da nação receberam uma educação de base clássica.[2] O latim era enfatizado nas faculdades americanas, mas o grego também era exigido nas eras colonial e nacional,[3] e o estudo da Grécia antiga tornou-se cada vez mais popular em meados do século XIX, a era do filelenismo americano.[4] Em particular, as intelectuais femininas da época designaram o domínio do grego antigo como essencial para se tornar uma "mulher de letras."[5]

O grego antigo ainda é ensinado como disciplina obrigatória ou opcional, especialmente em escolas tradicionais ou de elite em toda a Europa, como escolas públicas e escolas de gramática no Reino Unido. É obrigatório no liceu clássico na Itália, no ginásio da Holanda, em algumas aulas na Áustria, na klasična gimnazija (escola secundária – orientação: línguas clássicas) na Croácia, nos estudos clássicos na ASO na Bélgica e é opcional no ginásio orientado para as humanidades na Alemanha, geralmente como uma terceira língua depois do latim e do inglês, dos quatorze aos dezoito anos. Em 2006/07, quinze mil alunos estudaram grego antigo na Alemanha, de acordo com o Departamento Federal de Estatística da Alemanha, e 280 mil alunos o estudaram na Itália.[6]

É uma disciplina obrigatória ao lado do latim no ramo de humanidades do bacharelado espanhol. O grego antigo é ensinado na maioria das grandes universidades do mundo, muitas vezes combinado com o latim como parte do estudo dos clássicos. Em 2010, foi oferecido em três escolas primárias no Reino Unido, para aumentar as habilidades linguísticas das crianças,[7][8] e foi uma das sete línguas estrangeiras que as escolas primárias poderiam ensinar em 2014 como parte de um grande esforço para aumentar os padrões de educação.[9]

O grego antigo é ensinado como disciplina obrigatória em todos os ginásios e liceus da Grécia.[10][11] Começando em 2001, uma competição internacional anual "Explorando a Língua e Cultura Grega Antiga" (em grego: Διαγωνισμός στην Αρχαία Ελληνική Γλώσσα και Γραμματεία) foi realizada para alunos do ensino médio em grego. Ministério da Educação Nacional e Assuntos Religiosos, com a língua grega e organizações culturais como co-organizadores.[12] Parece ter cessado em 2010, não tendo obtido o reconhecimento e aceitação dos professores.[13]

Uso moderno no mundo real

[editar | editar código-fonte]

Autores modernos raramente escrevem em grego antigo, embora Jan Křesadlo tenha escrito alguma poesia e prosa no idioma, e Harry Potter e a Pedra Filosofal,[14] alguns volumes de Asterix,[15] e As Aventuras de Alix foram traduzidos para o grego antigo. Ὀνόματα Kεχιασμένα (Onomata Kechiasmena) é a primeira revista de palavras cruzadas e quebra-cabeças em grego antigo.[16] Sua primeira edição apareceu em abril de 2015 como um anexo da Hebdomada Aenigmatum. Alfred Rahlfs incluiu um prefácio, uma breve história do texto da Septuaginta e outros assuntos iniciais traduzidos para o grego antigo em sua edição de 1935 da Septuaginta; Robert Hanhart também incluiu as observações introdutórias da edição revisada de Rahlfs–Hanhart de 2006 no idioma.[17] Akropolis World News relata semanalmente um resumo das notícias mais importantes em grego antigo.[18]

O grego antigo também é usado por organizações e indivíduos, principalmente gregos, que desejam denotar seu respeito, admiração ou preferência pelo uso desse idioma. Esse uso às vezes é considerado gráfico, nacionalista ou humorístico. De qualquer forma, o fato de os gregos modernos ainda poderem entender total ou parcialmente textos escritos em formas não arcaicas do grego antigo mostra a afinidade da língua grega moderna com seu predecessor ancestral.[18]

Referências

  1. Ralli, Angela (2012). «Greek». Revue belge de Philologie et d'Histoire. 90 (3): 964. doi:10.3406/rbph.2012.8269. Consultado em 23 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 30 de setembro de 2022 
  2. Thirty-six of the eighty-nine men who signed the Declaration of Independence and attended the Constitutional Convention went to a colonial college, all of which offered only the classical curricula. Richard M. Gummere, The American Colonial Mind and the Classical Tradition, p.66 (1963). Admission to Harvard, for example, required that the applicant: "Can readily make and speak or write true Latin prose and has skill in making verse, and is competently grounded in the Greek language so as to be able to construe and grammatically to resolve ordinary Greek, as in the Greek Testament, Isocrates, and the minor poets." Meyer Reinhold, Classica Americana: The Greek and Roman Heritage in the United States, p.27 (1984).
  3. Harvard's curriculum was patterned after those of Oxford and Cambridge, and the curricula of other Colonial colleges followed Harvard's. Lawrence A. Cremin, American Education: The Colonial Experience, 1607-1783, pp. 128–129 (1970), and Frederick Rudolph, Curriculum: A History of the American Undergraduate Course of Study Since 1636, pp. 31–32 (1978)
  4. Caroline Winterer, The Culture of Classicism: Ancient Greece and Rome in American Cultural Life, 1780-1910, pp.3-4 (2002).
  5. Yopie Prins, Ladies' Greek: Victorian Translations of Tragedy, pp. 5–6 (2017). See also Timothy Kearley, Roman Law, Classical Education, and Limits on Classical Participation in America into the Twentieth-Century, pp. 54–55, 97–98 (2022)
  6. «Ministry publication» (PDF). www.edscuola.it. Consultado em 27 de outubro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 18 de setembro de 2018 
  7. «Ancient Greek 'to be taught in state schools'». The Daily Telegraph. 30 de julho de 2010. Consultado em 3 de maio de 2015. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2022 
  8. "Now look, Latin's fine, but Greek might be even Beta" Arquivado em 3 agosto 2010 no Wayback Machine, TES Editorial, 2010 - TSL Education Ltd.
  9. More primary schools to offer Latin and ancient Greek Arquivado em 13 junho 2018 no Wayback Machine, The Telegraph, 26 November 2012
  10. «Ωρολόγιο Πρόγραμμα των μαθημάτων των Α, Β, Γ τάξεων του Hμερησίου Γυμνασίου». Consultado em 3 de maio de 2015. Cópia arquivada em 1 de junho de 2015 
  11. «ΩΡΟΛΟΓΙΟ ΠΡΟΓΡΑΜΜΑ ΓΕΝΙΚΟΥ ΛΥΚΕΙΟΥ». Consultado em 3 de maio de 2015. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2022 
  12. «Annex to 2012 Greek statistics» (PDF). UNESCO. 2012. p. 26. Consultado em 14 de dezembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 15 de dezembro de 2018 
  13. Proceedings of the 2nd Pan-hellenic Congress for the Promotion of Innovation in Education. II. 2016. p. 548 
  14. Areios Potēr kai ē tu philosophu lithos, Bloomsbury 2004, ISBN 1-58234-826-X
  15. «Asterix speaks Attic (classical Greek) - Greece (ancient)». Asterix around the World - the many Languages of Asterix. 22 de maio de 2011. Consultado em 12 de julho de 2011. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2011 
  16. «Enigmistica: nasce prima rivista in greco antico 2015». 4 de maio de 2015. Consultado em 10 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 28 de julho de 2020 
  17. Rahlfs, Alfred, and Hanhart, Robert (eds.), Septuaginta, editio altera (Deutsche Bibelgesellschaft, 2006).
  18. a b «Akropolis World News». www.akwn.net (em inglês). Arquivado do original em 22 de setembro de 2016 
  • Adams, Matthew. "The Introduction of Greek into English Schools." Greece and Rome 61.1: 102–13, 2014. JSTOR 43297490.
  • Allan, Rutger J. "Changing the Topic: Topic Position in Ancient Greek Word Order." Mnemosyne: Bibliotheca Classica Batava 67.2: 181–213, 2014.
  • Athenaze: An Introduction to Ancient Greek (Oxford University Press). [A series of textbooks on Ancient Greek published for school use.]
  • Bakker, Egbert J., ed. A Companion to the Ancient Greek Language. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010.
  • Beekes, Robert S. P. Etymological Dictionary of Greek. Leiden, The Netherlands: Brill, 2010.
  • Chantraine, Pierre. Dictionnaire étymologique de la langue grecque, new and updated edn., edited by Jean Taillardat, Olivier Masson, & Jean-Louis Perpillou. 3 vols. Paris: Klincksieck, 2009 (1st edn. 1968–1980).
  • Christidis, Anastasios-Phoibos, ed. A History of Ancient Greek: from the Beginnings to Late Antiquity. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.
  • Easterling, P and Handley, C. Greek Scripts: An Illustrated Introduction. London: Society for the Promotion of Hellenic Studies, 2001. ISBN 0-902984-17-9
  • Fortson, Benjamin W. Indo-European Language and Culture: An Introduction. 2d ed. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010.
  • Hansen, Hardy and Quinn, Gerald M. (1992) Greek: An Intensive Course, Fordham University Press
  • Horrocks, Geoffrey. Greek: A History of the Language and its Speakers. 2d ed. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010.
  • Janko, Richard. "The Origins and Evolution of the Epic Diction." In The Iliad: A Commentary. Vol. 4, Books 13–16. Edited by Richard Janko, 8–19. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press, 1992.
  • Jeffery, Lilian Hamilton. The Local Scripts of Archaic Greece: Revised Edition with a Supplement by A. W. Johnston. Oxford: Oxford Univ. Press, 1990.
  • Morpurgo Davies, Anna, and Yves Duhoux, eds. A Companion to Linear B: Mycenaean Greek Texts and their World. Vol. 1. Louvain, Belgium: Peeters, 2008.
  • Swiggers, Pierre and Alfons Wouters. "Description of the Constituent Elements of the (Greek) Language." In Brill's Companion to Ancient Greek Scholarship. Edited by Franco Montanari and Stephanos Matthaios, 757–797. Leiden: Brill, 2015.

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]
Wikilivros
Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Ancient Greek
Wikimedia Incubator
Wikimedia Incubator
Teste de Wikipédia de Língua grega antiga na Incubadora da Wikimedia

Aprendizagem de gramática

[editar | editar código-fonte]

Textos clássicos

[editar | editar código-fonte]