Septuaginta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Septuaginta é a versão da Bíblia hebraica traduzida em etapas para o grego koiné, entre o século III a.C. e o século I a.C., em Alexandria[1] . Dentre outras tantas, é a mais antiga tradução da bíblia hebraica para o grego, lingua franca do Mediterrâneo oriental pelo tempo de Alexandre, o Grande. A Septuaginta, desde o século I, tornou-se a versão clássica da Bíblia para os cristãos de língua grega[2] e foi usada como base para diversas traduções da Bíblia.

Introdução[editar | editar código-fonte]

A tradução ficou conhecida como a Versão dos Setenta (ou Septuaginta, palavra latina que significa setenta, ou ainda LXX), devido a uma antiga lenda sobre sua origem. A lenda aparece na Carta de Aristeias, obra pseudoepígrafe do século II a.C.[3], cujo narrador seria a um membro da corte de Ptolomeu II Filadelfo no século anterior e a teria escrito a um tal Filócrates como um prólogo à Septuaginta. Nessa lenda, setenta e dois eruditos judeus (seis de cada uma das doze tribos) [2] trabalharam nela e, segundo a tradição, teriam completado a tradução em setenta e dois dias. Apesar de trabalharem individualmente, o produto final teria concordado entre si. Embora o relato tenha sido considerado fictício,[4], o nome Seputaginta popularizou.

Em sentido estrito, a Seputaginta se refere a uma família de manuscritos em versões gregas[1] . Essa coleção de livros bíblicos foi baseada tanto em uma família de manuscritos hebraicos por tempos perdidos e alguns livros compostos originalmente em grego. O texto-base hebraico subjacente (ou Vorlage) à Seputaginta pode ser atestado com descoberta dos manuscritos do Mar Morto, quando várias leituras de diversos versos concordam entre si e divergem do Texto Massorético, a versão da Bíblia hebraica padronizada no século IX d.C. Além dessas concordâncias isoladas de versos, entre os manuscritos do Mar Morto foram encontrado quatro livros 4QDeut-q, 4QSam-a, 4QJer-b e 4QJer-d que coincidem da família da Vorlage da Septuaginta.[1]

A análise linguística e textual demonstrou que o Pentateuco (os cinco primeiros livros) foram produzidos nos meados do século III a.C. e os outros livros nos quatro séculos seguintes. Por essa razão, em sentido técnico estrito, atualmente a sigla LXX refere-se ao Pentateuco e a sigla LXX* ao conjuto não revisado de textos da Septuaginta[5]. Em sentido estrito, outros livros da Septuaginta são chamados de Old Greek (OG), por suas recensões e revisões posteriores, como a de Teodotion (kaige-Th), de Luciano de Antioquia (GL), Hesíquio de Alexandria e a Hexaplar de Orígenes. Mais tarde, outras versões gregas apareceram competindo com a Septuaginta, como a de Áquila de Sinope (Aq) e a de Símaco Ebionita (Symm), mas mesmo assim reproduz muito da fraseologia e das leituras da Seputaginta.

Estudiosos como Jones e Silva, defensores da Septuaginta e escritores do proeminente livro Invitation to Septuagint (Convite à Septuaginta), expressam, em duas ocasiões, a necessidade de precisar quais versões da Seputaginta a que se refere:[6], alertando ao leitor que na verdade não existe uma só Septuaginta, pois estritamente falando, não existe um único livro ou versão chamados de Septuaginta, mas sim o conjunto de versões de livros diversos que compõem a coleção dessa família textual.

A Septuaginta inclui alguns livros não encontrados na bíblia hebraica. Muitas bíblias da Reforma Protestante seguem o cânone judaico e excluem estes livros adicionais. Entretanto, católicos romanos incluem alguns destes livros em seu cânon e as Igrejas ortodoxas usam todos os livros conforme a Septuaginta. Anglicanos, assim como a Igreja oriental, usam todos os livros exceto o Salmo 151, e a bíblia do rei Jaime em sua versão autorizada inclui estes livros adicionais em uma parte separada chamada de Apocrypha.

A Septuaginta foi tida em alta conta nos tempos antigos. Fílon de Alexandria considerava-a divinamente inspirada. Além das traduções latinas antigas, a Septuaginta também foi a base para as versões em eslavo eclesiástico, para a Héxapla de Orígenes (parte) e para as versões armênia, eslava eclesiástica, georgiana e copta do Antigo testamento. De grande significado para muitos cristãos e estudiosos da Bíblia, é citada no Novo Testamento e pelos Padres da Igreja. Muito embora judeus não usassem a Septuaginta desde o século II, recentes estudos acadêmicos trouxeram um novo interesse sobre o tema nos estudos judaicos. Alguns dos pergaminhos do Mar Morto sugerem que o texto hebraico pode ter tido outras fontes que não apenas aquelas que formaram o texto massorético. Em vários casos, estes novos textos encontrados estão de acordo com a LXX. Os mais antigos códices da LXX (Vaticanus e Sinaiticus) datam do século IV.

Uso da LXX no Novo Testamento[editar | editar código-fonte]

Vários estudos atestam que os Apóstolos e Evangelistas usaram a Septuaginta, a Sociedade Bíblica do Brasil afirma que "pois, como se sabe muitas citações (e alusões) do Antigo Testamento no Novo Testamento procedem diretamente da clássica versão grega".[7] E que das 350 citações que o Novo Testamento faz do Velho Testamento, pelo menos 300 provêm da versão grega.[7]

Exemplos de trechos referentes a Septuaginta podem ser encontrados no Evangelho segundo Mateus, por exemplo, onde Jesus Cristo em resposta ao diabo diz:[7]

"Está escrito: Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus." Mateus 4:4.

Jesus referiu-se a Deuteronômios (Deuteronômio 8:3), onde é usada "da boca do Senhor" enquanto a Septuaginta traz "da boca de Deus".[7]

Criação do texto[editar | editar código-fonte]

Fragmento da Septuaginta, do século I

Como mencionado, as evidências apontam para uma tradução progressiva iniciada com o Pentateuco nos meados do século III a.C. em Alexandria e desenvolvida aos poucos pelo Mediterrâneo Oriental. Outros livros foram traduzidos ao longo dos dois séculos seguintes. Não é claro quando ou onde cada tradução foi realizada. Alguns livros podem inclusive ter sido traduzidos mais de uma vez, configurando diferentes versões e posteriormente revisados.[8] A qualidade e o estilo dos diferentes tradutores também variavam consideravelmente de livro a livro, indo da tradução literal, à de paráfrase e à interpretativa. De acordo com a avaliação de um estudioso "o Pentateuco foi razoavelmente bem traduzido, mas o resto dos livros, especialmente os poéticos, foram em geral mal feitos e contém mesmo alguns absurdos".[9]

A medida que o trabalho de tradução gradualmente progredia e novos livros eram adicionados à coleção, a abrangência da Bíblia grega passou a ficar um tanto indefinida. O Pentateuco sempre manteve a sua preeminência como a base do Cânon, mas a coleção de livros proféticos (a partir dos quais os Neviim foram selecionados) teve sua composição alterada por ter vários escritos hagiográficos nele incorporados. Alguns dos escritos mais recentes, os chamados anagignoskomena, em grego, não estão incluídos no Cânon judaico. Dentre estes livros estão os Livros dos Macabeus e o Eclesiástico. Além disso, a versão da LXX de algumas obras, como o Livro de Daniel e o Livro de Ester, são mais longos do que aqueles encontrados no texto massorético.[10] Alguns livros posteriores, como o Livro da Sabedoria, II Macabeus, entre outros, aparentemente já foram compostos em grego e não em hebraico.[11]

A autoridade do grupo mais extenso de "escritos", a partir dos quais se formou o ketuvim, ainda não havia sido determinada, apesar de que algum tipo de processo seletivo deve ter sido empregado, uma vez que a LXX não inclui outros documentos judaicos bem conhecidos como o Livro de Enoque, o Livro dos Jubileus e outros escritos que atualmente são parte da Pseudepigrafia. Não é sabido quais foram os critérios usados para determinar o conteúdo da LXX além da "Lei e dos Profetas", expressão usada muitas vezes no Novo Testamento.

Nome e lenda[editar | editar código-fonte]

A Septuaginta tem seu nome vindo do latim Interpretatio septuaginta virorum (em grego: ἡ μετάφρασις τῶν ἑβδομήκοντα, transl. hē metáphrasis tōn hebdomēkonta), "tradução dos setenta intérpretes". A lenda é repetida pelo historiador judeu Flávio Josefo para quem um grupo de sábios judeus traduziram a Torah para o grego koiné no século III a.C..[12]. Uma versão posterior da lenda, narrada por Fílon de Alexandria, afirma que apesar de os tradutores terem sido mantidos em salas separadas, todos eles produziram versões idênticas do texto em setenta e dois dias. Apesar desse relato ser historicamente implausível, sua redação traz à tona o desejo dos sábios judeus da época de apresentar a tradução como divinamente inspirada.[1] Uma versão desta lenda é encontrada no Tratado Megillah do Talmude Babilônico (páginas 9a-9b), que identifica especificamente quinze traduções pouco usuais feitas por eruditos. Somente duas dessas traduções são encontradas no texto da LXX que chegou até nós.

O título latino se refere ao relato legendário contido na pseudepigráfica Carta de Aristeias em que o rei do Egito Ptolomeu II Filadelfo pede a setenta e dois sábios judeus que traduzam a Torá para o grego, com o fim de incluí-la na Biblioteca de Alexandria.[1]A palavra septuaginta,[13] acrescenta mais detalhes: "No entanto, não foi até o tempo de Agostinho de Hipona (354-430 dC) que a tradução grega das escrituras judaicas veio a ser chamado pela septuaginta termo latino [70 ao invés de 72]. Em sua Cidade de Deus 18,42, enquanto repetindo a história de Aristeu com enfeites típicos, Agostinho acrescenta o comentário: "É a tradução que agora se tornou tradicional para chamar a Septuaginta" ... [Latim omitido] ... Agostinho, portanto, indica que este nome para a tradução grega das escrituras foi um desenvolvimento recente. Mas ele não oferece nenhuma pista sobre quais os possíveis antecedentes levou a este desenvolvimento: Predefinição: Bibleverse, [Antiguidades 12,57, 12,86] Josefo, ou de uma elisão. ... Este nome Septuaginta parece ter sido desenvolvido do quarto para o quinto século.".[14]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Com a adoção da Seputaginta pelos primeiros cristãos, muitos judeus deixaram de usá-la, preferindo fazer novas traduções ou revisões, como a de Áquila, Símaco e a versão grega samaritana. A Septuaginta serviu de base para as antigas versões latinas, a Ítala, mas quando Jerônimo foi traduzir a Vulgata, preferiu cotejar o Antigo Testamento com um texto hebraico. A Septuaginta continuou como a versão oficial e tida como inspirada pela Igreja Ortodoxa Grega.

No final do século XX, surgiu nos Estados Unidos uma movimento alegando que a Septuaginta sequer tenha existido como uma versão pré-cristã do Velho Testamento em grego. Este movimento agregado em torno Dean Burgon Society afirma que nunca foi encontrada nenhuma versão do Velho Testamento em grego datando antes de Orígenes (185 — 253 d.C).[15] H. D. Williams, vice-presidente da Dean Burgon Society afirma Septuaginta nunca existiu e não passa de um mito.[16]. Entretanto, autores gregos anteriores ao cristianismo, como Alexandre, o Polímata[17] e Eupolemo[18], ambos do século I a.C. já utilizavam a Septuaginta. Biblicistas profissionais, tanto evangélicos como Gordon Fee[19] ou seculares como Bart Ehrman [20], rejeitam tais especulações da Dean Burgon Society.

Na década de 2010, o filólogo e helenista Frederico Lourenço iniciou a traduzir a Septuaginta para o português, sendo publicada quase que simultaneamente em Portugal e no Brasil.[21]

Edições impressas[editar | editar código-fonte]

Todas as edições impressas da Septuaginta são derivadas de três antigas cópias.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Jennifer M. Dines, The Septuagint, Michael A. Knibb, Ed., London: T&T Clark, 2004. Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Dines" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  2. a b HINNELLS, John (1984). Dicionário das Religiões. 1 1 ed. São Paulo: Círculo do Livro. p. 245. 378 páginas 
  3. Jellicoe, Sidney.The Septuagint and Modern Study, 1993, p.31.
  4. TCHERIKOVER, Victor. The ideology of the letter of Aristeas. Harvard Theological Review, v. 51, n. 2, p. 59-85, 1958.
  5. Invitation to Septuagint, 2000, Dr. Jones and Dr. Silva
  6. Invitation to Septuagint, 2000, Dr. Jones and Dr. Silva
  7. a b c d Lima, Alessandro Ricardo (2007). O Cânon Bíblico. A Origem da Lista dos Livros Sagrados 1ª ed. Brasília: [s.n.] p. 22. 125 páginas. Consultado em 26 de fevereiro de 2011 
  8. Joel Kalvesmaki, The Septuagint
  9. Sir Godfrey Driver, Introduction to the Old Testament of the New English Bible (1970)
  10. Rick Grant Jones, Various Religious Topics, "Books of the Septuagint Arquivado outubro 25, 2009 no WebCite ," (Accessed 2006.9.5).
  11. Ver Livros da Bíblia
  12. Josephus, Flavius, Antiquities of the Jews, 12.2.11-15; Whiston, William; The Complete Works of Josephus; Hendrickson Publishers, (Nashville, Tennessee, 1987); ISBN 0-913573-86-8
  13. The Canon Debate, McDonald & Sanders editors, chapter by Sundberg, page 72
  14. significa "setenta" em latim (daí a abreviação LXX)
  15. The Christian's handbook of manuscript evidence, 1997, Dr. Peter S. Ruckman
  16. Expondo a Farsa da Septuaginta
  17. Freudenthal, Jacob. Alexander Polyhistor und die von ihm erhaltenen Reste judäischer und samaritanischer Geschichtswerke. No. 1-2. H. Skutsch, 1875. pp. 29-30
  18. Wacholder, Ben Zion. Eupolemus: a study of Judaeo-Greek literature. Hebrew Union College-Jewish Institution of religion, 1974., pp. 49-50
  19. Epp, Eldon Jay, and Gordon D. Fee. Studies in the theory and method of New Testament textual criticism. Vol. 45. Wm. B. Eerdmans Publishing, 1993.
  20. Ehrman, Bart D., and Michael W. Holmes, eds. The Text of the New Testament in Contemporary Research: Essays on the Status Quaestionis. Brill, 2012.
  21. de Oliveira Lima, Anderson. "A bíblia de Lourenço: uma bíblia laica." Reflexão 43.2 (2019): 311-327.
  22. Joseph Ziegler, "Der griechische Dodekepropheton-Text der Complutenser Polyglotte," Biblica 25:297-310, cited in Würthwein. Apud Septuaginta;

Ligações externas[editar | editar código-fonte]