Códice

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fólio 292r do Livro de Kells, que contém o texto que abre o Evangelho segundo João

Códice (do latim caudex, casca de árvore)[1] é um veículo de escrita composto de folhas dobradas costuradas ao longo de uma aresta. É originário do século I e é considerado o precursos do livro.[1][2] Distingue-se de outros de outros veículos de escrita, como o Rolo e a tábua de argila.[1] O códice era inicialmente um produto de menor qualidade fabricado de papiros ou pergaminhos, usados em escolas e no comércio.[1][2] Os textos cristãos, no entanto, desde os mais antigos foram escritos em códices.[2] Após a cristianização do Império Romano no século IV, o códice suplantou o papiro como o veículo de textos literários.[1] O códice trazia diversas vantagens sobre o rolo: a pilha compacta de folhas podia ser aberta na página desejada, dispensava desenrolar e reenrolar o texto e facilitava encorporar diversas páginas de uma só vez, permitia escrever de ambos os lados da folha de forma mais prática. Desta forma, era possível conter textos mais longos, como a Bíblia inteira.[3]

O códice foi desenvolvido de forma independente pelos povos pré-colombianos da Mesoamérica a partir do século 10. Os livros continham pictogramas e ideogramas e registravam caledários rituais, adivinhações, cerimônias e especulações sobre os deuses do universo.[4]

Alguns códices[editar | editar código-fonte]

Codex Gigas, século XIII, Boêmia

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Editores da Britânica (7 de fevereiro de 2018). «Codex». Encyclopædia Britannica. Consultado em 4 de junho de 2021 
  • Tucker, David H.; Unwin, George; Unwin, Philip Soundy (1 de outubro de 2020). «"History of publishing». Encyclopædia Britannica. Consultado em 4 de junho de 2021