Temístocles

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Temístocles

Temístocles (em grego: Θεμιστοκλῆς; ca. 524 a.C.459 a.C.), filho de Néocles,[1] [2] foi um político e general ateniense. Liderou o Partido Democrático Ateniense.

Ancestrais e infância[editar | editar código-fonte]

Segundo Plutarco, a sua família era obscura; seu pai, Néocles, era do demo Phrearrhian, da tribo Leontis.[2] [Nota 1]

A sua mãe, segundo seu epitáfio, se chamava Abrotonon, e era da Trácia.[2] Sua mãe seria da Cária, de nome Euterpe; outras fontes acrescentam que sua mãe era de Halicarnasso.[3]

Durante sua juventude, ele se exercitou no Cinosarges, um ginásio destinado a atenienses filhos de mães estrangeiras, situado próximo ao templo de Héracles (pois Héracles não era um deus legítimo, sendo filho de uma mortal), mas conseguiu, por esperteza, atrair os filhos dos atenienses bem nascidos para se exercitarem com ele, removendo a distinção entre os estrangeiros e os legítimos.[3] [Nota 2]

Temístocles estava ligado à família dos Lycomidae, pois quando os bárbaros queimaram a capela da família, localizada em Phlya, ele pagou do próprio bolso sua reconstrução.[4]

Carreira política e militar[editar | editar código-fonte]

A sua principal medida política foi criar uma frota naval capaz de derrotar uma possível invasão persa. Venceu a frota persa de Xerxes I na Batalha de Salamina[1] .

Ostracismo e exílio[editar | editar código-fonte]

Essa vitória deu-lhe grande fama. Mas com um caráter muito inflexível para tempos de paz, foi primeiramente lançado no ostracismo, adiante seus adversários tentaram imputar-lhe uma acusação de alta traição. Antes do julgamento refugiou-se no reino persa. Ironicamente foi no reino que derrotou que foi aceito, pois os persas aceitavam todos homens experientes que pudessem ajudá-los na expansão de seu império.

Morreu em 459 a.C. quando se envenenou para não cooperar com o rei persa em uma nova campanha contra os gregos.

Filhos e descendentes[editar | editar código-fonte]

Seus descendentes continuaram tendo importância em Atenas; Pausânias, no século II d.C., descreve o túmulo de um neto de Temístocles, também chamado de Temístocles, e vários descendentes seus que tiveram a honra de carregar a tocha[5] .

Notas e referências

Notas

  1. Atenas foi organizada em dez tribos por Clístenes, denominadas a partir de dez herois; a tribo de Leontis tem seu nome devido a Leos, que sacrificou suas filhas para proteger a comunidade
  2. Péricles, mais tarde, passaria uma lei segundo a qual só seriam cidadãos atenienses quem fosse filho de pai e mãe atenienses, mas após a morte de Páralo e Xantipo, seus filhos legítimos, ele revogou esta lei; assim seu filho ilegítimo Péricles (filho de Péricles) pode se tornar cidadão

Referências

  1. a b Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.36.1
  2. a b c Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Temístocles, 1.1
  3. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Temístocles, 1.2
  4. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Temístocles, 1.3
  5. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.37.1