Língua meda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Medo
Falado em: Média (atual Irã)
Total de falantes:
Família: Indo-europeia
 Indo-iraniano
  Iraniano
   Iraniano ocidental
    Iraniano do noroeste
     Medo
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: xme

A Língua meda ou medo, também conhecida como médico, era uma língua indo-iraniana falada na Antiguidade pelos medos[1], povo que ocupou principalmente a região do atual Curdistão.

O médico é considerada uma língua iraniana do noroeste, assim como o curdo moderno, o zazaki, o gilaki, o mazandarani e balúchi[2], embora atualmente seja uma língua extinta.

História[editar | editar código-fonte]

O medo só é evidenciado pelos diversos empréstimos seus encontrados no persa antigo. Nada se conhece de sua gramática, "porém ele partilha importantes isoglosas fonologicas com o avéstico, e não com o persa antigo. (...) Sob o domínio médico, o medo deve ter sido, até certo ponto, o idioma oficial na Pérsia ocidental."[3]

Nenhum documento datado do período meda foi preservado, e não se sabe com qual escrita os textos produzidos por este povo eram feitos. Até agora apenas uma inscrição do período pré-aquemênida, uma placa de bronze, foi descoberta no território da Média, uma inscrição cuneiforme escrita em acádio, talvez por volta do século VIII a.C., porém nenhum nome meda é mencionado nela.[4]

Alguns estudiosos atuais sugeriram que a chamada linear elamita, que ainda não foi decifrada, poderia ter sido usada para escrever o idioma dos medas, presumindo que Kutik-Inshushinak seria o nome original iraniano de Ciaxares, um rei elamita de período não muito anterior ao uso dela[5].

Citação bíblica[editar | editar código-fonte]

Na Bíblia, no Livro dos Atos dos Apóstolos, há menção de que, dentre os presentes em Jerusalém quando da descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos, havia falantes da língua meda.

"Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: 'Não são, porventura, galileus todos estes que falam? Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? Partos, medos, elamitas; os que habitam a Macedônia, a Judéia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene; peregrinos romanos, judeus ou prosélitos, cretenses e árabes; ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus!'" (Atos dos Apóstolos, 2, 7-11).

Referências

  1. «Ancient Iran::Language». Encyclopædia Britannica Online. 2007. Consultado em 9 de março de 2007 
  2. Schmitt, Rüdiger (1989). Wiesbaden: Reichert  Parâmetro desconhecido |tíutlo= ignorado (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. Skjærvø, Prods Oktor (2005). An Introduction to Old Persian (PDF) 2ª ed. Cambridge: Harvard 
  4. Dandamayev, Muhammad & I. Medvedskaya (2006). «Media». Encyclopedia Iranica OT 10 ed. Costa Mesa: Mazda 
  5. Gunnar Heinsohn, Cyaxares: Media’s Great King in Egypt, Assyria & Iran, Universidade de Bremen, maio de 2006