Nana (mitologia suméria)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções, veja Nana. Para outros significados, veja Sin.

Nana (sumério: DŠEŠ.KI, DNANNA) era o deus (dingir) sumério da Lua. Era geralmente representado com símbolos lunares (como um crescente sobre a cabeça). Era sobretudo cultuado em Ur. Na Acádia, foi adoptado como Sin ou Sinnu (acádio: Su'en, Sîn).

Filho do deus Enlil e da deusa Ninlil. Quando Erexequigal permitiu o retorno de Ninlil e Enlil para a morada do Anunnaki, pediu que Ninlil consagrasse um de seus filhos a ela. Esse filho foi Nana que permanecia 27 dias no mundo dos vivos e depois descia para ter com Erexequigal e retornar ao céu. Foi assim que desposou Ningal, filha de Erexequigal e gerou os gêmeos: Samas e Inana (Istar).

Embora, mais tarde, na Antiguidade Clássica a Lua fosse associada a deusas (Selene e Ártemis na Grécia; Luna e Diana em Roma), na Antiguidade Oriental era geralmente uma divindade masculina: Nana na Suméria; Sin na Acádia; e Quespisiquis no Egito.

Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.