Naftali Bennett

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Naftali Bennett
Naftali Bennett
13º Primeiro-ministro de Israel
Período 13 de junho de 2021 – presente
Presidente(s) Reuven Rivlin
Antecessor(a) Benjamin Netanyahu
Dados pessoais
Nascimento 25 de março de 1972 (49 anos)
Haifa, Israel
Alma mater Universidade Hebraica de Jerusalém
Cônjuge Gilat Bennett ​(c. 1999)
Filhos 4
Partido Nova Direita (2018–presente)
Religião Judaísmo
Profissão Empresário, militar, político
Serviço militar
Lealdade  Israel
Serviço/ramo Flag of the Israel Defense Forces.svg Forças de Defesa Israelenses
Anos de serviço 1990–1996
Graduação Rav seren (major)
Unidade Sayeret Matkal
Conflitos Primeira Intifada
Conflito no sul do Líbano
Segunda Intifada
Guerra do Líbano de 2006

Naftali Bennett (em hebraico: נַפְתָּלִי בֶּנֶט; nascido em 25 de março de 1972) é um político israelense que atualmente serve como Primeiro-ministro de Israel desde junho de 2021.[1] Ele também serviu como Ministro de Assuntos da Diáspora de 2013 a 2019 e Ministro da Defesa de 2019 a 2020. Bennett lidera o partido Nova Direita (HaYamin HeHadash) desde 2018, tendo ainda, anteriormente, de 2012 a 2018, liderado o movimento Lar Judaico.[2]

Nascido e criado em Haifa, filho de imigrantes dos Estados Unidos, Bennett serviu nas forças especiais do exército israelense (o Sayeret Matkal e Maglan), onde comandou operações de combate, e depois se tornou um empresário no setor de informática. Em 1999, ele co-fundou a empresa Cyota, focada em operações anti-fraude e de segurança online.[3] Em 2005 a companhia foi vendida por US$ 145 milhões de dólares. Bennett serviu ainda como CEO da Soluto, um serviço de computação em nuvem israelense, vendido em 2013 por US$ 100–130 milhões.[4]

Bennett entrou na carreira política em 2006, servindo como Chefe de Gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu até 2008. Em 2011, junto com Ayelet Shaked, ele confundou o movimento extra-parlamentar Yisra'el Sheli ("Meu Israel").[5] Em 2012, Bennett foi eleito como líder do partido Lar Judaico. Nas eleições para o Knesset em 2013, seu partido ganhou doze assentos no parlamento.[6] Ele serviu no governo de Netanyahu ministro das pastas da Economia e de Serviços Religiosos de 2013 a 2015 e, de 2015 a 2019, foi ainda ministro da Educação. Em dezembro de 2018, Bennett deixou o Lar Judeu para formar o movimento Nova Direita para fazer oposição a Netanyahu.[7]

Em 2 de junho de 2021, Bennett assinou um acordo para formar um governo rotacional com Yair Lapid, onde Bennett seria o primeiro-ministro até 2023, com Lapid assumindo em seguida por mais dois anos.[8] Bennett foi empossado no parlamento israelense como chefe de governo em 13 de junho de 2021. Ele é apenas o segundo primeiro-ministro de Israel (junto com Netanyahu) que nasceu após a fundação do país.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bennett, nascido em Haifa, é um dos três filhos de Jim e Myrna Bennett, judeus americanos que emigraram para Israel, após terem se mudado para San Francisco após o Guerra dos Seis Dias. Frequentou a Yeshivá Yawne em Haifa. Embora os seus pais não fossem muito religiosos, envolveu-se numa organização juvenil sionista religiosa, a Bnei Akiva.[9]

Durante o período em que serviu nas Forças Armadas de Israel, integrou as unidades Sayeret Matkal e Maglan como comandante de companhia e continua a servir na reserva, no posto de Major. Em 1996, participou na ofensiva israelita contra o Hezbollah no Líbano. Em 18 de Abril, enquanto a sua unidade estava sob fogo de morteiro, apoio aéreo, que resulta no bombardeio da aldeia de Qana, que albergava um edifício das Nações Unidas e muitos refugiados, matando 102 civis e 4 capacetes azuis.

Após o serviço militar, Bennett formou-se em Direito na Universidade Hebraica de Jerusalém. Mudou-se para o Upper East Side, em Nova York para construir uma carreira como empresário de software.[10] Em 1999, ele foi um dos fundadores da "Cyota", uma empresa de software anti-fraude, e tornou-se seu CEO. A empresa foi vendida em 2005 para RSA Security por 250 milhões de dólares.[11]

Assim que se desfez de sua empresa de software, Bennett voltou a Israel e casou-se com Gilat, secularista que trabalhou como chef de pastelaria profissional. O casal tem quatro filhos e vive em Ra'anana.[12][10][12] Bennett é religioso praticante.[13][14][15]

Em 2012, apresentou um projecto denominado "Iniciativa para a Estabilidade de Israel", no qual defendeu a anexação imediata da Área C da Cisjordânia, que representa 63% do seu território. Em 2018, defendeu a anexação de todos os territórios palestinianos.

Opõe-se a uma solução de dois Estados. Apoiou em 2018 a aprovação da Lei da Nação-Estado Nacional do Povo Judeu.

Referências

  1. Michael, Bachner (8 de junho de 2021). «Swearing-in of Bennett-Lapid gov't that would replace Netanyahu set for Sunday». The Times of Israel. Consultado em 13 de junho de 2021 
  2. Wootliff, Raoul (10 de outubro de 2019). «Yamina party officially splits into New Right, Jewish Home-National Union». The Times of Israel. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  3. «Cyota». crunchbase.com. Consultado em 8 de março de 2021 
  4. David Shamah (30 de outubro de 2013). «Bennett repeats success with new $100 million exit». Times of Israel. Consultado em 1 de novembro de 2013 
  5. «Israel's election: A newly hatched hawk flies high». The Economist. 5 de janeiro de 2013. Consultado em 8 de março de 2021 
  6. Gil Stern; Jeremy Sharon; Lahav Harkov (24 de janeiro de 2013). «Final election count: Right bloc 61, Center-Left 59 seats». The Jerusalem Post 
  7. Bennett, Shaked quit Jewish Home, announce formation of ‘HaYamin HeHadash’ The Times of Israel, 29 de dezembro de 2018
  8. Kingsley, Patrick (2 de junho de 2021). «Live Updates: Netanyahu Faces Ouster as Foes Reach Deal for New Government». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de junho de 2021 
  9. «Naftali Bennett – Official biography page at The Jewish Home». Consultado em 31 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2013 
  10. a b David Remnick: Naftali Bennett and Israel’s Rightward Shift : The New Yorker
  11. RSA Security to Acquire Cyota; Creates Leading Provider of Layered Authentication Solutions Arquivado em 26 de janeiro de 2013, no Wayback Machine., RSA Security Inc. Press Release
  12. a b Naftali Bennett interview: 'There won't be a Palestinian state within Israel' | World news | guardian.co.uk
  13. The new great white hope of the religious right? | The Times of Israel
  14. «Opinion: Israeli Election - by Gwynne Dyer». Consultado em 31 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 20 de março de 2013 
  15. Naftali Bennett’s American parents are kvelling with pride Israel News | Haaretz Daily Newspaper