McDonnell Douglas F-4 Phantom II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Este artigo é sobre Aviação. Para outros significados, veja Rolls-Royce Phantom II.
F-4 Phantom II
Caça
McDonnell Douglas F-4 Phantom II
Um QF-4E da Força Aérea dos Estados Unidos sobre o Campo de Teste de Mísseis de White Sands em 2008.
Descrição
Tipo / Missão Interceptação, caça-bombardeiro
País de origem Estados Unidos
Fabricante McDonnell Aircraft Corporation
McDonnell Douglas
Período de produção 1958–1981
Quantidade produzida 5.195
Primeiro voo em 27 de maio de 1958
Introduzido em 1961

O McDonnell Douglas F-4 Phantom II[nota 1] é um caça-bombardeiro supersônico de longo alcance, bimotor e de dois lugares, desenvolvido originalmente pela McDonnell Aircraft para a Marinha dos Estados Unidos.[1] Demonstrando alta adaptabilidade, ele entrou em serviço com a Marinha em 1961, antes de ser adotado pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos e pela Força Aérea dos Estados Unidos, tornando-se uma parte importante de suas forças aéreas até meados da década de 1960.[2] A produção do Phantom ocorreu entre 1958 e 1981, com um total de 5.195 aeronaves construídas, tornando-o a aeronave militar supersônica americana mais produzida da história e consolidando sua posição como uma aeronave de combate emblemática da Guerra Fria.[3][4]

O Phantom é um caça de grande porte com uma velocidade máxima superior a Mach 2.2. Ele pode transportar mais de 8,4 mil kg de armamentos em nove pontos de suporte externos, incluindo mísseis ar-ar, mísseis ar-terra e várias bombas. O F-4, assim como outros interceptadores da época, foi inicialmente projetado sem um canhão interno. Modelos posteriores incorporaram um canhão rotativo M61 Vulcan. A partir de 1959, a aeronave estabeleceu 15 recordes mundiais em voo,[5] incluindo um recorde de velocidade e um de altitude absoluta.[6]

O F-4 foi amplamente utilizado durante a Guerra do Vietnã. Ele serviu como o principal caça de superioridade aérea para a Força Aérea dos Estados Unidos, Marinha e Corpo de Fuzileiros Navais, e se tornou importante nos papéis de ataque terrestre e reconhecimento aéreo no final da guerra. Durante a Guerra do Vietnã, um piloto da Força Aérea dos Estados Unidos, dois oficiais de sistemas de armas (WSO),[7] um piloto da Marinha dos Estados Unidos e um oficial de interceptação de radar (RIO) se tornaram "ases" ao alcançar cinco vitórias aéreas contra aeronaves inimigas.[8] O F-4 continuou a ser uma parte significativa do poder aéreo militar dos Estados Unidos ao longo das décadas de 1970 e 1980, sendo gradualmente substituído por aeronaves mais modernas, como o F-15 Eagle e o F-16 Fighting Falcon na Força Aérea dos Estados Unidos, o F-14 Tomcat na Marinha dos Estados Unidos, e o F/A-18 Hornet na Marinha dos Estados Unidos e no Corpo de Fuzileiros Navais.

O F-4 Phantom II permaneceu em uso pelos Estados Unidos nos papéis de reconhecimento e Wild Weasel (Supressão das Defesas Aéreas Inimigas) durante a Guerra do Golfo, sendo finalmente retirado de serviço em 1996.[9][10] Ele foi também a única aeronave utilizada pelas duas equipes de demonstração de voo dos Estados Unidos: os Thunderbirds da Força Aérea dos Estados Unidos (F-4E) e os Blue Angels da Marinha dos Estados Unidos (F-4J).[11][12][13] O F-4 também foi operado pelas forças armadas de outras 11 nações. Os Phantoms israelenses participaram intensamente em vários conflitos árabe-israelenses, enquanto o Irã utilizou sua grande frota de Phantoms, adquirida antes da queda do Xá, na Guerra Irã-Iraque. Em 2021, 63 anos após seu primeiro voo, o F-4 continua em serviço ativo nas forças aéreas do Irã, Coreia do Sul, Grécia e Turquia. A aeronave foi recentemente empregada no combate ao grupo Estado Islâmico no Oriente Médio.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Um modelo do McDonnell F3H-G em 1954

Em 1952, Dave Lewis, Chefe de Aerodinâmica da McDonnell, foi nomeado pelo Jim McDonnell para ser o gerente de design preliminar da empresa.[14] Com a ausência de novas competições de aeronaves no horizonte, estudos internos chegaram à conclusão de que a Marinha tinha a maior necessidade de um tipo de aeronave novo e diferente: um caça de ataque.[15]

Em 1953, a McDonnell Aircraft iniciou o trabalho de revisão do seu caça naval F3H Demon, buscando ampliar suas capacidades e melhorar seu desempenho. A empresa desenvolveu diversos projetos, incluindo uma variante equipada com um motor Wright J67,[16] e variantes com dois motores Wright J65 ou dois motores General Electric J79.[17] A versão com motores J79 prometia uma velocidade máxima de Mach 1.97. Em 19 de setembro de 1953, a McDonnell apresentou à Marinha dos Estados Unidos uma proposta para o "Super Demon". De forma única, a aeronave seria modular, podendo ser equipada com fuselagens de um ou dois assentos para diferentes missões, com diferentes cones de nariz para acomodar radares, câmeras fotográficas, quatro canhões de 20 mm ou 56 foguetes não guiados FFAR, além dos nove pontos de suporte sob as asas e a fuselagem. A Marinha demonstrou interesse suficiente para encomendar um mock-up em tamanho real do F3H-G/H, mas considerou que os futuros Grumman XF9F-9 e Vought XF8U-1 já atendiam à necessidade de um caça supersônico.[18]

O projeto da McDonnell foi, portanto, reformulado para se tornar um caça-bombardeiro noturno com onze pontos de suporte externos para armamentos. Em 18 de outubro de 1954, a empresa recebeu uma carta de intenção para a fabricação de dois protótipos YAH-1. Em seguida, em 26 de maio de 1955, quatro oficiais da Marinha chegaram aos escritórios da McDonnell e, em uma hora, apresentaram à empresa um conjunto completamente novo de requisitos. Como a Marinha já possuía o Douglas A-4 Skyhawk para ataque ao solo e o F-8 Crusader para combate aéreo, o projeto agora deveria atender à necessidade de um interceptor noturno para defesa da frota. Foi adicionado um segundo tripulante para operar o poderoso radar,[19] pois os projetistas acreditavam que o combate aéreo na próxima guerra sobrecarregaria os pilotos solitários com informações.[20]

Protótipo XF4H[editar | editar código-fonte]

O XF4H-1 foi projetado para transportar quatro mísseis semi-embutidos AAM-N-6 Sparrow III guiados por radar, e ser propulsado por dois motores J79-GE-8. Assim como no McDonnell F-101 Voodoo, os motores ficavam posicionados baixos na fuselagem para maximizar a capacidade interna de combustível e captavam ar por meio de entradas de geometria fixa. A asa de perfil fino possuía um ângulo de enflechamento da borda de ataque de 45° e era equipada com flaps soprados para melhorar o controle em baixas velocidades.[20]

Um F4H-1F a bordo do Independence, abril de 1960

Os testes em túnel de vento revelaram uma instabilidade lateral, exigindo a adição de 5° de diedro nas asas.[21] Para evitar redesenhar a seção central de titânio da aeronave, os engenheiros da McDonnell inclinaram apenas as porções externas das asas em 12°, o que resultou na média necessária de 5° em toda a envergadura das asas. As asas também receberam o distintivo "dente de cachorro" para melhorar o controle em ângulos de ataque elevados. O estabilizador horizontal móvel recebeu 23° de anedral para melhorar o controle em ângulos de ataque elevados, mantendo-o afastado dos gases de exaustão do motor.[20] Além disso, as entradas de ar foram equipadas com uma rampa fixa e uma rampa de geometria variável, com ângulo programado para fornecer recuperação máxima de pressão entre Mach 1.4 e Mach 2.2. A correspondência do fluxo de ar entre a entrada e o motor foi obtida através do desvio do motor como ar secundário para o bocal de exaustão. A capacidade de interceptação em todas as condições climáticas foi alcançada com o radar AN/APQ-50. Para atender aos requisitos de operações em porta-aviões, o trem de pouso foi projetado para suportar pousos com uma taxa máxima de descida de 7 m/s, enquanto o amortecedor do nariz podia se estender em 51 cm para aumentar o ângulo de ataque na parte de catapulta de uma decolagem.[22]

Em 25 de julho de 1955, a Marinha encomendou dois protótipos XF4H-1 e cinco exemplares pré-produção YF4H-1. O Phantom realizou seu voo inaugural em 27 de maio de 1958, com Robert C. Little no comando. Um problema hidráulico impediu o recolhimento do trem de pouso, mas os voos subsequentes ocorreram de forma mais tranquila. Os testes iniciais resultaram no redesenho das entradas de ar, incluindo a adição distintiva de 12 mil furos para "aliviar" o ar da camada limite de baixa velocidade da superfície de cada motor. As aeronaves da série de produção também apresentavam placas divisórias para desviar a camada limite das entradas do motor. O avião logo estava em competição com o XF8U-3 Crusader III. Devido à carga de trabalho no cockpit, a Marinha desejava uma aeronave de dois lugares e, em 17 de dezembro de 1958, o F4H foi declarado o vencedor. Atrasos com os motores J79-GE-8 fizeram com que as primeiras aeronaves de produção fossem equipadas com motores J79-GE-2 e -2A, cada um com empuxo de pós-combustão de 71,8 kN. Em 1959, o Phantom iniciou os testes de adequação para operações em porta-aviões, com o primeiro ciclo completo de lançamento e recuperação realizado em 15 de fevereiro de 1960 a partir do USS Independence[23]

Houve propostas de nomear o F4H como "Satan" (Satanás) e "Mithras" (Mitra).[24] No final, a aeronave recebeu o nome menos controverso de "Phantom II", sendo que o primeiro "Phantom" era outro caça a jato da McDonnell, o FH-1 Phantom. O Phantom II foi brevemente designado como F-110A e chamado de "Spectre" pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), mas esses termos não foram oficialmente utilizados.[25]

Produção[editar | editar código-fonte]

O VF-74 foi o primeiro esquadrão operacional da Marinha dos Estados Unidos com o Phantom em 1961

No início da produção, o radar foi atualizado para o Westinghouse AN/APQ-72, um AN/APG-50 com uma antena de radar maior, o que exigiu o nariz arredondado, e a cobertura foi retrabalhada para melhorar a visibilidade e tornar a cabine traseira menos claustrofóbica.[26]

A Marinha dos Estados Unidos operou o F4H-1 (redesignado F-4A em 1962) com motores J79-GE-2 e -2A de 71,62 kN de empuxo, e versões posteriores receberam motores -8. Um total de 45 F-4A foram construídos; nenhum deles entrou em combate, e a maioria acabou sendo utilizado como aeronaves de teste ou treinamento.[27] A Marinha dos Estados Unidos e o Corpo de Fuzileiros Navais receberam o primeiro Phantom definitivo, o F-4B, que estava equipado com o radar Westinghouse APQ-72 (apenas pulsos), um pod de busca e rastreamento infravermelho Texas Instruments AAA-4 sob o nariz, um sistema de bombardeio AN/AJB-3 e era impulsionado por motores J79-GE-8, -8A e -8B de 48,5 kN de empuxo seco e 75,4 kN de empuxo com pós-combustão, com o primeiro voo ocorrendo em 25 de março de 1961. Foram construídos 649 F-4Bs, com as entregas iniciando em 1961 e o VF-121 Pacemakers recebendo os primeiros exemplares na Base Aérea de Miramar.[28]

A Força Aérea dos Estados Unidos recebeu os Phantoms como resultado do esforço do Secretário de Defesa Robert McNamara em criar um caça unificado para todos os ramos militares dos EUA. Após um F-4B vencer a competição "Operation Highspeed" contra o Convair F-106 Delta Dart, a Força Aérea dos Estados Unidos emprestou dois F-4B da Marinha, temporariamente designando-os como F-110A em janeiro de 1962, e desenvolveu requisitos para sua própria versão. Ao contrário do foco da Marinha dos Estados Unidos na interceptação ar-ar na missão de Defesa Aérea da Frota (FAD, na sigla em inglês), a Força Aérea dos Estados Unidos enfatizou tanto o papel de caça ar-ar quanto o papel de caça-bombardeiro ar-solo. Com a unificação das designações por McNamara em 18 de setembro de 1962, o Phantom se tornou o F-4, com a versão naval designada F-4B e a versão da Força Aérea dos Estados Unidos designada F-4C. O primeiro Phantom da Força Aérea voou em 27 de maio de 1963, ultrapassando Mach 2 em seu voo inaugural.[29]

O F-4J aprimorou tanto a capacidade ar-ar quanto a capacidade de ataque ao solo. As entregas começaram em 1966 e terminaram em 1972, com 522 unidades construídas.[30] Ele foi equipado com motores J79-GE-10 com empuxo de 79.374 kN, o sistema de controle de fogo AN/AWG-10 da Westinghouse (tornando o F-4J o primeiro caça do mundo com capacidade operacional de visualização e ataque descendente),[31] um novo sistema de controle de mísseis integrado e o sistema de bombardeio AN/AJB-7 para ampliar a capacidade de ataque ao solo.[32]

O modelo F-4N (versão atualizada do F-4B) com motores sem fumaça e melhorias aerodinâmicas do F-4J começou em 1972 como parte de um programa de revitalização iniciado pela Marinha dos Estados Unidos chamado "Bee Line",[33] com 228 aeronaves convertidas até 1978. O modelo F-4S resultou da revitalização de 265 F-4J, equipados com motores J79-GE-17 sem fumaça, com empuxo de 79.379 kN, radar AWG-10B com circuitos digitalizados para melhor desempenho e confiabilidade, conjunto de aquisição visual de alvos AN/AVG-8 da Honeywell ou VTAS (primeiro sistema de mira em capacete operacional do mundo), melhorias avançadas em aviônica classificada, reforço da estrutura e flaps de bordo de ataque para manobras aprimoradas.[34] O Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos também operou o RF-4B com câmeras de reconhecimento, com 46 unidades construídas;[35] o RF-4B voava sozinho e desarmado, com a necessidade de voar em linha reta e nivelada a 5.000 pés enquanto tirava fotografias. Eles dependiam das defesas antiaéreas inadequadas para sobreviver, pois eram incapazes de fazer manobras evasivas.[20]

A produção do Phantom II nos Estados Unidos encerrou em 1979, após terem sido construídas 5.195 aeronaves (5.057 pela McDonnell Douglas e 138 no Japão pela Mitsubishi). Dessas, 2.874 foram para a Força Aérea dos Estados Unidos, 1.264 para a Marinha e o Corpo de Fuzileiros Navais, e o restante para clientes estrangeiros.[36] O último F-4 fabricado nos Estados Unidos foi entregue à Coreia do Sul, enquanto o último F-4 construído foi um F-4EJ fabricado pela Mitsubishi Heavy Industries no Japão, entregue em 20 de maio de 1981.[37] Em 2008, ainda havia 631 Phantoms em serviço em todo o mundo,[38] sendo utilizados como alvo aéreo (especificamente o modelo QF-4C) pelas forças armadas dos Estados Unidos até 21 de dezembro de 2016, quando a Força Aérea encerrou oficialmente o uso desse tipo de aeronave.[39]

Recordes mundiais[editar | editar código-fonte]

Para mostrar seu novo caça, a Marinha liderou uma série de voos que quebraram recordes no início do desenvolvimento do Phantom: Ao todo, o Phantom estabeleceu 16 recordes mundiais.[40] Cinco dos recordes de velocidade permaneceram imbatíveis até o surgimento do F-15 Eagle em 1975.[41]

  • Operação Top Flight: Em 6 de dezembro de 1959, o segundo XF4H-1 realizou um voo de subida vertical para um recorde mundial de 98.557 pés (30 quilômetros).[42][43] O Comandante Lawrence E. Flint Jr., USN, acelerou sua aeronave até Mach 2.5 (2.660 km/h; 1.650 mph) a 47.000 pés (14.330 metros) e subiu para 90.000 pés (27.430 metros) em um ângulo de 45°. Em seguida, ele desligou os motores e planou até a altitude máxima. Conforme a aeronave caiu para 70.000 pés (21.300 metros), Flint reiniciou os motores e retomou o voo normal.[44]
  • Em 5 de setembro de 1960, um F4H-1 teve uma média de 1.216,78 mph (1.958,16 km/h) em um circuito fechado de 500 km (311 mi).[45]
  • Em 25 de setembro de 1960, um F4H-1F teve uma média de 1.390,24 mph (2.237,37 km/h) em um circuito fechado de 100 km (62,1 mi).[46]
  • Operação transcontinental "LANA" em 1961
    Operação LANA: Para celebrar o 50º aniversário da aviação naval (L é o numeral romano para 50 e ANA significa Aniversário da Aviação Naval) em 24 de maio de 1961, Phantoms voaram pelos Estados Unidos continentais em menos de três horas e incluíram várias reabastecimentos aéreos. O mais rápido dos aviões teve uma média de 869,74 mph (1.400,28 km/h) e completou a viagem em 2 horas e 47 minutos, rendendo ao piloto (e futuro astronauta da NASA), Tenente[47] Richard Gordon, USN, e ao RIO, Tenente Bobbie Young, USN, o troféu Bendix de 1961.[48][49][50][51]
  • Operação Sageburner: Em 28 de agosto de 1961, um F4H-1F Phantom II teve uma média de 1.452,777 quilômetros por hora (902,714 milhas por hora) em um percurso de 3 milhas (4,82 km) voando abaixo de 125 pés (38,1 metros) o tempo todo.[52] O Comandante J.L. Felsman, USN, foi morto durante a primeira tentativa desse recorde em 18 de maio de 1961, quando sua aeronave se desintegrou no ar após uma falha no amortecedor de arfagem.[53]
  • Operação Skyburner: Em 22 de novembro de 1961, um Phantom modificado com injeção de água, pilotado pelo Tenente-Coronel Robert B. Robinson, estabeleceu um recorde mundial absoluto de velocidade média em um percurso reto de ida e volta de 32,2 km (20 milhas) com a marca de 1.606,342 mph (2.585,086 km/h).[54][55][56][57]
  • Em 5 de dezembro de 1961, outro Phantom estabeleceu um recorde de altitude sustentada de 66.443,8 pés (20.252 m).[58]
  • Projeto High Jump: Uma série de recordes de tempo para altitude foi estabelecida no início de 1962: 34,523 segundos para 3.000 m (9.840 pés), 48,787 segundos para 6.000 m (19.700 pés), 61,629 segundos para 9.000 m (29.500 pés), 77,156 segundos para 12.000 m (39.400 pés), 114,548 segundos para 15.000 m (49.200 pés), 178,5 segundos para 20.000 m (65.600 pés), 230,44 segundos para 25.000 m (82.000 pés) e 371,43 segundos para 30.000 m (98.400 pés).[59] Todos os recordes do Projeto High Jump foram estabelecidos pelo F4H-1 de número de produção 108 (Número de Bordo 148423).[60][61][62][63] Dois dos recordes foram estabelecidos pelo futuro astronauta John Young.[64][65]

Projeto[editar | editar código-fonte]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

O F-4 Phantom é um caça-bombardeiro de assentos em tandem projetado como um interceptor baseado em porta-aviões para desempenhar o papel de defensor da frota da Marinha dos Estados Unidos. Inovações no F-4 incluíram um radar avançado de pulso-Doppler e o amplo uso de titânio em sua estrutura.[66]

Apesar de suas dimensões imponentes e de um peso máximo de decolagem de mais de 27.000 kg,[67] o F-4 possui uma velocidade máxima de Mach 2,23 e uma taxa de subida inicial de mais de 41.000 pés por minuto (210 m/s).[68] Os nove pontos de suporte externos do F-4 têm uma capacidade de até 8.480 kg de armas, incluindo mísseis ar-ar e ar-superfície, além de armas não guiadas, guiadas e termonucleares.[69] Como outros interceptadores da época, o F-4 foi projetado sem um canhão interno.[70]

O desempenho básico de um caça de classe Mach 2 com alcance estendido e uma carga útil de tamanho de bombardeiro seria o modelo para a próxima geração de caças otimizados para combate aéreo diurno.[71]

Características de voo[editar | editar código-fonte]

"A velocidade é vida" era o slogan dos pilotos de F-4, pois a maior vantagem do Phantom no combate aéreo era a aceleração e o empuxo,[20] o que permitia a um piloto habilidoso engajar e desengajar da luta à vontade. Os MiG geralmente conseguiam fazer curvas mais fechadas que o F-4 devido ao alto arrasto na estrutura aerodinâmica do Phantom.[72] Como uma aeronave de combate de grande porte projetada para disparar mísseis guiados por radar além do alcance visual, o F-4 carecia da agilidade de seus oponentes soviéticos e estava sujeito a um efeito adverso de guinada durante manobras bruscas. Embora o F-4 estivesse sujeito a giros irreversíveis durante rolagens com os ailerons, os pilotos relataram que a aeronave era muito responsiva e fácil de voar no limite de seu envelope de desempenho. Em 1972, o modelo F-4E foi atualizado com flaps de bordo de ataque na asa, melhorando significativamente a capacidade de manobra em ângulos de ataque elevados em detrimento da velocidade máxima.[73]

O cockpit do F-4 Phantom II

O J79 tinha um tempo de resposta reduzido entre o piloto avançar a manete do acelerador, desde o ponto morto até a potência máxima, e o motor produzir a potência máxima em comparação com motores anteriores. Durante o pouso no USS Midway (CV-41), o gancho de parada de John Chesire perdeu a engrenagem de parada quando ele (por engano) reduziu a potência para o ponto morto. Em seguida, ele acelerou bruscamente a manete para o pós-combustor total, e o tempo de resposta do motor foi suficiente para retornar rapidamente à potência máxima, permitindo que ele conseguisse decolar novamente com sucesso.[20] O J79 produzia quantidades perceptíveis de fumaça preta (em configurações de meia aceleração/cruzeiro), uma desvantagem grave, pois facilitava a detecção da aeronave pelo inimigo.[74] Duas décadas após a entrada em serviço da aeronave,[20] esse problema foi resolvido no F-4S, que foi equipado com a variante do motor -10A com um queimador sem fumaça.[75]

A falta de uma arma interna "foi o maior erro no F-4", disse Chesire; "As balas são baratas e tendem a ir para onde você as aponta. Eu precisava de uma arma e realmente desejava ter uma." O general do Corpo de Fuzileiros Navais, John R. Dailey, lembrou que "todos nos RF-4s desejavam ter uma arma na aeronave".[20] Por um breve período, a doutrina sustentava que o combate em manobras seria impossível em velocidades supersônicas e pouco esforço foi feito para ensinar aos pilotos manobras de combate aéreo. Na realidade, os combates rapidamente se tornavam subsônicos, já que os pilotos diminuíam a velocidade na tentativa de se posicionar atrás de seus adversários. Além disso, os mísseis de busca de calor e radar, relativamente novos na época, frequentemente eram relatados como pouco confiáveis, e os pilotos tinham que disparar vários mísseis apenas para atingir um caça inimigo. Para piorar o problema, as regras de engajamento no Vietnã proibiam ataques de mísseis de longo alcance na maioria dos casos, pois a identificação visual era normalmente necessária. Muitos pilotos se encontravam atrás de uma aeronave inimiga, mas muito próximos para disparar mísseis de curto alcance Falcons ou Sidewinders. Embora a partir de 1965, os F-4C da USAF começassem a carregar pods externos SUU-16 contendo um canhão M61A1 Vulcan de 20 mm, os cockpits da USAF não estavam equipados com miras computadoras de chumbo até a introdução do SUU-23, praticamente garantindo um erro em um combate manobrado. Alguns aviões do Corpo de Fuzileiros Navais carregavam dois pods para disparo de metralhadora. Além da perda de desempenho devido ao arrasto, o combate mostrou que o canhão montado externamente era impreciso, a menos que fosse frequentemente alinhado, mas muito mais econômico que os mísseis. A falta de um canhão foi finalmente abordada pela adição de um M61A1 Vulcan de 20 mm montado internamente no F-4E.[76]

Custos[editar | editar código-fonte]

F-4C RF-4C F-4D F-4E
P&D por unidade 61.200 (1965)

568.313 (2023)

22.700 (1965)

210.796 (2023)

Fuselagem 1.388.725 (1965)

12.895.932 (2023)

1.679.000 (1965)

15.591.471 (2023)

1.018.682 (1965)

9.459.651 (2023)

1.662.000 (1965)

15.433..609 (2023)

Motores 317.647 (1965)
2.949.723 (2023)
276.000 (1965)
2.562.983 (2023)
260.563 (1965)
2.419.631 (2023)
393.000 (1965)
3.649.564 (2023)
Eletrônicos 52.287 (1965)
485.546 (2023)
293.000 (1965)
2.720.847 (2023)
262.101 (1965)
2.433.914 (2023)
299.000 (1965)
2.776.564 (2023)
Armamento 139.706 (1965)
1.297.333 (2023)
73.000 (1965)
677.890 (2023)
133.430 (1965)
1.239.053 (2023)
111.000 (1965)
1.030.765 (2023)
Munição 6,817 (1965)
63.304 (2023)
8,000 (1965)
74.289 (2023)
Custo de aquisição 1,9 milhão (1965)
17,6 milhões (2023)
2,3 milhões (1965)
21,4 milhões (2023)
1,7 milhão (1965)
15,8 milhões (2023)
2,4 milhões (1965)
22,3 milhões (2023)
Custos de modificação 116.289 (1965)
1.079.879 (2023)
55.217 (1965)
512.754 (2008)
233.458 (1965)
2.167.930 (2023)
7.995 (1965)
74.243 (2023)
Custo por hora de voo 924 (1965)
8.580 (2023)
867 (1965)
8.051 (2023)
896 (1965)
8.320 (2023)
867 (1965)
8.051 (2023)
Custo de manutenção por hora de voo 545 (1965)
5.061 (2023)

Nota: Os valores originais estavam em dólares americanos de 1965.[77] As cifras nestas tabelas foram ajustadas pela inflação para o ano de 2023.

Histórico operacional[editar | editar código-fonte]

Resumo do uso do F-4 na Guerra do Vietnã
Aeronave Armas/Táticas MiG-17 MiG-19 MiG-21 Total
F-4C AIM-7 Sparrow 4 0 10 14
AIM-9 Sidewinder 12 0 10 22
Canhão de 20 mm 3 0 1 4
Táticas de manobra 2 0 0 2
F-4D AIM-4 Falcon 4 0 1 5
AIM-7 Sparrow 4 2 20 26
AIM-9 Sidewinder 0 2 3 5
Canhão de 20 mm 4,5 0 2 6,5
Táticas de manobra 0 0 2 2
F-4E AIM-7 Sparrow 0 2 8 10
AIM-9 Sidewinder 0 0 4 4
AIM-9+20 mm 0 0 1 1
Metralhadora de 20 mm 0 1 4 5
Táticas de manobra 0 1 0 1
Total 33,5 8 66 107,5

Força Aérea dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

A serviço da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), o F-4 foi inicialmente designado como F-110A[78] antes da introdução do sistema de designação de aeronaves dos Estados Unidos em 1962. A USAF rapidamente adotou o projeto e se tornou o maior usuário do Phantom.

Ao contrário da Marinha dos Estados Unidos e do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, que voavam o Phantom com um Aviador Naval (piloto) no assento da frente e um oficial de interceptação radar no assento de trás, a Força Aérea dos Estados Unidos inicialmente voava seus Phantoms com um Piloto da Força Aérea qualificado tanto no assento da frente quanto no assento de trás. Os pilotos geralmente não gostavam de voar no assento de trás;[20] embora o GIB, ou "o cara de trás", pudesse voar e, em teoria, pousar a aeronave, ele tinha menos instrumentos de voo e uma visão frontal muito restrita. Mais tarde, a Força Aérea designou um Navegador como oficial de sistemas de armas/mira (mais tarde designado oficial de sistemas de armas ou WSO) no assento traseiro, em vez de outro piloto.[79][20]

Vietnã[editar | editar código-fonte]

Os primeiros Phantoms da USAF no Vietnã foram os F-4Cs do 43.º Esquadrão Tático de Caças, que chegaram em dezembro de 1964.[80]

Em 10 de julho de 1965, os F-4C do 45.º Esquadrão de Caça Tático, 15.ª Ala de Caça Tática, em missão temporária em Ubon, Tailândia,[81] conquistaram as primeiras vitórias da USAF contra os MiG-17 norte-vietnamitas usando mísseis ar-ar AIM-9 Sidewinder.[82] Em 26 de abril de 1966, um F-4C do 480.º Esquadrão de Caça Tático obteve a primeira vitória aérea por uma tripulação aérea dos EUA sobre um MiG-21 "Fishbed" norte-vietnamita.[83]

As primeiras aeronaves sofriam com vazamentos nos tanques de combustível das asas, que precisavam ser vedados novamente após cada voo, e foram encontradas rachaduras em nervuras externas das asas e longarinas em 85 aeronaves.[84] Também havia problemas com os cilindros de controle dos ailerons, conectores elétricos e incêndios no compartimento do motor. Os RF-4Cs de reconhecimento estrearam no Vietnã em 30 de outubro de 1965, realizando missões de reconhecimento pós-ataque arriscadas. Os Thunderbirds da USAF utilizaram o F-4E a partir da temporada de 1969 até 1974.[85]

Dois F-4D da 435.ª Esquadrilha de Caça sobre o Vietnã

Embora o F-4C fosse essencialmente idêntico ao F-4B da Marinha em desempenho de voo e carregasse os mísseis AIM-9 Sidewinder, os F-4D adaptados para a USAF chegaram inicialmente em junho de 1967 equipados com mísseis AIM-4 Falcons. No entanto, o Falcon, assim como seus antecessores, foi projetado para derrubar bombardeiros pesados voando em linha reta e nivelada. Sua confiabilidade não se mostrou melhor do que outros mísseis e sua sequência de disparo complexa e o tempo limitado de resfriamento da cabeça de busca o tornaram praticamente inútil em combate contra caças ágeis. Os F-4D voltaram a utilizar os Sidewinders sob o programa "Rivet Haste" no início de 1968, e até 1972 o míssil AIM-7E-2 "Dogfight Sparrow" se tornou o míssil preferido pelos pilotos da USAF. Assim como outros Phantoms utilizados na Guerra do Vietnã, os F-4Ds foram rapidamente equipados com receptores de alerta radar para detectar os mísseis terra-ar S-75 Dvina de fabricação soviética.[86]

Desde a implantação inicial do F-4C no Sudeste Asiático, os Phantoms da USAF desempenharam tanto papéis de superioridade aérea quanto de ataque ao solo, apoiando não apenas as tropas terrestres no Vietnã do Sul, mas também realizando missões de bombardeio no Laos e no Vietnã do Norte. À medida que a força de F-105 sofreu grande desgaste entre 1965 e 1968, o papel de bombardeio do F-4 aumentou proporcionalmente, até que depois de novembro de 1970 (quando o último F-105D foi retirado de combate), ele se tornou o principal sistema de entrega de munição tática da USAF. Em outubro de 1972, o primeiro esquadrão de aeronaves EF-4C Wild Weasel foi implantado na Tailândia em serviço temporário.[87]

Tempestade no Deserto[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1990, o F-4 Phantom já tinha sido retirado de serviço e substituído pelos F-14, F-15 e F-16. No entanto, a USAF ainda utilizava o F-4G Wild Weasel, especializado em supressão de mísseis e radares de orientação. Foram empregadas 46 unidades na operação de libertação do Kuwait, desempenhando um papel de liderança e crucial na destruição de quase todas as 250 posições de mísseis SAM. Apenas um F-4G foi perdido devido a um acidente operacional.[88]

Devido às características do terreno e às frequentes tempestades de areia que inviabilizavam o reconhecimento em alta altitude e por satélite, foram empregados também 18 RF-4C, provenientes do Alabama e de Nevada, na missão de reconhecimento tático.[89]

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Após o encerramento das operações na Base Aérea de Tyndall,[90] o 53.º Grupo de Avaliação de Armas em Holloman se tornou o último operador da frota de 22 QF-4. A base continuou a usá-los para voos de teste tripulados e suporte de teste de fogo não tripulado, sendo que o último voo não tripulado ocorreu em agosto de 2016.[91] O modelo foi oficialmente aposentado do serviço militar dos EUA com um voo de quatro aeronaves na Base Aérea de Holloman durante um evento em 21 de dezembro de 2016.[92] Os QF-4 restantes foram desmilitarizados após 1.º de janeiro de 2017.[93]

Marinha dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Um F-4B da Marinha dos EUA, pertencente ao VF-111, lançando bombas sobre o Vietnã, novembro de 1971

Em 30 de dezembro de 1960, o VF-121 "Pacemakers", na Base Naval de Miramar, tornou-se o primeiro operador do Phantom com seus F4H-1Fs (F-4A). O VF-74 "Be-devilers", na Base Naval Oceana, se tornou o primeiro esquadrão de Phantom implantável quando recebeu seus F4H-1 (F-4B) em 8 de julho de 1961.[94] O esquadrão completou as qualificações de porta-aviões em outubro de 1961 e a primeira implantação completa do Phantom entre agosto de 1962 e março de 1963 a bordo do USS Forrestal.[95] O segundo esquadrão da Frota do Atlântico dos EUA a receber os F-4B foi o VF-102 "Diamondbacks", que prontamente levou suas novas aeronaves no cruzeiro de testes do Enterprise.[96] O primeiro esquadrão da Frota do Pacífico dos EUA a receber o F-4B foi o VF-114 "Aardvarks", que participou do cruzeiro de setembro de 1962 a bordo do USS Kitty Hawk.[97]

Até o incidente do Golfo de Tonquim, 13 dos 31 esquadrões da Marinha estavam armados com o tipo. Os F-4B do Constellation fizeram a primeira missão de combate do Phantom na Guerra do Vietnã em 5 de agosto de 1964, voando como escolta de bombardeiros na Operação Pierce Arrow.[98] Os pilotos de caça da Marinha não estavam acostumados a voar com um RIO não piloto, mas aprenderam, com os combates aéreos no Vietnã, os benefícios do "cara atrás" ou "voz no compartimento de bagagem" ajudando na carga de trabalho.joiner A primeira vitória ar-ar do Phantom na guerra ocorreu em 9 de abril de 1965, quando um F-4B do VF-96 "Fighting Falcons", pilotado pelo Tenente (júnior) Terence M. Murphy e seu RIO, Alferes Ronald Fegan, derrubou um MiG-17 chinês. O Phantom foi então derrubado, provavelmente por um AIM-7 Sparrow de um de seus companheiros de asa.[99] Ainda há controvérsias sobre se o Phantom foi derrubado pelos canhões do MiG ou, como indicaram relatos inimigos posteriormente, por um AIM-7 Sparrow III de um dos companheiros de Murphy e Fegan.[100] Em 17 de junho de 1965, um F-4B do VF-21 "Freelancers", pilotado pelo Comandante Louis Page e o Tenente John C. Smith, derrubou o primeiro MiG norte-vietnamita da guerra.[101][102]

Durante a guerra, esquadrões da Marinha dos EUA com F-4 Phantom participaram de 84 turnos de combate com F-4Bs, F-4Js e F-4Ns. A Marinha reivindicou 40 vitórias ar-ar a um custo de 73 Phantoms perdidos em combate (sete para aeronaves inimigas, 13 para mísseis superfície-ar e 53 para defesas anti-aéreas). Outros 54 Phantoms foram perdidos em acidentes.[103]

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Em 1984, todos os F-4N da Marinha foram retirados do serviço de frota em esquadrões, e até 1987, foi a vez dos F-4S serem retirados do serviço. Em 25 de março de 1986, um F-4S pertencente ao VF-151 "Vigilantes" se tornou o último Phantom da Marinha dos EUA em serviço ativo a ser lançado de um porta-aviões, neste caso, o Midway. Em 18 de outubro de 1986, um F-4S do VF-202 "Superheats", um esquadrão de caças da reserva naval, realizou o último pouso de um Phantom em um porta-aviões enquanto operava a bordo do America. Em 1987, os últimos F-4S operados pela reserva naval foram substituídos por F-14A. Os últimos Phantoms em serviço com a Marinha foram os drones alvo QF-4N e QF-4S operados pelo Centro de Guerra Aérea Naval em Point Mugu, Califórnia.[104] Esses modelos foram posteriormente aposentados em 2004.[105]

Um F-4B do VMFA-314 sobrevoa o Vietnã do Sul em setembro de 1968

Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

O Corpo de Fuzileiros Navais recebeu seus primeiros F-4B em junho de 1962, com os "Black Knights" do VMFA-314 na Base Aérea de El Toro, na Califórnia, se tornando o primeiro esquadrão operacional. Os Phantoms dos Fuzileiros Navais do VMFA-531 "Grey Ghosts" foram designados para a Base Aérea de Da Nang, na costa nordeste do Vietnã do Sul, em 10 de maio de 1965, e inicialmente foram designados para fornecer defesa aérea para o Corpo de Fuzileiros. Eles logo começaram a realizar missões de apoio aéreo aproximado (CAS) e os esquadrões VMFA-314 "Black Knights", VMFA-232 "Red Devils", VMFA-323 "Death Rattlers" e VMFA-542 "Bengals" logo chegaram ao campo.[106]

O F-4 continuou a equipar esquadrões de caça e ataque tanto em unidades ativas quanto na reserva dos Fuzileiros Navais ao longo das décadas de 1960, 1970, 1980 e início da década de 1990. No início dos anos 1980, esses esquadrões começaram a fazer a transição para o F/A-18 Hornet, começando pelo mesmo esquadrão que introduziu o F-4 nos Fuzileiros Navais, o VMFA-314 em El Toro, na Califórnia. Em 18 de janeiro de 1992, o último Phantom dos Fuzileiros Navais, um F-4S na reserva, foi aposentado pelos "Cowboys" do VMFA-112 na Base Aeronaval de Dallas, Texas, após o qual o esquadrão foi reequipado com os F/A-18 Hornets.[107]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

Dois F-4F da Força Aérea Alemã, 1998

A Força Aérea Alemã (Luftwaffe) inicialmente encomendou a versão de reconhecimento RF-4E em 1969, recebendo um total de 88 aeronaves a partir de janeiro de 1971.[108] Em 1973, no âmbito do programa "Peace Rhine", a Luftwaffe adquiriu 175 unidades do F-4F. A variante "F" era uma versão mais ágil da versão "E", devido ao seu menor peso e asas com flaps. No entanto, isso foi alcançado em detrimento da capacidade de combustível reduzida e da eliminação da capacidade de mísseis AIM-7 Sparrow. Essas compras fizeram da Alemanha o maior cliente de exportação do Phantom.[109]

Em 1975, a Alemanha também recebeu 10 F-4E para treinamento nos Estados Unidos. No final da década de 1990, essas aeronaves foram retiradas de serviço após serem substituídas pelo F-4F.[110] Em 1982, os RF-4E inicialmente desarmados receberam uma capacidade secundária de ataque ao solo; essas aeronaves foram aposentadas em 1994.[111] O F-4F passou por atualizações no meio da década de 1980. A Alemanha também iniciou o programa Improved Combat Efficiency (ICE) em 1983. Os 110 F-4Fs atualizados com o ICE entraram em serviço em 1992[112] e era esperado que permanecessem em serviço até 2012.[113] Todos os Phantoms restantes da Luftwaffe estavam baseados em Wittmund com o Jagdgeschwader 71 (esquadrão de caça 71) no norte da Alemanha e WTD61 em Manching.[114] Um total de 24 F-4F Phantom II alemães foram operados pelo 49.º Esquadrão Tático de Caça da Força Aérea dos EUA na Base Aérea de Holloman para treinar equipes da Luftwaffe até dezembro de 2004. Phantoms foram implantados em estados da OTAN no âmbito do Policiamento Aéreo do Báltico a partir de 2005, 2008, 2009, 2011 e 2012. A Força Aérea Alemã aposentou seus últimos F-4F em 29 de junho de 2013. Os F-4F alemães voaram 279 mil horas desde o início do serviço em 31 de agosto de 1973 até a aposentadoria.[115][116]

Austrália[editar | editar código-fonte]

Um F-4E Phantom II da RAAF na Base aérea de Pearce em 1971.

A Real Força Aérea Australiana (RAAF) alugou 24 F-4E da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) de 1970 a 1973 enquanto aguardava a entrega do seu pedido dos F-111C da General Dynamics. Eles foram tão bem aceitos que a RAAF considerou manter as aeronaves mesmo após a entrega dos F-111C.[117] Eles foram operados pela Base Aérea de Amberley pelo Esquadrão N.º 1 e Esquadrão N.º 6.[118]

Coréia do Sul[editar | editar código-fonte]

A Força Aérea da Coreia do Sul adquiriu seu primeiro lote de aviões F-4D Phantom usados da USAF em 1968, por meio do programa "Peace Spectator". Os F-4D continuaram a ser entregues até 1988. O programa "Peace Pheasant II" também forneceu F-4E novos e ex-USAF.[119]

Egito[editar | editar código-fonte]

Em 1979, a Força Aérea Egípcia comprou 35 F-4E da antiga USAF, juntamente com um número de mísseis Sparrow, Sidewinder e Maverick, dos Estados Unidos por US$ 594 milhões, como parte do programa "Peace Pharaoh" (Faraó da Paz).[120] Mais sete aeronaves excedentes da USAF foram compradas em 1988.[121] Até o final da década de 1990, três substituições por perdas haviam sido recebidas.[122]

Os F-4E egípcios foram aposentados em 2020, e sua antiga base foi reconfigurada para a operação dos F-16C/D Fighting Falcons.[123]

Espanha[editar | editar código-fonte]

A Força Aérea Espanhola adquiriu seu primeiro lote de F-4C Phantoms ex-USAF em 1971, por meio do programa "Peace Alfa". Designados C.12, essas aeronaves foram aposentadas em 1989. Ao mesmo tempo, a força aérea recebeu um número de RF-4Cs ex-USAF, designados CR.12. Entre 1995 e 1996, essas aeronaves passaram por extensas atualizações de aviônica. A Espanha aposentou seus RF-4 em 2002.[124][125]

Grécia[editar | editar código-fonte]

F-4E Phantom iraniano sendo reabastecido durante a Guerra Irã-Iraque, em 1982.

Em 1971, a Força Aérea Helênica encomendou novos F-4E Phantoms, com as entregas começando em 1974. No início dos anos 1990, a Força Aérea Helênica adquiriu RF-4E e F-4E excedentes da Luftwaffe e da Guarda Nacional dos Estados Unidos.[126][127] Após o sucesso do programa alemão ICE, em 11 de agosto de 1997, foi assinado um contrato entre a DASA da Alemanha e a Indústria Aeroespacial Helênica para a modernização de 39 aeronaves para o padrão "Peace Icarus 2000".[128] Em 5 de maio de 2017, a Força Aérea Helênica aposentou oficialmente o RF-4E Phantom II durante uma cerimônia pública.[129]

Irã[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1960 e 1970, quando os Estados Unidos e o Irã estavam em bons termos, os Estados Unidos entregaram 225 Phantoms F-4D, F-4E e RF-4E ao Irã, tornando-o o segundo maior cliente de exportação.[130] A Força Aérea Iraniana se envolveu em pelo menos um combate, resultando em uma perda, quando um RF-4C se colidiu[131] com um MiG-21 soviético durante o Projeto Dark Gene, uma operação de ELINT durante a Guerra Fria.

Os Phantoms da Força Aérea da República Islâmica do Irã tiveram uma intensa participação na Guerra Irã-Iraque nos anos 1980 e foram mantidos operacionais por meio de revisões e serviços realizados pela indústria aeroespacial do Irã.[132] Operações notáveis dos F-4 iranianos durante a guerra incluíram a Operação Scorch Sword, um ataque de dois F-4 contra o reator nuclear iraquiano de Osirak perto de Bagdá em 30 de setembro de 1980,[133] e o ataque em H3, um bombardeio realizado por oito F-4 iranianos contra o complexo de bases aéreas H-3 no extremo oeste do Iraque em 4 de abril de 1981, que resultou na destruição ou danos de muitas aeronaves iraquianas sem perdas iranianas.[134]

Os F-4 iranianos estavam em uso até o final de 2014;[135] as aeronaves supostamente realizaram ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico na província iraquiana de Diala.[136]

Israel[editar | editar código-fonte]

Caças F-4E da Força Aérea Israelense decolando durante a Guerra do Yom Kippur em outubro de 1973.

A Força Aérea Israelense adquiriu entre 212 e 222[137] aeronaves recém-construídas e ex-USAF, e modificou várias delas como variantes especiais de reconhecimento únicas. Os primeiros F-4Es, apelidados de "Kurnass" (Marreta), e RF-4Es, apelidados de "Orev" (Corvo), foram entregues em 1969 no âmbito do programa "Peace Echo I". Phantoms adicionais chegaram durante os anos 1970 nos programas "Peace Echo II" até "Peace Echo V" e "Nickel Grass". Os Phantoms israelenses participaram intensamente de combates durante os conflitos árabe-israelenses, entrando em ação pela primeira vez durante a Guerra de Desgaste.[138] Na década de 1980, Israel iniciou o programa de modernização "Kurnass 2000", que atualizou significativamente a aviónica da aeronave.[139] Os últimos F-4 israelenses foram aposentados em 2004.[140]

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

O Reino Unido comprou versões baseadas no F-4J da Marinha dos Estados Unidos para uso na Força Aérea REal e na Fleet Air Arm da Marinha Real. O Reino Unido foi o único país fora dos Estados Unidos a operar o Phantom no mar, com as aeronaves operando a partir do HMS Ark Royal (R09). As principais diferenças eram o uso dos motores Rolls-Royce Spey britânicos e da aviónica fabricada no Reino Unido. As versões da Marinha Real e da RAF receberam as designações F-4K e F-4M, respectivamente, e entraram em serviço nas designações de aeronaves militares britânicas Phantom FG.1 (caça/ataque terrestre) e Phantom FGR.2 (caça/ataque terrestre/reconhecimento).[141][142]

Em 1982, durante a Guerra das Malvinas, três Phantom FGR2 do Esquadrão N.º 29 estavam em serviço ativo de Alerta de Reação Rápida na Ilha de Ascenção para proteger a base de ataques aéreos.[143] Após a Guerra das Malvinas, 15 F-4J ex-USN atualizados, conhecidos como F-4J(UK), entraram em serviço na RAF para compensar o destacamento de um esquadrão de interceptação para as Ilhas Malvinas.[144]

Os Phantoms interceptores foram substituídos pelo Panavia Tornado F3 a partir do final da década de 1980, e os últimos Phantoms britânicos em serviço de combate foram aposentados em outubro de 1992, quando o Esquadrão N.º 74 foi desativado.[145][146] O Phantom FG.1 XT597 foi o último Phantom britânico a ser aposentado, em 28 de janeiro de 1994. Ele foi usado como uma aeronave de teste pelo Aeroplane and Armament Experimental Establishment durante toda a sua vida útil.[147][148]

Turquia[editar | editar código-fonte]

Um F-4E Phantom II da Força Aérea Turca, armado com mísseis Popeye, decola de Cônia, Turquia, durante o Exercício Anatolian Eagle.

A Força Aérea Turca recebeu 40 F-4E em 1974, com mais 32 F-4E e 8 RF-4E em 1977-78, no âmbito do programa "Peace Diamond III". Isso foi seguido por mais 40 aeronaves ex-USAF no programa "Peace Diamond IV" em 1987 e mais 40 aeronaves em 1991.[149] Outros 32 RF-4E foram transferidos para a Turquia após serem aposentados pela Luftwaffe entre 1992 e 1994.[150] Em 1995, a Israel Aerospace Industries (IAI) implementou uma atualização semelhante ao Kurnass 2000 em 54 F-4E turcos, que foram chamados de F-4E 2020 Terminator.[151] Os F-4 turcos, juntamente com os F-16 mais modernos, têm sido usados para atacar bases do PKK curdo em operações militares em curso no norte do Iraque.[152][153] Em 22 de junho de 2012, um RF-4E turco foi abatido pelas defesas aéreas sírias durante um voo de reconhecimento próximo à fronteira entre a Turquia e a Síria.[154][153] A Turquia afirmou que a aeronave de reconhecimento estava em espaço aéreo internacional quando foi abatida, enquanto as autoridades sírias afirmaram que estava dentro do espaço aéreo sírio.[155] Os F-4 turcos permaneceram em uso até 2020,[156][157] e o plano é operá-los pelo menos até 2030.[158]

Em 24 de fevereiro de 2015, dois RF-4E caíram na região de Malatya, no sudeste da Turquia, sob circunstâncias ainda desconhecidas, resultando na morte dos dois tripulantes em cada aeronave.[159][160][161] Em 5 de março de 2015, um F-4E-2020 caiu na região central da Anatólia, resultando na morte de ambos os tripulantes.[162][163] Após os acidentes recentes, a Força Aérea Turca retirou os RF-4E do serviço ativo. Relatos indicaram que a Turquia usou jatos F-4 para atacar separatistas do PKK e a capital do ISIS em 19 de setembro de 2015.[164] A Força Aérea Turca supostamente utilizou os F-4E 2020 na fase mais recente do conflito com o PKK em missões de bombardeio pesado no Iraque em 15 de novembro de 2015, 12 de janeiro de 2016 e 12 de março de 2016.[165][166]

Uso civil[editar | editar código-fonte]

Os Laboratórios Nacionais Sandia realizaram um teste de colisão no qual um F-4 foi montado em um "trenó de foguete" para registrar os resultados do impacto de uma aeronave em uma estrutura de concreto reforçado, como uma usina nuclear.[167]

O F-4D Phantom II da Collings Foundation, com marcações da era do Vietnã "Ritchie/DeBellevue", taxia na Selfridge Air National Guard Base, em maio de 2005.

Uma aeronave, um F-4D (registro civil NX749CF), é operada pela organização sem fins lucrativos Collings Foundation, sediada em Massachusetts, como uma "exposição de história viva".[168][169] Os fundos para manter e operar a aeronave, que está baseada em Houston, Texas, são arrecadados por meio de doações/patrocínios de entidades públicas e comerciais.[170][171]

Após considerar o Lockheed F-104 Starfighter inadequado, a NASA usou o F-4 para fotografar e filmar mísseis Titan II após o lançamento no Cabo Canaveral durante os anos 1960. O coronel aposentado da Força Aérea dos EUA, Jack Petry, descreveu como ele colocou seu F-4 em um mergulho em Mach 1.2 sincronizado com a contagem regressiva do lançamento, e então "seguia o rastro (do foguete)". O Phantom de Petry permaneceu com o Titan por 90 segundos, atingindo 68.000 pés, e então se afastou enquanto o míssil continuava no espaço.[20]

O Centro de Pesquisa de Voo Neil A. Armstrong da NASA adquiriu um F-4A em 3 de dezembro de 1965. Ele realizou 55 voos em apoio a programas curtos, missões de acompanhamento do X-15 e voos de corpos sustentadores. O F-4 também apoiou um programa de monitoramento biomédico envolvendo 1 mil voos por pilotos de pesquisa aeroespacial do Centro de Pesquisa de Voo da NASA e estudantes da Escola de Pilotos de Teste da Força Aérea dos Estados Unidos, voando aeronaves de alto desempenho. Os pilotos foram instrumentados para registrar dados precisos e confiáveis de eletrocardiograma, taxa de respiração e aceleração normal. Em 1967, o Phantom apoiou um breve programa de inspiração militar para determinar se o estrondo sônico de um avião poderia ser direcionado e se poderia ser usado como uma espécie de arma, ou pelo menos um incômodo. A NASA também voou um F-4C em um estudo de sopro em envergadura de 1983 a 1985, após o qual ele foi devolvido.[172]

Variantes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Versões do F-4 Phantom II

F-4A, B, J, N e S

Variantes para a Marinha dos Estados Unidos e o Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos. O F-4B foi atualizado para F-4N, e o F-4J foi atualizado para F-4S.

F-110 (designação original da USAF para o F-4C), F-4C, D e E

Variantes para a Força Aérea dos Estados Unidos. O F-4E introduziu um canhão M61 Vulcan interno. O F-4D e E foram os mais produzidos em grande quantidade, amplamente exportados e também amplamente utilizados no sistema de defesa aérea Semi Automatic Ground Environment (SAGE) dos Estados Unidos.

F-4G Wild Weasel V

Uma variante dedicada de supressão de defesas aéreas inimigas (SEAD) para a Força Aérea dos Estados Unidos, com radar e aviônicos atualizados, convertida a partir do F-4E. A designação F-4G foi aplicada anteriormente a um Phantom da Marinha dos Estados Unidos totalmente diferente.

F-4K e M

Um RF-4E Phantom II da Força Aérea Helênica em uma pintura especial, Reino Unido.

Variantes para a Marinha Real e a Força Aérea Real, respectivamente, com motores turbofan Rolls-Royce Spey.

F-4EJ e RF-4EJ

Versões simplificadas do F-4E exportadas para o Japão e construídas sob licença. Alguns foram modificados para a função de reconhecimento, carregando pods de reconhecimento fotográfico e/ou eletrônico e designados RF-4EJ.

F-4F

Versão simplificada do F-4E exportada para a Alemanha.

QRF-4C, QF-4B, E, G, N e S

Aeronaves aposentadas convertidas em drones de alvo controlados remotamente, utilizados para pesquisa de sistemas de armas e defensivos pelas Forças Armadas dos Estados Unidos.

RF-4B, C e E

Variantes de reconhecimento tático.

Utilizadores[editar | editar código-fonte]

 Grécia
F-4E Phantom II iraniano armado com o míssil AGM-65 Maverick.
 Irão
 Coréia do Sul
 Turquia

Aposentado[editar | editar código-fonte]

 Austrália
 Egito
 Alemanha
 Grécia

 Irão

 Israel
 Japão
 Coréia do Sul
F-4C Phantom II da Força Aérea da Espanha, junho de 1993
 Espanha
 Turquia
 Reino Unido
 Estados Unidos

Especificações (F-4E)[editar | editar código-fonte]

Visão de 3 lados do F-4E

Dados de The Great Book of Fighters[200] NASA,[201] Encyclopedia of USAF Aircraft,[77] e McDonnell F-4 Phantom: Spirit in the Skies.[202]

Características gerais[editar | editar código-fonte]

  • Tripulação: 2
  • Comprimento: 19,2 metros
  • Envergadura: 11,7 m
  • Largura: 8,4 m (asa dobrada)[203]
  • Altura: 5 m
  • Área da asa: 49,2
  • Razão de aspecto: 2,77
  • Aerofólio: Raiz NACA 0006.4-64, ponta NACA 0003-64
  • Peso vazio: 13.757 kg
  • Peso bruto: 18.824 kg
  • Peso máximo de decolagem (MTOW): 28.030 kg
  • Peso máximo de pouso: 16.706 kg
  • Capacidade de combustível: 7.550 litros internamente, 2.620 litros com 2 tanques externos 1.400 litros nos pontos duros da asa externa e um tanque de 2.300 para a estação central.
  • Propulsão: 2 motores turbojato com pós-combustão General Electric J79-GE-17A, empuxo de 52,96 kN cada em seco, 79,38 kN com pós-combustão.

Desempenho[editar | editar código-fonte]

  • Velocidade máxima: 1.280 nós (2.370 km/h) a 40.000 pés (12.000 m)
  • Velocidade máxima: Mach 2.23
  • Velocidade de cruzeiro: 510 nós (940 km/h)
  • Alcance de combate: 370 milhas náuticas (680 km)
  • Alcance total máximo: 1.457 milhas náuticas (2.699 km)
  • Teto operacional: 60.000 pés (18.000 m)
  • Taxa de subida: 41.300 pés/min (210 m/s)
  • Razão de sustentação/arrasto: 8.58
  • Carga alar: 380 kg/m²
  • Empuxo/peso: 0,86 com peso carregado, 0,58 com MTOW
  • Distância de decolagem: 1.370 m com 24.410 kg
  • Distância de pouso: 1.120 m com 16.706 kg

Armamento[editar | editar código-fonte]

  • O modelo E possui um canhão M61A1 Vulcan de 20 mm montado internamente sob o nariz, com 640 projéteis.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons

Desenvolvimento semelhante[editar | editar código-fonte]

Aeronaves comparáveis[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. A aeronave foi originalmente designada como AH e posteriormente redesignada como F4H pela Marinha dos Estados Unidos, enquanto a designação original da Força Aérea dos Estados Unidos era "F-110A Spectre". A designação F-4 surgiu em 1962, quando os sistemas de designação de todas as forças militares dos Estados Unidos foram unificados por ordem do Secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert McNamara. Dentro da McDonnell Aircraft, o F-4 era referido como Modelo 98.[1]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Swanborough and Bowe,rs 1976, p.. 301.
  2. «Boeing: News Feature - F-4 Phantoms Phabulous 40th Home». web.archive.org. 29 de junho de 2011. Consultado em 31 de maio de 2023 
  3. «Boeing: News Feature - F-4 Phantoms Phabulous 40th Home». web.archive.org. 29 de junho de 2011. Consultado em 31 de maio de 2023 
  4. «Boeing: News Feature - F-4 Phantoms Phabulous 40th». web.archive.org. 13 de dezembro de 2009. Consultado em 31 de maio de 2023 
  5. «Phantom 'Phirsts'», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 27 de novembro de 2012, arquivado do original em 29 de junho de 2011 .
  6. «World Record Holder», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 14 de dezembro de 2007, cópia arquivada em 6 de julho de 2009 .
  7. Dorr and Bishop 1996, pp. 200–201.
  8. Dorr and Bishop 1996, pp. 188–189.
  9. Donald Spring 1991, p. 26.
  10. Donald Summer 1991, p. 22.
  11. "F-4 Phantoms Phabulous 40th". Boeing. Consultado em: 27 de novembro de 2012.
  12. Lake 1992, p. 190.
  13. Lake 1992, p. 203.
  14. Thornborough and Davies 1994, p. 13.
  15. Thornborough and Davies 1994, p. 11.
  16. Dorr 2008, p. 61.
  17. "Phabulous 40th: Phantom Development." Arquivado em 2009-09-07 no Wayback Machine 1978 Commemorative Book. Boeing. Consultado em: 14 de fevereiro de 2008.
  18. Lake 1992, p. 15.
  19. Swanborough and Bowers 1976, p. 301.
  20. a b c d e f g h i j k Joiner, Stephen (março de 2015). «What Couldn't the F-4 Phantom Do?». Air & Space (em inglês). Consultado em 5 de junho de 2020. Cópia arquivada em 6 de junho de 2020 
  21. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  22. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  23. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  24. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  25. Angelucci 1987, p. 316.
  26. Lake 1992, p. 21.
  27. Eden 2004, p. 278.
  28. Eden 2004, p. 278.
  29. Knaack 1978, p. 266.
  30. Gunston 1979, p.246.
  31. «AWG-10 Radar, Antenna Control, Type C-8778/APG-59». Consultado em 10 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de julho de 2014 
  32. «McDonnell F-4J Phantom II». Consultado em 10 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de julho de 2014 
  33. «Project Bee Line». Arquivado do original em 3 de maio de 2012 
  34. Gunston 1981, p. 233.
  35. Dorr 1987, p. 39.
  36. "F-4 Phantoms Phabulous 40th". Boeing. Consultado em: 27 de novembro de 2012.
  37. «Aviation Photo #1025718: McDonnell Douglas (Mitsubishi) F-4EJ Kai Phantom II - Japan - Air Force». Airliners.net. Consultado em 31 de maio de 2023 
  38. "Directory: World Air Forces". Arquivado em 2017-10-11 no Wayback Machine Flight International, 11–17 de novembro de 2008, pp. 52–76.
  39. «Final flight farewells Phantom». Consultado em 23 de abril de 2017. Cópia arquivada em 24 de abril de 2017 
  40. «Boeing: News Feature - F-4 Phantoms Phabulous 40th Home». web.archive.org. 29 de junho de 2011. Consultado em 31 de maio de 2023 
  41. «Phantom 'Phirsts'», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 27 de novembro de 2012, arquivado do original em 29 de junho de 2011 .
  42. «World Record Holder», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 14 de dezembro de 2007, cópia arquivada em 6 de julho de 2009 .
  43. "This day in aviation: 6 December 1959" Arquivado em 2014-04-26 no Wayback Machine Bryan R. Swopes. Consultado em: 25 de abril de 2014.
  44. Lake 1992, pp. 16, 17.
  45. «World Record Holder», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 14 de dezembro de 2007, cópia arquivada em 6 de julho de 2009 .
  46. «World Record Holder», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 14 de dezembro de 2007, cópia arquivada em 6 de julho de 2009 .
  47. “Naval Aviation News”, julho de 1961, p. 6
  48. «World Record Holder», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 14 de dezembro de 2007, cópia arquivada em 6 de julho de 2009 .
  49. «Seattle native Dick Gordon orbits the moon on November 18, 1969.». www.historylink.org. Consultado em 31 de maio de 2023 
  50. Grossnick, Roy A. "Part 9 – The Sixth Decade 1960–1969." Arquivado em 2008-02-27 no Wayback Machine history.navy.mil. Consultado em: 21 de julho de 2010.
  51. "United States Naval Aviation 1910–1995." Arquivado em 2012-09-12 no Wayback Machine Naval Historical Center, 1997. Consultado em: 21 de julho de 2010.
  52. «World Record Holder», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 14 de dezembro de 2007, cópia arquivada em 6 de julho de 2009 .
  53. «McDonnell F-4A (F4H-1) Phantom II». web.archive.org. 5 de janeiro de 2007. Consultado em 31 de maio de 2023 
  54. «World Record Holder», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 14 de dezembro de 2007, cópia arquivada em 6 de julho de 2009 .
  55. McComb, Enterprise Journal, USM .
  56. «22 November 1961». This Day in Aviation. 22 de novembro de 2016. Consultado em 15 de março de 2017. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  57. «22 November 1961». 22 de novembro de 2021. Consultado em 15 de março de 2017. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  58. «World Record Holder», Boeing, Phabulous 40th, consultado em 14 de dezembro de 2007, cópia arquivada em 6 de julho de 2009 .
  59. Thornborough and Davies 1994, p. 15.
  60. "Naval Aviation News", abril de 1962, p. 12
  61. "Naval Aviation News", junho de 1962, p. 12
  62. «USN Photo 1143454». Consultado em 7 de maio de 2022. Cópia arquivada em 7 de maio de 2022 
  63. «US Navy and US Marine Corps BuNos--Third Series (145062 to 150138)». www.joebaugher.com. Consultado em 7 de maio de 2022. Cópia arquivada em 17 de junho de 2010 
  64. “Naval Aviation News”, abril de 1962, p. 12
  65. ”Naval Aviation News”, junho de 1962, p. 12
  66. "Phabulous 40th: Current Uses of Titanium: F-4." Arquivado em 2009-09-09 no Wayback Machine Boeing, 1971. "F-4B/C 1,006 lb. 7.7% of Structure, F-J/E 1,261 lb. 8.5% of Structure". Consultado em: 14 de fevereiro de 2008.
  67. Donald and Lake 1996, p. 268.
  68. Dorr and Donald 1990, p. 198.
  69. McDonnell Douglas F-4D "Phantom II". Arquivado em 2009-09-23 no Wayback Machine National Museum of the USAF. Consultado em: 20 de janeiro de 2008.
  70. Angelucci 1987, p. 310.
  71. Donald, David. Warplanes of the Fleet. London: AIRtime Publishing Inc., 2004. ISBN 1-880588-81-1.
  72. Goebel, Greg. "Phantom Over Southeast Asia." Arquivado em 2008-01-23 no Wayback Machine Vectorsite.net. Consultado em: 18 de janeiro de 2008.
  73. Higham and Williams 1978.
  74. "McDonnell Douglas F-4S Phantom" Arquivado em 2010-02-27 no Wayback Machine MAPS Air Museum at Akron-Canton Airport. Consultado em: 28 de março de 2010.
  75. Richardson and Spick 1984, p. 25.
  76. Higham and Williams 1978.
  77. a b Knaack 1978
  78. "Fact sheet discussing the F-110." Arquivado em 2014-12-20 no Wayback Machine National Museum of the U.S. Air Force. Consultado em: 26 de maio de 2008.
  79. Wetterhahn, Ralph (janeiro de 2009). «Where Have All the Phantoms Gone?». Air & Space. Consultado em 9 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 17 de junho de 2013 
  80. Dorr and Bishop 1996, p. 37.
  81. Dorr and Bishop 1996, p. 38.
  82. Dorr and Bishop 1996, pp. 48–49.
  83. Dorr and Bishop 1996, p. 232.
  84. Knaack 1978
  85. Lake 1992, p. 190.
  86. Knaack 1974, p. 274.
  87. Swanborough and Bowers 1976, p. 188.
  88. Roy Braybrook (2001). Air Power. The Coalition and Iraqi Forces. [S.l.]: Osprey Publishing. pp. 16 e 56. ISBN 1-85532-179-3 
  89. Roy Braybrook (2001). Air Power. The Coalition and Iraqi Forces. [S.l.]: Osprey Publishing. 19 páginas. ISBN 1-85532-179-3 
  90. Echols, SrA Alex (28 de maio de 2015). «Final Tyndall QF-4 takes off». 325th Fighter Wing Public Affairs. Consultado em 28 de junho de 2015. Arquivado do original em 1 de julho de 2015 
  91. «Key.Aero - The Only Destination For Aviation Enthusiasts». www.key.aero (em inglês). 7 de junho de 2023. Consultado em 7 de junho de 2023 
  92. «Final flight farewells Phantom». Holloman Air Force Base (em inglês). 21 de dezembro de 2016. Consultado em 7 de junho de 2023 
  93. Stevenson2015-11-09T18:38:37+00:00, Beth. «USAF QF-4s set for 2017 out of service date». Flight Global (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2023 
  94. Thornborough and Davies 1994, p. 260.
  95. Lake 1992, p. 199.
  96. Lake 1992, p. 200.
  97. Thornborough and Davies 1994, p. 260.
  98. Dorr 1995, p. 196.
  99. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  100. Burgess 1985, p. 388.
  101. Dorr and Bishop 1996, p. 44.
  102. "Navy MiG Killers" Arquivado em 2011-07-27 no Wayback Machine, phantomphlyers.org
  103. Grossnick 1997.
  104. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  105. Hunter, Jamie and Collens, Richard. "In Relentless Pursuit of Excellence:VX-30 Bloodhounds" Arquivado em 2017-01-26 no Wayback Machine (PDF). Naval Aviation News, setembro–outubro de 2004, pp. 26–29. Consultado em: 10 de novembro de 2015.
  106. Eden 2004, p. 276.
  107. Crowther, M.J. and Rusty Baker. "The History of VMFA-112." Arquivado em 2008-02-27 no Wayback Machine Marine Fighter Attack Squadron 112, U.S. Marine Corps. Consultado em: 13 de fevereiro de 2008.
  108. Lake 1992, p. 210.
  109. Lake 1992 p. 210.
  110. Fricker 2000, p. 81.
  111. Fricker 2000, p. 80.
  112. Green and Swanborough 2001.
  113. List 2006, p. 51.
  114. Jan de Ridder, Dirk. "German Phantoms still going strong." AirForces Monthly magazine, junho de 2008, p. 40.
  115. Hoyle2013-06-26T14:02:00+01:00, Craig. «PICTURE: German air force to bid 'Pharewell' to last F-4Fs». Flight Global (em inglês). Consultado em 5 de junho de 2023 
  116. "Auf Wiedersehn, Phantom!" Arquivado em 2014-01-02 no Wayback Machine Aviation Week blog, 1 de julho de 2013.
  117. Lake 1992, p. 209.
  118. "RAAF Aircraft Series 3 A69 Phantom". Arquivado em 2008-12-21 no Wayback Machine RAAF Museum Point Cook. Consultado em: 14 de novembro de 2008.
  119. Lake 1992, p. 218.
  120. Fricker 2000, p. 59.
  121. Fricker 2000, p. 60.
  122. Lake 1992, p. 209.
  123. «Phantom wing finally re-equipped with F-16s». Arabian Aerospace. 23 de julho de 2020. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 12 de abril de 2021 
  124. "McDonnell Douglas F-4C -Phantom II". (em castelhano) Arquivado em 2007-12-27 no Wayback Machine Ejército del Aire, Ministerio de Defensa, España. Consultado em: 19 de novembro de 2007.
  125. Wierenga, Eddy. "Spanish Air Arms Other Air Forces, Ejército del Aire, FAMET, Armada." Arquivado em 2007-11-30 no Wayback Machine Scramble (revista). Consultado em: 19 de novembro de 2007.
  126. Dimitropoulos, K. F-4 Phantom (in Greek). Athens: Constantinidis Publications, 1997. ISBN 960-8426-01-4.
  127. Manakanatas, D. and D. Stergiou. Phantom F-4 (in Greek). Athens, Epikoinonies S.A., 2002.
  128. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  129. Bozinovski, Igor (8 de maio de 2017). «Hellenic Air Force retires recce squadron, RF-4Es». IHS Jane's 360. Consultado em 9 de maio de 2017. Arquivado do original em 9 de maio de 2017 
  130. Lake 1992 p. 213
  131. «Gennadii N. Eliseev Medal record and citation». Consultado em 10 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2011 
  132. Fricker 2000, p. 64.
  133. Cooper and Bishop Air Enthusiast Março/Abril de 2004, pp. 5–6.
  134. Cooper and Bishop Air Enthusiast Março/Abril de 2004, pp. 7–8.
  135. «US official confirms Iran is bombing Islamic State». Times of Israel. Consultado em 2 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2014 
  136. «Iran jets bomb Islamic State targets in Iraq – Pentagon». BBC News. Consultado em 20 de junho de 2018. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2018 
  137. Lake 1992 p. 215
  138. Nordeen 1991, p. 99.
  139. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  140. "Directory: World Air Forces: Israel." Arquivado em 2012-01-07 no Wayback Machine Flight International, 16–22 de novembro de 2004. Consultado em: 14 de fevereiro de 2008.
  141. Donald 1999, p. 11.
  142. Donald 1999, p. 5.
  143. Burden et al. 1986, pp. 417–419.
  144. Green and Swanborough 2001.
  145. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  146. Jefford 2001.
  147. «Not a Lot of People Know That...». Royal Air Force Museum. Consultado em 13 de julho de 2021. Cópia arquivada em 13 de julho de 2021 
  148. «XT897». British Phantom Aviation Group. Consultado em 13 de julho de 2021. Cópia arquivada em 13 de julho de 2021 
  149. Fricker 2000, p. 88.
  150. Fricker 2000, p. 88.
  151. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  152. "Turkey kills almost 100 terrorists in offensives led by top commanders." Arquivado em 2011-10-23 no Wayback Machine Today's Zaman, 23 de outubro de 2011.
  153. a b "Turkey to push NATO on jet downing by Syria." Arquivado em 2012-06-27 no Wayback Machine CBC, 25 de junho de 2012.
  154. «Syrian military says it downed Turkish fighter jet». BBC News (em inglês). 22 de junho de 2012. Consultado em 5 de junho de 2023 
  155. «Turkey: Jet 'downed by Syria in international airspace'». BBC News (em inglês). 24 de junho de 2012. Consultado em 5 de junho de 2023 
  156. «US official confirms Iran is bombing Islamic State». Times of Israel. Consultado em 2 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2014 
  157. Iddon, Paul. «Where Can Turkey Buy Stopgap Fighter Jets For Its Aging Air Force?». Forbes (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de maio de 2021 
  158. Tegle, Eric (28 de novembro de 2021). «Turkey's Request To Buy F-16s Reminds Us That F-4 Phantoms Aren't Ghosts Yet». Forbes. Consultado em 21 de junho de 2022. Cópia arquivada em 21 de junho de 2022 
  159. Harro Ranter. «ASN Aircraft accident 24-FEB-2015 McDonnell Douglas RF-4E Phantom II». aviation-safety.net. Consultado em 7 de abril de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  160. «Two Turkish fighter jets crash, killing four». hurriyetdailynews.com. Consultado em 7 de abril de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  161. «Four dead as two Turkish military jets crash: official». The Daily Star Newspaper – Lebanon. Consultado em 7 de abril de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  162. «Turkish F-4 Phantom crashes, two dead». janes.com. Consultado em 7 de abril de 2015. Cópia arquivada em 8 de abril de 2015 
  163. «Turkish military aircraft crashes, two pilots dead». DailySabah. 5 de março de 2015. Consultado em 7 de abril de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  164. «Turkey hits ISIS capital, targets amid war with PKK». Daily Sabah. 13 de setembro de 2015. Consultado em 14 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2015 
  165. «Turkish military destroys PKK targets in Northern Iraq». Daily Sabah. 13 de janeiro de 2016. Consultado em 12 de março de 2016. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  166. «Turkish military hit 44 PKK targets in northern Iraq». Consultado em 12 de março de 2016. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2015 
  167. Footage of 1988 rocket-sled test Arquivado em 21 julho 2011 no Wayback Machine, "Slow motion video." Arquivado em 21 julho 2011 no Wayback Machine Sandia National Laboratories via sandia.gov. Retrieved: 2 March 2011.
  168. Donald and Lake 2002, pp. 6, 8.
  169. "McDonnell Douglas Phantom II." Arquivado em 2007-10-29 no Wayback Machine Collings Foundation. Consultado em: 19 de novembro de 2007.
  170. "Collings Foundation Background." Arquivado em 2012-10-25 no Wayback Machine Collings Foundation. Consultado em: 11 de janeiro de 2008.
  171. "Sponsors." Arquivado em 2009-09-01 no Wayback Machine Collings Foundation. Consultado em: 11 de janeiro de 2008.
  172. "NASA Dryden F-4 Graphics Collection." Arquivado em 2009-11-01 no Wayback Machine NASA. Consultado em: 1 de agosto de 2009.
  173. a b c d Taghvaee, Babak (abril de 2021). «Samurai Sunset». Air Forces Monthly. Key Publishing Ltd. pp. 48–49 
  174. «Orbats: Iran – Air Force». Scramble.nl. Consultado em 22 de março de 2021. Cópia arquivada em 23 de março de 2021 
  175. Baugher, Joseph F. (28 de setembro de 2015). «Phantom with Royal Australian Air Force». Joe Baugher. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 30 de julho de 2021 
  176. «Phantom wing finally re-equipped with F-16s». Arabian Aerospace. 23 de julho de 2020. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 12 de abril de 2021 
  177. Baugher, Joseph F. (28 de setembro de 2015). «Phantom with Luftwaffe». Joe Baugher. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 15 de abril de 2021 
  178. Bozinovski, Igor (8 de maio de 2017). «Hellenic Air Force retires recce squadron, RF-4Es». IHS Jane's 360. Consultado em 9 de maio de 2017. Arquivado do original em 9 de maio de 2017 
  179. Baugher, Joseph F. (30 de março de 2004). «Phantom with Iran». Joe Baugher. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 14 de junho de 2021 
  180. Baugher, Joseph F. (28 de setembro de 2015). «Phantom with Israel». Joe Baugher. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2018 
  181. Hayles, John (3 de março de 2007). «Israel Air Force». Aeroflight. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2021 
  182. Petrinic, Emil (março de 2015). «F-4X: The Fastest Phantom». HistoryNet. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 19 de maio de 2021 
  183. Cenciotti, David (17 de março de 2021). «Japan's Last Three F-4EJ Phantoms Have Just Flown For The Last Time». The Aviationist. Consultado em 17 de março de 2021. Cópia arquivada em 18 de março de 2021 
  184. «Japan retires its last McDonnell Douglas RF-4E/EJ "Photo Phantoms" recon aircraft». Asia Pacific Defense Journal. 18 de março de 2020. Consultado em 20 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2020 
  185. Donald, David (2 de julho de 2010). «McDonnell F-4D Phantom Bows Out of Service». AIN Online. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2021 
  186. «세계 최후의 RF-4C 정찰기, 한국서 은퇴 비행». NewDaily (em Korean). 28 de fevereiro de 2014. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2021 
  187. Baugher, Joseph F. (8 de maio de 2004). «Phantom with Spain». Joe Baugher. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 30 de julho de 2021 
  188. Ozbek, Tolga (11 de março de 2015). «Twin crash prompts Turkey to order RF-4E retirement». Flight Global. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 10 de abril de 2021 
  189. «Survivors». British Phantom Aviation Group. Consultado em 13 de julho de 2021. Cópia arquivada em 13 de julho de 2021 
  190. a b «History». McDonnell-Douglas/BAC F-4K/M Phantom II. Thunder and Lightnings. Consultado em 2 de abril de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  191. «F-4A Image Gallery». NASA. 27 de agosto de 2013. Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2023 
  192. "NASA Dryden F-4 Graphics Collection." Arquivado em 1 novembro 2009 no Wayback Machine NASA. Retrieved: 1 August 2009.
  193. a b Baugher, Joseph F. (28 de setembro de 2015). «Phantom Service with USAF». Joe Baugher. Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2010 
  194. a b Baugher, Joseph F. (30 de abril de 2000). «Phantom with Air National Guard». Joe Baugher. Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2021 
  195. «Aircraft History». 152nd Airlift Wing. 2 de junho de 2008. Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 8 de maio de 2021 
  196. «82 Aerial Targets Squadron (ACC)». Air Force Historical Research Agency. 26 de dezembro de 2007. Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2020 
  197. a b Baugher, Joseph F. (28 de setembro de 2015). «Phantom with US Marine Corps». Joe Baugher. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2021 
  198. «McDonnell F-4N Phantom II BuNo 152291». Naval Air Museum Barbers Point. Consultado em 21 de março de 2021. Cópia arquivada em 19 de abril de 2021 
  199. Baugher, Joseph F. (28 de setembro de 2015). «Phantom with US Navy». Joe Baugher. Consultado em 18 de março de 2021. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2021 
  200. Green e Swanborough, 2001.
  201. Loftin, Laurence K. Quest for Performance: The Evolution of Modern Aircraft SP-468. Arquivado em 2006-06-13 no Wayback Machine Washington, DC: National Aeronautics and Space Administration, History Office, Scientific and Technical Information Branch, 1985. Consultado em: 19 de novembro de 2007.
  202. Lake 1992, pp. 92–111.
  203. «McDonnell Douglas F-4E Flight Manual» (PDF). 1979. Consultado em 18 de janeiro de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 18 de janeiro de 2023 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Angelucci, Enzo. The American Fighter. Sparkford, Somerset, Reino Unido: Haynes Publishing Group, 1987. ISBN 0-85429-635-2.
  • Beit-Hallahmi, Benjamin. The Israeli Connection: Whom Israel Arms and Why. Londres: I.G. Tauris, 1987. ISBN 1-85043-069-1.
  • Bishop, Farzad and Tom Cooper. Iranian F-4 Phantom II Units in Combat (Osprey Combat Aircraft #37). Oxford, Reino Unido: Osprey Publishing Limited, 2003. ISBN 978-1-84176-658-4.
  • Bowers, Peter M. and Enzo Angellucci. The American Fighter. Nova Iorque: Orion Books, 1987. ISBN 0-517-56588-9.
  • Burden, Rodney, Michael I. Draper, Douglas A. Rough, Colin R. Smith and David L. Wilton. Falklands: The Air War. Londres: Arms and Armour Press, 1986. ISBN 0-85368-842-7.
  • Burgess, Richard E. The Naval Aviation Guide, 4th ed. Annapolis, Maryland: Naval Institute Press, 1985. ISBN 0-87021-409-8.
  • Calvert, Denis. Le Tigri della RAF (RAF's Tigers)(in Italian). Aerei magazine N.5, Parma, Italy: Delta editrice, 1991.
  • Carrara, Dino. Phantom Targets: The USAFs Last F-4 Squadron. Air International, Volume 71, no. 5, novembro de 2006. Stamford, Lincolnshire, Reino Unido: Key Publishing, pp. 42–48.ISSN 0306-5634.
  • Cooper, Tom and Farzad Bishop. Target Saddam's Reactor: Israeli and Iranian Operations Against Iraqi Planes to Develop Nuclear Weapons. Air Enthusiast, No. 110, março/abril de 2004. pp. 2–12.ISSN 0143-5450.
  • Davies, Peter E. USAF F-4 Phantom II MiG Killers 1965-68 (Osprey Combat Aircraft #45). Oxford, Reino Unido: Osprey Publishing Limited, 2004. ISBN 978-1-84176-656-0.
  • Davies, Peter E. USAF F-4 Phantom II MiG Killers 1972-73 (Osprey Combat Aircraft #55). Oxford, Reino Unido: Osprey Publishing Limited, 2005. ISBN 978-1-84176-657-7.
  • Deurenberg, Rudd. Shedding Light on Iranian Phantoms. Air Enthusiast, No. 111, maio/junho de 2004, p. 72. ISSN 0143-5450
  • Donald, David. RAF Phantoms. Wings of Fame. Londres: Aerospace. Volume 15, 1999. pp. 4–21. ISBN 1-86184-033-0.
  • Donald, David and Jon Lake, eds. Desert Storm: The First Phase. World Air Power Journal. Londres: Aerospace, Volume 5, Primavera de 1991.ISSN 0959-7050.
  • Donald, David and Jon Lake, eds. Desert Storm: Gulf Victory. World Air Power Journal. Londres: Aerospace, Volume 6, Verão de 1991.ISSN 0959-7050.
  • Donald, David and Jon Lake, eds. Encyclopedia of World Military Aircraft. Londres: AIRtime Publishing, 1996. ISBN 1-880588-24-2.
  • Donald, David and Jon Lake, eds. McDonnell F-4 Phantom: Spirit in the Skies. Londres: AIRtime Publishing, 2002. ISBN 1-880588-31-5.
  • Dorr, Robert F. Navy Phantoms in Vietnam. Wings of Fame, Volume 1, 1995. Londres: Aerospace Publishing. ISBN 1-874023-68-9.
  • Dorr, Robert F. "McDonnell F3H Demon". Aeroplane. Volume 36, No. 3, março de 2008, pp. 58–61. Londres: IBC.
  • Dorr, Robert F. and Chris Bishop, eds. Vietnam Air War Debrief. Londres: Aerospace Publishing, 1996. ISBN 1-874023-78-6.
  • Dorr, Robert F. and Jon Lake. Fighters of the United States Air Force. Londres: Temple Press, 1990. ISBN 0-600-55094-X.
  • Dorr, Robert F. Phantoms Forever. Londres: Osprey Publishing Limited, 1987. ISBN 0-85045-742-4.
  • Eden, Paul ed. The Encyclopedia of Modern Military Aircraft. Londres: Amber Books Ltd, 2004. ISBN 1-904687-84-9.
  • Elward, Brad and Peter Davies. US Navy F-4 Phantom II MiG Killers 1965-70 (Osprey Combat Aircraft #26). Oxford, Reino Unido: Osprey Publishing Limited, 2001. ISBN 978-1-84176-163-3.
  • Elward, Brad and Peter Davies. US Navy F-4 Phantom II MiG Killers 1972-73 (Osprey Combat Aircraft #30). Oxford, Reino Unido: Osprey Publishing Limited, 2002. ISBN 978-1-84176-264-7.
  • Freeman, CJ and Gunston, Bill Consulting ed. The Encyclopedia of World Airpower. Crown Publishers, 1979. ISBN 0-517-53754-0.
  • Fricker, John. "Boeing /McDonnell Douglas F-4 Phantom II Current Operators". World Air Power Journal. Londres: Aerospace, Volume 40, Primavera de 2000. ISBN 1-86184-043-8.
  • Green, William and Gordon Swanborough. The Great Book of Fighters. St. Paul, Minnesota: MBI Publishing, 2001. ISBN 0-7603-1194-3.
  • Gimmi, Russell M. Airman: The Life of Richard F. B. Gimmi. Bloomington, Indiana: iUniverse, 2009. ISBN 978-1-4401-5311-2.
  • Goodrum, Alastair (janeiro–fevereiro de 2004). «Down Range: Losses over the Wash in the 1960s and 1970s». Air Enthusiast (109): 12–17. ISSN 0143-5450 
  • Grossnick, Roy and William J. Armstrong. United States Naval Aviation, 1910–1995. Annapolis, Maryland: Naval Historical Center, 1997. ISBN 0-16-049124-X.
  • Gunston, Bill ed. The Illustrated History of Fighters. Nova Iorque, Nova Iorque: Exeter Books Div. of Simon Schuster, 1981. ISBN 0-89673-103-0.
  • Gunston, Bill Consulting ed. The Encyclopedia of World Airpower. Crown Publishers, 1979. ISBN 0-517-53754-0.
  • Higham, Robin and Carol Williams. Flying Combat Aircraft of USAAF-USAF (Vol.2). Manhattan, Kansas: Sunflower University Press, 1978. ISBN 0-8138-0375-6.
  • Hobson, Chris. Vietnam Air Losses, USAF, USN, USMC, Fixed-Wing Aircraft Losses in Southeast Asia 1961–1973. North Branch, Minnesota: Specialty Press, 2001. ISBN 1-85780-115-6.
  • Howarth, Alan. Spanish Phantoms and Their Legacy. Air Enthusiast 115, janeiro–fevereiro de 2005, p. 74ISSN 0143-5450
  • Jefford, C.G. RAF Squadrons: A Comprehensive Record of the Movement and Equipment of All RAF Squadrons and Their Antecedents Since 1912:. Shrewsbury, Reino Unido: Airlife Publishing, 2nd edition, 2001. ISBN 1-84037-141-2
  • Jones, Lloyd S. U.S. Fighters: 1925–1980s. Fallbrook, California: Aero Publishers, Inc., 1975. ISBN 0-8168-9200-8.
  • Knaack, Marcelle Size. Encyclopedia of U.S. Air Force Aircraft and Missile Systems: Volume 1 Post-World War II Fighters 1945–1973. Washington, DC: Office of Air Force History, 1978. ISBN 0-912799-59-5.
  • Lake Jon. McDonnell F-4 Phantom: Spirit in the Skies. Londres: Aerospace Publishing, 1992. ISBN 1-880588-04-8.
  • List, Friedrich. "German Air Arms Review". Air International, Volume 70, No. 5, maio de 2006, pp. 50–57. Stamford, Lincolnshire, Reino Unido: Key Publishing.ISSN 0306-5634.
  • Melampy, Jake. "Phantoms West". Air International, Volume 80, No. 1, janeiro de 2011, pp. 36–38. Stamford, Lincolnshire, Reino Unido: Key Publishing.ISSN 0306-5634.
  • Nordeen, Lon. Fighters Over Israel: The Story of the Israeli Air Force from the War of Independence to the Bekaa Valley. Londres: Guild Publishing, 1991. ISBN 1-85367-098-7.
  • Richardson, Doug and Mike Spick. F-4 Phantom II (Modern Fighting Aircraft, Volume 4) . Nova Iorque: Arco Publishing, 1984. ISBN 0-668-06068-9.
  • Swanborough, Gordon and Peter Bowers. United States Military Aircraft Since 1909. Washington, Columbia: Smithsonian, 1989. ISBN 0-87474-880-1.
  • Swanborough, Gordon and Peter Bowers. United States Navy Aircraft since 1911. Londres: Putnam, 1976. ISBN 0-370-10054-9.
  • Taylor, Michael J.H. Jane's American Fighting Aircraft of the 20th century. Nova Iorque: Mallard Press, 1991. ISBN 0-7924-5627-0.
  • Thetford, Owen. British Naval Aircraft since 1912. Londres: Putnam, Fourth Edition, 1994, pp. 254–255. ISBN 0-85177-861-5.
  • Thornborough, Anthony M. and Peter E. Davies. The Phantom Story. Londres: Arms and Armour Press, 1994. ISBN 1-85409-121-2.
  • Wagner, Ray. American Combat Planes, Third Enlarged Edition. Nova Iorque: Doubleday, 1982. ISBN 0-385-13120-8.
  • Wilson, Stewart. Phantom, Hornet and Skyhawk in Australian Service. Weston Creek, ACT, Australia: Aerospace Publications, 1993. ISBN 1-875671-03-X.