Câmera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Câmara.
Câmeras fotográficas de vários marcas e modelos.

Desde o topo e à esquerda: Polaroid P, Holga, Yashica A, Contax T, Sony Cybershot DSC-N2, Gowland Pocket View, Mamiya Universal Press, Minolta Pocket Autopak 460, Leica IIIf, Rollei 35, Nikon F2, Canon 5D, Fuji Instax Mini 8, Zenza Bronica e Voigtlander Bessa I.

Uma câmara fotográfica (português europeu) ou câmera fotográfica (português brasileiro) é um instrumento óptico para captação de imagens na forma de fotografias individuais, que são armazenadas localmente, transmitidas para outro local, ou ambos. Como capta informações sobre elementos externos sem ter contato físico com eles, é um dispositivo de sensoriamento remoto.[1]

A palavra câmera vem de camera obscura, latim para câmara escura,[2] um dispositivo originalmente usado para projetar uma imagem sobre uma superfície plana. Tendo evoluído desse dispositivo, mesmo equipamentos modernos guardam seu princípio fundamental: uma caixa à prova de luz com um orifício em um dos lados.[3] Semelhantemente ao funcionamento do olho humano,[4] por esse orifício penetram raios de luz e outras porções de espectro eletromagnético, que são então registrados em um filme fotográfico ou por um sensor de imagem.

Evolução[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Câmera escura

A precursora da câmera moderna é a câmera escura,[5] cujo principio de funcionamento é fenômeno ótico que ocorre quando uma cena é captada por um pequeno orifício em uma tela ou parede, e projetada em outra tela ou parede paralela e oposta ao orifício, resultando na visualização sobre essa superfície da mesma cena invertida (esquerda para a direita e de cabeça para baixo).[6] O registro mais antigo desse princípio é uma descrição do filósofo chinês Mozi (cerca de 470-391 a.C.), que concluiu corretamente que na câmera escura a imagem é projetada invertida como resultado do trajeto em linha reta que a luz percorre desde sua fonte.[7] Algumas décadas mais tarde, o grego Aristóteles (ou eventualmente um de seus alunos) fez apontamentos a respeito do mesmo principio, e em seu tratado sobre ótica Euclides igualmente pressupõe a câmara escura como uma demonstração de que a luz viaja em linha reta.[8]

Principio de funcionamento de uma câmera escura.

Provavelmente em 1021, o físico árabe Ibn al-Haytham, conhecido como Alhazen, escreveu o influente Livro de Óptica, que inclui experimentos com luz e descreve em maior detalhe uma câmara escura.[9] Através de traduções latinas, seus escritos no campo da ótica tornaram-se muito influentes na Europa, inspirando pessoas como Roger Bacon, Leonardo Da Vinci, René Descartes e Johannes Kepler.[10] Perto de 1558 as descrições de Alhazen foram estudadas pelo acadêmico italiano Giambattista della Porta,[11] que baseado nas primeiras experimentações com uma lente, por Girolamo Cardano,[12] propôs a adição de lentes à câmera escura com o objetivo de focalizar mais claramente as imagens projetadas.[13]

A partir dessa época, tal qual mais tarde ocorreria com a câmera lúcida, o uso de câmeras escuras, ou mais comumente salas escuras com um furo na parede, difunde-se sobretudo como auxilio para pinturas e desenhos, e existem evidências de que um número de mestres da pintura, notadamente Vermeer, tenham utilizado esse dispositivo.[14] A partir do final do século XVII câmeras escuras foram adaptadas na forma de tendas e caixas, que podiam ser transportadas e utilizadas em uma variedade de ambientes.[7]

O processo fotográfico[editar | editar código-fonte]

Paralelamente ao desenvolvimento das próprias câmeras, por centenas de anos se sabia que algumas substâncias escurecem quando expostas à luz solar.[15] Em uma série de experimentos publicado em 1727, o cientista alemão Johann Heinrich Schulze demonstrou que o escurecimento de sais de prata é resultado da ação da luz apenas, e não do calor ou da exposição ao ar, tal qual acreditava-se à época.[16] Meio século depois, o químico sueco Carl Wilhelm Scheele demonstrou que o cloreto de prata é especialmente suscetível ao escurecimento pela exposição à luz, e que uma vez escurecido ele torna-se insolúvel em soluções de amoníaco.[16] A primeira pessoa a usar a química para criar imagens foi o magnata britânico da indústria de porcelana, Thomas Wedgwood, que para criar imagens em seus produtos adicionava objetos, como folhas e asas de insetos, a vasos de cerâmica revestidos com nitrato de prata que eram então expostos à luz. Contudo, essas imagens não eram permanentes, pois Wedgwood não foi capaz de desenvolver um mecanismo para fixação das imagens.[16]

A primeira foto, feita por Nicéphore Niépce em 1827.

A primeira imagem permanente realizada com uma câmera foi feita em 1827 por Joseph Nicéphore Niépce,[2] e mostra a cena vista da janela de sua casa. Usando uma câmera escura feita por Charles e Vincent Chevalier de Paris,[17] desde 1816 Niépce vinha experimentando com formas de corrigir e fixar as imagens de uma câmara escura. Para produzir sua primeira fotografia, Niépce submeteu uma placa de estanho revestida com betume a uma exposição de oito horas, e em referência à luz solar batizou seu processo heliografia.[2] Nos anos seguintes Niépce correspondeu-se com o inventor Louis Jacques Mandé Daguerre, com quem estabeleceu uma parceria visando melhorar o processo da heliográfia. Niépce realizou experimentos com outros produtos químicos, que lhe permitiram acentuar o contraste de seus heliógrafos. Daguerre contribuiu com um design melhorado de câmera escura, mas a parceria encerrou-se com o falecimento de Niépce em 1833.[18] Alguns anos depois, Daguerre teve sucesso no desenvolvimento de uma imagem bem focalizada e de alto contraste, ao projetar imagens sobre uma placa revestida com iodeto de prata, que era então exposta ao vapor de mercúrio e finalmente corrigida com uma solução de sal comum. Apesar dos grandes avanços que proporcionou, esse novo processo, batizado daguerreótipo, inicialmente não teve sucesso comercial. Com a ajuda do cientista e político François Arago, Daguerre vendeu a invenção ao governo francês pelo pagamento de uma aposentadoria a ele e ao filho de Niépce, Isidore. Essa tecnologia tornaria-se extremamente popular nos anos seguintes.[2]

Paralelamente, na década de 1830 o cientista britânico William Henry Fox Talbot inventou um processo usando sais de prata para fixar imagens. Embora convencido de que Daguerre tinha se antecipado a ele na invenção da fotografia, em 31 de janeiro de 1839 submeteu à Royal Institution um panfleto intitulado Alguns informes sobre a arte do desenho fotogênico (no original, Some Account of the Art of Photogenic Drawing), que é a primeira descrição publicada de um processo fotográfico.[19] Dentro pouco tempo, Talbot desenvolveu um processo em dois passos para a criação de fotografias em papel, que chamou calótipo. Esse foi o primeiro processo a utilizar impressões negativas e que invertem todos os valores na fotografia: preto mostra-se como branco e vice-versa.[2] Esse processo trouxe grandes avanços, pois em princípio negativos permitem a produção de um número ilimitado de duplicatas positivas, que também podem ser alteradas através de retoque. Calótipos nunca foram tão amplamente utilizados como os daguerreótipos, devido principalmente ao fato de que este último produz detalhes mais nítidos. No entanto, daguerreótipos só produzem uma impressão positiva direta que não pode ser duplicada ou modificada, e ao longo do tempo seriam abandonados em detrimento do processo em duas etapas dos calótipos, que constitui a base da fotografia e do cinema do século XX.[20]

Da câmera escura à câmera moderna[editar | editar código-fonte]

George Eastman, pioneiro do filme fotográfico. A popularização dessa mídia teve grande influência sobre o desenvolvimento das câmeras modernas.

A primeira câmera fotográfica foi desenvolvida para produção comercial de daguerreótipos, construídas por Alphonse Giroux em 1839. Giroux assinou um contrato com Daguerre e Isidore Niépce para produzir as câmeras na França,[21] e cada dispositivo e acessórios custava 400 francos, o equivalente a um ano de salário de um trabalhador médio.[22] Essa câmera consistia em uma dupla caixa de madeira com uma lente montada na caixa exterior e um suporte na caixa interna, no qual acoplava-se um vidro fosco emoldurado que funcionava como tela de focagem. Deslizando a caixa interna, objetos a várias distâncias poderiam ser mais ou menos focalizados. Depois compor a imagem desejada, o vidro fosco era substituído por uma placa sensibilizada com produtos químicos. Uma roda estriada na aba da lente funcionava como obturador e era controlada manualmente. As câmeras daguerreótipo necessitavam de longos tempos de exposição, que iam de 5 a 30 minutos, e portanto algumas variações de tempo eram toleradas.[22]

Graça a melhorias nos processos químicos e no desenho das lentes, por volta de 1840 os tempos de exposição foram reduzidos a apenas alguns segundos. Daguerreotipistas americanos lançaram placas produzidas em massa e em tamanhos padronizados, que tornaram-se padrões internacionais: placa inteira (6,5 x 8,5 polegadas), placa de três quartos (5,5 x 7 1/8 polegadas), meia placa (4,5 x 5,5 polegadas), placa de um quarto (3,25 x 25,04 polegadas), placa de um sexto (2,75 x 3,25 polegadas), e placa de um nono (2 x 2,5 polegadas). Placas maiores e menores também continuaram a serem produzidas, embora em menor escala.[23]

Durante a década de 1850 o processo de placa molhada de colódio gradualmente substituiu o daguerreótipo, graças principalmente ao seu menor tempo de exposição. Esse processo requeria que os fotógrafos revestissem e sensibilizassem placas de vidro ou de ferro finos pouco antes da utilização, e as expusesse enquanto ainda molhadas.[15] As câmeras para este processo eram inicialmente muito simples e pouco diferentes de câmeras daguerreótipo, mas projetos mais sofisticados eventualmente apareceram. A câmera Dubroni n. 1, de 1864, permitiu pela primeira vez a sensibilização das placas no interior da própria câmara, eliminando a necessidade de uma câmara escura em separado.[24] Outras câmeras surgiram, equipadas com múltiplas lentes para fotografar vários pequenos retratos em uma única placa maior, e que permitiam ao fotógrafo aumentar grandemente sua produtividade e reduzir seu custo de trabalho. Foi durante a época de popularidade da placa molhada de colódio que se difundiu o uso de foles no mecanismo de foco das câmeras, que ao aposentar a caixa interna das câmeras permitia torna-las menores e leves.[2]

Por muitos anos, os tempos de exposição bastante longos permitiam ao fotógrafo contar o tempo de exposição em minutos e segundos e controlar a exposição com o simples desacoplar ou acoplar da tampa da lente. Com o surgimento de materiais fotográficos mais sensíveis, novos modelos de câmeras passaram a incorporar mecanismos de obturador mecânico, que permitem expor por frações de tempo muito mais curtas e com grande ganho de precisão.[25]

O uso de filme fotográfico foi iniciado por George Eastman, que em 1885 iniciou a fabricação de películas em papel, antes de mudar para um suporte de celulóide em 1889.[2] Sua primeira câmera, que batizou de Kodak, foi colocada à venda em 1888 com o slogan "você pressiona o botão - nós fazemos o resto" (you press the button - we do the rest).[26] Essa, era composta por uma caixa simples com uma lente de foco fixo e obturador de velocidade única, que com seu preço relativamente baixo teve grande apelo junto às classes médias. Cada uma das câmeras Kodak vinha pré-carregada com filme suficiente para 100 exposições e precisava ser enviada de volta para a fábrica para revelação e recarga.[27]

Da animação ao filme[editar | editar código-fonte]

Roundhay Garden Scene, de 1888, o mais antigo filme de que se tem notícia.

A cinematografia vinha se desenvolvendo desde pelo menos os anos 1830, quando imagens em movimento em baterias e discos rotativos foram produzidas independentemente por Simon von Stampfer (estroboscópio) na Áustria, Joseph Plateau (fenacistoscópio) na Bélgica, e William George Horner (zootropo) no Reino Unido.[28]

Em 19 de junho de 1878, Eadweard Muybridge fotografou com sucesso um cavalo em movimento rápido, com o auxílio de uma série de 12 câmeras dispostas ao longo de uma pista paralela àquela em que corria o cavalo.[29][30] As imagens, tomadas com espaços de tempo de frações de segundo entre si, permitiram sua posterior animação. Alguns anos mais tarde, em 1882, o cientista francês Etienne-Jules Marey inventou um dispositivo que chamou de fuzil fotográfico, capaz de captar 12 quadros de imagens consecutivas por segundo e que criava pela primeira vez a possibilidade de fotografar a uma velocidade suficientemente grande para a animação das imagens.[31] A isso sucedeu-se o desenvolvimento de películas fotográficas, que permitiram ao operador gravar uma diversidade de imagens tomadas na sequência e a intervalos regulares. O filme experimental Roundhay Garden Scene, gravado em película de papel por Louis Le Prince em 14 de outubro 1888, é o vídeo mais antigo a ter sido preservado.[32]

A câmera digital[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal:  Câmera digital

Até o final do século XX o filme fotográfico foi a mídia primária para câmeras fotográficas e de vídeo, mas, embora sua utilização ainda ocorra em certos nichos, sua dominância foi interrompida pela emergência de câmeras digitais, que utilizam um sensor de imagem para captar imagens, convertendo-as em sinais elétricos que podem ser armazenados, exibidas em uma tela e impressas.[33]

Câmeras digitais e analógicas compartilham a maior parte de suas características e componentes. A principal diferença entre ambas é que na câmera digital o substrato ou filme dá lugar a um sensor de imagem, normalmente do tipo CCD ou CMOS. Alem disso, normalmente câmeras digitais são capazes de exibir imagens em uma tela imediatamente após serem gravadas e permitem apagar imagens gravadas em sua memória.[33] Câmeras digitais mais avançadas incluem outras funcionalidades como edição de imagens, aplicação de filtros de vídeo, produção de fotografias em high dynamic range (HDR) e outros.

A primeira câmera que usava um sensor digital para capturar e armazenar imagens foi desenvolvida pelo engenheiro da Kodak Steven Sasson em 1975. Ele usou um dispositivo de carga acoplada (CCD) fornecido pela Fairchild Semiconductor, que possibilitou capturar imagens com apenas 0,01 megapixels de resolução. Sasson combinou o dispositivo CCD com peças de uma câmera de filme e outros dispositivos que lhe permitiram salvar as imagens em preto e branco captadas em uma fita cassete. As imagens foram então visualizadas em um monitor de TV.[34] Em 1986, a empresa japonesa Nikon apresentou durante a Photokina o primeiro protótipo de uma câmera reflex monobjetiva digital, a Nikon SVC.[35]

Desde o início dos anos 2000 a maioria das câmeras vendidas é digital,[36] e equipamentos desse tipo são incorporados em uma variedade de dispositivos que vão desde telefones celulares a veículos.

Componentes típicos[editar | editar código-fonte]

Embora o conceito e a funcionalidade de alguns componentes possam variar entre as diferentes gamas, marcas e categorias de câmeras, os seguintes componentes estão presentes na vasta maioria dos equipamentos:

Componentes típicos de uma câmera:  1. Elementos frontais da objetiva; 2. Elementos intermediários da objetiva; 3. Diafragma; 4. Obturador; 5. Filme ou sensor; 6. Cinta de fixação; 7. Disparador; 8. Comando do aparelho; 9. Contador de quadros; 10. Visor; 11. Sapata de flash; 12. Dispositivo de focagem; 13. Pentaprisma; 14. Espelho de reflexo.
  1. Elementos frontais: Os elementos frontais e intermediários são parte da objetiva. Embora comumente referida como lente, tecnicamente esta refere-se a cada componente ou elemento da objetiva.[37] Os elementos frontais de objetivas contemporâneas frequentemente recebem um tratamento - que pode ser visto por seu tom azulado ou amarela - que lhe dá maior durabilidade e a capacidade de refletir faixas indesejadas do espectro de luz. Além disso, objetivas com zoom utilizam-se da movimentação dos elementos frontais para controlar a distância focal do conjunto.
  2. Elementos intermediários: Juntamente com os elementos frontais, os elementos intermediários da objetiva têm como objetivo principal focalizar a luz à altura do plano de foco, onde encontra-se o filme ou sensor.[37] Como a luz viaja em velocidades distintas em meios distintos, ao deixar o ar e penetrar a lente ela sobre uma curvatura que afeta as proporções da imagem captada pela câmera, e bbjetivas empregam um número variado de lentes convexas e côncavas para corrigir esse fenômeno.[38]
  3. Diafragma: O diafragma regula o diâmetro do orifício através do qual a luz penetra a câmera, e portanto é determinante em relação à quantidade de luz admitida.[39] É composto por um conjunto de finas lâminas justapostas que normalmente se localizam dentro da objetiva, e um anel ao redor da lente frequentemente permite que se mova essas pás, regulando a quantidade de luz admitida.[40] Essa quantidade de luz é indicada pelo chamado número f ou f-stop, uma numeração universal (normalmente 1.4, 2, 2.8, 4, 5.6, 8, 11, 16, 22, 32, 45, 64 e assim por diante) que é inversamente proporcional à quantidade de luz admitida pelo diafragma.[41]
  4. Obturador: O obturador (no caso da imagem deste artigo, um obturador de plano focal) consiste em um dispositivo que abre e fecha de acordo com uma regulação de tempo, controlando o tempo de exposição do filme ou à luz.[39] O tempo de abertura do obturador é geralmente expresso em frações de segundo (por exemplo 1/125,[42] que é a maior fração de tempo recomendada para fotografias feitas com a câmera em mãos e sem o auxílio de um tripé). Juntamente com o diafragma, o obturador é determinante para a quantidade de luz admitida pela câmera e a que o filme ou sensor é exposto.[43]
  5. Mídia: O filme fotográfico ou sensor de imagem são substratos sobre o qual a luz é exposta. Como tal, são responsáveis por registrar a imagem recebida, armazenando-a em sua superfície (através de processos foto-químicos, no caso dos filmes) ou em outros componentes (por meio de processos eletrônicos, no caso de sensores). A sensibilidade do sensor ou do filme é variável e expressa normalmente na escala ISO (embora as escalas ASA e DIN tenham sido populares no passado).[43]
  6. Cinta de fixação: A cintura que permite ao operador manter o equipamento preso ao seu corpo.
  7. Disparador ou gatilho: O botão ou manivela que permite ao operador disparar a câmera e realizar uma fotografia.[44]
  8. Comando do aparelho: Desde os anos 1970 frequentemente câmeras possuem uma variedade de modos de exposição pré-configurados para situações específicas, como atividades esportivas, cenas ao ar livre, cenas noturnas e outras. O comando do aparelho permite ao usuário escolher uma dessas opções ou, no caso de câmeras mais avançadas, também modos de operação manual que permitem maior controle sobre as variáveis do processo fotográfico.[45] Tipicamente, em câmeras SLR as opções disponíveis incluem: Caixa verde: modo automático; P: modo de programa ou semi-automático; Tv: modo de prioridade do obturador (o fotógrafo determina o tempo do obturador e a câmera regula automaticamente o restante); Av: modo de prioridade de abertura (o fotógrafo determina a abertura do diafragma e a câmera regula automaticamente o restante); M: modo manual; B: modo de sincronização com dispositivo exterior de flash.[45]
  1. Contador de quadros: O contador de quadros é um dispositivo que permite a uma câmera fotográfica indicar o número de fotografias já realizadas ou ainda não realizadas em um filme fotográfico que se encontra dentro da câmera. Normalmente esse número é zerado a cada vez que se abre o compartimento de filme.[46]
  2. Visor: O caso mais comum consiste em um visor ótico alimentado pelo pentaprisma, mas no caso das câmeras mirrorless pode ser um visor eletrônico e no caso das câmeras lambe-lambe e TLR pode tomar a forma de um vidro de focagem. No caso das câmeras SLR, permite visualizar exatamente a imagem que será fotografada, diferentemente de câmeras rangefinder, compactas e TLR, que mostram uma cena ligeiramente deslocada.[47] Câmeras contemporâneas frequentemente possuem um visor adicional que normalmente consiste em um display de cristal líquido (LCD) que permite ao operador visualizar facilmente as imagens que serão e que já foram fotografadas.[48]
  3. Sapata de flash: A sapata de flash, também chamada sapata quente ou hot shoe, permite acoplar um equipamento de flash à câmera e dispara-lo. Contrapõe-se às chamadas sapatas frias, que permitem tão somente acoplar o flash à câmera, sendo o disparo desse equipamento normalmente feito por meio de um cabo acessório.[49]
  4. Dispositivo de focagem: O dispositivo de focagem, via de regra um anel ao redor da objetiva, permite mover os grupos de elementos desta e ajustar o foco da imagem projetada no filme ou sensor.[50][51] Objetivas contemporâneas frequentemente contam com componentes que lhe permitem focar automaticamente. Dependendo do tipo de câmera, o dispositivo de foco pode ser uma manivela ou botão.
  5. Pentaprisma ou vidro de focagem: O pentaprisma ou, dependendo do tipo de câmera, o vidro de focagem, permitem ao operador da câmera visualizar e compor a cena que será fotografa ou filmada. Vidros de focagem são mais simples e recebem a luz diretamente do espelho de reflexo. Pentaprismas, por outro lado, são componentes sofisticados que fazem uso de espelhos para refletir e dirigir a luz em direção ao visor, corrigindo a cena que de outro modo seria exibida invertida.[37]
  6. Espelho de reflexo: O espelho de reflexo é responsável por desviar a luz em direção ao pentarisma ou diretamente à tela de focagem, dependendo do tipo de câmera. Em câmeras SLR o espelho desloca-se uma vez que o gatilho é disparado, de forma a dar passagem à luz,[37] e por esse motivo a imagem enviada ao visor é interrompida durante a realização de uma fotografia.[47]

Funcionamento[editar | editar código-fonte]

Funcionamento de uma câmera SLR: 1. Objetiva; 2. Espelho refletor; 3. Obturador; 4. Sensor; 5. Tela de focagem; 6. Lente condensadora; 7. Pentaprisma; 8. Visor.

Uma câmera fotográfica é um dispositivo óptico que registra uma única imagem de uma cena em um sensor eletrônico ou filme fotográfico. Embora originalmente fossem projetadas para captar unicamente o espectro visível da luz, com o passar do tempo foram desenvolvidas câmeras que permitem captar outras porções do espectro eletromagnético, a exemplo das câmeras para infravermelho.[52]

A ampla maioria das câmeras possuem a mesma concepção básica: Após a luz penetrar por uma objetiva (1), um mecanismo de diafragma controla o diâmetro do orifício por onde a luz deve passar e um mecanismo de obturador (3) controla o intervalo de tempo de entrada de luz na câmera.[43] A combinação desses dois elementos determina a quantidade de luz que é recebida pelo sensor ou filme, e a combinação desses dois elementos com a sensibilidade do filme ou sensor (4) determina a exposição da imagem, que pode ser mais ou menos escura.[43][42]

Além disso, a maioria das câmeras têm funções que permitem ao operador visualizar a cena a ser gravada, e essa funcionalidade lhe permite escolher quais elementos estarão em foco ou desfocados, e ainda o enquadramento e composição da imagem que realizará. Em câmeras modernas isso é feito por meio de um sensor de imagem que alimenta diretamente o visor (8)[48] ou por meio de um conjunto mecânico:[53] um espelho móvel (2) direciona a luz para uma tela de focagem (5);[47] os raios de luz são alinhados por uma lente condensadora (6); os raios de luz penetram em um pentaprisma (7); e esse dispositivo reflete a luz para o visor (8), invertendo a orientação da imagem.[37] Conjuntos mecânicos deste tipo têm o inconveniente de serem menos silenciosos, pois a cada disparo o espelho refletor (2) é movimentado para dar passagem à luz e ocasiona o ruído característico de câmeras fotográficas. Por outro lado, eles têm a vantagem de permitir ao fotógrafo focar e disparar com maior precisão e agilidade.[47]

Classificação quanto ao formato do filme/sensor[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Filme fotográfico

De maneira geral, câmeras são classificadas quanto ao formato do filme que utilizam, e, como essa classificação consolidou-se ao longo dos anos, ela acabou por extender-se às câmeras digitais, e neste caso leva em consideração o tamanho de seu sensor de imagem. Essa classificação estabelece três categorias, que correspondem a faixas de largura do filme utilizado. Câmeras de vídeo, em específico, também podem ser classificadas em função das diferentes larguras de filme de bitola cinematográfica: 8, 16, 35 e 70 mm.[54]

Pequeno formato[editar | editar código-fonte]

Comparação entre filmes de médio e pequeno formato.

Embora não exista um padrão oficial, costumeiramente são classificadas como de pequeno formato câmeras digitais e analógicas que gravam imagens em mídias iguais ou menores do que 24 × 36 mm, que é o tamanho de cada imagem de um filme de 35 mm e constitui um quadro inteiro ou full-frame.[51] A maioria das câmeras produzidas e comercializadas desde os anos 1980 pertence a esta categoria, primeiro na forma de câmeras analógicas que utilizam filme de 35 mm, e posteriormente na forma de câmeras digitais. Mesmo algumas câmeras digitais utilizadas por profissionais possuem sensores menores do que 24 × 36 mm, e, para se ter uma idéia da dominância desse formato, da linha de câmeras comercializadas pela Canon em 2017 apenas três modelos principais, todos de topo-de-gama, são oferecidos com sensor full-frame.[55]

Médio formato[editar | editar código-fonte]

Geralmente são classificadas como de médio formato câmeras digitais e analógicas que gravam imagens em mídias maiores que 24 × 36 mm[56] mas menores que 4 × 5 polegadas.[51] O termo se aplica igualmente a câmeras analógicas que utilizam filme de médio formato e câmeras analógicas adaptadas para uso digital e câmeras digitais que usam sensores maiores que um quadro de filme de 35 mm. Câmeras digitais de formato médio constituem equipamentos particularmente caros, e tipicamente custam entre US$6.000 (Mamiya 645DF+)[57] e US$36.000 (Hasselblad H5D-50c).[58]

Grande formato[editar | editar código-fonte]

Grande formato refere-se a qualquer câmera que grave imagens em mídia igual ou maior do que 4 × 5 polegadas (102 × 127 mm).[51] As câmeras de grande formato estão entre os primeiros dispositivos fotográficos criados, e antes de ampliações se popularizarem era comum imprimir fotografias em escala 1:1 a partir de um negativo de 4 × 5, 5 × 7 ou 8 × 10 polegadas. As imagens produzidas por essas câmeras são maiores do que aquelas produzidas por câmeras de médio formato (em geral de 6 × 6 cm ou 6 × 9 cm), e muito maiores do que as produzidas por câmeras de pequeno formato. A principal vantagem do grande formato, seja em filme ou digital, é a maior resolução no mesmo tamanho de pixels ou a mesma resolução com pixels maiores.[51][59]

Categorias de câmeras fotográficas[editar | editar código-fonte]

Além da bitola do filme que utilizam, uma diversidade de características físicas das câmeras têm influenciado a sua classificação em categorias. Essas características incluem o tipo de dispositivo para visualização das imagens que serão captadas, o sistema de objetivas (única ou gêmeas) e ainda o tipo de substrato para captação da imagem (digital ou filme), dentre outras.[51] Frequentemente essas características não se excluem mutuamente, e portanto uma mesma câmera pode ser classificada de mais de uma maneira.

Câmara estenopeica ou pinhole[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Câmera pinhole

Câmeras estenopeicas ou pinhole (literalmente, buraco de agulha) são as mais simples e aquelas em que o princípio fundamental da câmera escura é mais evidente. O termo pinhole descreve a ausência de uma objetiva nessas câmeras, que ao invés apresentam um pequeno orifício em um dos lados: a luz penetra através dele, projetando uma imagem invertida sobre o filme ou sensor.[13]

Câmeras estonopeicas comercializadas podem apresentar funcionalidades como um suporte para filme, um obturador e até mesmo um visor. Dada a simplicidade desse equipamento, ele é frequentemente construído pelo próprio usuário e nesses casos podem consistir tão somente em uma caixa com orifício coberta internamente com um material fosco e preto.[4]

Patente da primeira câmera da Kodak, uma câmera-caixote.

Câmera-caixote[editar | editar código-fonte]

Câmeras-caixote estão entre os primeiros modelos vendidos em larga escala para o público amador. Equipamentos mecanicamente simples, consistem normalmente de uma caixa com lente de foco fixo, um obturador simples e um diafragma com um ou poucos estágios.[60] São câmeras sólidas e de fácil operação, e embora tecnologicamente tenham sido ultrapassadas rapidamente, sua produção continuou até pelo meados dos anos 1950, principalmente na forma de pseudo-TLR, imitações das então populares câmeras reflex de objetivas gêmeas.[61]

Câmera compacta ou point-and-shoot[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Câmera compacta

Câmeras compactas são as mais comuns e amplamente distribuídas atualmente. Uma câmera é classificada compacta ou aponte-e-dispare (em referência à sua denominação em língua inglesa, point-and-shoot) quando é desenvolvida para operação simples, contando tipicamente com uma objetiva de foco fixo e modos de exposição pré-definidos.[56] Via de regra a visualização da cena é feita através de um visor paralelo, e portanto essas câmeras também podem ser classificadas por esse critério. Como consequência dessa característica, essas câmeras apresentam paralaxe, fenômeno no qual a imagem visualizada pelo operador é ligeiramente deslocada em relação àquela efetivamente capturada pelo equipamento.[62]

Câmera de visor paralelo ou viewfinder[editar | editar código-fonte]

Uma câmera de visor paralelo é uma câmera equipada com dispositivo que permite ao utilizador visualizar aproximadamente a mesma cena que será capturada, auxiliando na composição da imagem final. Seu nome faz referência exatamente a essa característica: um visor com ângulo de visualização paralelo ao ângulo de captação da imagem.[51] Enquanto outras câmeras permitem ao utilizador visualizar a mesma cena que será capturada ou ainda controlar visualmente o foco do aparelho, câmeras de visor paralelo somente fornecem ao operador um referencial para enquadramento da cena.[51]

Inicialmente câmeras não contavam com dispositivos que permitiam ao operador compor a imagem, e a composição era um processo bastante aproximado. Com o passar do tempo acessórios foram integrados às câmeras, primeiro na forma de uma moldura externa (também chamada visor de esportes)[63] e depois na forma de um visor incorporado à câmera ou viewfinder. Em todos esses casos o visor permanece independente do restante do funcionamento da câmera.[51]

Câmera rangefinder Nikon. As duas janelas mais afastadas, na parte frontal, permitem calcular a distância e focar.

Câmera de telêmetro ou rangefinder[editar | editar código-fonte]

Uma câmera de telêmetro, também chamada rangefinder (que calcula distâncias) é uma câmera equipada com um telêmetro, um dispositivo que permite medir a distância entre a cena que se quer capturar e a câmera, e consequentemente focar essa cena com relativa precisão e agilidade.[51] O telêmetro tipicamente utilizado em câmeras é do tipo split-image: um mecanismo que apresenta ao operador duas visualizações semelhantes de uma mesma cena, que ao serem sobrepostas permitem à câmera focalizar a cena.[64]

Inicialmente o telêmetro consistia em um acessório externo e opcional, que normalmente era acoplado à sapata de flash e simplesmente fornecia ao operador um dado numérico (como a distância em metros) que era então informado manualmente no dispositivo de foco da câmera.[65] Contudo, desde os anos 1970 câmeras comuns passaram a incorporar um mecanismo integrado que transmite automaticamente a informação do telêmetro ao dispositivo de foco, permitindo calcular a distância e focar em uma mesma operação. As câmeras de telêmetro ou rangefinder são sobretudo essas últimas, normalmente dotadas de duas ou três janelas frontais e um ou dois visores traseiros (ou seja, um único visor para composição e foco, ou visores independentes para foco e composição).[66]

Câmera TLR da linha Rolleiflex. A lente superior permite visualizar a cena e a inferior projeta a luz sobre o filme.

Câmera reflex de objetivas gêmeas ou TLR[editar | editar código-fonte]

Uma câmara reflex de objetivas gêmeas, também chamada TLR em referência ao seu nome em inglês (twin lens reflex), é um tipo de câmera com duas objetivas do mesmo comprimento focal, daí seu nome fazer referência a objetivas gêmeas. Uma das lentes (dita de tomada) é responsável por receber a luz e direciona-la ao filme ou sensor, enquanto a outra objetiva envia uma imagem semelhante ao vidro de focagem, por meio de um espelho refletor.[51] Frequentemente operadas à altura da cintura, normalmente o vidro de foco é visto de cima.[67]

Amplamente utilizadas por profissionais e amadores,[68] praticamente todas as TLR produzidas são câmeras de filme, muitas delas usando filme 120. Isso decorre principalmente do fato de o auge das câmeras TLR ter terminado muito antes da era das câmeras digitais. Apesar de sua superação tecnológica, esse tipo de equipamento conta com seus apreciadores, e a linha de TLR Rolleiflex continuou em produção até o início do século XXI.[69]

Câmera reflex monobjetiva ou SLR[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Câmera reflex monobjetiva

Contemporaneamente, as câmeras reflex monobjetivas, também referidas pela sigla SLR em referência ao seu nome em inglês (single lens reflex), são as mais amplamente utilizadas por profissionais e amadores especializados.[70] Embora a ampla maioria das câmeras SLR fabricadas e comercializadas sejam modelos simples e com poucos recursos, no imaginário do grande público esse tipo de câmera está associado com fotógrafos profissionais,[71] daí serem assim denominadas popularmente. As principais características que diferencia as câmeras reflex monobjetivas de outros tipos de equipamentos são, primeiro, a utilização de um espelho refletor para direcionar a luz ao visor ou pentaprisma (reflex), a utilização de uma única objetiva para captação da luz e visualização da cena (monobjetiva), e o uso de objetivas intercambiáveis.[56][51] Isso implica que no momento de capturar uma imagem o espelho refletor deve de deslocar para dar passagem à luz, produzindo um som característico.[72] As câmeras SLR surgiram no final nos anos 1940 e nas décadas seguintes conquistaram parte significativa do mercado, tornando-se o padrão entre profissionais e as preferidas de amadores[70] devido principalmente à incorporação de tecnologias que tornavam sua operação mais simples em comparação com outros tipos de câmeras, como a possibilidade de uso de objetivas intercambiáveis.[71][48]

Câmera de fole Baldafix. Seu dispositivo retrátil também é chamado sanfona.

Câmera de fole ou folding[editar | editar código-fonte]

Uma câmera de fole ou, por analogia, câmera-sanfona, é uma câmera de pequeno ou médio formato que apresenta um fole conectando o corpo da câmera e a objetiva. Embora a presença de um fole em uma câmera possa ter como finalidade permitir focar objetos muito próximos e utilizar técnicas fotográficas avançadas, as chamadas câmeras de fole se caracterizam principalmente pelo uso de fole com o intuito de permitir dobrar a câmera e consequentemente reduzir seu tamanho para armazenamento e transporte.[73] Seu nome nos países anglófonos, folding (dobrável), reflete exatamente essa sua característica.[74] Embora câmeras da categoria view também possuam um fole, essas se distinguem das câmeras folding pelo uso de filmes e placas de grande formato, por sua construção e pelo uso do fole para realização de técnicas fotográficas complexas. Essas câmeras tiveram seu pico de popularidade entre os primeiros anos do século XX e a década de 1950.[74]

Câmera estéreo Sputnik, da Lomo. As lentes laterais captam imagens deslocadas entre si, e a lente central alimenta o visor.

Câmera estereoscópica ou 3D[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Câmera estereoscópica

Uma câmera estereoscópica ou estéreo, ou ainda câmera 3D, é um tipo de câmera que permite capturar simultaneamente duas imagens ligeiramente distantes umas das outras, de maneira a simular a visão binocular humana.[75] Isso permite que essas imagens sejam combinadas ou apresentadas com um efeito tridimensional, um processo conhecido como estereoscopia.[76] Sua produção atingiu um pico entre os anos 1940 e 1960.[77]

Esse tipo de câmera apresenta duas ou mais objetivas, com um sensor de imagem ou quadro de filme dedicado a cada lente. A distância típica entre as lentes em uma câmera estéreo, dita distância intra-axial, é de aproximadamente 6.35 cm, que corresponde grosso modo à distância entre os olhos humanos, por sua vez conhecida como distância intra-ocular. Contudo, algumas câmeras podem apresentar uma distância maior ou menor, ou permitir afastar e aproximas as lentes, e isso permite aumentar ou diminuir o efeito de tridimensionalidade resultante.[75]

Além de seu uso mais evidente em fotografia e filme, câmeras estéreo também encontram outras aplicações práticas como, por exemplo, em veículos, permitindo detectar a largura de faixas de sinalização e a proximidade de um objeto na estrada.[75]

Câmera panorâmica russa Horizont. Sua lente gira em sentido horizontal, captando imagens amplas.

Câmera panorâmica[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal:  Fotografia panorâmica

Câmeras panorâmicas buscam capturar a vista inteira de uma área circunvizinha, daí tirarem seu nome da palavra panorama. Embora câmeras convencionais possam utilizar objetivas do tipo grande-angular, que permitem capturar imagens com um ângulo de vista amplo, câmeras panorâmicas tendem a superar as possibilidades dessas objetivas por realizar imagens particularmente largas e que mantém relativamente precisas as proporções da imagem. Embora não haja uma definição formal da distinção entre uma imagem grande-angular e uma imagem panorâmica, essas últimas são geralmente referidas como aquelas que capturam um campo de vista comparável ou superior ao do olho humano, que é de 160° por 75°, e que mantém relativamente intactas as proporções e detalhes da cena capturada.[78]

Câmeras fotográficas panorâmicas geralmente apresentam mecanismos que vão além de uma objetiva grande-angular. Isso inclui por exemplo gráficos em uma tela ou dispositivos mecânicos que permitem realizar uma sequência de fotografias complementares e que posteriormente devem ser integradas, e um sistema de rotação controlada da objetiva, que permite capturar uma única imagem relativamente larga.[79] Atualmente é possível fazer fotografias panorâmicas com o uso de câmeras fotográfica relativamente simples e scanners, e câmeras panorâmicas modernas constituem um equipamento voltado principalmente a aplicações profissionais.[80]

Câmera espiã com aspecto de monóculo, utilizada na Primeira Guerra Mundial.

Câmera miniatura e subminiatura[editar | editar código-fonte]

Câmeras miniatura e subminiatura são equipamentos miniaturizados e que em geral utilizam um filme ou possuem um sensor muito pequenos, distinguindo-se de câmeras para microfotografia, que registram imagens em microfilme, e para fotomicrografia, que realizam imagens de objetos extremamente pequenos.[81]

Quando de seu lançamento, câmeras que utilizam filme de 35 mm eram consideradas câmeras miniatura, pois à época os filmes utilizados em fotografia e cinema eram consideravelmente mais largos. Essa definição continuou a ser utilizada principalmente durante a primeira metade do século XX, e câmeras para outros formatos de filme - notadamente filme 127 - também eram referidas por esse termo. Para distinguir essas câmeras de outras, que utilizam filmes menores do que 35 mm - por exemplo 16 mm ou 9.5 mm - passou-se a designar essas últimas de subminiatura.[82]

Câmera espiã[editar | editar código-fonte]

Por vezes câmeras subminiatura são classificadas como câmeras espiãs, pois seu tamanho e peso diminutos tendem a permitir oculta-las e dissimular seu uso. Contudo, existe um número relativamente restrito de câmeras especializadas que buscam camuflar seu uso não unicamente por seu tamanho reduzido, mas também por seu aspecto inconspícuo, normalmente o de um outro objeto que passe despercebido.[83][84] Essas câmeras, produzidas primariamente para uso militar, encontraram uma duradoura popularidade junto a amadores, dando origem a câmeras fabricadas especificamente com o objetivo de abastecer esse mercado.[85]

Polaroid Land Camera 1000. Câmeras instantâneas imprimem imediatamente as imagens fotografadas.

Câmera instantânea[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Câmera instantânea

A câmera instantânea é um tipo de câmera que usa uma película capaz de gerar uma reação química com o objetivo de revelar a imagem fotografada logo após a sua captura.[56] Embora o processo de fotografia instantânea tenha sido inventado em 1923 por Samuel Shlafrock, a invenção de câmeras instantâneas práticas e voltadas ao grande público é geralmente creditada ao cientista americano Edwin Land, que produziu em 1948 a primeira câmera instantânea comercial, a Land Camera modelo 95. Sua empresa, Polaroid, nas décadas seguintes se tornaria o principal nome do mercado de fotografia instantânea.[86]

A funcionalidade dessas câmeras depende majoritariamente da própria película. Cada um dos quadros dela contém os produtos químicos necessários para revela-lo, acondicionados em uma pequena bolsa localizada na borda inferior da fotografia (borda essa que dá a essas fotografias a sua forma icônica). Quando a foto é expelida, essa bolsa é rompida por dois rolos localizados na câmera, que também espalham uniformemente os químicos por toda a fotografia, revelando a imagem.[87]

Câmera de visor eletrônico ou mirrorless[editar | editar código-fonte]

Uma câmera mirrorless (literalmente, sem espelho) é um aparelho digital que utiliza um sensor eletrônico para fornecer imagens a um visor eletrônico (EVF), e não um espelho móvel para direcionar a luz para um visor ótico, como no caso das câmeras SLR.[51] Em comparação com essas últimas, câmeras mirrorless costumam ser menores, mais simples e leves, e, além disso, consideravelmente mais silenciosas.[88] Embora desde os anos 2000 a maioria das câmeras eletrônicas produzidas não possuam espelhos, incluindo a totalidade das câmeras de telefones celulares e veículos e grande parte das câmeras compactas, geralmente essas câmeras não são classificadas como mirrorless, termo reservado a câmeras que utilizam lentes intercambiáveis.[89]

Apesar de oferecerem diversas vantagens, câmeras mirrorless em geral têm dificuldade em competir com outras câmeras voltadas ao mercado profissional, devido principalmente à dificuldade e ao custo de contarem com EVF que apresentem resolução, clareza e velocidade de resposta comparáveis às dos visores óticos.[88] Notadamente, câmeras para uso profissional necessitam contar com um sistema de foco que seja particularmente rápido, e em câmeras mirrorless a velocidade de foco automático tende a ser mais reduzida.[89]

Câmera lambre-lambe ou view[editar | editar código-fonte]

Esquema de uma câmera view. Da esquerda para a direita: Suporte de filme/Video de focagem, Padrão traseiro, Plano do filme, Plano da lente, Padrão dianteiro, Eixo da objetiva, Base.

Uma câmera lambe-lambe ou view é uma câmera de grande formato em que a lente forma uma imagem invertida em uma tela de vidro fosco diretamente no plano do filme, e que é exatamente a mesma que será capturada.[51] Após focar e compor a cena no vidro fosco, o fotógrafo o substitui por um filme, placa, ou sensor de imagem, que captará a imagem durante a exposição.[90] No imaginário popular este tipo de câmera é associado com fotógrafos à la minuta ou lambe-lambe,[91] sendo que a etimologia deste último termo pode estar associada ao processo de revelação das placas utilizadas por essas câmeras e, mais especificamente, ao fato de alguns fotógrafos tocarem a placa com suas línguas para verificar a ação dos químicos usados nesse processo.[92]

Este tipo de câmera foi desenvolvida ainda na era do daguerreótipo[93] e continua em uso, embora com muitos refinamentos. Elas contam geralmente com um fole flexível, que proporciona vedação à luz e o ajuste dos dois padrões, um que detém uma lente e outro que detém o suporte no qual são presos vidro de focagem e o filme.[93] Dito de outro modo, o fole é uma estrutura plissada e flexível que acomoda o espaço entre a lente e o filme, e que flexiona para acomodar o movimento dos padrões frontal e traseiro. O padrão frontal é uma placa na qual são acopladas uma lente e, geralmente, um obturador. Na outra extremidade do fole, o padrão traseiro é um quadro que contém uma placa de vidro fosco, utilizada para a focagem e compor a imagem, e que no momento da captura é substituída manualmente por um substrato.[94]

Dependendo do tipo de câmera view, os padrões dianteiros e traseiros podem mover-se de várias formas em relação um ao outro, e isso proporciona um controle sobre o foco, a profundidade de campo e a perspectiva inexistente em outros tipos de equipamentos.[95] Essas funcionalidades variam em cada das quatro subcategorias principais de câmeras view: câmeras de campo, câmeras jornalísticas, câmeras monotrilho e câmeras técnicas.

Câmera de campo ou field[editar | editar código-fonte]

Câmera de campo Penta 45F.

Uma câmera de campo é uma câmera view que pode ser dobrada e que, portanto, é mais portátil. Embora em geral permitam uma amplitude limitada de movimentos em comparação com o que é oferecido por câmeras monotrilho, sua portabilidade faz com que por vezes sejam preferidas por fotógrafos que atuam em campo e não em um estúdio.[96]

Equipamentos modernos deste tipo são pouco diferentes das primeiras câmeras de campo do século XIX, mas ao invés de caixas de madeira utilizam foles, que lhes permitem serem dobradas até tamanhos reduzidos, até mesmo comparável ao de um livro.[96] Alem disso, o uso de filmes (ou sensor) de grande formato, a disponibilidade de objetivas nobres e sua construção lhes tornam capazes de produzir imagens de alta qualidade, conhecidas por criarem uma sensação tridimensional e representarem fidedignamente até mesmo os menores detalhes de uma cena. Por esse motivo, tradicionalmente têm sido o instrumento de preferência de fotógrafos de paisagem, como no caso de Ansel Adams e Edward Weston.[97]

Câmera jornalística ou press[editar | editar código-fonte]

Uma câmera jornalística Speed Graphic.

Câmera jornalísticas são câmeras view de médio ou, menos comumente, de grande formato, que foram predominantemente utilizadas por fotógrafos da imprensa no início e em meados do século XX. A partir da década de 1960 este tipo de equipamento foi em grande medida substituído por câmeras do tipo rangefinder e SLR de filme 35mm, e, posteriormente, por câmeras digitais. A câmera jornalística quintessencial é o modelo Speed Graphic da Graflex, usado por exemplo por Weegee.[98]

Câmera monotrilho ou técnica[editar | editar código-fonte]

Fotógrafo operando uma câmera monotrilho ArcaSwiss.

Câmeras monotrilho são câmeras em geral de grande formato nas quais o plano dianteiro, o fole e o plano traseiro são montados em um trilho rígido, ao longo do qual deslizam até serem travados na posição desejada. Além disso, frequentemente os planos frontal e traseiro dessas câmeras podem ser deslocados verticalmente e inclinados, e isso confere a esses equipamentos extrema versatilidade e controles inigualáveis sobre o foco, a profundidade de campo e a perspectiva.[99][100] Consequentemente câmeras monotrilho podem ser usadas para aplicações de alta precisão, como por exemplo em fotografia artística ou captando imagens de objetos muito pequenos ou que requerem um aumento drástico do campo de foco. Por essas aplicações, são também chamadas câmeras técnicas.[101]

Câmeras monotrilho, como câmeras de campo, normalmente gravam suas imagens em filmes em folha, placas fotográficas ou, desde o advento das câmeras digitais, através de sensores de imagem. Tipicamente o filme em folha ou sensor utilizado é dos tamanhos 4 x 5" (dito meia folha) ou 8 x 10" (dito uma folha), mas também existem aplicações para filmes 5 x 7" e 11 x 14".[102]

O contraponto da versatilidade destas câmeras é o seu peso e tamanho, que geralmente implicam seu uso para fotografias de elementos estáticos.[100] Embora alguns modelos sejam mais compactos e projetados para uso em campo, em geral câmeras monotrilho são usadas exclusivamente em estúdios fotográficos.[99]

Acessórios usuais[editar | editar código-fonte]

Dentre a grande diversidade de acessórios fotográficos existentes no mercado, os seguintes são os mais comumente associados às câmeras:

Tripé e monopé[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Tripé (fotografia)
Fotógrafo usando um monopé.

Tripés são usado para estabilizar e elevar uma câmera, uma unidade de flash ou outro equipamento fotográfico. Tripés fotográficos possuem uma cabeça de montagem, na qual a câmera é acoplada. Existem diferentes modelos de cabeças de montagem, que apresentam desde um simples parafuso para prender a câmera, até recursos sofisticados que permitem realizar fotografias panorâmicas e controlar a inclinação de cada um dos eixos da câmera, dentre outros.[103] Alem disso, a solidez e estabilidade de cada tripé são características determinantes para sua escolha. Essas características normalmente variam em função do tipo de construção do tripé (pernas dobráveis, retrateis ou fixas), bem como em função dos materiais empregados nessa construção (tipicamente alumínio, fibra de carbono, aço, madeira ou plástico).[104]

Por definição, todo tripé tem três pernas, e acessórios para estabilizar câmeras que contam com apenas um pé são chamados monopés. Estes, têm como vantagem comparativa uma maior mobilidade e portabilidade, e são particularmente úteis, por exemplo, em fotografia de esportes.[105]

Filtro ótico[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Filtro fotográfico
Conjunto de filtros óticos.

Um filtro ótico é um acessório de plástico ou vidro que pode ser inserido no caminho óptico, normalmente à frente da objetiva. Filtros podem ter uma forma quadrada ou oblonga e serem montados num acessório de suporte, ou, mais comumente, consistirem em um disco que é rosqueado na parte da frente da objetiva.[106] O uso de filtros tem como objetivo modificar a luz e consequentemente as imagens captadas. O uso desse recurso é particularmente variado e permite realizar desde mudanças sutis nas imagens, até imagens que simplesmente não poderiam ser captadas sem o uso de filtros.[107]

Em fotografia monocromática, filtros afetam o brilho relativo de diferentes cores, e assim um batom vermelho, por exemplo, pode ser processado com diferentes filtros e resultar em uma variedade de tons que vão desde o quase branco até o quase preto. Outros filtros alteram o equilíbrio entre as cores das imagens, permitindo, por exemplo, compensar o tom amarelado da luz de lâmpadas incandescentes e obter uma imagem mais realista.[107] Além disso, existem filtros que distorcem a imagem de um modo desejado, que aumentam a nitidez (por exemplo direcionado a luz polarizada), que filtram determinados trechos do espectro de luz (por exemplo a radiação ultravioleta (UV)), ou que acrescentam efeitos à imagem captada (por exemplo dando um formato estrelado às fontes de luz).[107]

Filtros ópticos são utilizados em diversas áreas da ciência, especialmente em astronomia. Contudo, embora esses filtros sejam essencialmente os mesmos como filtros fotográficos, na prática muitas vezes eles contam propriedades ópticas e com um nível de precisão muito mais controlado.[108] Consequentemente, filtros fotográficos são vendidos em quantidades maiores a preços mais baixos do que seus correspondente de laboratório.

A fotografia digital tornou redundante o uso de grande parte dos filtros, que frequentemente são substituídos por filtros digitais durante o pós-processamento. As excepções incluem o filtro UV, tipicamente usado para proteger o elemento frontal da lente, o filtro de densidade neutra, o filtro polarizador e o filtro de infravermelhos (IR).[106]

Pára-sol[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Para-sol
Pára-sóis evitam a incidência direta da luz sobre a objetiva.

Um pára-sol, ou, mais informalmente, um capuz de lente, é um dispositivo usado na extremidade dianteira de uma objetiva para bloquear partes dos raios de sol ou de outras fontes de luz, evitando que esses raios incidam diretamente sobre a lente e causem lens flare e clarões, duas aberrações óticas.[109] Pára-sóis também podem ser utilizados para proteger a objetiva e seus elementos frontais, evitando o uso de tampas de lente, que devem ser removidas antes do uso do equipamento e portanto podem retardar a captura de imagens inesperadas.[110]

Existe uma grande diversidade de pára-sóis disponíveis no mercado, e a sua possível compatibilidade com uma câmera deve levar em consideração ao menos três fatores: a distância focal da objetiva utilizada, o tamanho do elemento de lente frontal e as dimensões do sensor de imagem ou filme na câmara.[111] Além disso, existem formatos variados de pára-sóis com finalidades distintas, como por exemplo aquele dito de pétala, tulipa ou flor, que permite bloquear a luz dispersa sem interromper a luz dos cantos da imagem, reduzindo assim a quantidade de vinheta da imagem final.[112]

Flash[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Flash (fotografia)
Unidade de flash com empunhadura.

Um flash é um dispositivo usado para produzir luz artificial, com o objetivo de iluminar uma cena. Isso pode ser desejável por uma série de motivos que incluem melhorar a clareza de uma cena, reduzir o tempo de exposição de uma cena e consequentemente poder operar a câmera sem o uso de um tripé e/ou poder captar em detalhe objetos em movimento e obter exposições mais equilibradas mesmo em condições de luz do dia. Além disso, um flash pode ser usado como uma ferramenta criativa altamente eficaz.[113]

O tempo de duração da luz produzida pelo flash deve coincidir com a abertura do obturador. Contudo, essas duas velocidades não necessariamente devem ser equivalentes, e de fato o tempo de duração e a intensidade da luz do flash podem ser controlados em equipamentos mais avançados. Atualmente a maioria dos dispositivos de flash são eletrônicos, mas historicamente a mesma função era atingida, embora com menor precisão, com o emprego de pós inflamáveis (notadamente a base de magnésio) e lâmpadas descartáveis.[114]

A primeira câmera a apresentar um flash integrado foi a americana Spartus Press Flash, de 1939,[115] e desde os anos 1960 esse tipo de construção se popularizou. Contudo, alguns equipamentos, principalmente para uso profissional, permitem acoplar unidades de flash separadas, e estúdios de fotografia também utilizam unidades de flash independentes, que devido ao seu tamanho e potência podem ser alimentadas por baterias ou conectados à rede elétrica. Nesses casos, as unidades de flash são sincronizadas com a câmera através de dispositivos com ou sem fios, ou ainda através dos chamados escravos, que são dispositivos que captam a luz do flash integrado à câmera e disparam as demais unidades de flash presentes no ambiente.[116]

Disparadores remotos[editar | editar código-fonte]

Um cabo de disparo remoto.

Disparadores remotos são dispositivos que permitem ao fotógrafo disparar a câmera sem contato direto com ela, e uma grande vantagem apresentada por esse acessório é permitir ao fotógrafo realizar fotografias de longa exposição sem perturbar a captura.[117]

Existem duas categorias principais de disparadores remotos: sem fio ou a cabo. Disparadores a cabo são dispositivos mecânicos que são aparafusados à câmera, e equipamentos mais recentes tendem a não aceita-los. Disparadores sem fio comunicam-se diretamente com a câmera, caso ela tenha essa capacidade, ou com um receptor acoplado a ela. Neste caso, a câmera deve possuir uma entrada compatível com essa tecnologia.[117]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lennis Berlin, Graydon; Avery, Thomas Eugene (1992). Fundamentals of remote sensing and airphoto interpretation (em inglês). New York: Macmillan. ISBN 0023050357 
  2. a b c d e f g «From Pinholes to Polaroids: The History of the Camera». ThoughtCo (em inglês). Consultado em 20 junho 2017 
  3. «Did you know? A camera obscura is still relevant today» (em inglês). Tamron. 7 de julho de 2017. Consultado em 11 de julho de 2017 
  4. a b «How to make a pinhole camera. Learn how your eyes work.» (em inglês). Digital Bits Science Labs. 2008. Consultado em 11 de julho de 2017 
  5. Forbes, Ted (9 de junho de 2012). «The Camera Obscura». The Art of Photography (em inglês). Consultado em 20 junho 2017 
  6. «Camera Obscura» (em inglês). National Geographic Magazine. Consultado em 28 de junho de 2017 
  7. a b De Jounge, Dick (2016). Bits Of History - from the Big Bang to Now... (em inglês). United States: Books on Demand. pp. 76–77 
  8. «History of Camera Obscura». Kirriemuir Camera Obscura (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2017 
  9. Shenkenberg, David L. «Before Newton, there was Alhazen» (em inglês). Photonics. Consultado em 28 de junho de 2017 
  10. Plott, John C. (1977). Global History of Philosophy: The period of scholasticism (em inglês). Delhi: Motilal Banarsidass Publishe. p. 460. ISBN 9780895816788 
  11. Kodera, Sergius (2015). «Giambattista della Porta». Metaphysics Research Lab Stanford University. The Stanford Encyclopedia of Philosophy (em inglês). Consultado em 22 junho 2017 
  12. «Short story about the Camera Obscura» (PDF) (em inglês). Torre Tavira. 2015. Consultado em 21 junho 2017 
  13. a b Quinnell, Justin (2012). «Creating and Using a Camera Obscura» (PDF). Primary Science (em inglês). Consultado em 20 junho 2017 
  14. David, Hockney (2006). Secret knowledge : rediscovering the lost techniques of the old masters (em inglês). New York: Viking Studio. ISBN 0142005126. OCLC 71891028 
  15. a b Gustavson, Todd (2012). Camera: a history of photography from daguerreotype to digital (em inglês). New York: Sterling Signature. p. 4. ISBN 1454900024 
  16. a b c Boyd, Jane E. (2 de junho de 2016). «Silver and Sunlight». Chemical Heritage Foundation (em inglês). Consultado em 20 junho 2017 
  17. «Charles-Louis Chevalier». Historic Camera - History Librarium (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2017 
  18. Hughes, Stefan (2013). Catchers of the Light: The Forgotten Lives of the Men and Women Who First Photographed the Heavens (em inglês). [S.l.]: Publicação independente. p. 12 e ss. Consultado em 20 junho 2017 
  19. Daniel, Malcolm. «William Henry Fox Talbot (1800–1877) and the Invention of Photography». The Met’s Heilbrunn Timeline of Art History (em inglês). The Metropolitan Museum of Art. Consultado em 28 de junho de 2017 
  20. Welch, Linz (2014). «The Daguerreotype & The Calotype: Photography's Parallel Histories» (em inglês). United Photographic Artists Gallery. Consultado em 20 junho 2017 
  21. «Daguerreotypes - Giroux Daguerreotype Camera» (em inglês). University Library, Newcastle University. 2013. Consultado em 28 de junho de 2017 
  22. a b «Original Giroux Daguerréotype Camera» (em inglês). Novacon. Consultado em 28 de junho de 2017 
  23. Spira, S. F.; Lothrop, Eaton S.; Spira, Jonathan B. (2001). The history of photography as seen through the Spira collection. New York: Aperture. ISBN 0893819530 
  24. «Dubroni No. 1» (em inglês). Early Photography. Consultado em 28 de junho de 2017 
  25. «Shutters» (em inglês). Early Photography. Consultado em 28 de junho de 2017 
  26. «Milestones» (em inglês). Kodak.com. Consultado em 27 de junho de 2017 
  27. «Original Kodak Camera, Serial No. 540» (em inglês). National Museum of American History. Consultado em 27 de junho de 2017 
  28. Burns, Paul (1997). «The History of The Discovery of Cinematography» (em inglês). Pre-Cinema History. Consultado em 29 de junho de 2017 
  29. «The Horse in Motion». 100 Photographs: The Most Influential Images of All Time (em inglês). Time Magazine. Consultado em 28 de junho de 2017 
  30. «The Horse in motion. "Sallie Gardner," owned by Leland Stanford; running at a 1:40 gait over the Palo Alto track, 19th June 1878» (em inglês). Library of Congress USA - Prints and Photographs Division. Consultado em 28 junho 2017 
  31. Meier, Allison (11 de maio de 2015). «The Scientist Who Shot His Photos with a Gun and Inspired Futurism». Hyperallergic (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  32. Howells, R. (1 de julho de 2006). «Louis Le Prince: the body of evidence». Screen (em inglês). 47 (2): 179–200. doi:10.1093/screen/hjl015. Consultado em 20 junho 2017 
  33. a b Woodford, Chris (2017). «Digital cameras». Explain that Stuff (em inglês). Consultado em 22 junho 2017 
  34. Gustavson, Todd; George Eastman, House (2011). 500 cameras: 170 years of photographic innovation (em inglês). London: Sterling Signature. pp. 442–443. ISBN 1402780869. Consultado em 20 junho 2017 
  35. «Nikon SLR-type digital cameras» (em inglês). Apphotnum. Consultado em 28 de junho de 2017 
  36. Zhang, Michael (15 de dezembro de 2014). «This Chart Shows How the Camera Market Has Changed Over the Past Decades». PetaPixel (em inglês). Consultado em 11 de julho de 2017 
  37. a b c d e «How Does Single-Lens Reflex (SLR) Camera Work - Phogulum: Blog Through the Camera Eye». Phogulum: Blog Through the Camera Eye (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  38. Harris, Tom (21 de março de 2001). «How Cameras Work». How Stuff Works (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  39. a b Akhmad, Guntar (2007). «How your camera works, in overly simplified terms» (em inglês). Stop Shooting Auto!. Consultado em 12 de julho de 2017 
  40. «Aperture Blades: How many is best?». Improve Photography (em inglês). 2013. Consultado em 12 de julho de 2017 
  41. «f/# (Lens Iris/Aperture Setting)». Edmund Optics (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  42. a b Akhmad, Gutar (26 de julho de 2007). «Shutter speed, how it works» (em inglês). Stop Shooting Auto!. Consultado em 12 de julho de 2017 
  43. a b c d Guntar, Akhmad (13 de julho de 2007). «Three things that go into exposure» (em inglês). Stop Shooting Auto!. Consultado em 12 de julho de 2017 
  44. Schurman, Kyle (2017). «How Do the Camera Buttons and Shutter Button Work?». Lifewire (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  45. a b Akhmad, Guntar (10 de setembro de 2007). «How your camera works– exposure modes» (em inglês). Stop Shooting Auto!. Consultado em 12 de julho de 2017 
  46. «Frame counter». Mimi Photography (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  47. a b c d «SLR Cameras» (em inglês). Media College. Consultado em 12 de julho de 2017 
  48. a b c Fankhauser, Dani (2012). «This Is How Your DSLR Camera Actually Works». Mashable (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  49. «Glossary: Definition - Cold Shoe». Photokonnexion (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  50. «Camera Lens Parts: Focusing Ring». Steve's Digicams (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  51. a b c d e f g h i j k l m n Warren, Bruce (2012). Photography : the concise guide (em inglês) 2 ed. Boston: Wadsworth/Cengage Learning. p. 41-43. ISBN 9780495897804 
  52. Rogalski, A. (2012). «History of infrared detectors» (PDF). Opto−Electronics Review (em inglês). 20(3): 279–308. Consultado em 27 junho 2017 
  53. Mansurov, Nasim (2017). «What is a DSLR (Digital SLR) Camera?». Photography Life (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  54. Rogge, Michael (1996). «One hundred Years of Film Sizes». Review of the Fotografica Society (Netherlands) (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  55. «Compare Canon Cameras» (em inglês). Canon UK. Consultado em 27 de junho de 2017 
  56. a b c d «Camera Principles and Types» (em inglês). Panasonic. Consultado em 11 de julho de 2017 
  57. «Mamiya 645DF» (em inglês). B & H Photovideo. Consultado em 27 de junho de 2017 
  58. «Hasselblad H5D-50c Multi-Shot Medium Format» (em inglês). B & H Photovideo. Consultado em 27 de junho de 2017 
  59. Rosemond, Hans (5 de setembro de 2016). «35mm, Medium Format, Large Format: Which Should You Choose?». Fstoppers (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  60. «Box Cameras». Collectors Weekly (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  61. Schneider, Daniel J. (2014). «Kodak Duaflex II vintage pseudo-TLR camera review and photos» (em inglês). Daniel J. Schneider. Consultado em 12 de julho de 2017 
  62. «Viewfinders and Parallax Error in Point and Shoot Digital Cameras | PAH» (em inglês). PAH Nation. Consultado em 12 de julho de 2017 
  63. Slocombe, Mike (2007). «Ikodot Sports Finder For Cameras» (em inglês). Urban75. Consultado em 12 de julho de 2017 
  64. Johnston, Mike (13 de janeiro de 2009). «Understanding Viewfinders - Luminous Landscape». Luminous Landscape (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  65. «Accessory Rangefinders». Photography & Vintage Film Cameras (em inglês). 2016. Consultado em 12 de julho de 2017 
  66. Yue, Andrew (2017). «Rangefinder Cameras» (em inglês). U.T. Austin Physics Department. Consultado em 12 de julho de 2017 
  67. Hunt, Bellamy (21 de fevereiro de 2012). «Medium format cameras - a buyers guide: Part 1». Japan Camera Hunter (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  68. Rockwell, Ken (2005). «Introduction to Medium Format Photography» (em inglês). KenRockwell.com. Consultado em 12 de julho de 2017 
  69. «Twin Lens Reflex Cameras». Collectors Weekly (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  70. a b Rockwell, Ken (2009). «Rangefinder vs. SLR cameras» (em inglês). KenRockwell.com. Consultado em 12 de julho de 2017 
  71. a b Oest, Adam (2012). «Who Brought Us the SLR?». B&H Explora. Consultado em 12 julho 2017 
  72. «Mirror-Slap Versus Shutter Shock». A Thousand Words a Picture (em inglês). 2013. Consultado em 11 de julho de 2017 
  73. «Camera Anatomy - Bellows Cameras or more correctly, folding cameras». The Living Image Vintage Camera Museum (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  74. a b Berndtotto (2012). «Folding Cameras: Medium Format in the Pocket». Lomography (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  75. a b c Banks, M. S.; Read, J. C. A.; Allison, R. S.; Watt, S. J. (2012). «Stereoscopy and the Human Visual System». SMPTE Motion Imaging Journal (em inglês). 121 (4): 24–43. doi:10.5594/j18173. Consultado em 12 julho 2017 
  76. Bowers, Eddie. «An Introduction to Stereo Cameras». View-Master Resource (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2017 
  77. «6 Stereoscopic Cameras for Analogue 3D Photography». Lomography Magazine (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  78. Miskelly, John (2015). «Panorama Photography Meets the Fuji X Series» (em inglês). FUJILOVE. Consultado em 12 de julho de 2017 
  79. Frich, Arnaud (2007). Panoramic Photography: From Composition and Exposure to Final Exhibition. (em inglês). Amsterdam, London: Focal Press. p. 61. ISBN 9781281026194 
  80. Frich, Arnaud (2007). Panoramic Photography: From Composition and Exposure to Final Exhibition. (em inglês). Amsterdam, London: Focal Press. p. 116. ISBN 9781281026194 
  81. Chambers, Mark L. (2004). Digital photos, movies, & music gigabook for dummies (em inglês). Indianapolis: Wiley Pub. p. 108. ISBN 0764574140 
  82. Berger, Bob (Novembro 1965). «Sub-Minis: Those Mighty Midget Cameras». Popular Mechanics (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  83. Siljander, Raymond P.; Juusola, Lance W . (2012). Clandestine Photography : Basic to Advanced Daytime and Nighttime Manual Surveillance Photography Techniques. (em inglês). Springfield: Charles C Thomas. p. 20-22. ISBN 9780398086916 
  84. Buckley, Sean (2015). «13 of History's Most Ingenious Spy Cameras». Gizmodo (em inglês). Consultado em 12 julho 2017 
  85. Pritchard, Michael; St Denny, Douglas (1993). Spy camera (em inglês). London: Classic Collection. ISBN 1874485003 
  86. «Edwin Land and Instant Photography». American Chemical Society (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2017 
  87. Robinson, Mark (2011). «How Instant Film Works, and Other Mysteries» (em inglês). WIRED. Consultado em 1 de julho de 2017 
  88. a b Hall, Phil (2016). «Mirrorless vs DSLR cameras: 10 key differences». TechRadar (em inglês). Consultado em 25 junho 2017 
  89. a b Gonin, Olivier (19 de março de 2012). «Appareils photo Mirrorless : simple mode ou véritable révolution ?». Tom's Guide (em francês). Consultado em 1 julho 2017 
  90. Rosenblum, Naomi (1997). A world history of photography (em inglês). New York: Abbeville Press. p. 654. ISBN 0789200287 
  91. Corrêa, André (2013). «Uma Lambe-Lambe novinha em folha...». Queimando Filme. Consultado em 1 de julho de 2017 
  92. «Origem do fotógrafo Lambe-Lambe». Lambe-Lambe Digital. Consultado em 15 junho 2017 
  93. a b Stroebel, Leslie (1986). View camera technique. Boston: Focal Press. p. 2. ISBN 0240517113 
  94. Baker, Robert (1980). The camera (em inglês). Boston: New York Graphic Society. ISBN 0821210920 
  95. «Large Format Techniques» (em inglês). Toyo-View. Consultado em 1 de julho de 2017 
  96. a b Rockwell, Ken. «Tachihara 4x5 field camera» (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2017 
  97. Krieger, Carsten (2012). «The DSLR Field Camera». Digital Photography Review (em inglês). Consultado em 2 julho 2017 
  98. Weegee (2003). Naked city (em inglês). Cambridge: Da Capo Press. p. 260. ISBN 0306812045 
  99. a b Thornton, Nick. «Using a Monorail in the Field - Horseman LE» (em inglês). Large Format Photography. Consultado em 2 de julho de 2017 
  100. a b «Introduction To Large Format, Part I» (em inglês). B & H Photovideo. Consultado em 2 de julho de 2017 
  101. Dubovoy, Mark (7 de abril de 2017). «The Joy Of Technical Cameras». Photo Aesthetics (em inglês). Consultado em 1 julho 2017 
  102. «Sheet film holders» (em inglês). Argentum Camera Manufactura. Consultado em 2 de julho de 2017 
  103. «DSLR Camera rig mounting options». DSLR Film Noob (em inglês). 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 12 de julho de 2017 
  104. Mansurov, Nasim (2017). «How to Choose and Buy a Tripod for a DSLR Camera». Photography Life (em inglês). Consultado em 2 julho 2017 
  105. Panic, Mike (21 de março de 2010). «Should I Use a Monopod or Tripod?». Light Stalking (em inglês). Consultado em 2 julho 2017 
  106. a b Meyer, Jeff (2017). «5 essential photography filters (and why you can't live without them!)». TechRadar (em inglês). Consultado em 2 julho 2017 
  107. a b c Mansurov, Nasim (2017). «Lens Filters Explained». Photography Life (em inglês). Consultado em 2 julho 2017 
  108. Cosentino, Antonino (29 de janeiro de 2016). «Technical Photography Filters Set». Cultural Heritage Science Open Source (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2017 
  109. Carey, Peter West (6 de agosto de 2011). «Why You Should Use Your Lens' Hood». Digital Photography School (em inglês). Consultado em 2 julho 2017 
  110. «Canon Lens Hoods - Do I Really Need To Use One?» (em inglês). The-Digital-Picture.com. Consultado em 2 de julho de 2017 
  111. «Your Guide to Buying Camera Lens Hoods for Zoom Lenses». eBay (em inglês). 2016. Consultado em 1 julho 2017 
  112. Walree, Paul van (2002). «Vignetting» (em inglês). Toothwalker.org. Consultado em 11 de julho de 2017 
  113. Petersen, Bjorn (2015). «A Guide to On-Camera Flash». B&H Explora (em inglês). Consultado em 20 junho 2017 
  114. Bodin, Daniel (2015). «Histoire du Flash et de la Synchro-X». Creaphot (em francês). Consultado em 1 de julho de 2017 
  115. «Spartus Press Flash» (em inglês). Vintage Camera Lab. Consultado em 3 de julho de 2017 
  116. «Bien utiliser le flash de son appareil photo numérique» (em francês). Pixelvalley. Consultado em 1 de julho de 2017 
  117. a b Richards, Matthew (2012). «Best camera remote shutter releases». TechRadar (em inglês). Consultado em 20 junho 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]