Johann Heinrich Schulze

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Johann Heinrich Schulze
Nascimento 12 de maio de 1687
Colbitz
Morte 10 de outubro de 1744 (57 anos)
Halle (Saale)
Cidadania Alemanha, Sacro Império Romano-Germânico
Alma mater
Ocupação químico, físico, professor(a) universitário(a), numismata, teólogo, médico
Empregador Universidade de Halle-Vitemberga

Johann Heinrich Schulze ou Schultz, (Colbitz, 12 de maio de 1687Halle an der Saale, 10 de outubro de 1744) foi um professor e polímata alemão.[1]

Schulze estudou medicina, química, filosofia e teologia, tornando-se professor de anatomia, dentre outros assuntos, na Universidade de Halle e na Universidade de Altdorf.

Sua contribuição mais notória para as ciências foi a descoberta que certos sais de prata, notavelmente cloreto e nitrato de prata, escurecem na presença de luz. Em um experimento conduzido em 1724 ele determinou que uma mistura de prata e carvão refletiam menos luz do que a prata não-oxidada. Embora não tenha fornecido meios de preservar a imagem, uma vez que o sal de prata continuava a escurecer na presença de luz, sua descoberta permitiu estabelecer os fundamentos de trabalhos posteriores na fixação de imagens.[2] A primeira fotografia permanente baseada neste princípio foi feita em 1826 por Joseph Nicéphore Niépce em Paris. Outros pesquisadores neste campo incluem Thomas Wedgwood e Humphry Davy.[3]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.